Hyuuga Seguir historia

juuhina Julia Olsen

"Você é o café que eu preciso de manhã Você é meu raio de sol na chuva quando ela está caindo Eu só quero ver Eu só quero ver o quão bonita você é Você sabe que eu vejo isso Eu sei que você é uma estrela Onde você for eu sigo Não importa a distância Se a vida é um filme Oh, você é a melhor parte" – Best Part (feat. H.E.R.), Daniel Caesar.


Fanfiction Anime/Manga No para niños menores de 13.
Cuento corto
2
4.2mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Lilás



Era uma bela noite. A primavera permanecia em sua primeira parte e, para aproveitar a brisa da recém-chegada noturna, aquela jovem estava sentada reflexiva em uma árvore próximo ao monumento que tinha o rosto dos seis grande líderes. Os olhos perolados encaravam a lua minguante com um belo sorriso de canto. As coisas pareciam bem e ela estava ali para aproveitar o ambiente e o clima agradável.

Os cabelos escuros e compridos balançavam de acordo com o vento sutil, os dedos delicados dedilhavam uma folha verde de uma árvore qualquer que o ar carregou até si. Ao tocá-la, pensamentos passaram em sua cabeça e ela passou a encarar a face do quarto hokage que estava frente a si. Parecia tanto com ele, uma pessoa que tinha um futuro promissor e deu sua vida em amor à vila. Parecia com Uzumaki Naruto, seu pai, Namikaze Minato. Ambos tiveram o mesmo fim e um legado se formou. Naruto morreu como um herói, assim como seu pai.

A morena seguiu sua vida e teve a amizade do loiro como uma inspiração na sua vida a partir da admiração que tinha por ele. Decidiu que a partir daquele momento, ela tomaria a rédea de sua vida e faria o que bem entendesse, seguindo seu caminho como uma grande ninja e futura líder do clã. As coisas fluíam muito bem desde então.

Com exceção de uma única coisa: ela era apaixonada por uma pessoa e não tinha coragem de se declarar para ela. A causa do nervosismo tinha nome, cabelos compridos e um belo olhar sério. Ele lhe causava arrepios, borboletas no estômago e lhe tirava o fôlego.

Ela não entendia como ele havia lhe despertado tamanho desejo, mas entendia o porque ela estava apaixonada. Ele havia se tornado um homem respeitável e eles sempre foram muito próximos. Os lábios secavam ao estar próxima a ele nos treinamentos, e ela definitivamente estava ficando louca, pois não sabia o que fazer. Sempre que queria chamá-lo para um encontro, a timidez e a insegurança gritavam dentro de si.

– Estava procurando por você, Hinata-sama.

A voz grave dele a assustou, despertando-a de seus pensamentos. Ela virou para ele, vendo que ele carregava consigo uma flor. Ao observar a flor, Hinata se atentou e notou que era uma flor de íris lilás. Ela deu um sorriso aberto para ele, que corou com o ato.

– Aconteceu alguma coisa, Neji?

– Não, é que eu vi essa flor... E lembrei de você. Queria entregá-la. Sei como gosta delas, e... Sei que lilás é sua cor favorita.

Hinata arregalou levemente os olhos, corando ao notar que ele iria depositar aquela flor em sua orelha, ajeitando com seu cabelo. Ela adorava a forma em que ele era calmo e se apegava em detalhes, a forma fria ao dizer mas ao mesmo tempo, com uma preocupação que podia ser só dele.

– Obrigada pela gentileza.

Neji sorriu de canto, podendo ver a beleza nas pérolas a sua frente. Ele passava pelas ruas reflexivo quando viu aquela delicadeza em um lugar afastado e passou a ver os olhos dela ali. Automaticamente resolveu levá-la para tentar contemplá-la e talvez proferir mais do que palavras cotidianas.

– Não tem do que agradecer...

Ele sentou de frente para ela, passando a encarar aqueles orbes intensamente, notando que aquilo havia se tornado uma intensa troca de olhares entre os dois. Os corações batiam freneticamente e os lábios permaneciam secos. Precisavam de um impulso para poderem preencher um ao outro. Hinata abaixou a cabeça momentaneamente e passou a olhar a lua.

