Segredos Proibidos de Sofia Seguir historia

C
Catriny Linhares


Finalmente Sofia está sozinha em seu quarto e como tem sido difícil para ela conseguir ficar sozinha, ela tira seu vestido e o coloca no divã, uma brisa fresca entra pela janela e acaricia sua pele delicada, ela corre para cama e se joga de costas contra os lençóis macios, ela estende sua mão e se lembra dele, seu rosto começa a arder, uma sensação perturbadora sobe pelas suas pernas as quais ela esfrega nos lençóis esfrega uma conta a outra esperando uma forma de saciar aquele apelo desconhecido, seu peito se enche e se aquece, ela sente como se não pudesse respirar, leva suas mãos ao rosto e sente o cheiro dele.Mas por que ele causa tudo isto?E o que é isto? Que sensações são essas?Ela sente que deveria contar para alguém, mas não entende o porquê sente uma vergonha terrível que a impede."


Romance Sólo para mayores de 18.

#disney #erotico #magia #romance #feiticeiro #Cedric #SofiaTheFirst #Princesinha #Sofia
2
3892 VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Todos los sábados
tiempo de lectura
AA Compartir

O que se sente em um beijo

Deitada em sua enorme cama ainda na noite de Wasselha Sofia virava para um lado e para o outro, ela tinha presenteado Cedric com uma caixinha para sua varinha e ele fez uma expressão que ela não conseguia esquecer.Desde de ter ajudado o feiticeiro a conseguir a varinha da família em uma visita aos campos místicos  que o homem parecia ter baixado um pouco suas barreiras para ela, naquele dia quando voltaram para casa ele estava particularmente  feliz havia além de recebido a varinha de seu pai, sido reconhecido e elogiado, ela se sentiu feliz por ele, mais que isto ela se sentiu feliz por ele estar feliz.

Naquele dia ao voltarem dos campos místicos a animada Sofia que tomou seu assento ao lado do feiticeiro, de repente foi tomada pelo súbito cansaço, ela tinha que aproveitar o momento de felicidade , algo raro no feiticeiro, sorrateira ela se deixou cair para o lado como se estivesse dormindo, ele tentou acordá-la duas vezes , mas depois desistiu deixando-a repousar a cabeça em seu colo, afinal de contas ela merecia, tinha ajudado ele a conseguir a varinha.Baillewyck conversava animado com o resto da tropa das amarelinhas, todas estavam ativas, energéticas, o feiticeiro respirou fundo sentindo a brisa que soprava forte contra seu rosto, o vento fez com que os cabelos acobreados da pequena caíssem contra seu rostinho delicado, que ele em um impulso retirou.O mundo pareceu girar em câmera lenta quando o feiticeiro correu seus longos dedos meio enluvados pelo rostinho delicado da menina, ela era definitivamente a princesa mais bonita de todas, uma amiga de verdade, a única amiga como disse sua mãe ainda pouco, ele deu um meio sorriso e sussurrou:

- Obrigada princesa foi um dia maravilhoso!

Em sono fingido Sofia ouviu cada palavra que explodiram dentro de seu peito como fogos de artifício, ela não conseguiu conter um suspiro profundo, ela queria que o tempo parasse exatamente agora, ela poderia sentir aquele toque em seu rosto e ouvir aquelas palavras para sempre.

E este foi apenas um dos motivos que teria feito a pequena chegar a sua conclusão final,uma vez em um banquete encantado uma fada disfarçada chegou e ganhou muita atenção do feiticeiro, Sofia não foi nem um pouco com a cara dela fez até a grosseira de dar o colar que tinha ganhado de presente da mulher para Amber, não que tudo isto fosse por causa de Cedric, mas que foi um dos motivos isto com certeza.Uma outra vez ela contou com a Ajuda dele para aprender a transformar pedras em rubis, de mesma forma ela também o ajudou e foi sua aprendiz por uma semana, foi uma ótima semana !

As coisas enrolavam dentro da pequena, as borboletas em seu estômago já não a deixava nem se concentrar nas aulas, mas ela não sabia se era...Não poderia ser...Será que ela , mas ela era tão pequena , era tão cedo para sentir algo assim, mas estava lá , o sentimento que lhe causava azia lhe obrigava a procurar formas de perturbar a paz do pobre homem , quase todos os dias.

