Uma Ligação Seguir historia

nonna.ayanny

-A-Alô. - a voz ecoou em seu fone e Sasuke quase gritou um “graças a Deus” ao ouvir a voz um tanto estridente, notavelmente nervosa e baixa. - Desculpa… Eu não sei bem como isso funciona. - Sasuke sorriu de lado ao reconhecer aquela voz. “Eu vou assumir o papel que descreveu na sua ficha e realizar a sua fantasia”. Contém Yaoi, se não gosta, não leia Contém indícios de Stalking, se não gosta ou sente isso como um gatilho, por favor, não leia Naruto não me pertence Capa retirada da Internet


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#sasunaru #fodanojutsufns #naruto #yaoi #suspense
Cuento corto
14
5.3mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Chamando...

Disseram que o trabalho era fácil. Ele ficava logado num computador, reservado numa sala isolada, e conversava com quem que aparecesse por um chat online. Era bem simples, na verdade. Sasuke não negaria. De acordo com a ficha virtual que aparecia previamente, ele conhecia que tipo de personagem deveria interpretar para realizar a vontade sexual de alguém.

Essa ficha garantia que os clientes bizarros fossem barrados, como os doentes que queriam sexo com criança - este era um dos meios que a polícia usava para encontrar pedófilos -, ou aqueles sádicos que queriam praticar canibalismo ou assassinatos, ou que fossem indivíduos menores de idade, assim todos os funcionários ficavam em segurança.

Numa noite, depois de atender alguns clientes costumeiros - quarta-feira era o dia de atender os que marcavam hora -, Sasuke percebeu que tinha um cliente marcado por duas horas. Esses eram difíceis de aparecer, geralmente ou era algum adolescente que perdeu uma aposta e tinha que pagar a prenda ou era algum que faria aquilo pela primeira vez e queria tempo para se acostumar, ou ainda os que gostavam de aproveitar muito. Sasuke esticou os pés em cima da bancada onde ficava o computador e o aparelho que reproduzia sua voz, como um telefone, porém criptografado para evitar hackers punheteiros.

Aquele seria seu último cliente. Menos mal, pensou. Cada pessoa tinha direito de escolher entre as opções de 10 min, 30 min, uma hora e duas. A maioria escolhia 30 min, apesar de que a maioria da maioria só gastava de 5 a 10 minutos para o “serviço”. Aquela pessoa escolheu duas horas, mas por aquele código, provavelmente era a primeira vez dele ali ou a primeira vez consigo.

Sasuke fez seu lanche noturno à base de frutas e bebidas quentes, mas não alcoólicas, voltou para sua sala, tirou seus sapatos e estirou as pernas cruzadas em cima da mesa, tomou um gole do seu energético, já que era por volta de onze da noite e tinha que aguentar.

Ajustou os fones sobre sua cabeça e o microfone para ficar confortável, ligou o programa do site e foi deixando mensagens aleatórias, como era de praxe, em chats abertos enquanto o cliente não logava. Um sinal sonoro lhe avisou de que a ligação começou. Sasuke digitou o código para as informações de segurança - que geralmente ninguém lia -, ativou o botão vermelho, aquele responsável de informar à polícia sobre um possível criminoso e esperou os 30 segundos dos informes se encerrarem. Quando o bipe característico do fim do cronômetro soou, Sasuke ajustou o volume do fone para ouvir quem estava do outro lado da linha, mas não havia nada.

Verificou em seu computador se a ligação caiu ou se tinha algum problema de conexão, mas nada. Tudo normal. Um tímido. Sasuke retirou sua jaqueta, respirou fundo e relaxou mais. Gostava dos tímidos, pois geralmente traziam os pedidos mais engraçados. Buscou a ficha dele enquanto esperava a tal pessoa tomar a iniciativa, pois era quase uma regra oficial da empresa, e leu quem era o cliente da vez: seu nome é Naruto Uzumaki, mas queria ser chamado de Raposinha durante o ato, imaginava um homem de cabelos escuros e pele clara, carinhoso, mas que mandasse nele, muito intenso e aparentasse inexpressividade. Que descrição curiosa, Sasuke pensou.

Respirou fundo, tapando o fone, e decidiu usar “sua voz normal”, já que em muitos casos tinha que a abrandar. Tomou um gole de seu energético, ainda esperando que ele se manifestasse, porém a linha continuava em silêncio, verificou por duas vezes a conexão da internet para saber se a pessoa ainda estava online e viu que sim. Estranho. Era a primeira vez que lidava com um cliente tão calado durante um momento como aquele.

Sasuke endireitou sua postura e começou a teclar alguns códigos que sabia para verificar se não era um problema no sistema ou no site, ou mesmo se não era um adolescente que burlou as regras de alguma forma muito boa, mas nada. Meneou a cabeça negativamente, respirou fundo e audivelmente para que quem quer que estivesse do outro soubesse que Sasuke estava ali. Digitou algumas mensagens no chat, quando percebeu que já se passaram dez minutos.

“Toc-toc”, esperou a resposta. “Tem alguém aí que vai me deixar sozinho aqui?”, mandou a outra ao notar que durante dois minutos a pessoa digitava e parava, digitava e parava, digitava e parava, como se testasse respostas. Sasuke releu a descrição do perfil do tal Naruto e encurtou a vista ao relembrar do tal “mande em mim, mas seja carinhoso”. Um cliente complicado, Sasuke pensou ao esfregar os cabelos longos, e respirou fundo de novo. “Responde agora ou vou te cobrar multa”.