– Hinata-sama, tem algo que eu queria te dizer, por mais aleatório que seja... – naquele momento, ele havia conseguido novamente a atenção da mais nova, que arregalou novamente os olhos sutilmente. Ele podia ver aquela expressão sempre que continuaria achando a mais bonita. – E pra falar a verdade, eu não sei como começar...

– Estou ouvindo.

– Eu queria te dizer uma coisa há um bom tempo e... Acho que esse foi o maior motivo do qual eu decidi me abrir. Estou cansado de me esconder ou de esconder o que eu sinto por você, Hinata-sama. Eu... amo muito você.

Ela estatizou.

– O que?

– Não é de hoje, na v....

Ele foi interrompido pelo dedo indicador de Hinata que passou a roçar nos lábios masculinos. Os olhos do maior se arregalaram e sentiu sua alma sair do corpo, notando que a menor parecia surpresa com as palavras ditas naquele milésimo de segundo. A verdade era que, além de surpresa, a Hyuuga estava feliz.

– Neji...

– Hinata-sama, eu...

– Não – interrompeu-o com firmeza, mantendo o dedo indicador na mesma posição – Não me chame mais de Hinata-sama... Sabemos que você nunca precisou disso.

O dedo que até então permanecia firme, passou a dedilhar o rosto corado e quente do mais velho. Neji respirou fundo e sorriu com os olhos, segurando o pulso de Hinata e apenas sentiu o toque em silêncio. O momento foi inesperado e totalmente espontâneo por parte dele. Ela nunca imaginaria tais palavras naquele momento.

– Eu não achei que você me visse dessa forma – ela continuou – eu acreditei que nosso vínculo continuaria o mesmo por todas as nossas vidas e que você nunca notasse a forma que eu vejo você...

Hinata corou imediatamente, onde deu o estalo na cabeça de Neji e ele pôde entender que aquele sentimento era totalmente recíproco. Outro sorriso.

– Eu já te disse em como você fica bem usando lilás?

Ela deu uma gargalhada doce para o primo. Ele segurou em sua mão e a puxou até o grande monumento da Vila. A brisa continuava sutil e aquele era o clima perfeito para aquela linda troca de palavras.

O casal parou em cima da estátua em que era moldado o rosto de Senju Tsunade, a quinta hokage e uma dos três sannins lendários. Ali era possível contemplar toda a vista de um céu estrelado e de uma linda lua minguante, junto com os corpos presentes que se preenchiam de reciprocidade.

Neji envolveu a menor em um abraço apertado e caloroso. Hinata esteve nas pontas dos pés enquanto o abraçava pela nuca, sentindo os braços definidos rodearem sua cintura fina. Se separaram devagar, arrepiando-se com as respirações próximas e o roçar dos narizes arrebitados.

– Neji... Eu também amo muito você – a morena sussurrou para que somente ele ouvisse.

Ao ouvi-la, ele não contestou nenhuma de suas palavras e a envolveu em um beijo doce. O toque dos lábios foi sutil, entretanto, fez com que uma corrente elétrica circulasse em ambos os corpos. Ele pediu a passagem, sendo concedido no mesmo instante e as línguas dançavam como uma música lenta que seria a favorita deles. Ao terminar, ele beijou sua testa e ambos sorriram continuarmente. A felicidade os tomou naquele momento.


♥ ♪


– VOCÊS ESTÃO LOUCOS? – a voz do mais velho esbravejou naquela sala de reuniões da casa principal da família Hyuuga – JAMAIS IRIAM ACEITAR UM CASAMENTO DE UM SECUNDÁRIO COM A HERDEIRA! INCLUINDO A MIM!

Naquele momento, as lágrimas de Hinata relutavam para descer sob seu rosto. Neji cerrava os punhos para não avançar em cima de Hiashi. O casal havia sido pego se beijando por um membro da elite do clã e desde então, os ouvidos de ambos ferviam de sermões do líder e pai de Hinata.

– Eu não sou um qualquer, Hiashi-sama. Sempre estive do lado dela, nos amamos.

Aquilo parecia um insulto ao mais velho, que parecia mais nervoso que qualquer um ali. Hinata estava trêmula e não tinha força para lutar contra o seu pai.