Finalmente Sofia está sozinha em seu quarto e como  tem sido difícil para ela conseguir ficar sozinha, ela tira seu vestido e o coloca no divã, uma brisa fresca entra pela janela e acaricia sua pele delicada, ela corre para cama e se joga de costas contra os lençóis macios, ela estende sua mão e se lembra dele, seu rosto começa a arder, uma sensação perturbadora sobe pelas suas pernas as quais ela esfrega nos lençóis esfrega uma conta a outra esperando uma forma de saciar aquele apelo desconhecido, seu peito se enche  e se aquece, ela sente como se não pudesse respirar, leva suas mãos ao rosto e sente o cheiro dele.Mas por que ele causa tudo isto?E o que é isto?Que sensações são essas?Ela sente que deveria contar para alguém, mas não entende o porque sente uma vergonha terrível que a impede.

Mais um suspiro sai dos pequenos lábios de Sofia e ela agora se encolhe violentamente e aperta os braços em torno de si mesma...Ah como ela queria se sentir abraçada por ele!Queria afundar no cheiro dele...Tem que ter uma explicação para isto, por que ela sente tanta necessidade de ser tocada por ele, é como se o seu corpo estivesse tentando se comunicar com ela usando uma linguagem que ela não conhece.Mais um suspiro, quase um gemido e seu abraço contra o próprio corpo fica mais suave, sua pele alva e delicada começa a se arrepiar levemente, ela desliza suas pequenas mãos pelos braços, ela gosta da maciez da própria pele, na verdade também gosta do perfume imagina se ele sente vontade de tocá-la, uma onda ainda maior de sensações corre freneticamente pelo seu corpo e se concentra inconvenientemente entre suas pernas irradiando fortes vibrações por todo seu corpo, ela novamente se abraça forte e esfrega suas pernas com força...E tem sido assim, tudo o que ela faz pensando nele tem resultados violentos em seu pequeno corpo, ela queria entender, mas para isto teria que contar a alguém e ela não sabe porque, mas nunca teria coragem....

Um dia a princesinha arrancou coragem para chamar sua mãe para uma conversa após se perder por um tempo assistindo escondida a um beijo apaixonado entre a rainha Miranda e o rei Rolland, o beijo para tudo o que ela vinha sentindo, o beijo parecia ter muita importância, ainda mais que ela corou no momento em que imaginou seus lábios sendo tocados pelos do feiticeiro real, ela levou suas mãos geladas em sua face quente.Assim que conseguiu o momento com sua mãe Sofia perguntou:

- Mãe o é um beijo?

- Ora Sofia, querida o beijo é uma demonstração de carinho, de amor?

- Eu sei mãe, mas o que as pessoas sentem durante um beijo de amor?

Miranda limpou a garganta.Como explicar isto a filha:

- Elas conseguem sentir o que a outra está sentindo, é uma declaração de amor sem palavras. Mas por que você está curiosa sobre isto, não me diga que está apaixonada?Você é muito nova deveria estar brincando com seus irmãos, com seu coelhinho, deixe este assunto para o futuro o tempo vai te responder todas  as dúvidas, mesmo porque falar sobre o beijo não o define, existem muitos livros e poemas, mas nada se compara com a experiência e isto você só vai ter quando ficar mocinha.

- Ah não se preocupe, só fiquei curiosa, mas obrigada mãe vou brincar com Clover no jardim.- Sofia deu um abraço em sua mãe e correu para fora do quarto, Miranda sorriu com a curiosidade da filha, mas voltou sua atenção para suas tarefas de rainha...Mal  sabia ela...

Sofia saiu correndo e pensando nas palavras da mãe, “descritos em livros e poemas”, Como sua primeira experiência parecia tão  longe ela resolveu pegar alguns livros sobre o assunto, porém em livros que trata-se sobre beijos com certeza outros assuntos associados  ela acabaria por ler e então...





Um dia ela quase matou seu coelho com uma pergunta:

- Clover você é um coelho adulto...

- Sim Sofia eu sou um coelho adulto e daí?

- Você já acasalou?

