Os 4 Pecados Seguir historia

aikimsoo Ai KimSoo

Você já se perguntou com qual dos 7 Pecados Capitais mais se identifica? Pois eu sim. Os 7 Pecados Capitais são muito conhecidos, mas quase nunca são muito mencionados, já que faz parte da natureza humana carregar esses 7 defeitos. Mas uma peça de teatro, que eu estava ensaiando para atuar em breve, me fez abrir os olhos para esses pecados e foi assim que descobri os meus. Eu procuro os pecados de todos e isso virou um hobby, todavia, no meio de todos os meus "pré- julgamentos", eu encontrei 2 pecados que casam com os meus. E você? Já se perguntou qual pecado casa com o seu?


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#sevensins #setepecados #gay #yaoi #jongin #kyungsoo #kai #kaisoo #aikimsoo
Cuento corto
2
1.5mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Você já se peguntou qual pecado casa com o seu?

Você já se perguntou com qual dos 7 Pecados Capitais se identifica?

Acredito que todos saibam o que são esses pecados, mas mesmo assim irei listá-los para situá-los melhor no que irei contar. Aqui vai a lista:

1 - Gula

2 – Avareza ou Ganância

3 - Luxúria

4 - Ira

5 - Inveja

6 - Preguiça

7 – Orgulho, Vaidade ou Soberba

Alguns desses pecados vocês já devem ter ouvido com outros nomes – como eu coloquei em alguns, tipo, a Avareza sendo tratada como Ganância ou o Orgulho como Vaidade. No fundo, no fundo, os pecados só mudam de nome, mas significam o mesmo.

Eu sempre conheci esses pecados, porém, nunca parei para me aprofundar neles, pelo menos, não até um mês atrás. Eu sou Do Kyungsoo, tenho 24 anos e sou um ator de teatro. Por que isso seria relevante? Porque foi no teatro que tudo começou.

Iríamos apresentar uma peça sobre os pecados e cada ator seria responsável por ser 2 dos 7. Aquele que ficasse somente com um pecado, seria o protagonista. Confuso? Muito, mas foi excitante.Não sabíamos muito da peça, não conhecíamos o enredo e muito menos como representaríamos dois pecados ou um, a única coisa que nos foi dito era:

Os 7 Pecados Capitais seriam sorteados.

Basicamente os 7 Pecados Capitais foram escritos em papéis e jogados em uma sacola pequena, mexidos e enfim, estendido para nós, os 4 atores em cima do palco. Fui o terceiro a pegar o papel e o meu primeiro pecado foi o Orgulho, Vaidade ou Soberba, chame-o como quiser.

Essa foi a primeira etapa da escolha dos pecados, a segunda iria consistir em jogarem os 3 papéis restantes no ar e quem não conseguisse pegar, ficaria com somente um pecado destinado a si e com o papel de protagonista.

Eu quase não consegui pegar meu segundo pecado - porque todos queríamos representar 2 e não um - e quando abri o papel, vi que meu pecado era o de Avareza, Ganância ou Riqueza, chame-o - mais uma vez - da forma que quiser.

Meu amigo Lay ficou com o personagem principal, por ter ficado com somente um papel, e seu pecado era a Luxúria, mesmo que ele se sentisse temeroso por ganhar o papel de protagonista. Todo o elenco pensou que o diretor iria nos dizer para que tudo aquilo servia, nos dar um roteiro e enfim nos informar os dias do ensaio, porém, ledo, ledo, ledo engano nosso.

Fomos mandados para casa com a promessa de que teríamos todas as respostas necessárias no dia seguinte. Eu até pensei em desconfiar, mas o diretor sempre cumpria com suas promessas, então resolvi apenas confiar.

Contudo, eu não me dei satisfeito com algo tão superficial e fui pesquisar sobre esses pecados. Talvez todos já saibam disso e por isso preciso que levem em consideração o fato de que não sou muito religioso, mas a verdade é que me surpreendi ao descobrir que os 7 Pecados Capitais não eram ditos - com todas as letras - na Bíblia. Existia uma passagem no livro sagrado que dizia que Deus não gostava de uns pecados, mas odiava outros. Não sei se isso procede, já disse que não sou muito religioso, então apenas relevem.

A questão é que: Eu fiquei ainda mais eufórico para descobrir o que iria nos ser proposto na peça de teatro e por isso fui dormir cedo. Mas, ao contrário do que poderíamos esperar, não consegui dormir bem e muito menos acordar na hora devida.

Não sei muito bem o que dá na cabeça de alguém para se mudar à noite, mas meu novo vizinho decidiu que era uma boa ideia e dessa forma, acabei boa parte da minha noite ouvindo a mudança do vizinho da casa colada a minha.

Todavia, já mencionei que passei a pensar sobre os pecados há um mês, então o que contei, nada tem a ver com o momento real, atual, o presente. Eu já sei o enredo da peça do teatro, Lay já está mais confiante com seu papel e todos os preparativos estão sendo feitos para estrearmos no mês seguinte.Agora, voltando para a pergunta inicial:

Você já se perguntou com qual dos 7 Pecados Capitais se identifica?

Eu andei percebendo, ao longo dos ensaios e das minhas pesquisas, que - curiosamente - os pecados que mais regem minha essência, meu caráter, minha personalidade, o meu verdadeiro eu, nada mais são que: Orgulho e Avareza.

Ora, ora, mas não são os mesmos pecados que peguei no sorteio? Isso se tornou muito curioso para mim e até mesmo cogitei que pudesse estar trazendo meu personagem para minha vida, mas eu percebi que as coisas não eram bem assim.

Foi a partir dessa peça de teatro, que eu comecei a olhar as pessoas e me perguntar quais dos 7 Pecados Capitais mais regem suas essências. E é exatamente isso que estou fazendo ao olhar o meu vizinho sair de casa, coçando os olhos como quem acabara de acordar - mesmo já sendo 13h - e caminhando até a padaria da esquina da rua que morávamos.

Nos conhecemos em uma noite, enquanto eu chegava dos ensaios e ele sabe-se lá de onde, e eu joguei o pecado da Vaidade (ou Orgulho, Soberba) como o principal pecado da vida daquele homem. Ele estava muito bem arrumado, parecia extremamente cuidadoso com sua aparência e poderia facilmente ser considerado um modelo, se eu não tivesse descoberto que ele trabalhava em um fast-food de frango frito.

Claro que aquele cara não poderia ser um modelo, afinal, o bairro que morávamos era um bairro pobre e se ele fosse um superstar, não estaria vivendo na casinha humilde que divide parede com a minha. Só que, antes de descobrir seu emprego, passei a empregar a Avareza como seu outro pecado capital.

Veja bem, minhas avaliações consistem em encontrar de um a dois pecados cruciais no próximo, embora eu tivesse completa compreensão de que todo ser vivo carregava em sua bagagem de vida os 7 pecados juntos.

Julguei a Avareza como um bom pecado para o meu vizinho, porque eu ainda acreditava que ele pudesse ter muito dinheiro e só morava naquele bairro humilde por não querer gastar. Acho que levei apenas uma semana o pré-julgando com isso até que saí do ensaio com meus amigos e encontrei o vizinho trabalhando como caixa do fast-food de frango frito.

Eu não fui o escolhido para fazer os pedidos, então eu não consegui conversar com o rapaz e muito menos saber seu nome. Fazia umas 3 semanas que eu ainda não tinha conseguido eleger novos pecados para ele, porque eu simplesmente não o via.

Mas cá estava eu, em plena tarde de um domingo preguiçoso, indo levar Pimenta para passear na rua, quando me deparei com a imagem sonolenta de meu vizinho. E quanto a quem eu levava para passear, era a minha Pimenta, nada mais que minha cadelinha de pêlos pretos e energia insaciável.Não sei se lembram, mas comentei sobre o meu vizinho estar indo para a padaria. Como eu haveria de saber disso? "Está stalkeando ele, Kyungsoo?" vocês devem se perguntar, mas antes de me julgarem, lembrem-se que eu tinha levado minha cadelinha para passear e o caminho que fizemos foi o mesmo.

E foi então, enquanto eu passeava e via meu vizinho na padaria, que descartei a ideia do pecado da Avareza e o substitui pelo da Gula. Afinal, quem era o louco de gastar tanto dinheiro em comida como ele estava gastando? Eu podia estar morrendo de fome, de vontade ou o que fosse, mas tentava sempre arrumar alguém para comprar o que eu queria para mim, sem abrir minha carteira e gastar meu dinheiro suado. Entendem agora como a Avareza e o Orgulho são bem cruciais em quem eu sou?

Então, fazendo uma leve atualização da ficha de pecados do meu vizinho, ela fica assim: Vaidade e Gula. Justapostos parece uma antítese, mas eu ainda iria descobrir quais eram os verdadeiros pecados daquele homem, porque eu sou uma pessoa curiosa e orgulhosa. Definir meu vizinho em 2 pecados tinha virado questão de honra.-x-

-PORRA! EU NÃO AGUENTO MAIS ERRAR ESSA NOTA! - Baekhyun, o Guloso e Irado da peça, praguejou enquanto erguia as mãos para o alto e se lamuriava.

-Não precisa ficar desse jeito, Baekkie, sabe que todos invejamos seu tom de voz, você só está estressado. - Chanyeol, nosso Preguiça e Inveja, tentou consolar nosso amigo.

Olhando para os dois, naquela situação, era de se esperar que ambos estivessem com os pecados certos também, porém, as coisas não eram bem assim. Chanyeol era portador do pecado de Soberba e Ira. Falando assim, até parece que é uma pessoa ruim, mas quem sou eu - o avarento e orgulhoso - para julgar alguém?

Chamo Park Chanyeol de Soberbo, porque ele tem muito amor próprio e isso se deve ao seu visual. Ele é muito alto, multitalentos e só peca na dança, fora isso, perfeitinho que só. Mas Chanyeol também é esquentadinho, não pode ouvir uma crítica, que fica irritadinho e já quer discutir. Mas quem nunca né? Como eu disse, todos somos portadores dos 7 pecados e não devemos julgar ninguém – a não ser que queira apenas descobrir qual o pecado da pessoa e só, como eu faço.

Quanto ao Byun Baekhyun, ele é preguiçoso e invejoso. Pesado, assim como podia parecer com o que eu disse do Park, porém, não é de todo ruim. O problema do Baekhyun é o vocal do nosso amigo Jongdae e por isso atribuí como seu segundo pecado capital a Inveja. Ele estava revoltado por não atingir a tal nota, porque ele está tentando atingir o agudo que Kim Jongdae - o anjo enviado por Deus na peça - conseguiria atingir.

Notem que eu disse que Byun Baekhyun estava revoltado, mas atribuí a ele o pecado da Preguiça no lugar da Ira. Por que isso? Porque Baekhyun podia querer ser igual Jongdae, mas ele tinha preguiça para treinar e melhorar seu vocal. Nessas horas, eu gostava de exibir meus agudos, graves e tudo mais, só para encher meu ego e calar a boca do preguiçoso.

Pareço ruim, correto? Mas entendam, eu sempre falo para ele praticar mais e deixar de ser preguiçoso, então estou no meu direito de "julgá-lo". Lembrem-se que sou orgulhoso.

-Baekhyun, pare de tentar atingir as notas do Jongdae, faça no seu timbre de voz! - Kim Junmyeon, o Deus da peça, repreendeu nosso amigo.

Era engraçado pensar em Junmyeon como Deus, quando na verdade seus principais pecados eram a Avareza e a Luxúria. Era divertido demais distanciar ou aproximar as pessoas do pecado e eu sabia que permaneceria nessa brincadeira mesmo depois da peça.

-ENTREGA! - uma voz grave e alta ecoou pelo teatro parcialmente silencioso.

Como todos, olhei em direção a voz e encontrei - quase que em choque - meu vizinho parado na entrada do teatro com uma bolsa de entrega. Foi então que lembrei que o Lay tinha sido responsável por pedir a comida da gente e provavelmente tinha escolhido frango frito.

-JONGIN, FINALMENTE! - Lay gritou exasperado e desceu do palco quase caindo. De todos os 7 pecados, eu achava que o Lay tinha caído no papel ideal para ele, a Luxúria.

O cara dançando e respirando é de tirar o fôlego e só Junmyeon sabe como Lay é capaz de suprir seus desejos pecaminosos. Eu já estava farto de pegar os dois se agarrando no banheiro.

Mas o foco agora está no meu vizinho. Então o nome dele era Jongin? É um nome bonito e combinaria muito com o dono. Discretamente, me afastei de Baekhyun e Chanyeol para prestar atenção no diálogo do Lay e do meu vizinho.

-Desculpa, hyung, eu estava comendo. - o rapaz de pele acobreada se justificou.

-Como sempre né? Se não está dormindo, tá comendo. Cansado de você. - Lay brincou e vi o rapaz fazer um bico fofo. - Seu horário já acabou?

-Se está se referindo ao meu horário de almoço, não. Eu só vim entregar o seu pedido, porque sou um dongsaeng muito amoroso, mesmo que você adore pisar em mim. - o entregador de frango resmungou e eu contive um riso. Ele parecia fofinho. - Oh! Você num é o rapaz da casa ao lado? - me sobressaltei ao ver aquele estranho apontando para mim e demonstrando surpresa.

Foi dessa forma maluca que eu troquei minhas primeiras frases com ele e abri uma brecha para minha pesquisa de descobrir qual dos 7 Pecados Capitais se encaixavam melhor em Kim Jongin - acabei de descobrir o nome dele - o meu vizinho.


-x-


Depois do fatídico dia que troquei algumas frases com meu vizinho, o mesmo passou a entregar nossa comida no teatro todos os dias e sempre no mesmo horário. Se Jongin não fosse um entregador de fast-food, certeza que ele seria do nosso meio.

Por que eu digo isso? Jongin era estonteante, descobrimos que fazia faculdade de artes cênicas, seu sonho era ser ator e um monte de coisas mais. Eu até me habilitei a conversar com nosso diretor para chamar Jongin, contudo, descobri que o convite já tinha sido feito muito antes de nos conhecermos e o rapaz negou por falta de tempo.

Fiquei surpreso que o diretor já conhecesse Jongin e até externei isso para Jongdae, contudo, o virginiano me disse que Jongin era um primo de Junmyeon e que eu que era desligado e nunca o percebi ali. Foi um choque receber essa resposta, porém, percebi que era a incontestável verdade.

Antes da peça, eu raramente costumava observar os outros, então claramente não tinha percebido Jongin ali. Foi triste constatar, mas eu sabia que se o moreno não tivesse se tornado meu vizinho, eu nunca teria reparado nele. Eu vivia em um mundo criado na minha cabeça e por culpa dos 2 Pecados Capitais que mais me regiam, eu costumava ser o centro das atenções desse meu mundo:

Kyungcentrismo.

Fui tirado de meus pensamentos amargos graças aos latidos da Pimenta. Ela estava agitada por ouvir a campainha em pleno final de semana, então deveria pensar que poderia ser meu irmão ou meus pais, porém, eu não os aguardava naquele sábado.

Com uma confusão evidente nas minhas expressões faciais, caminhei até a porta da minha casa e a abri. De todas as pessoas do mundo, a que se encontrava em minha frente era a última que eu cogitaria estar ali, mesmo que devesse ser uma das mais propícias a aparecer.

-Hã... Boa tarde, hyung. - Jongin, meu vizinho, sorria sem graça e parecia querer cavar um buraco por estar na minha frente.

-Boa tarde... - deixei a frase no ar, mas não porque eu estava sendo arrogante e sim por me encontrar perdido em pensamentos. Qual deveria ser a razão dele estar ali?

-Desculpa aparecer nesse horário, é que meu gás acabou e eu estava esquentando meu lamém. Você poderia me deixar usar seu fogão rapidinho? Prometo que vai ser rápido. - e foi assim que eu percebi que olhava o rosto de Jongin o tempo todo, porque eu realmente não tinha visto que ele estava com uma panela na mão.

-Ah, claro. - dei passagem para que ele entrasse, mesmo que eu estivesse um pouco desnorteado.

-Eu tentei comprar um gás antes de vir te incomodar, mas o gás tá muito caro e final de mês é impossível arcar com essa despesa. - ele se justificou ao ficar parado no centro da sala. Percebi que ele esperava que eu o guiasse até a cozinha, mesmo que ele soubesse onde a mesma ficava, já que a arquitetura da nossa casa era igual.

-E como vai fazer pra sobreviver até o final do mês? - questionei enquanto fazia sinal para ele me seguir.

-Finais de semana eu durmo e dia de semana eu como frango frito. Dá pra viver. - respondeu sério e eu acabei rindo.

-Finais de semana você dorme, Jongin? - repeti ainda divertido.

-Sim! Dormir é a melhor dádiva da vida e quando durmo, esqueço até que sou um esfomeado. - se defendeu e eu continuei rindo. - Posso ascender o fogo? - perguntou apontando para o fogão e eu concordei.

Jongin era muito educado e isso dava para ver de longe, porém, eu estava mais inclinado em descobrir os pecados dele. Eu já tinha cogitado Vaidade, Avareza, Gula e agora cogitava a Preguiça para o rapaz mais novo que eu, mas algo me dizia que os dois últimos pecados se encaixavam melhor em Jongin.

-Por que me olha tanto, hyung? - o ouvi questionar e ao invés de ficar corado de vergonha, eu apenas sorri.

-Você já se perguntou com qual dos 7 Pecados Capitais você mais se identifica? - indaguei e o vi me olhar como se eu fosse louco.


-x-


A partir do dia que eu perguntei a Jongin com qual pecado ele se identificaria, meu hobby em observar as pessoas para descobrir os pecados delas passou a ser compartilhado com o moreno. Jongin também pegou a mania de ficar observando os outros e por conta disso, nos víamos mais do que poderia ser "saudável".

Primeiro, acho que preciso situar vocês - mais uma vez. Naquele sábado, quando questionei Jongin sobre seus pecados e o expliquei o que eu queria dizer com isso, almoçamos o lamém dele e saímos para passear.

Jongin ficou encantado com a Pimenta e não quis me deixar colocar a coleira nela, pois ele me assegurou que a carregaria no colo nosso passeio todo. Ele prometeu com o que cumpriu, ainda bem, porque Pimenta é toda espoleta quando colocada no chão.

Enquanto passeávamos, Jongin me contou que tinha um cachorrinho um pouco antes de se mudar, mas o mesmo faleceu e por isso ele ainda não tinha comprado outro, mesmo que amasse cachorros. Compadeci com sua dor e o chamei para brincar com Pimenta sempre que quisesse, afinal, a cadelinha também tinha gostado de Jongin.

Mas não o chamei apenas para brincar com Pimenta, o chamei para almoçar na minha casa - pelo menos - até ele ter dinheiro para comprar um gás.

Nosso passeio se resumiu em conversarmos um pouco sobre nossas vidas e depois, observarmos as pessoas. Dávamos de 1 à 2 pecados a cada ser humano que passava em nossa frente e isso foi muito mais divertido fazer com ele do que fazer sozinho.

Quando não concordávamos com os pecados escolhidos, resolvíamos eleger um pecado dele e um meu, dessa forma ficava bem democrático. Foi meu final de semana mais divertido.

Quando a semana começou, Jongin voltou a entregar nossas comidas e nós passamos a conversar mais. Sem que combinássemos, eu passava todos os dias para buscar Jongin na faculdade, mesmo que fosse a pé, já que nenhum de nós dois tínhamos carros.

-Cheguei a conclusão que meu professor de Expressão Sonora II é a Ira em pessoa. Ele tem ódio de tudo, briga por tudo, é um verdadeiro carrasco. - Jongin desabafou e eu ri.

-Qual o outro pecado dele? - questionei curioso.

-Não existe, a Ira dele supre todo o resto. - o moreno resmungou e eu gargalhei. - Por que está rindo da minha desgraça? - perguntou indignado.

-Porque eu nunca te vi agir assim e é realmente muito engraçado. Não sabia que o portador da Preguiça e da Gula poderia portar um pouco de Ira. - alfinetei e vi seus olhos brilharem.

-GULA! HYUNG, VOCÊ PROMETEU QUE IRIA ME PAGAR UMA REFEIÇÃO HOJE! ESTOU MORRENDO DE FOME! - ele cobrou e eu fiz careta.

-Estava torcendo pra você não lembrar. - resmunguei e ele riu.

-Mas é um avarento mesmo hein? - ele debochou ainda rindo. - E como vai ser? Vai dar pra trás? - provocou.

-Claro que não, até parece que não sabe que sou um homem de palavra! - protestei e ele riu ainda mais.

-Mas é um orgulhoso mesmo hein?

-Vai ficar jogando meus pecados na minha cara? - indaguei sem paciência.

-Parece que agora está querendo roubar a Ira do Chanyeol-hyung. - debochou e eu bati nele. - Ya, por que me bateu? Eu só disse a verdade!

-Gosto de você dormindo ou comendo, é mais dócil. - declarei e o vi me olhar com mágoa. - Tá doendo muito? – acabei me preocupando.

-Sim! - reclamou e eu me aproximei, mesmo que ele tenha se encolhido.

-Desculpa, Jongin-ah. - pedi e o mesmo parecia irredutível. - Vou te pagar uma sobremesa depois da janta, ok? - prometi e o vi sorrir.

-Opa, tenho interesse! - se animou.

-Mas é um guloso mesmo hein? - provoquei e ele concordou.

-E você um ótimo negociador. - retrucou.

-E desde quando você é uma mercadoria? - questionei e ele jogou um braço por cima do meu ombro.

-Eu sou um vendido por comida, hyung, e você acabou de me comprar pela barriga. Não vou te largar mais, até porque, pra um avarento querer abrir a carteira pra mim... Declaração de amor. - suspirou e eu o empurrei para longe, sentindo minhas bochechas corarem.

-Que amor o quê! Continua falando assim, que vai ficar sem sobremesa e sem comida! - avisei irritado.

-Vou não, seu orgulho não permitiria. - argumentou triunfante.

-Vou jogar a merda desse orgulho lá na casa do caralho se você continuar insistindo. - avisei e ele fez sinal de que não falaria mais nada. - Bom garoto.

-Au! - latiu e eu comecei a rir.

Jongin era um manhoso do caramba e também uma pessoa que me impedia - de todas as formas - de ficar irritado com ele. Eu detestava aquela personificação da Preguiça e da Gula.


-x-


As apresentações da peça já tinham começado e eram dias conturbados, porém, minha vida era tudo aquilo pelo o que eu estava passando no momento. Atuar, estar em cima de um palco, cantar e até mesmo dançar é como ar para mim, não vivo sem. As pessoas estavam tendo uma boa recepção da peça, então tudo se tornava ainda melhor.

Jongin assistia a todos os espetáculos e já sabia todas as falas, passos de danças, trocas de cenas e etc. Ele não pagava para nos assistir, então sempre que saía da faculdade, ia direto para o teatro, porém, naquele dia ele não tinha ido.

-Você desafinou, sabia? - Baekhyun veio me cobrar no camarim após o encerramento do espetáculo daquele dia.

-Eu também sou humano, sabia? - refutei e o vi bufar.

-Jongdae também é humano e nunca desafina. - implicou e eu ri.

-O invejo aqui é você e não eu. - soltei e o vi franzir o cenho, afinal, aquele pecado que o regia era segredo meu e do Jongin. Ninguém mais sabia das nossas brincadeiras de descobrir o pecado alheio. - Mas enfim, Jongdae é um anjo.

-Anjo na peça, porque na vida real é um capeta. - Baekhyun implicou e acabamos rindo. - Mas enfim, você e o Jongin brigaram?

-Por que brigaríamos? - indaguei confuso.

-Ele não veio assistir à peça hoje, sendo que, ele assiste todos os dias, mesmo que sejam apenas 2 minutinhos. - explicou e se sentou na cadeira que tinha ali. - Você também pareceu bem aéreo, tanto que desafinou.

-O que desafinar tem a ver com o fato do Jongin não ter vindo? - questionei incrédulo.

-Seu namorado não veio após vocês brigarem e por isso você não conseguiu se concentrar na peça. - especulou e começou a rir. - Sua cara! Meu Deus, sua cara é a melhor!

-Vai se foder! - mandei e o deixei para trás rindo.

Podia parecer que Baekhyun e eu não nos dávamos bem, porém, as coisas eram muito mais contraditórias que isso. Todo o corpo de integrantes do teatro eram minha segunda família, o que levava a todos a agirem com a maior liberdade possível com cada um. Não havia restrições, porque podíamos ser verdadeiros o tempo todo, logo, Baekhyun e eu só estávamos agindo como verdadeiros irmãos e se provocando.

Mas confesso que fiquei surpreso quando Baekhyun mencionou que Jongin e eu namorávamos. Jongin é muito lindo - tanto por dentro e por fora -, o que me fazia ficar atraído por ele, mas nunca cheguei a pensar que pudesse ser um sentimento maior que isso ou que nossa relação fosse passar de uns beijinhos.

Acho que preciso situar a todos mais uma vez. Preciso parar de ficar jogando os acontecimentos como se vocês o conhecessem. Tentarei lembrar disso da próxima vez. Juro.

A questão é: desde que vi meu novo vizinho, fiquei interessado nele, mas não um interesse que eu pensasse em de fato concretizar. Sabe quando você acha uma pessoa muito linda e meio que a definição do seu tipo ideal, mesmo que só a tenha visto umas 2 ou 3 vezes? Não é nenhum sentimento profundo e você nem mesmo espera conseguir trocar saliva com ele/ela algum dia, só apenas admira. É basicamente isso que eu sentia em relação a Jongin.

Obviamente, minha vontade de provar dos lábios fartos dele foram crescendo ao passo que nós dois íamos nos aproximando no dia-a-dia, mas eu não acreditava ser recíproco até o dia que voltávamos da faculdade dele e julgávamos o pecado dos outros.

Nós estávamos tirando sarro de um dos colegas de classe de Jongin, quando o moreno soltou um:

-Hyung, quero beijar sua boca, posso?

Simples assim. Jongin é bem simples, direto, sincero e sem papas na língua. Eu estava comendo bala quando ele falou isso e acabei me engasgando de tamanha surpresa, o que foi vergonhoso, mas no final de tudo valeu a pena.

Jongin me ajudou a me acalmar e eu acabei engolindo a bala inteira, depois perguntei se ele estava realmente sendo sério quanto ao pedido e ele afirmou que sim. Sorri e, bom, dei o aval para Jongin.

Daquele dia em diante, sempre nos beijávamos e trocávamos carícias maliciosas, independente se teria gente nos vendo ou não, e isso poderia ter gerado a hipótese de Baekhyun - sobre eu estar namorando com Jongin - assim como muitas outras pessoas deveriam pensar o mesmo.

Inclusive, o próprio Jongin.

Agora que eu parava para refletir, meu moreno não foi assistir à peça por estar com ciúmes. Basicamente, no dia anterior, ele me viu quase aos beijos com Jongdae, porém, não era como se estivéssemos ficando ou coisa parecida, o problema real estava na gente repassando a cena da peça. Eu jamais beijaria Jongdae, muito menos enquanto estou ficando com Jongin...

-Ual, isso realmente parece um namoro. - falei sozinho. - Eu sou muito burro! - praguejei irritado.Nunca houve um pedido real entre nós, mas eu também não gostaria de ver Jongin quase aos beijos com alguém, então o mesmo servia para ele. Mas que saco, eu ainda tinha tentado explicar que as coisas não eram como ele pensava... Aish! Jongin era 1 ano mais novo que eu, mas parecia ser uns 10 anos, que saco! Por que ele precisava ser tão sentimental e manhoso?

Enquanto eu andava para casa, pensava em como me desculpar devidamente com Jongin. Para muitos, poderia parecer que era só chegar com um simples "Desculpa, não faço mais isso", porém, Jongin era uma pessoa muito especial e sensível, ele até poderia aceitar esse pedido pobre, mas ele merecia além.

O simples fato de Jongin não ter aparecido para assistir à peça e nem mesmo ter me mandado uma mensagem o dia todo, indicava claramente o quanto ele estava magoado com tudo, então seria muito desleixado da minha parte ser tão trivial com ele.

Eu gostava de Jongin, de verdade, e talvez por isso eu me importasse tanto em fazer um pedido de desculpas digno, seguido de um possível pedido de namoro. Ele poderia me dar um não bem dado e fazer com que meu Orgulho despencasse, mas, incrivelmente, percebi que por Jongin, eu aceitaria correr o risco.


-x-


Fazia 2 dias que eu não via ou falava com Jongin, embora soubesse que ele estava bem por ter entrado em sua casa de noite. Ele tinha minha chave e eu a dele, então eu usufruí disso para saber se ele estava bem ou não, já que eu não mandava mensagem e nem ele. Foi naquela fatídica noite que me dei conta do quanto eu sentia falta de seus sorrisos, sua gula e sua preguiça.

Era justamente por ter me dado conta dos meus sentimentos pelo moreno, que eu estava dando a maior prova de amor que alguém poderia pedir para mim. Era domingo e a peça foi apresentada de manhã, o que me permitiu ter a tarde livre para preparar tudo o que eu tinha em mente.

Jongin precisava me amar muito, porque eu estava abrindo mão do meu Orgulho e do meu dinheiro para me redimir com ele.

Eram 14h quando saí da minha casa carregando uma caixa de presente, Pimenta na coleira e uma bolsa com comida. Por mais que eu quisesse simplesmente desistir de tudo, meu Orgulho não permitia e isso me fez tocar a merda da campainha, mesmo que eu pudesse já ir entrando com minha chave.

-JÁ VAI! - ouvi a voz de Jongin e acabei soltando um leve sorriso. Eu estava com saudades de ouvir aquele som e sentia mais saudades ainda de o ouvir me chamando.

Prendi a respiração - em um claro nervosismo - quando ouvi a porta sendo aberta por dentro. Em uma atitude extremamente vergonhosa, simplesmente levantei a caixa que carregava e a coloquei em frente ao meu rosto.

-Soo...

-JONGIN, ME DESCULPA POR TER SIDO UM IDIOTA, EU GOSTO DE VOCÊ, NAMORA COMIGO? - declarei alterado e minha voz até falhou, o que me fez querer abrir um buraco e me enfiar nele.

Como estava com muita vergonha, empurrei a caixa - com carinho - para o colo de Jongin e tentei fugir, porém, ele foi mais rápido e segurou meu pulso.

-Soo! - chamou, mas eu tentei me soltar. Eu queria cavar um buraco para me esconder. - Soo!

-Deixa eu voltar pra casa. - pedi baixinho.

-Cadê o seu orgulho? - o ouvi indagar.

-Foi pra casa do caralho! Você sempre me faz jogar a porra dos meus 2 maiores pecados na casa do caralho. - desabafei e o ouvi rir, enquanto me puxava para dentro e Pimenta latia animada por rever o amiguinho.

-Não seja assim, eu estava esperando você voltar da peça pra ir conversar com você. Queria me desculpar, porque eu fui um crianção e... - ele interrompeu o discurso dele, enquanto eu adentrava sua casa desengonçadamente, e isso me fez erguer meu olhar. Jongin estava surpreso ao sentir a caixa em seus braços mexer. - Mas o que é isso? Uma bomba relógio?

-Nossa... Que imagem que eu passo hein? - murmurei e ele riu.

-Soo... É o que eu tô pensando? - questionou manhosamente e caminhou até o sofá, enquanto eu permanecia em pé no meio da sala e soltava Pimenta para correr pelo cômodo.

Eu não respondi a pergunta de Jongin e limitei-me apenas em ficar olhando-o abrir o presente. Vi sua expressão de surpresa ao tirar a tampa da caixa e se deparar com um filhotinho de poodle marrom dormindo.

-Oh meu Deus! - ele arquejou e ergueu o olhar para mim. Seus olhos estavam marejados.

-Jongin-ah, me desculpa por ter sido um babacão? Jongdae e eu não estávamos nos beijando ou nem nos preparando pra isso, apenas estávamos repassando a cena dele com a humana da peça...

-Soo, eu...

-Não, Jongin, me deixe terminar. - pedi sério e o vi concordar. - Eu só percebi o quanto você estava magoado, porque não te vi mais na peça. Eu só percebi o quanto gosto de você, porque sua ausência afetou minha vida. Eu só percebi sua importância pra mim, quando eu entrei em sua casa de noite enquanto você dormia. - confessei e o vi se sobressaltar em surpresa. - Eu não tinha notado que o que tínhamos e compartilhávamos passava de apenas uma ficada. Eu gosto muito de você, Jongin-ah, por isso, decidi fazer um pedido formal. Você aceita namorar comigo? - perguntei e o vi deixar algumas lágrimas caírem, enquanto pegava o cachorrinho da caixinha e se levantava.

Jongin nada falou, apenas pegou o papelzinho que eu tinha colocado na coleira do filhotinho e caminhou até a estante da sala, pegando uma caneta e marcando a resposta da pergunta que eu tinha colocado naquele papel.

-Aqui está sua resposta. - ele avisou e me entregou o papel.

Eu não sabia que estava tão nervoso até ver minhas mãos tremerem enquanto eu pegava o papelzinho. Abri o mesmo, enquanto Jongin ajeitava o filhotinho adormecido no colo, e senti como se meu mundo tivesse ganhado sentido.

P = "Jongin-ah, você aceita namorar comigo?"

R = "Sim"

-Impossível não aceitar um pedido de namoro depois de ver que você passou por cima do seu Orgulho e de sua Avareza por mim, Soo. Eu fui um grande idiota, mas agora, se antes eu duvidava do que eu era pra você, não tenho mais dúvida nenhuma. Obrigado por me retribuir, Soo. - ele declarou pegando minha mão e depositando um beijinho nela.

Eu demorei para perceber que Jongin tinha aceitado meu pedido de namoro, porém, quando tive seus lábios sobre os meus... Comecei até mesmo a acreditar que éramos casados e que tínhamos 2 cachorros. Não chegamos a nos afastarmos somente quando o ar faltasse, porque ouvimos um latido fino, seguido de uma lambida em nossos queixos.

Passando por cima do meu Orgulho e da minha Avareza, comprei um filhotinho de poodle para Jongin - que ele nomeou de Monggu -, o pedi em namoro e me desculpei por coisas que antes eu não veria motivos para tal.

E numa junção engraçada do destino, vi os pecados da Preguiça e da Gula darem as mãos aos pecados do Orgulho e da Avareza. O bom disso tudo, é porque nós dois estávamos cientes de quais eram os maiores defeitos um no outro e ao invés de mudá-los ou odiá-los, nós passamos a usá- los como uma forma de demonstrar nosso amor.

Mesmo com muito Orgulho em jogo, eu conseguia me desculpar e confessar meus sentimentos mais vergonhosos para Jongin; mesmo com muita Preguiça, Jongin acordava cedo todo final de semana só para tomar café da manhã comigo, porque eu disse que gostava; mesmo sendo um Avarento de carteirinha, eu procurava sempre presentear Jongin com comidas toda sexta à noite; e mesmo como um grande Guloso, Jongin não fazia questão de escolher os lugares que mais queria comer, porque queria poupar meu bolso avarento.

Mesmo que nós dois fôssemos portadores dos 7 Pecados Capitais, aqueles 4 Pecados eram o melhor casamento que poderia existir.

E você? Já descobriu qual é o pecado que casa com o seu?

29 de Julio de 2019 a las 23:26 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~