– EU QUERO QUE VOCÊS ME ESCUTEM BEM: VOCÊS IRÃO SE SEPARAR. NEM EM CIMA DO MEU CADÁVER VOCÊS VÃO FICAR JUNTOS. ME ENTENDERAM?

O patriarca saiu batendo os pés da sala de reuniões e ao sair, bateu a porta, dando um grande estrondo na sala. Hinata se apoiou no ombro do moreno e ali desabou em lágrimas. O mais velho presente acariciava o rosto da morena, dando um ar de segurança que ela precisava naquele momento.

– O que iremos fazer? – ela questionou com os olhos corados com a vermelhidão. Ele suspirou pesado encarando-a. Um plano maior estava a ponto de ser executado.

– Não se preocupe, eu já tenho algo bem maior em mente, assim não teremos que preocupar com muita coisa. Meu foco é exclusivamente você.

A voz calma do amante deixou a Hyuuga estasiada, mesmo que tenha atiçado a sua curiosidade. Ambos estavam abraçados e Neji não exitou em tocá-la no rosto, limpando suas lágrimas e contendo o nervosismo da menor, que se encaixava perfeitamente em seus braços. Ele estava nervoso também, porém tentara se colocar no lugar de Hinata, que estava indo contra o seu próprio pai.

– O que foi aquela gritaria aqu... – ambos escutaram a voz feminina e viraram-se abruptamente para trás, percebendo uma Hanabi com os olhos completamente boquiaberta e com os olhos perolados arregalados – vocês estão juntos mesmo?

– Hanabi-chan... – a irmã mais velha sussurrou corada – é mais complicado do que parece...

– Eu não sou mais uma criança, Hinata, sei bem como vocês estão encrencados. Mas não quero que pensem errado de mim, estou preparada para chutar umas bundas velhas de Hyuugas prepotentes e ridículos se for preciso.

O casal pôde sorrir para a mais nova na sala. Neji piscou para a menor em pé, sendo retribuído com um sinal de joia e uma piscada.


♥ ♪


– Acredito que a maioria de vocês sabem o porquê estamos aqui hoje – a voz masculina tomou aquela sala cheia de olhos perolados e testas marcadas – apenas peço perdão por reunir vocês justamente aqui. Sabemos que os secundários não tem privacidade alguma dentro do clã. Enfim, os que não sabem, irei explicar vagamente.

Neji permanecia em frente a um palanque em um porão de uma casa afastada na Vila. Hinata e Hanabi estavam sentadas ao seu lado, com as pernas cruzadas e atentas a todos ali presentes, pois Neji tinha explicado seu plano para elas e, por mais doloroso que fosse, Hinata concordou por ser melhor para todos.

– Por que as princesinhas da casa principal estão aqui?

Uma voz ecoou dentro do salão. Aquilo cutucou Hanabi, que arqueou rapidamente uma sobrancelha para a silhueta feminina que acabara dizendo aquilo.

– Porque Hinata é um dos motivos dos quais eu reuni vocês. Elas estão inteiramente ao nosso lado e por nossa causa. Pra quem não sabe, eu e a senhorita Hinata sofremos represálias de Hiashi por unicamente nos amarmos como homem e mulher. Lá, prega um ideal de que principais podem se relacionar somente com principais, e assim com o mesmo contexto na casa secundária do clã, o que é uma ideia retrógrada.

Todos continuavam ouvindo o discurso do Hyuuga considerado o gênio do clã, humilhando todos da casa principal. Neji tinha um grande peso e consideração por todos ali da parte secundária da família, onde viviam em constante medo.

– Há meses eu e Hinata temos trabalhado em uma técnica que vinha desafiando a minha própria integridade e minha própria vida, entretanto, ela deu muito certo e desde então, eu não venho tendo medo de nada que possa vir daquela casa.

Naquele momento, na frente de todos, Neji tirou a bandana e todos ficaram chocados com o que viram: ele não tinha mais o selo amaldiçoado da casa principal, e até mesmo Hanabi expressou o mesmo sentimento deles. Hinata estava feliz com aquilo.

– Mas como vocês conseguiram, Neji?

– Vínhamos estudando a técnica e desde então, tentávamos revertê-la. Fazíamos testes em animais, até que ao ter cem porcento de eficácia, tentamos em mim.