Clover caiu para trás com os olhos girando, depois ele se levantou, gaguejando:

- Sofia eu não vou conversar com você sobre isto!Eu sou seu animal de estimação, eu brinco te livro de encrencas, arrumo suas coisas, vou em aventuras com você, este tipo de assunto é com a sua mãe!

- Mas Clover eu não posso perguntar isso pra minha mãe!

- Então vá na biblioteca e procure nos livros.Mas acho que você ainda não tem idade para isto!

- Eu já li. Eu só quero saber Clover!

- E por que?

- Porque quero saber por que as pessoas se apaixonam, o que faz uma pessoa ser especial para outra, o que faz duas pessoas compartilhar um beijo e o que elas sentem quando se beijam?

- E por que você quer saber isso agora?

- Porque tem uma pessoa que me interessa mais que todas as outras e eu sinto umas coisas estranhas.

O coelho cuspiu a cenoura que estava em sua boca e ele perguntou:

- Ou, ou, ou!Que tipo de coisas estranhas? E quem é a pessoa? É da escola real ?

- Não é da minha idade se é o que você quer saber!No começo eu só queria ficar perto dele o mais tempo o possível,quando eu conseguia eu sempre dava um jeito para tocar nele...não sei bem, mas eu queria que ele tocasse em mim, me sentia diferente quando isto acontecia, eu ficava meio sem ar, mas era muito gostoso?

- Tocar em você como? -  O coelho quase se engasga.

- Nada demais, segurar minha mão quando me ensinava a forma certa de mover a varinha, eu fingia não entender, as vezes eu o puxava pela mão para o meu jardim secreto!

O coelho deixou a cenoura cair:

- Ai meu santo rabanete fresco, sei de quem você está falando!Não sou pintinho, mas fiquei chocado!

- Então você sabe? Sinto como se todos soubessem, como se tivesse escrito na minha cara!Eu sei que é cedo, mas eu acho...acho que eu o amo!

O coelho caiu para trás dramaticamente, perguntando:

_O que mais estranho você sente Sofia?

- Eu sinto falta do cheiro dele, e quando eu sinto o cheiro dele meu corpo fica quente, muito quente, uma onda forte de várias sensações sobe pelas minhas pernas e ...

- Tá bom , tá bom eu já entendi!

- Então por isso perguntei sobre acasalamento, eu pensei, sei lá você já...

O coelho pulou para perto da menina e cochichou algo em seu ouvido, ela se espantou, seu rosto ficou vermelho, por um minuto ela ficou sem fala , mas depois ela cobriu o peludo de perguntas:

- E é bom?

- Sim é algo naturalmente muito bom pois precisa induzir os animais a procriarem, se fosse ruim ninguém procurava!

- E os animais se amam?

- Alguns sim e alguns só acasalam para procriar, como os humanos fazem casando suas filhas com machos vindos de longe os quais elas nunca viram.

- Ah, mas isso é terrível, mas é verdade! Eu não quero acasalar com alguém que não amo!

-Você não precisa se preocupar com isso princesa, você ainda é filhote e tem um caminho inteiro pela frente, pode fazer quem você quiser se apaixonar por você!

- É ISSO CLOVER VOCÊ É UM GÊNIO, VOU FAZER ELE SE APAIXONAR POR MIM! Assim quando eu crescer mais um pouco nós nos casamos e vivemos felizes para sempre!Ah Clover você é o melhor amigo que uma princesa poderia ter.

Sofia apertou o coelho tão forte que o pobre não pode respirar, ele também iria dizer que não era isto que ele tinha em mente, ela poderia se meter em confusões com este plano.

Mas naquela noite depois das festividades era a noite perfeita , o feiticeiro estava de bom humor, o presente que ela fez deu bons resultados e agora era a hora ideal para ela sair de sua cama e ir pedir seu presente...

Esperta como uma gata Sofia chegou a torre do feiticeiro, não bateu na porta da oficina não queria deixá-lo avisado, arredou a pedra e pegou a chave, foi difícil dar altura , mas ela conseguiu.Girou a chave na fechadura e pegou a varinha que tinha ganho do feiticeiro, usou em Wormwood o primeiro feitiço que aprendeu “sonius pocos”e pois o corvo pra dormir, seguiu sorrateira pelas escadas que levavam aos aposentos do feiticeiro e abriu a porta suavemente, suas pernas estavam quase sem forças e seu estomago revirava ela mal conseguia manter sua varinha firme em suas mãos, ela entrou empurrando suas costas contra a parede arrastando seus pezinhos no chão, estava muito escuro, ela usou um feitiço simples fazendo sua varinha brilhar com uma luz lilás que iluminou bem todo o local, andou até a cama e empurrou as cortinas negras rendadas do dossel, o feiticeiro dormia tranquilamente, ao seu lado ainda próxima às suas mãos a caixinha que Sofia o presenteou estava sobre seu travesseiro, o coração da menina saltou de emoção “Ele gostou tanto do meu presente que dormiu com ele nas mãos”Ela lentamente retirou a caixinha e colocou sobre o criado mudo, em seguida pegou um impulso e subiu sobre a cama, ela devia acordá-lo para pedir seu beijo, mas dormindo ele parecia outra pessoa, ele estava tão indefeso, tinha o rosto tão sereno, ela deitou-se ao lado dele e ficou olhando ele dormir, ele sorriu e murmurou “Princesa Sofia”.Como ele sabia ele estava dormindo?Mas ela percebeu que ele estava apenas sonhando,então ela deslizou seus dedos por entre os cabelos lisos do feiticeiro”Ele está sonhando comigo”Ela pensou e se emocionou, queria saber que sonho poderia ser, continuou da deslizar sua mãozinha pelos cabelos do feiticeiro e depois acariciou seu rosto lentamente, quando ele segurou sua mão abruptamente, ela congelou, mas ele sorriu e deslizou a mãozinha da princesa até seu nariz e inalou seu cheirinho doce de bebê, o perfume de Sofia era delicado suave como lavanda , refrescante como hortelã, cheirinho de coisas novas e confortáveis era uma mistura inexplicável e envolvente, proibida com certeza mas para ele era apenas um sonho e para alguém que nunca teve direito a nada de bom na vida, sonhar era um privilégio do qual ele não se restringia, era totalmente compreensível que ele sonhasse com sua pequena amiga ,já que tinha dormido emocionado imaginando que a menina gastou seu tempo fazendo um presente para ele, nem seus pais gastavam tempo com ele.

- Eu gosto do seu cheiro princesa! - Ele murmurou ainda em seu sono, segurando a mãozinha da princesa, o coração de Sofia palpitava e mesmo sabendo que ele estava dormindo ela respondeu aproximando bem seu rosto:

- Eu também gosto do seu cheiro Sr Ceeedric!

- É Cedric! - Ele respondeu e abriu os olhos, mas a visão de Sofia  em sua camisola branca, iluminada pela luz lilás da varinha o fizera pensar que tudo não passava de um sonho, mesmo assim ele soltou a mão da menina e sentou-se em sua cama olhando para ela:

- Por que você está no meu sonho Sofia?

“Ele pensa que é um sonho, ótimo”- O senhor não gostou?Pensei que ficaria feliz!

- Feliz?- Ele pareceu confuso.- É só um sonho mesmo, fiquei feliz que tenha vindo!

A princesa sorriu timidamente o rubor em seu rosto aumentando, ela deu um olhar profundo com seus grandes olhos azuis e perguntou:

- Sr Cedric,o senhor gostou do meu presente?

- Sim foi o melhor presente que já ganhei na vida!

- Então é…- Ela começou a sentir sua coragem drenada, mas já estava ali e precisava conseguir.- É...O senhor poderia me abraçar?

