riberiru Diego Ribeiro

Esta é uma história sobre uma garota que cresceu sem seus pais... Neste mundo, onde as pessoas receberam dons especiais, chamados "singularidades", cada um os usa de acordo com seus próprios propósitos. Justiça, amor, vingança. Essas são apenas desculpas convenientes para nos livrarmos daquilo que nos incomoda. Porém essa garota, que nasceu com uma singularidade rara, irá trazer mostrar a todos que os heróis não morreram ainda.


Fantasía Medieval No para niños menores de 13.

#fantasia #aventura #poderes #violência #ação #protagonista-feminina
0
6.8mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 15 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Prólogo: A chegada à existência das singularidades

── Ano 100 segundo o calendário da humanidade (aproximadamente) ──


Um mundo de variadas espécies.

Terra onde habitam monstros gigantes, goblins, elfos, humanos e muitas outras espécies.

Apesar das relações entre todos serem complicadas, o mundo vive em certa paz.

Um dos motivos para isso é que, após muitas guerras contra antigos seres malignos que dominavam todas as raças, através de dolorosas e duradouras batalhas, os humanos e semi-humanos finalmente prevaleceram sobre eles.

Quanto aos seres heteromorfos, eles em sua maioria, vivem em locais inóspitos para outras espécies, então acabam tendo pouco contato externo.

Humanos e semi-humanos têm relações complicadas entre si, mas em geral, a maioria são seres pacíficos e que mantêm boas relações.

Entretanto também existem muitas outras espécies que sobreviveram à guerra e eram extremamente hostis como as outras, e são chamados de… Bem, eu não acho necessário falar sobre eles agora.

Inicialmente, nenhuma raça tem qualquer tipo de habilidade especial, salvo algumas com certa resistência a ambientes com climas rigorosos.

Alguns podem viver em locais extremamente frios ao ponto de congelar completamente o corpo, outros suportavam calor e etc.

Fora isso, não há grande discrepância de força e poder bélico entre as nações estabelecidas pelo continente.

Por essa razão, eles preferem se focar em batalhas periféricas do que se envolver diretamente em batalhas que pudessem custar muitas vidas. Na verdade, muitos conflitos eram resolvidos apenas por acordos.

Até que algo estranho aconteceu…

Um enorme, poderoso e imponente ser alado apareceu diante de uma cidade humana chamada “Vóreia Póli (Βόρεια Πόλη)” localizada ao extremo norte da nação de “Kósmos (κόσμος)” na fronteira com “Svetot (Светот)”. Ambas as nações localizadas ao sul do grande continente.

Era um gigantesco monstro negro e alado, coberto de escamas espeças e pontudas. Sua estatura se aproximava dos 120 metros da cabeça ao rabo e envergadura das asas tinham por volta de 110 metros.

Ela exalava um odor forte e expunha uma presença marcante, além de haver manchas de sangue em suas patas e no interior da boca.

Era algo de tamanho descomunal e com um olhar profundamente assustador e claramente maligno a ponto de fazer os homens desmaiarem de terror.

Então esse ser, surpreendentemente, começou a falar diretamente com aquelas pessoas.


「Hvis du ikke gir meg gull, sølv og edelstener innen ti dager, vil jeg fortære alle kvinnene og barna i denne byen. (Se vocês não me trouxerem ouro, prata e pedras preciosas dentro de dez dias, eu irei devorar todas as mulheres e crianças desta cidade.)」


A voz do ser colossal era audível mesmo aos que estavam no outro extremo da cidade.

O tom grave chegava a dar calafrios. E mesmo que fosse incompreensível, parecia estar tentando impor-se àquelas pessoas, como um nobre que esbanja toda a sua riqueza diante dos outros para demonstrar seu poder e autoridade sobre eles.

Mas ele não desejava fazer isso apenas com sua presença.


「Ele tá falando… Que merda é essa!? De onde isso vem!?」


O homem que perguntou isso disse quase que gritando para o outro cara que estava ao seu lado.

