Desejo de vingança- Segunda-parte Seguir historia

fernando-camargo1554138998 Fernando Camargo

Depois de matar o próprio pai que lhe abusava sexualmente, Teresa resolve ir embora para tentar uma nova vida. Mas o medo de ser atacada por outro homem pode atrapalhar sua vida.


Cuento No para niños menores de 13.

#violência #fuga #emprego-novo #pai #estupro #lanchonete #recomeço #vida-nova #segunda-parte #desejo-de-vingança #fabricante-de-histórias
Cuento corto
0
3.4mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Desejo de vingança- Segunda-parte

Tereza saiu de casa abandonando tudo. Deixando para trás a vida triste e sem perspectivas que tinha. Juntou o pouco que lhe pertencia, roupas, um pente velho e um livro. A faca que usara para matar o pai foi colocada numa espécie de estojo e o mesmo foi colocado dentro da mala com os demais pertences.

Passou pela cozinha e deu uma última olhada para o pai. Nestor estava deitado, morto, com as mãos cheias de sangue e o olhar vidrado, Tereza teve a impressão de que o cadáver do pai olhava para ela, mas na verdade, Nestor não olhava para nada.

Fechou a porta atrás de si e cerrou os olhos. Por um milésimo de segundos as imagens de Nestor em cima dela vieram à tona. Ele a penetrava freneticamente, num vai e vem tresloucado, Tereza tentava se desvencilhar, dando socos, mas era em vão, ela não tinha forças, estava exausta, morta.

Tornou a abrir os olhos e andou. Ao redor dela casas; tão humildes quanto a que ela vivia, feitas de tijolo e barro, sem acabamento, os telhados eram de palha e o chão de terra batida. Ao redor árvores enfeitando as ruas, no alto um céu de estrelas carrancudas, no chão um silêncio de dar medo, terror que ela sentia explodindo no peito.

Adeus vida de pesadelos. Nunca mais se deixaria ser tocada por outro homem sem sua permissão, talvez ela não quisesse que outro a tocasse.

Não demorou muito para ter a vida transformada. Foi para a cidade grande e lá começou a trabalhar em uma lanchonete. Ali ela servia as refeições, tinha arroz, feijão, carne assada, salada e até sobremesa; tudo muito simples, mas feito com amor e carinho pelas cozinheiras.

Todos os dias um rapaz de cabelos negros, olhos verdes e bem vestido ia a lanchonete almoçar. Sentado a mesa ele pedia arroz, carne e salada. Tereza lhe servia, sempre sorrindo, o rapaz sempre sorria de volta. Certo dia o homem, após terminar a refeição limpou a boca com um guardanapo, fez um sinal com as mãos pedindo que Tereza se aproximasse. Tereza caminhou enquanto tirava do bolso do avental sujo de gordura um bloquinho de anotações onde anotaria um possível pedido.

- O senhor deseja mais alguma coisa? Sobremesa? – Perguntou Tereza, a voz firme, porém, o coração disparado.

O homem sorriu, ajeitou a gola da camisa, relaxou na cadeira, tirou os cotovelos repousados na mesa e olhando diretamente nos olhos de Tereza, disparou:

- Aceita sair comigo?

A pergunta foi suficiente para fazer Tereza girar nos calcanhares, perder o equilíbrio e quase desabar no chão. O homem a segurou pelo braço. Tereza sentiu os dedos dele, apertando com leveza seu pulso direito, mas desvencilhou-se. Ficou com medo. A lembrança de Nestor abusando dela, rasgando seu vestido, e tentando beijar sua boca.

- Você parece nervosa, moça. Perdoe-me.

Tereza não sabia o que fazer. No restaurante lotado todos os olhares se voltavam para a cena. Refeita, Tereza respirou fundo. O homem, sem graça, a olhava admirado.

- Não foi nada, eu é que não estou me sentindo bem, com licença. – Disse ela, saindo, ainda zonza.

Entrou no banheiro, foi até a pia, abriu a torneira, deixou a água cair e jogou um pouco no rosto. Precisava acordar recompor-se e retornar ao trabalho. Desde que foi embora de casa não se envolveu com homem algum. Fechou seu coração e trancou seus sentimentos bem lá no fundo, num lugar onde nem mesmo ela pudesse ter como recupera-lo, no entanto, a presença daquele homem parecia ter mudado as coisas.

Envergonhada não voltou mais ao trabalho. Tirou o avental e o jogou em cima da pia. Pegou a bolsa e saiu pela rua. Lá fora um trânsito de carros, a sua volta prédios e mais prédios; alguns comércios a cercavam. Eram bares, restaurantes, lojinhas de ferragens e até um cinema, cuja fachada anunciava filmes que Tereza já vira pela televisão.

Caminhou apressadamente, no ar um cheiro de esgoto misturado com poluição, pessoas falando alto e o maldito cheiro de cerveja que lhe trazia amargas lembranças.

Continua....

20 de Mayo de 2019 a las 20:10 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Fernando Camargo Escrevo desde os oito anos de idade, culpa da professora de português. De tanto gostar de fazer isso (escrever), resolvi estudar jornalismo. Formado, atualmente eu passo meus dias a criar personagens e novas histórias.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~