O pedido caiu como uma bomba para o feiticeiro, afinal que tipo de sonho era aquele com a princesa, ele se arrependeu de ter tomado aquele copo de vinho, mesmo assim era só um sonho e ela estava esperando a resposta com aquela carinha de cachorro pidão e como resistir,sobretudo era apenas um sonho:

- Tudo bem princesa! - Ele estendeu os braços e Sofia subiu para seu colo e ela o abraçou com todas as suas forças e ele a envolveu em seus braços sentindo seu aperto forte, dava para sentir seu coração disparado, também o atrito com seu amuleto, ele se deixou afundar nos cabelos da pequena, tudo era tão real, a textura da seda da camisola o calor da pele da pequena , o aconchego do abraço,ter aquele tipo de sonho com sua pequena amiga não ia de acordo com suas convicções mas o contato estava perigosamente agradável, cada célula do seu corpo parecia se deliciar com aquele  enlace, a princesa suspirou profundamente e sussurrou algo que era inevitável para ela naquele momento:

- Eu te amo Sr Cedric! - Ouvir aquelas palavras mesmo que em sonho, passou uma onda de choque por todo o corpo do feiticeiro o que o fez apertá-la com mais força, ele deu um suspiro profundo e sussurrou:

- Não diz isto princesa, você não pode! Eu não posso sonhar isto com você!

- Por que não?- Ela perguntou ao seu ouvido, fazendo ele se arrepiar por completo seu corpo já começava a reagir de forma perigosa.

- Porque você é muito nova e é minha amiga, minha única amiga!Vá agora, saia do meu sonho, me deixe. - Ele falou e a soltou do abraço pesarosamente, olhou aquele rostinho tão lindo, tão meigo, nem em sonho merecia ser deturpada, Sofia sempre seria um anjo...

Mas Sofia por sua vez, não queria voltar para seu quarto sem ganhar seu primeiro beijo, ela fez beicinho e logo as lágrimas começaram a escorrer, fazendo o feiticeiro abraçá-la novamente e acariciar seu cabelos, depois ela segurou o rosto dele entre suas mãozinhas e colou suas testas dizendo:

- Eu irei embora do seu sonho, mas antes eu quero um beijo!

- Um beijo?- Ele já estava completamente excitado com aquela situação e aquelas palavras, o hálito doce da pequena colidindo com seus lábios , não havia nada mais que ele quisesse no mundo e era apenas um sonho, algo secreto que ninguém jamais saberia, ele espalmou sua mão trêmula nas costas da princesa, sua respiração já estava completamente irregular, ele engoliu seco antes de responder: - Mas eu nunca...

- Eu posso beijar você, eu li nos livros sei como se faz!- A respiração da menina também estava irregular, a excitação e ansiedade tomavam seu corpo, suas pernas envolvidas em torno do feiticeiro e seus braços enlaçados em seu pescoço, ela tomou uma altura perfeita para seu sonhado beijo.- Posso beijá-lo?

Era só um sonho ele pensava já tomado pela loucura do momento, sua doce Sofia queria beijá-lo...Ele assentiu e a princesa pressionou sua boquinha delicada contra a dele.No começo apenas um leve encontro entra lábios, um choque calmo e tímido, um reconhecimento de território, mas quando as curiosas línguas entram em cena, as coisas se aprofundaram mais, o sabor um do outro , eles acariciavam suas línguas uma com a outra perdidos em um delicioso excesso de saliva, se comunicavam sem dizer nada, em segundos  a menina se sentiu apertada novamente em um abraço, ela sentia tanta necessidade daquele abraço, daquele calor, seu corpo parecia estar em festa.


O feiticeiro continuava perdido no delírio de ser apenas um sonho, um sonho proibido e ainda sim o melhor sonho de sua vida, o gosto de Sofia era incrível, sentir sua boquinha pequena, sua língua se movendo junto a dele, ouvir os pequenos gemidinhos abafados que saiam dela...Ah era o paraíso, ele poderia morrer para ficar preso eternamente naquele sonho, suas mãos podiam sentir os cabelos sedosos da menina, sua pele aveludada, se arrepiando ao toque,,a fina seda de sua camisola...Oh Merlin era tão real!

Assim que separaram seus lábios a procura de ar Sofia não queria que o encanto do momento se perdesse e se ele descobrisse que não era um sonho, poderia deixar de falar com ela, cancelar suas lições de magia, ela morreria, sendo assim ela pegou a varinha atrás de si e sorriu conjurando baixinho o feitiço de sono para ele, pronto seu primeiro sonhado beijo fora recebido enfim...  

26 de Diciembre de 2018 a las 18:10 0 Reporte Insertar 3
Leer el siguiente capítulo Depois do beijo

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 3 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión