O Tempo Passou Seguir historia

juniosalles Junio Salles

O velho reflete sobre os melhores momentos de sua vida sentado numa cadeira enquanto vivencia o seu fim.


Cuento Todo público.

#morte #nostalgia #velho #idade #lembrança
Cuento corto
8
1627 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

O Tempo Passou


O velho caminhou com dificuldades até a varanda da casa em que morava sozinho e sentou-se em sua poltrona preferida. Começou a observar a rua e viu dois jovens garotos brincando alegremente. Ficou ali observando por alguns minutos e logo sentiu seus olhos pesarem.


Quando adormeceu começou a sonhar que era criança novamente e que brincava na rua com seus primos. No sonho podia correr novamente, sentia a adrenalina, o vento no rosto e o coração batendo mais forte. Começou a reparar que tal sonho era extremamente familiar e foi então que percebeu que tudo aquilo, na verdade eram lembranças. Nesse momento, sentiu um leve formigamento na ponta dos dedos. 


A lembrança então mudou para outra cena, dessa vez ainda era criança só que jogando videogame. Então ele lembrou de como gostava de fazer isso quando era jovem, passava horas na frente da TV jogando. Se perdeu naquelas lembranças por um tempo e logo se deu conta que aquele tempo havia passado, logo em seguida sentiu o formigamento subindo até sua mão. 


Quando se deu conta estava lembrando de seus pais, e foi então que sentiu vontade de chorar. Lembrou-se de tudo que os dois fizeram por ele, e no pouco que ele fizera pelos dois. Tinha consciência que faltou dizer e demonstrar mais que os amava, e principalmente faltou um “Muito Obrigado por tudo”. A primeira lagrima escorreu quando percebeu que o tempo de fazer isso já tinha passado. O formigamento então subiu pelo seu braço naquele momento. 


Logo em seguida se via na adolescência. Lembrou das paixonites que teve nessa época e sorriu quando viu como eram rápidas e rasas. Porém no meio dessas lembranças havia também a lembrança de sua primeira paixão, e sabia que essa era diferente pois ele ainda lembrava com detalhes da voz e do rosto da garota. Sorriu ao pensar que atualmente ela não devia mais ter a mesma pele de décadas atrás. Foi então que refletiu: “Se eu tivesse me declarado, eu teria alguma chance? Nunca saberei, pois, o tempo de ter feito isso já passou”. Neste momento reparou que seu coração estava mais acelerado. 


Pensar na adolescência o fez lembrar de amigos. E pensando em amigos ele recordou do mais importante, o seu irmão. Lembrou que brigavam muito, mas minutos depois estavam juntos de novo, reparou que apesar de admirá-lo muito jamais havia dito isso a ele. Suspirou e pensou: “Preciso fazer isso antes que o tempo acabe”. Neste instante sentiu calafrios pelo corpo. 


Agora lembrou de seu filho e foi aí que as lágrimas desceram com intensidade. Conseguiu lembrar com detalhes da primeira vez que pegou ele no colo e de como ele era pequeno e frágil, das primeiras palavras dele, dos primeiros passinhos, até mesmo da primeira vez que precisou repreende-lo e de como fazer isso cortou seu coração. Lembrou dos conselhos, das brincadeiras e de como se sentia feliz junto do seu filho. E referente ao seu garoto ele só lamentou não ter tido mais tempo, mas sentiu alivio ao perceber que o tempo que teve com ele fez o seu melhor. Nesta ocasião começou a sentir falta de ar. 


Foi então que pensou na sua amada. Todo homem teve, tem ou terá a sua, e com o velho não foi diferente. Mais uma vez lembrou de todos momentos bons e marcantes que passou com ela e então sorriu ao lembrar de como esses momentos foram felizes. Com esta lembrança ele sentiu paz, sabia que sempre fez o seu melhor para ela e que isso o fazia bem e feliz. Então respirou fundo e pensou “Foi bom enquanto durou” .


Por último viu sua vida adulta, os trabalhos que teve, a faculdade que cursou, e tudo que conquistou. Viu que tinha feito mais do que costumava lembrar e sentiu orgulho de si, mas por outro lado viu que deixou de realizar muita coisa que teve vontade, por insegurança e medo. Se entristeceu ao sentir que o tempo para realizar tais coisas havia acabado. 


Neste momento o formigamento já estava em todo corpo, o coração batia extremamente acelerado, ele já quase não conseguia respirar, as lembranças de sua vida passaram como um foguete pela sua mente, começou a sentir milhões de sensação ao mesmo tempo. Medo, culpa, felicidade, ansiedade, tristeza, saudade, remorso, tudo de uma só vez, mas no segundo seguinte não sentia mais nada, absolutamente nada, as lembranças foram desaparecendo até nada restar, foi então que o velho percebeu que agora não mais existia pois era o seu próprio tempo que havia acabado.


17 de Enero de 2019 a las 11:44 10 Reporte Insertar 8
Fin

Conoce al autor

Junio Salles Nascido em Belo Horizonte, desde pequeno vivia em mundos de fantasia criados por mim mesmo em minha cabeça. Sempre preferi ficar sozinho imaginando e criando histórias baseadas no que lia nos livros ou assistia na TV. A maioria das histórias que criei não escrevi, mas agora de um tempo pra cá tenho passado pro papel esses roteiros que estão na minha cabeça. Espero que gostem

Comenta algo

Publica!
MS Micaela Sakamoto
Lindo de mais
22 de Febrero de 2019 a las 08:26

ME Malaquias Ezequiel
Acho que a vida é curta de mais e agente não percebe isso as vezes, obrigado por me trazer a essa reflexão
24 de Enero de 2019 a las 05:24

  • Junio Salles Junio Salles
    Por nada, obrigado pelo comentario 24 de Enero de 2019 a las 05:30
WL Washington Luiz
As vezes deixamos o tempo passar e perdemos coisas importante
17 de Enero de 2019 a las 07:59

  • Junio Salles Junio Salles
    Obrigado Pelo comentário 17 de Enero de 2019 a las 08:12
JS Jamaes Silveira
Depois de ler isso, vou ligar pros meus pais e dizer coisas que ainda não disse.
17 de Enero de 2019 a las 07:57

Liliane Cris Liliane Cris
Nossa, é como se tivesse passando um filme na cabeça dele enquanto ele vive seus últimos momentos. Até chorei
17 de Enero de 2019 a las 06:30

  • Junio Salles Junio Salles
    Bom saber que te emocionou e te fez refletir! 17 de Enero de 2019 a las 06:31
~