「Co-co-como eu vou saber!? Não deveríamos fugir...」


A voz do segundo homem era tão estridente que parecia que ele estava chorando ao invés de falar. Mas por alguma razão, ninguém estava fugindo. E para a surpresa deles, o monstro começou a falar outra vez.


「Jeg beklager at jeg kommuniserer på et språk du ikke forstår. Jeg sovnet i så mange årtusener i Världen og hadde til og med glemt det. (Peço desculpas por me comunicar em um idioma que vocês não entendem. Eu adormeci por tantos milênios em Världen e tinha até me esquecido disso.)」


A forma como ele se comunicou na segunda vez foi ligeiramente diferente, não incluía a aura hostil anterior, apesar de conter um certo desdém.

De repente, luzes estranhas surgem em volta da gigantesca serpente. Era algo que ninguém jamais havia presenciado, pois além desse monstro ser único, ele era capaz de fazer coisas além da compreensão.

Quando as luzes cessaram, todas as pessoas naquela cidade... Não... Todos do mundo inteiro, tanto humanos quanto semi-humanos e heteromorfos. Seres da superfície, do mar, dos céus e do subterrâneo. Absolutamente todos sentiram algo estranho em seus corpos.

Uma sensação que parecia queimar o interior deles.

Ninguém sabia o que estava acontecendo, mas isso causou temor, com razão.

Então, algo os deixa completamente atônitos, ao ponto de alguns ficarem paralisados como estátuas vivas.


「Não tenham medo pequenos insetos, isto de agora foi apenas a minha singularidade. Elas são artes secretas e únicas para cada ser e foram escondidas por todo esse tempo das pífias criaturas do mundo. Esta usada por mim não representa perigo algum.」


As pessoas não sabiam se falavam, se apenas escutavam, se choravam, se corriam… Ninguém ousava se mover, temerosos pelo que poderia acontecer no caso de acabarem por irritar esse ser diante deles. Por isso permaneceram lá, imóveis, escutando tudo em absoluto silêncio.


「Vocês estão se perguntando o por quê? Por que estou revelando algo que deveria ser “secreto”? O motivo exato se manterá em segredo, mas, em poucas palavras, eu quero compartilhar o que sei com todos vocês. Só que simplesmente entregar seria muito chato. Então eu irei vender esse conhecimento em troca de riquezas. Se não tiverem o suficiente, então suas mulheres e filhos servirão como pagamento.」


Todos ficaram tão apavorados que nessa situação, não era nem sequer possível que um fio de cabelo passasse pelo seu…

Bem, após um breve silêncio, uma bela mulher de seios fartos, que trajava roupas que indicavam ser de uma família relativamente rica, toma coragem e se aproxima do assustador monstro, solta um profundo suspiro, eleva seu belo rosto para o alto e diz em alta voz.


「Olá, majestoso ser…… E-e eu gostaria de perguntar algo ao senhor...... Quando vossa senhoria chegou aqui, nós não compreendemos suas palavras, mas agora está sendo tão claro quanto a água...... Foi essa sua tal “singularidade” que fez isso......?」


Esta que conversou com o monstro assustador se chama Bartha.

Ela gaguejava e tremia como se estivesse dentro de um lago das geleiras do Leste. Seus dentes rangiam, mesmo ela se esforçando para se acalmar.

Nessa hora, o monstro colocou-se em posição de descanso, abaixou sua cabeça e olhou diretamente nos olhos daquela mulher. Então diz a ela.


「…… A inteligência de vocês é bastante questionável, não é? Me recordo de já ter dito isso antes. Esta é uma magia inventada por mim através da minha singularidade, que me permite tornar qualquer idioma compreensível. Ela não tem nada de especial, até que foi fácil de se usar em uma escala tão grande. Só que se tornou inútil agora, já que tem efeito permanente até mesmo nas crias de seres afetados por elas. Mas me admira notar que os machos de sua espécie não tem coragem suficiente para falarem diretamente comigo. Ou talvez você seja um caso especial... Então, como recompensa, eu não irei tocar em ninguém que seja relacionado a você pelo sangue. O que acha?」


Suor frio descia de sua testa ao ver o monstro falando diretamente com ela.

Mesmo assim ela responde.


