Girls Power Seguir historia

spearbaby 송 은아

Son Hyunwoo era um chefe de uma organização de assassinos de aluguel e decide abrir novas vagas, pois alguns de seus contratados haviam sido assassinados em um confronto com a polícia. O que Hyunwoo não esperava era encontrar uma mulher em uma das entrevistas.


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#oneshot #kihyunfem #showki #son-hyunwoo #yoo-kihyun #kihyun #shownu #monsta-x
Cuento corto
2
4.8mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único

Son Hyunwoo era um empresário muito famoso dono de diversas propriedades no mundo todo, mas o que ninguém sabia era que, por trás de todas aquelas empresas, havia uma empresa de assassinos de aluguel que eram contratados somente na deep web.

Hyunwoo havia acabado de abrir, em seu site na deep web, novas vagas de emprego naquele ramo, já que, em um confronto policial, alguns de seus “capangas” e assassinos morreram, deixando um grande buraco em seus negócios. Ele precisava de pessoas urgente e foi assim que Yoo Kihyun apareceu em sua vida.

Ela era uma jovem mercenária que não aparentava nem um pouco de perigo. A mulher era jovem, andava com vestimentas extremamente fofas e seu jeito de ser era sempre dócil, mas por trás daquela jovem, havia uma mulher. Os que conheciam essa tal mulher, falavam que ela tinha duas personalidades, pois era a única explicação para tanta diferença. A mulher que havia dentro de si era ousada, sexy e extremamente agressiva, ela matava qualquer um que aparecesse em seu caminho e ninguém que a conhecesse bem duvidava disso.

Assim que Yoo viu o anúncio na rede, ela logo correu para ir até o local informado, pois estava cansada de serviços amadores. A jovem queria subir de nível.

Quando chegou a vez dela, a primeira coisa que Hyunwoo fez foi rir, e aquilo a irritou ao extremo, pois ela sabia exatamente o motivo da risada do empresário. Machismo.

— Tá rindo do que, querido? Por acaso, eu sou alguma palhaça? Hum? - perguntou Kihyun demonstrando superioridade. Ela odiava ser tratada daquele jeito e era sempre a mesma coisa.

— Você ainda pergunta? Você é uma mulher. Não, melhor! Uma mocinha. - disse ele passando a mão no rosto de Yoo. Por impulso, ela apenas bateu na mão do mais velho, pois não poderia perder aquela oportunidade.

— Ué, você não disse em seu anúncio que aceitaria qualquer tipo de pessoa com experiência no assunto? Pois estou aqui por isso. - disse ela se sentando na mesa, mostrando suas lindas pernas. O empresário não conseguiu não olhá-las, até porque, qualquer um o faria. Ela era uma mulher extremamente atraente.

— Faça-me o favor, jovem. Não queremos nenhuma mocinha aventureira aqui, queremos alguém que realmente mate e saiba bem como o fazer. - disse Son se levantando e indo em direção a porta. — Se me dá licença, eu preciso terminar de entrevistar as pessoas aqui presentes.

— Não. - ela disse sorrindo, fazendo Hyunwoo gargalhar. — Eu não saio daqui até que eu prove pra você que eu sou capaz. Você não é ninguém pra me desmerecer como fez. Não é porque você é homem, que você é melhor que eu. - disse ela jogando uma piscadela para o mais alto dos dois.

— Então tá bom, vamos fazer um trato. - disse ele com ar de superioridade para a jovem. — Você terá que derrotar o meu homem mais forte e ágil, se não, não terá o emprego. - ele mostrava nos olhos que tinha certeza que ela iria perder, mas aquilo não a amedrontou. Ele definitivamente não sabia com quem estava se metendo.

— Ótimo, cadê o cara? - perguntou ela estalando seu pescoço. — Não tenho o dia todo, ainda tenho uma última encomenda antes de você me contratar. - disse Kihyun levantando uma de suas sobrancelhas a seu futuro chefe.

— Isso vai ser engraçado… - pensou Hyunwoo alto, e logo foi chamar seu capanga mais conhecido. Ele tinha seus 1.80 de altura e era cheio de músculos, além de ser extremamente ágil, coisa difícil para uma pessoa tão alta como ele.

— Então chefe, quem me desafiou? - perguntou o capanga se encostando na porta.

— Essa moça aqui. Ela está convicta de que irá vencê-lo. Acredita? - disse ele rindo, fazendo o alto rir também.

— Vamos ver se você é tão boa quanto fala. - disse ele fazendo um gesto com a mão para que ela se aproximasse. Kihyun riu do cara a sua frente e ele estranhou.

— Vem você, ou tá com medo de encarar uma mulher? - ela falou provocativa, fazendo o capanga se irritar, indo para cima da jovem.

Assim que ele tentou dar o primeiro golpe na mulher, ela o derrubou como se aquele brutamonte fosse uma pena. Quando Hyunwoo viu aquilo não conseguiu acreditar, o mesmo era muito machista para aceitar que uma mulher havia derrubado um cara como aquele.

— Ele deixou, não é possível! - disse o empresário abismado.

— Então venha você, aí terá certeza que ninguém precisa deixar para que eu o derrube. - disse a mulher sorrindo de lado. Ela adorava desafiar homens como ele, arrogantes e estúpidos que acham que são os melhores do mundo.

Após ouvir aquilo, Hyunwoo juntou todas as suas forças e foi para cima da doce, ou nem tão doce assim, mulher. Foi um pouco mais complicado derrubá-lo, pois ele era mais habilidoso que o capanga, mas logo o empresário estava no chão também.

— E agora, você deixou que eu te derrubasse também? - perguntou ela rindo sarcástica. — Aqui está meu cartão, se quiser me contratar, me ligue. - então Kihyun lançou uma piscadela à seu possível futuro chefe o entregando seu cartão e logo saindo dali. Ela não queria ficar mais perto daquele cara, mas precisava do dinheiro, por isso só lhe deixou seu cartão. Yoo havia percebido o quão machista ele era e não ficaria ali por ter nojo de pessoas como ele.

Hyunwoo ficou com um pé atrás sobre chamar a mulher para trabalhar para ele, porém ele tinha que chamá-la por ser boa demais. Ela era exatamente o que Son procurava, então, depois de muita luta, o empresário tomou coragem para ligar para a sua futura funcionária.

Eles conversaram por alguns minutos e os dois decidiram limites nas relações deles e um desses era: ele teria que tratar a mulher como qualquer outro funcionário dele, se não, ela se demitiria sem pensar duas vezes. Ela não faria aquilo mesmo, mas — na cabeça dela — foi melhor que ela falasse isso do que “eu irei te espancar”.

Após todos os limites serem impostos e eles finalmente fecharem o contrato, só faltava que ela fosse no escritório de Son para assinar a papelada do novo emprego.

Kihyun chegou no local já impondo respeito entre seus parceiros de trabalho, os olhando com superioridade e os mostrando que aquela mulher não estava ali para brincadeiras, coisa que foi bem entendida pelos homens ali presentes, que apenas deixaram-na passar em paz, sem comentários que a irritasse.

— Então você realmente veio… - disse Hyunwoo assim que viu Yoo na porta de seu escritório.

— Claro que vim, eu sou uma mulher de palavra. Espero que você também seja um homem assim. - ela disse entrando e se sentando na frente de seu mais novo chefe, cruzando suas pernas, fazendo com que seu vestido ficasse extremamente curto.

— Você não tem medo de falar assim com seu chefe, não? - perguntou o mais alto, com um tom de superioridade e fingindo que não olhava as pernas da moça a sua frente.

— Medo? De você? Aiai… - ela disse irônica, irritando o homem à sua frente e a fazendo sorrir. — Vamos logo ao que interessa, chefinho. - ela disse a última palavra com sarcasmo, apenas para irritá-lo mais ainda.

— Vamos. - ele disse, tentando não voar no pescoço de sua nova funcionária, afinal, ela era uma mulher e ele nunca faria algo assim com uma; além de que ele não sabia se voaria no pescoço dela realmente para agredí-la.

Eles trocaram poucas palavras após tal diálogo e logo o contrato estava sendo lido e assinado por Yoo, que ficou muito aliviada com o fato de ter conseguido finalmente um emprego que realmente combinasse com ela e que não fosse tão amador.


*


Depois de alguns meses de trabalho, a única coisa que lhes restava era tensão, não só em relação a raiva, mas uma extremamente sexual.

O chefe de Kihyun sempre implicava com a mesma, mas ela sempre conseguia fazer com que ele parasse de falar rapidamente, falando coisas que acabavam com seus discursos totalmente machistas. Todos naquela empresa já estavam cansados das brigas dos dois e já estavam desconfiados que aquilo tudo era pura tensão sexual que Son não queria admitir que sentia por Yoo e vice-versa.

A cada dia que passava-se, Hyunwoo ficava cada vez mais atraído pela mulher e até mesmo ela havia percebido aquilo, coisa que só fez com que ela ficasse mais afiada, pois ela também sentia tal atração em relação a ele e não deixaria aquilo consumí-la.

Eles viviam em pé de guerra e em uma dessas tão dramáticas brigas, eles foram conversar “civilizadamente” no escritório do chefe, pois os próprios funcionários os pediram para fazerem isso, pois ambos estavam atrapalhando o trabalho deles.

— Você não cansa, Hyunwoo? Todos os dias você vem falar coisas machistas para mim, mesmo sabendo que sou sua melhor funcionária! Quantos serviços eu já fiz só esse mês e quantos deles foram feitos com perfeição? Hm? O que você quer que eu faça? Como eu faço para você parar de ser um completo babaca comigo? - Kihyun disse cansada, se sentando em uma das cadeiras da sala do chefe. Ela não aguentava mais todo aquele desejo enrustido do mais alto.

— Nada! Eu não vou parar de te tratar assim. É assim que uma mulher tem que ser tratada. - disse o mais alto, fazendo com que Yoo perdesse totalmente o controle e o desse um soco bem no meio de seu rosto.

— Isso é pra você aprender a falar direito com uma mulher, principalmente uma como eu. - ela disse, mas logo Son devolve aquilo a imprensando na parede e olhando bem no fundo de seus olhos.

— Você acha mesmo que esse soquinho vai me assustar, Yoo? - perguntou o homem, levantando uma de suas sobrancelhas.

— Não faça-me rir, Son. Você está sangrando. Quer sangrar mais? - ela perguntou passando seu dedo no sangue que escorria do nariz do chefe e o mostrando.

— Isso não é nada para quem tá acostumado a apanhar de homens. - ele disse, mas logo se arrependeu de sua fala.

— Tá acostumado a apanhar, é? - Kihyun pergunta, gargalhando. — Depois vem querendo dar uma de valentão pra cima de mim... - ela diz rindo e tentando se afastar de Hyunwoo, sendo impedida pelo mesmo.

— Você me respeita, Yoo, se não… - o mulher não o deixou terminar a frase, interrompendo-o com um tom mais alto.

— Se não o que? Vai me bater? Pois tente! - ela perguntou sorrindo de lado, pois sabia que ele não teria coragem de bater nela.

— Não, mas eu posso fazer uma coisa que você vai odiar muito mais. - ele disse, fazendo ela tombar a cabeça para o lado curiosa.

— O que? - ela perguntou rindo.

— Isso. - então Hyunwoo a beijou. Ele não se importava na desculpa idiota que deu para beijá-la, mas ele não aguentava mais guardar todo aquele desejo para si. Porém, diferente do que ele imaginou, a mulher não o negou e, sim, o retribuiu, fazendo ele sorrir entre o beijo.

— Eu sabia. - ela disse assim que os dois pararam de se beijar e continuaram com as testas coladas.

— Sabia o que? - ele não havia entendido a fala de Yoo e queria muito saber o que ela “sabia”.

— Que esse ódio todo era puro desejo. - ela disse rindo, o fazendo revirar os olhos e sair de perto de si, porém Kihyun foi mais rápida e o puxou de volta, fazendo com que ele fosse imprensado na parede desta vez. — Não tão rápido, Son Hyunwoo. - Yoo disse, o beijando de novo. Ele havia ficado em estado de choque, mas logo retribuiu o beijo da mulher a sua frente.

Após alguns minutos, os dois já estavam se embolando no sofá daquela sala, um tentando pegar as rédeas da relação d’outro, fazendo tudo ficar mais interessante para os dois.

No final de tudo, Kihyun acabou por ficar no controle, mostrando mais uma vez que ela era uma mulher diferente de como ele a vê. Ela se encontrava sentada no colo de seu chefe, enquanto o mesmo estava sentado no sofá. Yoo rebolava no colo de Hyunwoo e o via morder a boca para evitar que sons saíssem da mesma enquanto segurava firmemente a cintura de Kihyun. Ela ficou naquela provocação por alguns segundos, até que começou uma trilha de beijos desde o pescoço, tirando a camisa de Son, e logo indo com os beijos até o cós de sua calça. Assim que chegou ali, a tirou bem devagar, fazendo o homem suspirar impaciente com tudo aquilo.

— Tão apressado. - disse Kihyun rindo.

Ela logo decidiu apressar as coisas e tirar a calça de seu chefe, juntamente com sua cueca, o deixando totalmente nu. Son tinha um corpo escultural vindo das várias horas gastas na academia e das aulas de boxe que fazia várias vezes por semana, Yoo até mesmo parou tudo o que fazia para apreciar o corpo do homem à sua frente.

— Gosta do que vê, Yoo? - perguntou o homem, arrogante, fazendo-a revirar os olhos.

— É… Até que você é bonitinho, mas eu esperava mais de ti, Hyunwoo. - ela disse provocativa, irritando a masculinidade dele, como sempre. Son, então, puxou Kihyun mais uma vez para seu colo, a fazendo sentar-se em seu membro já ereto tirando um suspiro da mesma. Hyunwoo começou a tirar o vestido da mulher a sua frente, mas logo foi impedido pela mesma, pois Kihyun percebeu que daquele jeito ela logo perderia o controle da situação, pois aquele contato do membro do mais alto com sua intimidade e o contado das mãos dele em seu corpo estava levando-a a loucura; então resolveu se levantar e continuar o que estava fazendo, descendo os beijos do umbigo do mais alto até sua virilha, beijando todo o local até que fosse para o falo do mesmo e deu leves beijos ali também.

— Yoo Kihyun, para de me provocar desse jeito… - disse Hyunwoo em um tom de aviso, mas Yoo simplesmente ignorou, continuando a provocá-lo. Após alguns longos segundos, Kihyun decidiu parar com aquilo e deu uma leve chupada na glande do homem sentado à sua frente, fazendo ele soltar um gemido. Ela logo foi descendo sua boca até que todo o falo do chefe estivesse em sua boca e assim começou o vai-e-vem no membro do mesmo. Hyunwoo nem tentava mais controlar seu gemidos, até porque, não conseguia pensar em mais nada naquele momento além da boca de Kihyun subindo e descendo em seu falo ereto.

Assim que Yoo viu que o chefe estava prestes a chegar no seu ápice, ela se afastou bruscamente do membro do mesmo, provocando um barulho alto e erótico, além de um resmungo de Son que não queria que aquilo acabasse.

— Calma apressadinho. Vai me deixar na mão, é? - perguntou ela rindo. — Tem camisinha ai? - ela perguntou passando a mão no peitoral do chefe, ainda abaixada em sua frente.

— Primeira gaveta. - Hyunwoo a respondeu com a voz fraca e rouca, fazendo todo o corpo da mulher arrepiar. Ela pegou a camisinha rapidamente e logo voltou para perto de Son.

Kihyun decidiu tirar a sua roupa por si só, começando pela calcinha, que foi tirada bem lentamente, e depois retirando o vestido. Todos os movimentos da mercenária eram seguidos por Son, que estava louco para que ela colocasse aquela camisinha de vez em si e sentasse em seu colo. Ele não aguentava mais esperar e até mesmo estava se tocando olhando toda aquela cena.

Assim que ela terminou seu tão demorado — especialmente para Son — streeptease, ela se aproximou mais um pouco e colocou a camisinha no chefe, logo colocando suas pernas uma de cada lado das pernas do corpo do mesmo e posicionando o membro do mais alto em sua entrada, sentando-se bem devagar no mesmo. Ambos soltaram gemidos aliviados e longos com tal ato, fazendo tudo ficar ainda mais excitante. Hyunwoo estava louco para ouvir os gemidos de Kihyun, e agora conseguira aquilo.

Yoo começou a se movimentar lentamente para frente e para trás no membro de Son, fazendo o cara um tanto quanto impaciente segurar sua cintura e a fazendo quicar em seu colo, tirando gemidos de Kihyun. Ela já havia perdido totalmente o controle de seus atos e estava pouco se fodendo com quem escutaria o que estavam fazendo ali, afinal, ela só queria aproveitar aquilo que queria desde que chegara a empresa de Hyunwoo.

Os dois não precisaram de muito mais para acabarem com aquilo e logo estavam os dois jogados no sofá, depois de um dos melhores orgasmo que já tiveram na vida.

Depois desse tão memorável dia, ambos continuaram implicando um com o outro todos os dias, mas sempre acabavam nus no sofá da sala onde Hyunwoo trabalhava. Todos os funcionários do local já sabiam o que acontecia todos os dias naquela sala, mas ninguém deixava que eles soubessem que eram tão escandalosos com aquilo.

17 de Octubre de 2018 a las 15:05 2 Reporte Insertar 1
Fin

Conoce al autor

송 은아 apenas uma menina que ama escrita e tudo que a envolva.

Comenta algo

Publica!
Anna Luisa Anna Luisa
Aaaaa eu amei <3, ficou muito bom <3 <3, beijos :3
18 de Octubre de 2018 a las 15:13

  • 송 은아 송 은아
    obrigadaaaa bjs <3 17 de Diciembre de 2018 a las 21:14
~