-A-Alô. - a voz ecoou em seu fone e Sasuke quase gritou um “graças a Deus” ao ouvir a voz um tanto estridente, notavelmente nervosa e baixa. - Desculpa… Eu não sei bem como isso funciona. - Sasuke sorriu de lado ao reconhecer aquela voz.

Naquele trabalho, depois de algum tempo, os atendentes aprendia a reconhecer aqueles que contratavam o serviço mais caro, que é o Sexphone. Sasuke era dotado do que os seus médicos entendiam como “audição quase musical” e tinha uma memória exemplar, de modo que dificilmente esquecia uma voz. Pertencia a um cara que morava no seu prédio, dois andares acima.

Não se falavam, exceto em momentos de cumprimentos - como quando eles se viam de dia, no instante que Sasuke chega, e Naruto diz “Bom dia, Sr. Uchiha”, ou de noite, quando Sasuke sai para o trabalho e Naruto diz “Boa noite, Sr. Uchiha”. Os dois dificilmente se olhavam também ou se viam em outros momentos do dia. Sasuke sorriu de lado e digitou.

“Eu vou assumir o papel que descreveu na sua ficha e realizar a sua fantasia”. Cruzou as mãos e se concentrou na respiração que ouvia pelos fones. Naruto parecia murmurar alguma coisa, porém, mesmo com seus ouvidos bons, não conseguia entender nada do que era dito.

“Alguém vai ter acesso a conversa?”, ele digitou depois de cinco segundos.

“Não. Apenas a gerência. Uma simples formalidade do site”, Sasuke explicou com calma, mesmo que aquilo já tivesse sido avisado previamente no ato do contrato do serviço.

-É a primeira vez que me deito com você, Sr. Uchiha, mas sempre sonhei com isso… - sussurrou e Sasuke gelou até a alma ao ouvir o seu “apelido”. Ele sabia de sua identidade? Sorte que conseguiu conter o quase susto que soltou. - Posso chamá-lo de Sr. Uchiha? - a pergunta soou com muito nervosismo, ele quase gaguejava.

Sasuke cobriu o microfone e soltou o ar com força. Naruto fantasiava consigo, apenas isso, e coincidentemente era ele, o próprio alvo do desejo, que o atendia. Mas os dois já haviam se cumprimentado, acaso ele se recordaria de sua voz caso falasse? Bom, disso não podia fugir, tinha que cumprir sua tarefa, afinal, eles morarem no mesmo prédio não significava que se conheciam.

-Pode me chamar do que quiser, Naruto… Eu estou aqui para dar-lhe prazer. - falou sensualmente, sem modificar sua voz em nada e nem usar os recursos de sonoplastia para transformá-la. Usaria apenas os de ambientação, se fosse preciso.

-Bom… Então… Posso continuar?

-Nós não paramos ainda, Naruto. - Sasuke provocou. Seu trabalho era causar prazer com sua voz, então era o que faria. Claro que o fato do seu “vizinho de dois andares acima” ser um loiro fofo e com uma bunda redondinha ajudava muito nisso. Mas não vem ao caso. - Diga-me onde está e o que está vestindo. - mandou, mas sem parecer rude.

-No meu quarto, sozinho na cama, apenas usando um pijama. É uma camisa e um short. Eu… Te ouço pelos fones… Mesmo que não tenha perguntado. - murmurou a última parte.

Ótimo! Geralmente, Sasuke odiava os virgens sem imaginação, mas como sabia que era um loiro fofo doido para ter sexo consigo do outro lado, ignorou a falta de entendimento da sua ordem. Observou sua playlist para “dominador” e vasculhou alguns sons específicos.

-Feche os olhos. - mandou e ouviu-o dizer “Uhum”. - Eu estou perto da cama, aproximando-me devagar. - colocou o som de passos, porém bem baixo, para que não atrapalhasse a sua voz. - Eu quero admirar o seu corpo, cada curva, cada imperfeição, cada detalhe que for possível, pois são todos meus… Eu vejo sua pele corar perto do pescoço e isso me excita. Pergunte por quê.

-Por quê? - a voz saiu em um ôfego e isso fez o homem sorrir. Já estava excitado. Muito bom. Virgens, em sua maioria, sempre são sensíveis.

-Porque é onde deixarei as marcas de que você me pertence. - ouviu-o arfar arrastado. - Eu me deito sobre você e afasto devagar o seu short para tocar sua bunda… Ela fica macia ao meu toque - como tudo era baseado na imaginação, Sasuke tinha que ter certo tato para simular o ato sexual partindo do princípio que desconhecia o corpo da outra pessoa. - Eu quero marcá-la como minha, mas não farei isso com as minhas mãos.

-O que quer que eu faça…? - a voz lhe soava mais nervosa.

-Quero bata nela para mim, alto o suficiente para que eu possa ouvir.

-Eu não gosto… Disso.

-De bater? - ouviu um “Uhum”. - Já transou com alguém antes para saber? - ouviu um guincho de vergonha e por isso, riu sensualmente. Claro, tudo dentro do personagem. - Você gosta do tudo o que eu mandar você gostar, porque se guardou para mim… Certo?

-Sim…! - e Sasuke sorriu ao ouvir o estalo. Nossa! Pelo o barulho que ouviu, aquela bunda deveria ficar linda com a marca dos seus cinco dedos. - Sr. Uchiha… Eu quero beijá-lo.