「… Bem, eu aceitarei sua generosa oferta em relação a mim e meus filhos. Porém eu…」


「Já basta! Se já aceitou, já aceitou. Eu me lembrarei do seu rosto quando vier cobrar aquilo que estou exigindo de vocês. No mais, apressem-se em trazer o que combinamos em comum acordo. Cumprirei minha parte, então vocês devem cumprir a sua também.」


O monstro nessa hora se levanta novamente.

(…… Este ser pode ser assustador, mas realmente fala muito. Talvez ele se orgulhe bastante das suas habilidades, mas não tem ninguém para quem se gabar por elas. E que história é essa de acordo? Ninguém concordou com isso para início de conversa.) Pensou Bartha.

Como se já não bastasse o seu discurso anterior, ele continua falando para aquela multidão.


「Ah sim, eu havia me esquecido. Agora falo diretamente a todos vocês que vivem nessa pequena cidade. Eu me chamo Fafnir, último integrante vivo do clã dos dragões. Bem, como eu já disse, no por do sol daqui 14 dias, terminará o prazo para vocês conseguirem me trazer riquezas satisfatórias e eu lhes darei em troca o meu conhecimento divino.」


Ele realmente é um bom mentiroso, porque não era bem isso que ele tinha dito na primeira vez, já que foi uma ameaça e não uma troca de favores.

Depois disso, os cidadãos se esforçaram para coletar tesouros. Outros simplesmente abandonaram a cidade, temendo o pior.

Infelizmente, não havia como coletar tudo que foi exigido pelo Dragão, e por isso várias mulheres e crianças foram devoradas.

Entretanto, como um gesto de consideração torpe, o Dragão poupou algumas famílias por seus esforços e pelo montante ligeiramente grande de prata e ouro.

Após isso, é dito que o dragão Fafnir cumpriu sua promessa.

Deu não somente aos moradores daquela cidade, mas a todos nas cidades as quais ele visitou, a localização de um templo especial.

A localização desse templo atualmente é desconhecida, e por isso muitos acreditam que isso não passa de uma lenda.

Logo após isso, o Dragão simplesmente sumiu sem deixar pistas.

Dizem às lendas que ele havia sido morto por um herói chamado Sigmund… era isso? Ou era Siegfried? Eu não sei ao certo. Mas é algo bastante duvidoso por sinal.

Vários países entraram em batalha para chegarem primeiro. Um verdadeiro banho de sangue em busca de poder absoluto.

Praticamente todas as Nações, sejam humanas, ou semi-humanas, iniciaram uma ambiciosa corrida a este local.

Após um longo tempo e muitas lutas, um grupo misto de humanos e semi-humanos chegou ao destino. E estes bravos foram chamados de Apóstolos.

O local era um templo feito de pedra e com uma arquitetura jamais vista e não se assemelhava às de outras nações ou tribos que viviam próximas daquele lugar.

Pelo caminho até lá e no interior também se encontravam armadilhas mortais, que tiraram a vida de muitos bravos aventureiros.

Entretanto, isso não os parou, e seguiram em frente para descobrir qual era o “tesouro” guardado ali.

Ao chegarem ao coração do templo algo inesperado aconteceu.

Uma luz resplandecente engoliu as pessoas daquele lugar. Essa luz voou e se dispersou no céu, indo em inúmeras direções.

Após isso tudo mudou e as coisas jamais voltariam a ser como antes.

As pessoas, uma a uma, começaram a apresentar habilidades únicas. Habilidades que mudariam o curso da história. Que tornaram o impossível possível. Elas eram as Singularidades.

16 de Mayo de 2019 a las 19:11 1 Reporte Insertar Seguir historia
120
Leer el siguiente capítulo Capítulo 1 - O Amanhecer de Uma Nova Era

Comenta algo

Publica!
Diego Ribeiro Diego Ribeiro
Galera, fiquem a vontade para criticar, apontar erros de escrita, furos, ou algo que os incomode. Também estou aberto a sugestões e gostaria muito de ouvir a opinião de vocês sobre os capítulos. Obrigado por lerem!
May 16, 2019, 21:54
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 3 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión