Dad, what is this? Seguir historia

waryeol Guaxinim -

O que gostaria de fazer e não faz? Jongdae queria se aproximar, mas não conseguia, algo sempre o travava. O que quer dizer e não diz? Jongdae queria falar sobre seus sonhos com Kyungsoo, queria passar horas sem fim falando sobre tudo o que o calouro gostasse ou desgostasse. O que você não se permite sentir? Jongdae não permitia se apaixonar, não aceitava de maneira alguma. Como se os sentimentos fossem realmente o obedecer - que bobo, logo se viu completamente apaixonado, sem conseguir se aproximar, sem conseguir falar com o outro, se viu mudo, só observando Kyungsoo viver.


Fanfiction Bandas/Cantantes No para niños menores de 13.

#chensoo #fanfic #exo #Daeul #d-o- #kyungsoo #chen #jongdae
Cuento corto
2
4.7mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Artistas

“A alegria do palhaço contagia todas as crianças, crianças que não tem idade, idade que nos torna crianças.” - autor desconhecido.

 

Palhaços também são artistas – mesmo que haja opiniões controvérsias. Eles são exímios atores, que estão ali para nos fazer rir, mesmo que a vida deles não seja engraçada ou divertida. 


Isso não seria arte tanto quanto as músicas que expressam sentimentos e tocam almas mesmo quando os cantores não sentem aquilo que estão cantando?


 Tanto quanto dançarinos movendo seus corpos para nos causar espanto, alegria, tristeza e nostalgia? Tanto quanto pintores que fazem que suas emoções estejam ali em um monte de desenhos parados, que mesmo assim nos parecem vivos?


Tudo aquilo que nos entretêm é arte, tudo aquilo que vem do outro e captura nossos olhos e alma é arte. Arte é tocar os sentimentos, dos mais rasos aos mais profundos, e todos os responsáveis por isso são artistas, e não há idade certa para isso.


 O que muitos não sabem é que ser artista é um processo longo, interminável, é uma batalha sobre autoconhecimento somado a vivência que os tornam tão importantes.


Artistas em geral realizam o seguinte processo; primeiro são auto referenciais depois imitam o estilo de quem admiram para só então encontrar seu próprio estilo. Copiar, imitar outros, buscar modelos. 


Ser original não é criar algo novo a partir do nada, isso não existe, tudo já foi inventado, ser original é fazer algo diferente com tudo aquilo que já foi aprendido.


E é nesse pedaço de tempo limitado que as coisas costumam sair do controle, Jongdae havia aprendido muito enquanto cursava música, sempre teve vários ídolos musicais, mas a vida não parecia tê-lo preparado para o que viria, não importava quantas músicas houvessem em sua playlist diária, nunca havia música para o que podia acontecer.


Foi quando conheceu um rapaz que fez tudo mudar de perspectiva para si, Kyungsoo era um calouro, e bem... Jongdae tem muito a agradecer a seu professor por ter escolhido logo aquele ser de aparência enfezada para cantar naquela aula, quem diria que uma voz angélica se esconderia por trás de uma carranca mal humorada, cigarros, livros e muito café, sempre aquele cheiro de café.


Jongdae passou a querer o ouvir cantar e tocar sempre que podia, começou a imitá-lo, talvez com a intenção de atrair a atenção do outro para si.


Faria tudo para ser notado, inclusive cantar coisas que pareciam estranhas até para seus ouvidos, mas que amava ouvir na voz suave do outro.


O que você - leitor, gostaria de fazer e não faz? Jongdae queria se aproximar, mas não conseguia, algo sempre o travava. O que quer dizer e não diz? Jongdae queria falar sobre seus sonhos com Kyungsoo, queria passar horas sem fim falando sobre tudo o que o calouro gostasse ou desgostasse. 


O que você não se permite sentir? Jongdae não permitia se apaixonar, não aceitava de maneira alguma. Como se os sentimentos fossem realmente o obedecer - que bobo, logo se viu completamente apaixonado, sem conseguir se aproximar, sem conseguir falar com o outro, se viu mudo, só observando Kyungsoo viver.


Em apenas um instante; um segundo pode fazer nos perder o caminho. Jongdae deixou de ser o garoto alegre, comunicativo e brincalhão para ser alguém calado, sério e triste.


E foi uma mudança que não passou despercebida, Kyungsoo notou.


Chega um determinado momento que o modelo em que o aprendiz copia se esgota, e Kyungsoo se esgotou e o abordou na tentativa de tentar entender o porquê daquilo tudo.


Por que aquele homem estava sempre o encarando? Por que cantava músicas de cantores praticamente desconhecidos logo após Kyungsoo mostrar alguma música dele?


Eram tantos porquês que nem o próprio Kyungsoo sabia o que queria perguntar primeiro, então ele falou... Falou e falou e Jongdae só conseguia pensar como ele era lindo e o quanto seu cheiro de café era gostoso.


O aluno supera o mestre ao encontrar seu próprio estilo, Chen - apelido de Jongdae para os íntimos, encontrou-se em algumas derrapagens, ele passou por muita coisa até perceber o que realmente queria e Kyungsoo o acompanhou nessa empreitada como seu namorado - Chen consegue ser bem insistente quando quer.


Voltando... O aprendiz supera o mestre, "como?"  você pode me perguntar e te respondo facilmente; imitando, até que este chegue o limite e rompa o molde, de repente eles já não mais eram Jongdae imitando Kyungsoo, passaram a ser Kyungsoo amando e admirando Jongdae, inclusive o imitando por vezes e então se tornaram uma unidade, mesmo em dois corpos, como se um pouco de um vivesse dentro do outro e deixasse claras influências expostas sem nenhum pudor.


O aprendiz se torna mestre, quando não precisa mais do estilo de ninguém para se sentir seguro, Jongdae não precisava mais do estilo de Kyungsoo para se sentir seguro, mas gostava de tê-lo em si, pois para ele aquilo criava um outro "eu" seu, importante demais para ser deixado de lado.


Posso dizer o mesmo para Kyungsoo, ele nunca foi muito inseguro, logo descobriu o que gostava e queria fazer pela vida toda, mas depois de conhecer Chen percebeu que gostava de tê-lo ali, para si, pois mesmo não sentindo medo de palco , saber que alguém estaria ali para lhe segurar caso alguma coisa ruim acontecesse, esquentava seu coração mais do que seu precioso café da madrugada.


Se alcançar seu próprio estilo é o auge do caminho como artista, se identificar com alguém é o primeiro passo para construir nossa própria identidade, para que sejamos nós mesmos, sem precisar copiar mais ninguém.


Era por isso que Jongdae deixava Daeul se espalhar em si e em Kyungsoo enquanto jogava tinta para todos os lados naquele papel ou quando pegava o controle da TV e usava como se fosse um microfone, ou nas pequenas manias do dia a dia que a cada instante pareciam mais com as de seus pais.


Jongdae gostava de pensar que era um ponto de referência para seu menino, porém também gostava de o ver encontrar-se em outros, queria ver seu pequeno o superar, ele jamais reclamaria de ter sido o molde para o artista, para pessoa que seu filho viria a ser um dia.


Kyungsoo era o seu molde, ele o fez ser tantas coisas, ser amado, ser inspirado e aspirado até que não sobrasse quase nada, só para ser preenchido todo de novo, ser um maluco, um amante, um palhaço, um namorado, um marido, um pai, um eterno aprendiz.


Estar em tantas coisas e lugares, em um show cheio de gente bêbada, em seu apartamento completamente arrumado, em uma boate gay, em um casamento de desconhecidos, no seu próprio casamento, em sua casa toda, em um orfanato, em outro país, tudo nesses poucos anos, pois sim, sete anos era pouco pra quem quer uma eternidade.


Em inglês ser e estar se diz da mesma forma: to be, mas ser é a mesma coisa que estar? Estar consciente é a mesma coisa que ser consciente? Estar apaixonado é o mesmo que ser apaixonado? Estar inseguro é o mesmo que ser inseguro? Ser amado é o mesmo que estar amando?


Sempre queremos ser... Ser o amor de alguém, o sonho de alguém, ser alguém na vida da pessoa amada.


 Esse desejo de ser, pode nos confundir e não nos deixar ver que não somos e sim que estamos transitando na vida das outras pessoas.


Ser com alguém é muito diferente de estar com esse alguém, Jongdae gostava de ser alguém para Kyungsoo e Daeul, mas gostava mais ainda de estar com eles, de viver com ambos e de amá-los.


Tudo chega, alguns dizem, mas a questão não é se chega ou não, é quando chega, Kyungsoo apareceu no momento certo para Jongdae e com ele trouxe tantas coisas, tantos sentimentos, que se ele tivesse chegado antes, talvez eles não houvesse espaço para tanta bagagem.


Às vezes as coisas chegam quando já é tarde, Daeul que o diga, esperou tanto que alguém o adotasse que tinha perdido a esperança com seus tenros quatro anos de idade.


Algumas vezes chegam quando você não está preparado, como quando Kyungsoo perguntou pela primeira vez se o Jongdae queria ser pai e adotar uma criança, o susto que Chen levou fora engraçado demais, Kyungsoo lutou pra fazer a ideia amadurecer, pois viu em várias ocasiões o quão feliz Jongdae ficava perto de crianças.


Tudo tem seu momento, se chegar antes ou depois não irá prosperar. E a ideia de Kyungsoo prosperou, o desejo de Jongdae de ser pai também, então, Daeul pôde voltar a ter esperanças. 


O "tarde" de verdade é quando caminhos não se cruzam. É como chegar numa festa depois que esta já terminou. O tarde é como uma fruta amarga. Como uma tarde fria no verão. O tarde de verdade é uma ironia.


Ter adotado Daeul foi com certeza a melhor obra que Kyungsoo e Jongdae realizaram juntos, porquê mesmo o relacionamento deles sendo algo que a sociedade ainda considera errado, eles conseguiram provar para eles mesmo, que o amor realmente é a melhor arma contra a intolerância.


~~~~°~~~~

"E Daeul?"  você pode vir a me perguntar, bem, ele tem dois pais que o amam muito, então é feliz.


"Pai, o que é isso?"


Jongdae ainda tem tanto que ensinar  para seu bebê até que ele aprenda a caminhar sozinho e se torne a inspiração de outra pessoa.

 

27 de Octubre de 2018 a las 04:35 0 Reporte Insertar 1
Fin

Conoce al autor

Guaxinim - Reminiscência. Trivialidade. Inevitabilidade.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

Historias relacionadas