– Eu tive muito medo de dar errado nele. Eu acabei fazendo o selo e, vê-lo sentir tanta dor foi agoniante. Eu achei que ele ia morrer... – Hinata comentou para todos – mas quando vi ele abrindo os olhos sem a marca, eu senti um alívio enorme.

Ela se lembrou do abraço apertado e do beijo longo que deram após o sucesso da retirada do selo amaldiçoado. Ambos choravam de felicidade ao saber que ele não era mais um pássaro engaiolado, e sim, um pássaro livre.

– E por conta disso estamos aqui. Queremos uma revolução dentro do clã Hyuuga, queremos que todos nós possamos viver em paz e sem medo, que podemos defender o nosso clã por amor e honra, sem precisar de amarras inúteis. Queremos paz entre todos nós! – o mais velho bradou – Queremos livrar vocês dessa marca maldita e queremos tomar posse de um clã justo, nem que para isso, temos que derramar tudo o que for preciso.

Hinata sentia-se orgulhosa pelo belo discurso de Neji, porém tinha medo de quais consequências essa “revolução” podia causar. Ela tinha medo de ocorrer mortes a mando disso e medo de pessoas importantes poderem se ferir. Seu coração estava repartido pelo seu pai e por Neji.

Em duas filas e com ninjas médicos à disposição, Hinata e Neji passaram a retirar os selos de todos ali presentes, do primeiro até o último. Eles se empenharam até o último e, ao terminar, Hinata se encolheu na parede graças à exaustão e a falta de chakra. Neji sentou ao lado dela e sorriu. A missão estava perto de começar.

Os membros da família secundária passaram a aplaudir o casal e dizer seus nomes em forma de agradecimento. Eles se entreolharam e tiveram a certeza de que estavam fazendo a coisa certa.


♥ ♪


Aquele dia era um dia especial: o dia em que Hinata se tornaria líder e seria anunciado o nome do futuro noivo que seria da casa principal. Ela estava vestida de acordo com a etiqueta e estava ansiosa sob o plano. Hanabi deu o aval de que seria o dia perfeito para o ataque e Neji estava tão calmo que parecia que não ia acontecer nada.

Hiashi estava sério e olhava para Hinata com um olhar enojado, pois o evento com Neji ainda passava por suas entranhas. Ela iria subir ao palanque para o seu discurso e, em um envelope, ela iria ler o nome do Hyuuga contemplado pelos conselheiros, visto que todos tinham ciência do envolvimento dela com Neji.

– Eu queria agradecer por finalmente ter chego a minha hora de ter uma grande responsabilidade que é a liderança do clã em que nasci e cresci. Desde o começo, quando eu era uma criança, eu não tinha certeza se eu queria por achar que estava longe do meu alcance, e anos depois, eu vi que estou errada e agradeço à Kami-sama por isso. Obrigada aos conselheiros, ao meu querido pai e a todos os envolvidos para que eu chegasse aonde estou, principalmente à memória de Naruto Uzumaki, um grande amigo que virou um espelho na minha vida. A sua força de vontade me ajudou a me enxergar com outros olhos e eu pude ver que eu era capaz. Obrigada!

As palmas ecoavam por todo o salão principal. Hinata encarou o envelope veementemente e suspirou profundamente antes de tocá-lo. Ao abri-lo e ver o nome ali, ela não aguentou e deu uma leve risada com o nome escolhido, por quê o Ko? Coitado!

– Meus nobres companheiros, o homem que foi escolhido para ser meu futuro não é nada mais e nada menos do que... Neji Hyuuga!

A risada alta de Hanabi ecoou no recinto. Aquilo fazia parte do plano e o pai de Hinata havia caído perfeitamente. Os líderes arregalaram os olhos e se aproximaram da moça que estava ali.

– Não escolhemos ele!

– Como não? O nome dele está aqui!

Ao se aproximarem, a explosão tomou conta do lugar e os Hyuugas secundários passaram a atacar os principais com suas técnicas. Neji encarou Hiashi diretamente e ali, queria descontar a raiva por ter sido tão rude com Hinata a sua vida inteira.

– Eu não queria usar isso contra você, Neji, mas você não me deixa escolha!

– Sinta-se a vontade, Hiashi-sama.

