Lirica Seguir historia

morghanah Morghanah .

Consumida pelo desvario caudaloso de minha sanidade corrompida sem a tua presença a trazer-me de volta à superfície, afogo-me novamente


Cuento Todo público. © Todos os direitos reservados

#06 #Kalafina #songfic #drama #original #conto
Cuento corto
0
3.7mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Único

N/A: Recomendo que, para um melhor aproveitamento da história, a leiam ao som de Lirica das Kalafina, cuja aesthetics capa deste capítulo feita por mim – e que, infelizmente, não pode ser visualizada em seu tamanho original quando vista através do aplicativo do site – pode ser visualizada aqui, uma boa leitura a todos e obrigada.



Os dias parada defronte o limite parcialmente vítreo da sala do apartamento ao qual chamei de lar e ansiava estar todos os dias e assim poder repousar em teus braços, eram intermináveis. Uma eternidade indolente cuja tristeza sobrepujava minha pouca sanidade e levava junto consigo o resto de minh'alma maculada e acre.

As cores que antes via com tamanho brilho, força, nitidez e beleza por serem fugazes, e por isso tão belas, tornaram-se cinzentas e monocromáticas assim como eu me sentia por dentro.

Oca, vazia, morta.

Eu via e sentia em minha carne o tempo transcorrer. Meu corpo exigia de mim que mantivesse suas funções vitais em seu enfadonho e indefectível ofício funcional, mas eu não queria e detestava-me ainda mais por sucumbir aos desejos da mãe natureza.

Eu queria findar, perecerem, desfalecer, diminuir até nada além de cinzas restar.

No entanto, até mesmo isso me foi negado restando a mim arrastar-me dia após dia sem você aqui comigo a me acalentar em meio a meu tão conhecido desvario desesperado e hostil.

Os olhos antes vivos cuja tonalidade de certo modo, distinta das demais e motivo de sua adoração silenciosa quando juntos, tornaram-se opacos tal qual eu era agora e minhas lamúrias eternas e silenciosas deixavam apenas um rastro molhado e salgado em meu rosto.

Riscos que expressavam externamente os rasgos em meu imo e tal qual a fluidez incolor a cair de meu queixo sobre meu busto por minutos a fio todos os dias, sem que movesse um ínfimo músculo sequer para as eliminar ou desviar vosso curso, eram parte integrante da ferida aberta que sangrava profusa e ininterruptamente dentro de mim.

Não havia mais nada meu em mim para ser salvo.

Não havia mais sopro de vida.

Estava morrendo de dentro para fora e agora restava-me apenas vagar como um corpo a mercê da pior de todas as sentenças: uma vida que em certos momentos para mim equiparava-se à imortalidade de um deus vivo.

Seria eu, afinal, a deusa que representava a solidão dos amantes separados?

A deusa por quem Romeu e Julieta clamaram quando erroneamente acharam que sua metade estava morta?

Não sei, mas de certa forma não importava mais saber a resposta, pois se nem eles tiverem um final feliz, por que eu haveria de ter o meu?

Em meio à escuridão cálida onde mirava as mais belas ilusões coloridas que tinha de ti, meu amor, e como o ser atipicamente pedinte que sou, obsecrava para toda e qualquer entidade do universo que atendesse meu pedido. Implorava para que livrassem-me de tamanho desatino, dor, tristeza, cônscia de que para isso teriam que levá-lo de mim e isso eu jamais permitiria, sendo assim resguardava com carinho e devoção cada uma de nossas lembranças juntos, ainda que o fio vermelho de nossa promessa – a única coisa em minha vida que permanecia corida – sufocasse-me minuto após minuto, pois a sentia enrolada em meu pescoço a restringir mais e mais minha respiração já precária.

E eu sabia bem o que isso queria dizer.

Eu sabia o que esse laço almejava de minha pessoa e embora relutasse, compreendia que lhe daria isso em breve caso tudo seguisse o ritmo triste da melodia que antes era alegre, no entanto, tornara-se um réquiem profundo, saudoso e incólume que precederá meu mais intenso desvario, agora que finalmente entendi e aceitei minha sina.

Minhas penas caíram e meu belo sonho acabou.

Visualizei em meus sonhos o seu rosto ao qual segurava em minhas mãos e o beijava com carinho, mostrando-te o quanto amava-te, mas, ainda assim, sabia que era pouco. Vocábulos e ações eram fracos e pequenos perante tudo o que sentia, entretanto, prosseguia em meu incansável desejo de lhe mostrar e fazer-te entender o quanto amo-te.

E ao despertar de meus sonhos bons onde era feliz e por ti abraçada, sentia as ondas da Loucura a arrastarem-me cada vez mais levando-me para a parte mais profunda e interna do mar de dor e sofreguidão no que estava, cujo Delírio fazia os ventos soprarem com mais força e intensidade, cantando em meus ouvidos uma melodia triste e funesta.

O silêncio ensurdecedor de nossa casa deixava-me surda quando via-me ali sozinha e o sol surgia no horizonte outra vez.

Não foram poucas, quiçá contáveis as vezes que em meio a meus delírios sobre nós dois eu corri em um campo onde a relva alta encostava em meus dedos, enquanto uma lua cheia em seu pleno esplendor iluminava meu caminho até você, mas em todas as vezes que o alcancei era seu semblante colérico e vazio de sentimentos por mim, tudo o que via.

Eram suas palavras hostis que machucavam-me e sangravam o nosso elo o que escutava.

Eram suas costas largas e máscula que eu via se afastando de mim sob minhas súplicas incessantes e humildes.

Exatamente como naquele dia em que fostes embora de nosso lar levando consigo suas roupas e tudo de bom que havia em mim sem olhar para trás, ou apiedar-se de minha pessoa, enquanto desolada e prostrada no chão frio de nosso lar pranteei por horas a fio e sozinha até que o dia tornou-se noite e alvoreceu novamente, mas de modo algum trouxe-te a mim mais uma vez.






26 de Mayo de 2019 a las 16:19 0 Reporte Insertar 120
Fin

Conoce al autor

Morghanah . Escritora faz algum tempo que migrou de outras plataformas para mostrar meu trabalho. Sou uma pessoa dedicada a historias mais densas com personagens tirados de uma mente conturbada por diversos conflitos internos e levemente insana, um detalhe importante que me fez iniciar a minha longa jornada na arte da escrita e, caso aprecie isso, seja bem vindo ao meu mundo.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~