AutoEstima. Seguir historia

kimsarah342 Kim Sarah

Temos como personagem principal Amélia Gonver, sendo uma garota acima do peso, sua auto estima era mais funda que o inferno. Com isso, passava a pensar que ninguém merecia ficar perto de uma pessoa tão feia quanto a si, incluindo Thomas, sua paixão adolescente, ou as varias pessoas que haviam tentado ganhar sua amizade. Seu dia feliz chegou quando estava fazendo alguns poucos exercícios, com objetivo de ter o "corpo perfeito" em mente, Thomas estava no mesmo lugar. Porém seu mundo desandou quando, finalmente, sua auto estima baixa virou algo muito pior.


Fanfiction Sólo para mayores de 18.

#suicídio #insegurança #ansiedade #depressão #amor #romance #autoestima #Gordofobia
0
4.6mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 30 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Bonita.


O espelho refletia sua bela imagem; seus lindos cabelos ondulados, de cor negra ; seu lindo rosto redondo e gordinho; e, por fim, seus lindos olhos azuis. Infelizmente aquele espelho não refletia todo seu corpo que, também, eram lindos.

Suspirou, pegando a pequena caixa onde habitavam suas lentes de contatos, escondendo o azul de seus olhos, em um simples castanho escuro.

Oh, sim, era linda, mas não achava isso. Se achava a pessoa mais horrível do mundo, apenas por não entrar no "padrão". Ser gorda era um dos principais fatores para se achar feia.

A única coisa que achava linda em si era seus olhos, mas, para ela, eles não serviam para uma pessoa tão feia quanto si, escondendo-os por trás das lentes de contatos.

- Amélia, você vai se atrasar! - escutou a voz de seu irmão que gritava da sala.

- Já vou! - disse simples, nem se importando se ele havia a escutado ou não, prendendo seus cabelos em um simples coque firme.

Saiu do banheiro na correria, pois realmente iria se atrasar se não fosse rápido. Sim, estava indo para escola. Um local simples para Amélia. É, ela não sofria bullying, nem nada do gênero, só era uma das ignoradas na escola.

Ta, que ela teve muitas e muitas chances de ter alguns amigos naquele local, mas sua auto estima não deixava. Ela era tão grande que não deixava-a ser amiga de ninguém. Parecia algo no seu ouvido lhe dizendo que ninguém merecia ser amigo de uma garota tão feia. Sim, era difícil, mas Amélia  se afastou de todos que haviam tentando ser amigos de si.

Não demorou muito para chegar a escola, logo já estava sentada em sua cadeira escutando alguma música em seu celular, olhando para o nada. Fechou seus olhos, focando somente na música em seu ouvido. Cantarolava somente para si, se divertindo consigo mesma. Nenhum pensamento negativo e ninguém em volta de si, era maravilhoso aquele momento do dia. Porém, seu divertimento foi interrompido por um leve toque em seu ombro que a assustou de imediato, fazendo-a encarar a pessoa ao seu lado, retirando os fones.

- ... - o garoto nada disse, apenas apontou para frente, fazendo Amélia olhar confusa.

- Oh, Deus... - disse envergonhada e amedrontada. O professor de geografia lhe encarava com uma expressão... Bem... Raivosa. - Desculpe, professor. - sua voz saiu meio tremida e envergonhada, enquanto encarava tudo menos o homem a sua frente, que tossiu de leve, começando a aula. - Obrigada. - agradeceu ao garoto que sentava em seu lado, este que sorriu simples, voltando a prestar atenção ao professor.

Era nítido que Amélia estava bastante constrangida agora. Não somente por ter sido motivo de risada na sala, mas sim por Thomas ter falado consigo. Ta, que o garoto não havia falado consigo, mas releva este fato.

Sim, a garota havia uma certa paixão pelo garoto de pele escura. Não era o mais bonito da escola, muito menos o com mais amigo, ele só era... Ele. Para Amélia ele era o mais bonito, então a si não lhe importava, mas, também por este motivo, não ousava-se a falar com ele. Quer dizer, Thomas era bastante bonito, imagina o que as pessoa iriam dizer ao verem ele com uma gorda baleia igual a ela?

Oh, os pensamentos negativos de Amelia faziam horrores com seu psicológico. Principalmente se importar demasiadamente com a opinião alheia, mas não podia fazer nada. Desde sempre pensou desse jeito, simplesmente mudar era algo difícil.

Sempre quis ter uma auto estima alta, mas nunca conseguiu. Desde criança sempre haviam comentários sobre si, alguns de parentes, alguns de desconhecidos e outros amigos de sua familia. Com tantos e tantos cometários a insegurança de Amelia sobre seu peso, corpo, cabelo, olhos, tudo, passou a ser demasiadamente grande, ocasionando no de agora. Com toda certeza essa insegurança ainda ia crescer no futuro, se ela não fizer nada.

Depois do momento constrangedor as aulas andaram normalmente, até mesmo rápidas demais. Amélia não tinha dificuldade nos estudos, até por que, sem amigos, não tinha nenhum desvio de atenção ou pouco tempo para estudar por causa de atividades sociais. Particularmente gostava da escola, menos o momento de ter que acordar demasiadamente cedo, na sua opinião.

O sinal do intervalo tocou, fazendo os alunos suspirar em aliviados, guardando os seus matérias e irem em direção ao refeitório, ou somente para o pátio, com seus determinados grupinhos de amigos, deixando somente Amélia na sala de aula, sozinha.

Não era exatamente ruim ficar na sala sozinha, tinha tempo de ficar com os fones de ouvidos, cantarolando, de olhos fechados e, dessa vez, sem ser surpreendida pelo professor.

Pegou algum biscoito aleatório que sua mão sempre bota em sua mochila para comer no intervalo e comeu. A mulher que lhe deu a luz sabia de seu gostos alimentícios, dando a Amélia ótimos biscoitos saborosos para seu paladar.

Comia alegremente, batucando o ritmo da música na mesa, sendo surpreendida por Thomas adentrando a sala correndo, gritando para alguém algo que não pôde entender muito bem. Rapidamente ele já estava na sua mesa, pegando algo que havia esquecido de baixo da mesma, olhando para a garota brevemente, que se assustou e corou na hora, logo sorrindo e saindo correndo.

Amélia tocou seu peito, vendo seu coração pular. Oh, céus, era realmente uma adolescente apaixonada. Somente por alguns segundos sozinha na sala com Thomas seu coração quase saiu pela boca.

Suspirou pesadamente, enchendo a boca de biscoito, tentando se focar somente no seu paladar, pois nem a música conseguia se focar mais.

Infelizmente não conseguiu se focar somente no paladar, mas sim nos seu pensamentos. Se pelo menos fosse magra... Se pelo menos seu rosto fosse bonito... Se pelo menos tivesse cabelos sedosos...

Se pelo menos fosse bonita.

26 de Noviembre de 2018 a las 02:30 0 Reporte Insertar 0
Continuará… Nuevo capítulo Cada 30 días.

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

Historias relacionadas