-Vem cá. - era um dos momentos constrangedores, por isso as salas eram isoladas. Alguns barulhos eram impossíveis de serem feitos com sonoplastia, então tinha que ser no improviso. Sasuke levou o punho até perto da boca, na altura do microfone, e simulou um beijo com o encaixe dos seus dedos entre o polegar. Ouviu um suspiro surpreso. - Gosta?

-Pode me beijar mais? - Sasuke repetiu aquele som por alguns minutos e parou quando ouviu que os arfares de Naruto estavam mais alto. - Eu sento em seu colo e começo a rebolar enquanto beijo o seu pescoço. Seu pau é tão grande, Sasuke… Ah…! - agora sim. Ele estirou suas pernas sobre a mesa de novo e suspirou de forma máscula. - Eu quero ele em mim!

-Bem fundo? - parecia desesperado pelo orgasmo. Sasuke lambeu os lábios ao ouvir a afirmativa. - Se alarga para mim. Eu sou grande demais para este cuzinho pequeno pulsando por mim. Mete dois dedos… Seus dedos são meus agora e tudo o que fizer com eles, eu vou sentir… Mete devagar, até eu senti aquela maciez que vai te fazer gemer para mim.

Sasuke ouviu Naruto gemer languidamente, alto o suficiente para fazer o atendente se arrepiar, pois era o sinal de que ele gozou.

-Gozou sem mim dentro de você? - deixou a voz um pouco mais séria.

-Desculpe, Sr. Uchiha… É tão bom… Eu sempre sonhei com isso…! Me fode, Sr. Uchiha, por favor, me fode! - ele estava implorando? Oh sim, estava. Sasuke respirou muito fundo e muito forte, adorando o gemido mais alto dele, porque era muito fácil para sua mente fantasiar aquele loiro fofo e de bunda redondinha fazendo exatamente o que dizia.

-Se empina para mim, Naruto, eu quero me enfiar o mais fundo que eu puder nessa sua bunda deliciosa. - ofegou e riu ao ouvir o gemido em resposta. - Vamos lá, delícia, galopa no meu pau. - conseguia ouvir os sons da masturbação acelerada. Muito excitante. - Como você está? Descreve.

-Montado em você, Sr. Uchiha, rebolando no seu colo, sentindo seu pau ir tão fundo em mim que me faz chorar…! - a voz dele parecia um tanto chorosa. - Eu sabia que me guardar para o senhor me daria a melhor transa da minha vida! Vai tão fundo! É tão gostoso! Eu vou gozar de novo!

-Já? Não vai não. - Sasuke sorriu ao ouvir o resmungo. - Comprime a base desse pau delicioso pingando para mim. - mandou. - Me obedeceu? - ouviu um “Uhum” tímido. - Não pare de comprimir. Eu vou mamar em você… - colocou um dedo em sua boca e simulou o som. - Delicioso…

-Sr. Uchiha! Me chupa! Me beija! Me lambe! - puta que pariu, Naruto era um virgem muito sincero. Deveria ser uma loucura na cama. - Eu preciso do senhor dentro de mim!

-Vou meter dois dedos nesse cuzinho porque não quero deixá-lo sem carinho. - sorriu de lado ao passar quase dois minutos só o ouvindo e simulando a felação com seu dedo. Os gemidos eram mais angustiados, pareciam mais chorosos, meio engasgado. Era bom que Naruto não estivesse usando dildos, porque subitamente Sasuke sentiu vontade de tirar pessoalmente a virgindade dele. - Quer gozar?

-Quero! Me deixa gozar! Por favor!

-Goza. Bem fundo na minha garganta. Vai, delicia, goza para mim com toda força que você tiver, que eu vou… - antes de completar sua fala, gemeu forte, de forma gutural, e esperou.

O grito de Naruto gozando veio logo em seguida e então, podia apenas ouvir a respiração ofegante acompanhada de elogios desconexos e de reclamações sobre uma possível bagunça no quarto. Sasuke tomou um gole de seu energético depois de afastar o microfone e continuou esperando ele se recuperar. Ainda tinham 40 minutos. Naruto sussurrou que queria mais, que queria dar de quatro para Sasuke, que gemeria como uma vadia se ele jurasse nunca mais transar com outra pessoa, somente com ele, que faria tudo o que o Uchiha quisesse só para tê-lo.

E foram assim os 40 minutos seguintes. E foram muito excitantes. Sasuke até perguntou ao seu chefe se poderia ter uma cópia daquela ligação - ele nunca pedia aqui, em mais de cinco anos naquele cargo, apesar de saber que havia a possibilidade, pois outros conhecidos seus já haviam conseguido. Ele permitiu e Sasuke levou uma cópia em CD daquelas 2 horas.

Quando chegou em casa, de manhã - pois o trampo de Sexphone ia até mais ou menos cinco e trinta da manhã, e mesmo que Naruto tivesse sido seu último cliente, Sasuke era obrigado a cumprir a carga horária, pois recebia por hora -, por volta das sete horas, carregando seu café da manhã dentro de sacolas, Sasuke viu Naruto sair de detrás da porta de acesso aos andares.

Ele estava com um semblante muito feliz, porém com os olhos um tanto vermelhos, como se tivesse passado a noite chorando. Deveria provocá-lo? Por que não? Passou quase duas horas ouvindo aquele loiro da bunda deliciosa - que no momento estava escondida por um casaco - gemendo que era a sua primeira vez e queria dá-la só para Sasuke. Independente de ser verdade ou de ser mentira, a fantasia não deixava de ser menos interessante.

De propósito, trombou com ele e viu algumas pastas caírem das mãos dele. Imediatamente, agindo com gentileza, Sasuke deixou suas sacolas e o ajudou a recolher os papéis e as pastas que caíram. Naruto pareceu ainda mais nervoso que o de costume e o outro sabia por quê.

-Perdoe-me, eu não lhe vi. - falou em bom tom e isso fez os enormes olhos azuis se abrirem para si quando os dois se encararam. - Passei a noite e a madrugada trabalhando, então estou meio lento por causa do cansaço. - explicou-se com a intenção de que sua voz fosse percebida.

-Não pode ser… - ele murmurou ao ficar de pé e pigarreou. - Digo, tudo bem. Eu também não te vi chegar. Foi minha culpa também. - engoliu em seco.

-Não se machucou? - tocou o ombro em que batera e ele negou rapidamente depois de alguns segundos sentindo o toque sob o tecido. Naruto estava corado e não lhe olhava mais. - Que bom. Tenha um bom dia, senhor…? - fingiu.

-Naruto Uzumaki, mas pode me chamar só de Naruto.

-Sasuke Uchiha. - estirou a mão para cumprimentá-lo e ela foi, de modo que ele percebeu o tremor no corpo à sua frente. - Mas pode me chamar de Sasuke. Eu sei que me chama de Sr. Uchiha quando nos vemos - continuou a incitá-lo, vendo o efeito acontecer. - Mas prefiro Sasuke.

-O-Ok. - ele engoliu em seco. - Preciso ir agora.

-Oh, me perdoe de novo por fazê-lo se atrasar. Tenha um bom dia, Naruto. - se virou para ir.

-Bom dia, Sasuke. - quase podia vê-lo sorrir.

A caminho de seu apartamento, verificou seus dias de trabalho e sorriu ao ver que naquela noite não iria trabalhar. Talvez fosse uma boa arriscar um convite? Não para sua casa, talvez com as palavras certas, Naruto lhe convidasse para a dele e aí seria bem mais interessante, pois poderia realizar aquela fantasia. Tinha que se preparar.

Depois do banho ao chegar em casa e tomar seu café da manhã, Sasuke desabou na cama. Seu preparo para qualquer evento que acontecesse em sua folga sempre começava dormindo e muito. Quando despertou, estava com muita fome e era quase três da tarde. Sasuke preparou seu almoço, ligou a televisão só para fazer um pouco de barulho que fizesse sentido, por sorte um dos filmes eternos, que de vez em quando aquela emissora coloca, estava passando e era de aventura. Era uma daquelas aventuras bem bobas, mas que você se diverte mesmo assim.

Sasuke entrou em seu banheiro e tomou um novo banho. Mesmo que estivesse faminto, não quebraria o “Protocolo de Encontros” para que desse certo. Cada detalhe era importante e Sasuke Uchiha era extremamente detalhista, por isso se dera tão bem em seu emprego noturno e ainda conseguia administrar uma empresa online de designs gráficos para uma editora. Dois empregos que lidava bem porque era perfeccionista. Pegou o sabonete com cheiro de pêssego e o usou.

Enquanto esperava o creme em seus cabelos agir, ele almoçou calmamente, rindo de vez em quando das trapalhadas que um grupo de livros em desenho animado aprontava para o Macaulay Culkin. Observou seu celular e sorriu de lado ao perceber que já eram 4 da tarde. Daria tempo para tudo o que pensou e umas coisas a mais. Terminou seu almoço, lavou a louça e voltou para o banheiro, para retirar o produto da cabeça e fazer a barba.

Agora tinha que bolar uma situação. Não podia simplesmente chegar na cara de Naruto, quando fosse a hora, e mandar um “Opa, beleza, vamos ali na tua casa formalizar a ideia do telefone, porque eu sei que você já sabe que eu sou o cara do Sexphone”. Sasuke foi para o seu quarto, desligou a televisão da sala e ligou a de lá para não perder o desfecho, deitou-se na cama e ficou um tempo ali, relaxando até às cinco horas. Quando acordou do seu cochilo, já eram cinco e trinta e o filme tinha acabado. Hora de continuar com o protocolo, pensou ao se levantar depois de alguns minutos.

Ligou a central de ar, ficou só de short diante do espelho e desligou a televisão. Precisava dar uma exercitada. Tudo bem que em suas folgas praticava algumas atividades para manter o corpo saudável, mas hoje abriu uma exceção, de modo que tinha que fazer algo a respeito. Foi para perto da cama, deitou-se sobre o tapete ao lado dela e fez algumas flexões, algumas abdominais, depois alguns alongamentos e se fitou no espelho. Forte, mas natural.

Vestiu-se com roupas que ressaltassem tal fato, deixou o cabelo ao natural e não colocou o perfume, apenas deixou que o cheiro do sabonete se espalhasse, pegou suas coisas e foi para a sala, pensar em qual desculpa usaria. Se encontrava com Naruto sempre às seis, horário que Sasuke saía para trabalhar e ele chegava, mas estava de folga, talvez… Riu baixo ao pensar no óbvio. Já era hora de ir. Trancou a casa inteira e foi para a recepção do prédio.

Mais acertado que um relógio, deparou-se com Naruto passando pela portaria devagar, com um pacote de compras apoiado em um dos braços com certa complicação, e como um bom samaritano sem nenhuma intenção, ajudou-o antes que derrubasse tudo ao empurrar a pesada porta de vidro, já que o porteiro estava ocupado demais com o último capítulo da novela.

-O-Obrigado. - ele disse ao lhe ver, corando as bochechas. Era fofo, muito fofo. Parecia até um pecado ser fofo assim. Talvez fosse de propósito que se comportasse assim. Sasuke apoiou o pacote contra seu peito e notou que uma jovem se aproximou também pelo lado de fora.

O Uchiha abriu a porta para ela e sorriu com certa simpatia como forma de cumprimento, ou quase isso. Notou que Naruto a olhou com desgosto quando a viu sorrir, passar a mão pelo braço de Sasuke em agradecimento, quase o tocando na mão, e isso fez Sasuke encurtar o olhar discretamente. Era uma das vizinhas que queriam conhecer a sua cama, mas ele não tinha interesse nisso. Ela não era loira, fofa e com uma bundinha redondinha. Naruto era.

-Ela não pode ver um rosto bonito que fica se engraçando, louca para abrir as pernas e gritar o quanto o pau alheio é grande… - ele resmungou claramente furioso. - Vadia nojenta e interesseira.

-Qual o problema? - indagou e isso atraiu o olhar quase assustado de Naruto.

-Como assim…?

-Posso te acompanhar até o seu apartamento? - ele assentiu quando indicou as compras para explicar porque queria ir com Naruto. - Uma garota não pode querer ir para a cama com um cara bonito que vai ser chamada de vadia? - viu-o baixar o olhar. - Preconceito com mulheres modernas?

-Não… Desculpe, eu agi mal, eu sei. - os dois subiam as escadas devagar e curiosamente não havia ninguém por ali para os interromper. - É que ela me irrita. Ela age assim com todos os caras do prédio, sem exceções. Parece que quer estabelecer o recorde de mais caras em cima dela.

-Olha a boca… - Sasuke passou uma mão pela cintura dele, puxando-o para mais perto de si e sentindo Naruto tremer de sobressalto, mas logo passou. Naruto lhe pediu desculpas com os olhos. - Gosta de falar essas coisas? - ele corou. - Aposto como diz muitas coisas interessantes ante os estímulos certos, talvez. - provocou e os dois chegaram, enfim, ao andar de Naruto.

-Não sou este tipo de cara… - murmurou ao indicar a porta de sua casa. Abriu-a com as chaves, apesar de tremer ainda e sutilmente, e o fitou. - Obrigado por me ajudar com as compras. - disse ao pegá-las.

-Disponha sempre. - voltou para a porta dos andares.

-Vai trabalhar hoje? - Sasuke parou a marcha e negou ao fitá-lo por cima do ombro.

-Estou de folga. - deu de ombros. - Eu vou para casa ficar só na cama, fazendo nada. - virou-se para ele e colocou as mãos nos bolsos, olhando-o com atenção. - Não tenho nada programado para hoje, se quer saber. - estava quase sorrindo ao vê-lo deixar a porta aberta.

-Não quer entrar, já que está sozinho hoje? Eu também estou, coincidentemente, e… Vou preparar macarrão com molho. - ergueu o pacote de macarrão de dentro do pacote de compras. Sasuke assentiu e se aproximou. Viu os olhos azuis brilharem de animação. - Eu não recebo muitas visitas, quero dizer, quase nenhuma, mas estou feliz que tenha aceitado.

-Eu também. - a porta se fechou atrás dos dois.

Naruto não conseguia parar de mover os lábios contra os de Sasuke, tentava a todo custo acompanhar o ritmo frenético daquele beijo, mas era difícil, principalmente depois de saber de tudo o que ele “sabia”. Trancados em seu quarto, ainda de pé e escorados na cômoda, Naruto tentava não sucumbir ao desejo se realizando quando sua boca foi tomado sem pudor pela de Sasuke. Gemeu alto de novo quando sua bunda foi estapeada por cima do jeans e o encarou.

-Posso acender a luz? - Sasuke lhe beijava o pescoço agora, desfazendo os botões da sua camisa social com a calma de um artista depois de deixá-lo sentado bem ali. Naruto negou nervosamente e recebeu vários selinhos. - Eu quero te ver, cada detalhe…

-Não gosto de transar de luz acesa. - contornou ao ver sua camisa deslizar por seus ombros até ser completamente retirada e seu corpo seminu surgir para o deleite de Sasuke.

-Mentiu sobre ser virgem? - ele negou. Uma mão foi para os fios loiros, dando-lhe cafunés carinhosos enquanto dava mais beijos na boca inchada, enquanto a outra abria a calça de Naruto. - Então faremos no escuro… - sibilou. - Quantas vezes quiser.

Sasuke o levou para a cama e o deitou lá, acomodando-se sobre o corpo delicado para continuar saboreando o beijo doce. Quando os dois jantaram e beberam um pouco de vinho, os ânimos subiram e de alguma forma, o Uchiha conseguiu chegar ao assunto da ligação, revelando que reconheceu a voz de Naruto e que gostara muito da experiência. Naruto disse que também reconheceu a voz de Sasuke e confessou que só fez o que fez no telefone porque sabia que era ele.

Mesmo que aquilo soasse estranho aos ouvidos afiados do atendente, fez a tão esperada pergunta “Quer manter como uma fantasia ou quer tornar realidade?”. A resposta foi tão bem-vinda que perdurava até o momento que Sasuke saiu da cama para retirar melhor a calça jeans, levemente apertada nas pernas, de Naruto. Ele veio para seu colo e começou uma série faminta e deliciosa de beijos que só deixaram Sasuke em chamas.

Veio a história de ser virgem quando aquele quase começava a brincadeira em cima da mesa da cozinha, de tão excitado que estava. Pela forma como ele tocava o seu corpo e lhe beijava, Sasuke não teve dúvidas daquela confissão, dita de forma tão envergonhada. Tinha-o quase nu agora e se houvesse algum vestígio de dúvida, ela desapareceu assim que Sasuke pôs seus olhos negros nele.

Retirou sua camisa e sua calça, depois de suas meias também saírem de si, para manter-se apenas de cueca, subiu na cama novamente para tomar aquela boca de novo e, dessa vez, enfiou as mãos para dentro da cueca de Naruto, apertando sua bunda que tanto desejou saber se era macia - confirmando que de fato era - e sentindo suas costas receberem arranhões provocados pelas unhas daquele loiro fofo que não para de gemer contra sua boca.

As pernas se cruzaram logo acima da sua bunda, travando em sua cintura, e isso deu a liberdade que Sasuke queria para simular o ato sexual, esfregando sua ereção bem onde sabia que Naruto queria - o que explica a posição bem exposta.

-Eu não… - ele falou quando o Uchiha desceu os beijos pelo pescoço, marcando em locais pouco visíveis, e mordiscou um dos mamilos enquanto o outro era massageado com o polegar. - Eu não sei bem o que devo fazer… Eu estou assustado. - ele lhe fitou com atenção e parou com as carícias mais “ousadas” para acariciar o rosto corado.

-Quer que eu pare? - perguntou sincero. - Está com medo do que vai acontecer? Se não estiver confortável e nem pronto, eu entendo e não ficarei irritado, garanto a você. - deu-lhe um selinho.

-Tenho… Medo do escuro. - eu sei, Sasuke pensou. - Mas não quero acender a luz. Não quero que veja… Aonde vai? - a fala de Naruto foi interrompida por um Sasuke vestindo as calças e a camisa rapidamente.

-Para o meu apartamento. - foi para a sala e foi seguido por um Naruto quase pelado e quase frustrado.

-Por que…? Eu disse algo de errado? - viu-o calçar os tênis e por as meias nos bolsos. - Olha, eu… - sua fala foi mais uma vez interrompida, mas por um beijo.

-Vou só pegar uma coisa, venho logo. - deslizou suas mãos pela pele quente e raspou seus dentes no pescoço suado ao apertar o bumbum. A redondeza daquela bunda era provocada pela calça, mas Sasuke não se frustou com isso. Redonda ou não, aquela bunda podia ser muito gostosa. - Prometo voltar. - avisou no ouvido alheio. - Toma. Fica com meu celular como garantia de que vou voltar. - os olhos azuis se arregalaram. - E nem se emociona: a trava dele é com digital.

Saiu. Desceu as escadas rapidamente, mas com prudência - não ia quebrar uma perna por causa de uma foda, mesmo que valesse muito a pena. Assim que entrou em casa, foi até a mesinha de centro e abriu uma gavetinha que havia ali. Um homem prevenido vale por dez homens comuns, pensou ao pegar o objeto, trancar a casa e subir as escadas de novo. A vantagem é que quando tirasse a camisa, ia estar um pouco suado e com o abdômen mais rígido por causa do exercício. A desvantagem é que dependendo do rumo das coisas, poderia estar morto demais para uma segunda rodada, o que seria triste.

Bateu educadamente na porta e sorriu de lado ao ouvir um berro de “entre”. Abriu, entrou, fechou e seguiu para o quarto já se desfazendo da camisa no caminho. Achou Naruto no corredor, em frente à porta do quarto, um tanto ansioso. Puxou-o para seus braços e o beijou com demora ao passo que sentia seu celular ser posto no bolso de trás ao mesmo tempo que sua nádega era apalpada. Os dois se fitaram.

-Fecha os olhos. - mandou e ele obedeceu. Sasuke abriu a porta do quarto, pegou- no colo como anteriormente e caminhou para dentro, fechando-a em seguida. - Não abre ainda. - sussurrou em seu ouvido, sentindo o abraço ficar mais apertado ao redor de seu corpo. Colocou-o na cama e observou a parede. Uma tomada bem em cima da cama. - Abre os olhos.

Naruto o fez e arregalou os olhos quando viu uma abelhinha brilhando bem ali. Não iluminava muita coisa, mas não deixava tudo um breu terrível. Naruto fitou o rosto de Sasuke e o beijou com lágrimas nos olhos enquanto sentia seu corpo ser afagado até o momento que a cueca foi tirada de si.

Sasuke sabia do potencial daquela transa, só precisava tirar os obstáculos de seu caminho. Com aquele gesto, Naruto lhe daria até a alma se pedisse. Ao abrir a calça e deixar que o volume bem ali roçasse na coxa nua, quando fez aquele loiro fofo abrir as pernas, Sasuke pegou o lubrificante e aplicou em seus dedos. Notou nervosismo nos olhos azuis, mas nada que soasse como se estivesse sendo obrigado.

-Me avisa se doer. - pediu e Naruto assentiu ao se aferrar completamente em si quando o primeiro dedo entrou. Sasuke espalhou bastante naquele canal com o indicador antes de empurrar o dedo médio com cuidado para dentro e passou a alternar entre beijar a boca sedenta e abusar dos mamilos rosados para diminuir a tensão em Naruto. - Você é tão gostoso aqui embaixo. - insinuou e gostou da contração ao redor de seus dedos. - Delícia. - lembrou.

-Eu me guardei…! - se engasgou com um gemido quando Sasuke encontrou o ponto sensível e o massageou ao lamber a pele arrepiada. - Guardei para você…! De verdade! - confessou, esfregando-se mais entre as pernas de Sasuke. Este arfou rouco e se arrepiou. Uma confissão dessa mexe com o ego de qualquer um, não importa quem. Os dois se fitaram e se beijaram com desejo, ao mesmo tempo que o Uchiha sorria por sentir sua ereção ser afagada por cima da cueca. - Você é grande mesmo.

-Tinha medo que eu fosse pequeno para o seu gosto? - brincou e ele negou rapidamente. Sasuke empurrou os dedos com mais rapidez e mordiscou a orelha vermelha ao seu alcance. - Pois eu sempre soube que essa bunda macia era gostosa. - Respira fundo e devagar, vou meter o terceiro só por garantia. - notou se apertar um pouco quando os três dedos estavam dentro. - Se acaricia, para relaxar. - sorriu ao vê-lo se masturbar e apertar um dos mamilos. - Você é muito delicioso, sabia? Eu sinto que vou me meter tão fundo em você que vou me perder completamente.

Ele parou com os estímulos e se agarrou em Sasuke quando este intensificou as carícias dentro do canal pulsante, tornando-as mais ousadas e sensuais. Queria-o gozando em cima de si, por isso o Uchiha quase o montou, ficando muito perto de Naruto e incentivando-o a rebolar em seus dedos. Queria-o chamando o seu nome quando fosse insuportável.

-Sr. Uchiha, por favor…! - ele gemeu.

-Sr. Uchiha não. - Sasuke o encarou. - Sasuke. Apenas Sasuke. - mandou.

-Sasuke…! - ele gemeu em seu ouvido e o homem quase foi para as estrelas ao ouvir aquela voz sôfrega lhe chamando.

Meteu a língua naquela boca, cuja saliva escorregava pelos cantos, se concentrou no ponto macio, rosnando para as contrações em seus dedos, e o soltou. Naruto lhe olhava com desejo, dizia que não aguentava mais, por isso enfiou o pau esporrando em sua garganta, chupando-o com gula, para sentir o gozo lá dentro. Assistiu-o se contorcer em cima da cama, apertando os lençóis entre os dedos enquanto o chamava, e se derramar com força em sua boca. Sasuke tentou engolir o máximo que pôde sem desviar os olhos dos azuis, que lhe encaravam com paixão.

Sasuke afastou sua boca com uma chupada final, fazendo um estalo oco ecoar pelo quarto, e retirou com cuidado os dedos de dentro, lambendo-os visivelmente. Naruto respirava ruidosamente, estirado de forma desleixada na cama, mas estava com um sorriso enorme nos lábios vermelhos. Sasuke distribuiu beijos pela pele suada, demorando-se mais no pescoço e nos mamilos, para dar carinho a ele.

-Pronto para mim? - o Uchiha baixou sua cueca, expondo seu membro, retirou do bolso da calça o pacote de camisinha para abrir com a boca enquanto se afagava diante dos olhos sedentos.

Naruto assentiu, afastou as pernas, engoliu em seco quando viu o preservativo cobrir aquele membro que logo estava dentro de si bem devagar ao mesmo tempo em que sua boca era preenchida pela língua de Sasuke. Sempre sonhou com o momento que beijaria aquela boca tantas e tantas vezes como acontecia naquela noite, sempre sonhou com o momento em que as mãos passariam pelo seu corpo e apertavam-no com todo o desejo que sentia. Era real, aquela dor enraizando da base da sua coluna até o ponto mais afastado de sua cabeça era real.

Abraçou-se firme nele, abafando sua voz naquela pele que antes era pálida e macia, porém agora tinha um tom mais avermelhado e estava mais rígida. Os dedos dos seus pés estavam muito contraídos, comprimidos o máximo que conseguia, apertava com muita força os bíceps com as primeiras estocadas, mal conseguia gemer por causa da dor, mas não desistiria. Queria viver aquele momento mais do que tudo, então não se importou e nem disse nada, porém ele parou, os movimentos pararam de repente e isso fez o Uzumaki abrir os olhos.

Sasuke lhe olhava com muita atenção, com uma das sobrancelhas arqueada, observando com muita atenção as reações de Naruto. Parara de lhe beijar e de lhe tocar, analisando seu rosto com real preocupação. Deu-lhe um selinho e foi afastando os quadris, saindo de dentro dele devagar, mas Naruto travou suas pernas ao redor da cintura alheia e negou.

-Eu sei que está com dor, Naruto, eu estou sentindo. - sussurrou ao passar a mão pelo quadril dele e vê-lo se sobressaltar. Ele baixou o olhar, sem saber se sentia vergonha ou se sentia medo, apenas confuso naquele momento. - Vamos parar um pouco? - negou. - Perder a virgindade com dor não é uma boa experiência, Naruto.

Sasuke suspirou, tocou as pernas com carinho para desatar o “nó” ao redor de sua cintura e girou-o lentamente, deixando-o de quatro na cama, curvou-se por cima do traseiro dele ao vê-lo machucado, escorrendo um pouco de sangue, e lambeu sem se importar.

Naruto gemeu arrastado, relaxando por fim, e se arrepiou mais quando os beijos subiram por sua coluna e no lugar da língua, o pênis. A mão do Uchiha acariciou o membro do outro com certa velocidade, apertando a glande com carinho, e finalmente conseguiu adentrar na cavidade por completo e notar que a dor diminuíra. Continuou com os beijos, com os carinhos, com a masturbação, com as estocadas, com tudo o que estava fazendo, procurando novamente o ponto de prazer.

Finalmente sorriu ao ver Naruto rebolar para si com certo vigor, impulsionando a bunda contra o seu quadril, fazendo a cama tremer. Apoiou-se melhor nos joelhos, segurou a bunda na altura adequada e manteve as investidas naquele ritmo, até quando acertou o ponto que causou um gemido longo e delicioso em Naruto. Achou, agora tudo ficaria bem. Concentrou-se ali, sorriu de lado ao ver seu parceiro relaxar por cima da cama, inclinando-se sobre os travesseiros, e lhe olhar com desejo.

-Está gostoso agora? - provocou ao passar as mãos pela pele corada e suada, puxando-o para seu colo a fim de fazê-lo sentar mais fundo. Os dois se fitaram e Naruto assentiu quando novamente seu pênis recebeu carinhos e, agora, os mamilos. Lambeu os lábios, sentindo-o reagir de maneira mais confortável e sensual, tal como na ligação. - Vai me fazer gozar?

-Vou. - ele anunciou manhoso. - Quero te fazer gozar. Dentro de mim. - olhou-o intensamente. Sasuke sorriu de lado e o ajudou a se afastar a fim de retirar a camisinha para realizar aquela vontade. Quase rosnou quando sentiu sua pele entrar em contato com a dele e isso lhe estimulou mais. - Sasuke… Me beija… - pediu e logo foi atendido.

Alguns segundos depois, naquela loucura só dos dois, gozaram juntos, com as bocas grudadas e depois de alguns minutos se recuperando, retomaram o ato sexual. Repetiram até se entregarem à exaustão e ao cansaço depois de finalmente satisfeitos. Dormiram. Pelo menos, Naruto dormiu, pois antes de Sasuke também se entregar ao sono, tirou algumas fotos do loiro fofo ao seu lado, nu, agarrado ao seu corpo, tal como fez durante o ato sexual, em alguns momentos que ele não via.

Quando despertou, no dia seguinte, achou-se sozinho naquele apartamento. Estava trancado e não havia nenhum bilhete ou chave reserva. Sasuke vestiu-se e observou o que ele queria esconder no quarto durante o sexo. Abriu todas as janelas e se deparou com fotos suas, de todas as formas que conseguia imaginar e que não conseguia, algumas delas mal tiradas por causa de algo que poderia estar na frente, como um vidro, um ferro, uma madeira.

Num caderno, haviam fotos mais “ousadas”, como as de Sasuke vestindo suas roupas ou se exercitando em seu quarto. Havia descrições detalhadas de fantasias sexuais com ele e Naruto, além de fatos narrados em que os dois estavam juntos, porém nunca aconteceram de fato. Havia desenhos bem bobos, maus feitos, dos dois transando, mais pareciam algo feito por um adolescente sem noção.

-Um stalker. - comentou fechando o caderno, sorriu de lado ao ver que sua carteira e seu celular ainda estavam lá. Colocou-os nos bolsos, procurou pelas roupas que Naruto usou na noite anterior e sorriu ao ainda sentir o cheiro dele bem forte, misturado ao seu numa clara lembrança do ato sexual. - Delicioso. - sussurrou e os pegou para ir até a porta.

Sasuke pegou um grampo também, suas chaves e abriu a porta com certa habilidade. Seu irmão lhe ensinou a arrombar cadeados e fechaduras quando criança, desde então, tomou como hobbie abrir coisas que deviam estar trancadas, ou algo assim. Foi para seu apartamento levando as roupas de Naruto e trancou as portas, para ir ao seu quarto.

Colocou as roupas de Naruto dentro de um saco plástico para conservar o cheiro, conectou seu celular pelo cabo ao computador e imprimiu as últimas fotos em papel fotográfico para guardá-las dentro de um fichário, onde tinha outras fotografias dele, tiradas com certa qualidade, mas certo grau de periculosidade porque ele morava há dois andares acima.

Fitou sua parede e sorriu de lado ao observar sua própria parede. Havia um mural com fotos de Naruto. Que ironia. Existe a possibilidade de um stalker desejar outro? Sasuke sorriu ao sentar-se na cama e deslizar seus dedos pelas fotos nuas de Naruto, quase lambendo os lábios.

-Que coisa bizarra… - completou.

16 de Septiembre de 2018 a las 20:04 1 Reporte Insertar 7
Fin

Conoce al autor

Nonna Costa Outros perfis onde publico minhas histórias NyahFanfiction (onde posto fanfiction do fandom Naruto) - https://fanfiction.com.br/u/533620/ Watt: https://www.wattpad.com/user/Nonna2317 Nesses perfis, vão encontrar mais histórias minhas.

Comenta algo

Publica!
Saah AG Saah AG
Minha nossa, nossa, nossa! Adorei o modo detalhado como vc desenvolveu o fetiche, assim como terminou essa fic com maestria. Esse final até fez eu me tremer todinha. Sério, que pena q n deram o veredicto sobre as melhores fics do desafio. Essa com certeza estaria entre as melhores. Parabéns pela fic.
1 de Diciembre de 2018 a las 20:32
~