Ele realizou o selo nas mãos, mas estranhou quando o mais novo não esboçou nenhuma reação ao selo. Neji passou a caminhar em direção a ele com o Byakugan ativado, e, em questão de segundos, ambos passaram a lutar naquela aglomeração de pessoas.

Hinata passou a perceber uma movimentação estranha, foi em direção aos líder e percebeu que de seis, quatro estavam mortos e viu o quinto ser atingido fatalmente no coração. O seu apertou, ela não queria ver mortes causadas por sua causa. Para ela, aquilo era sua culpa. E seu coração doeu mais quando viu seu pai por baixo de Neji, sangrando com a sequência de socos dados pelo mais novo.

– Neji!

Ela correu em direção de ambos e segurou o braço dele. Seu pai estava sem forças para continuar lutando e ali ele passou a encarar sua filha. Hinata tinha um ar preocupado, pois por mais que Hiashi fosse uma pessoa de coração ruim, ele ainda era o seu pai.

– Hinata... Você sabia disso?

O coração dela se apertou novamente naquele momento.

– Apenas você pode parar isso, pai. Faça um clã único ou a matança irá continuar.

Hiashi arregalou os olhos e levantou a mão esquerda. Neji gritou para que todos parassem e, ali, todos encaravam Hiashi se levantar e ver vários corpos sem vida no chão, inclusive de cinco dos seus seis conselheiros. Hanabi respirava ofegante e murchou ao ver seu pai ensanguentado, e pela primeira vez, Hiashi chorou. As pessoas sentiam sua dor e choraram. Ele entendeu que, as vezes, a revolução é feita com a dor. Somente assim muitas causas são vistas.


♥ ♪


Era um dia ensolarado dentro do clã Hyuuga, e ao longe da movimentação, Hinata estava sentada ao chão, observando uma rara íris lilás em seu jardim. Um sorriso se instalou em seu rosto, como aquela flor era especial em sua vida, a flor que trouxe o seu marido para ela. A flor que desabrochou os sentimentos de ambos.

– Hinata-sama!

A voz de Ko a despertou de seus pensamentos. Aquela era a hora de oficializar algo que era real dentro do clã há algumas semanas. Em toda a sua vida, Hinata nunca viu o clã todo tão sorridente e alegre, mesmo com tudo que havia acontecido. Ela caminhou até o salão, vendo seu marido ao lado de sua irmã próximo ao palanque.

– Caros membros do clã Hyuuga, fico feliz que estejam todos aqui e que deu tudo imensamente certo. Estou aqui para oficializar que não existem mais ramificações no clã Hyuuga, que todos podem fazer as suas escolhas e não estão mais presos em uma gaiola. Todos somos humanos que tem vontades e sonhos. E graças aos sonhos, vocês não estão mais presos à uma amarra. Com tudo o que aconteceu, eu e Neji seremos os líderes, juntos nessa estrada e ao lado de todos vocês. Obrigada a todos por tudo.

Todos batiam palmas e alguns gritavam pelo casal. Neji e Hinata se abraçaram, vendo Hiashi ao longe consentir com a cabeça. A partir dali, o clã tinha uma nova cara, repletos de rostos felizes e sem mais rostos frios como o inverno.

31 de Enero de 2019 a las 01:28 2 Reporte Insertar 1
Fin

Conoce al autor

Julia Olsen Fã incontestável de Naruto, allHina, allIno e ShikaTema. Metal é minha vida, mas escuto tudo o que for música boa, inclusive, Arianator com força. Escrevendo desde os 14, sigo com 22 aninhos de pura malemolência. Thank u, next.

Comenta algo

Publica!
Nany Lopes Nany Lopes
LINDÍSSIMAAAAAA ARRASOU TODAAAAA AA AAA AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA EU AMEI MUITO meu deus do céu Julia EU PRECISO DE MAIS CAPÍTULOS ME DÁ tomara que você me tire em mais amigos secretos, a Fic ficou perfeita e tem tudo que eu pedi e mais ainda!!!! Obrigada e parabéns!!
February 01, 2019, 22:08

  • Julia Olsen Julia Olsen
    Obrigada, Nany <3 fico imensamente feliz que vc tenha gostado <3 February 24, 2019, 13:47
~

Historias relacionadas