Se for você Seguir historia

danielle-colpaert2195

Temos diversas primeiras vezes, mas, se for com a pessoa certa, se os sentimentos forem mútuos, Chouji acredita que esses momentos poderiam se eternizar para sempre. E Karui, o surpreenderia com a sua revelação naquela noite.


Fanfiction Sólo para mayores de 18.

#universooriginal #naruto #GincanaDoBiscoitoFNS
Cuento corto
4
4.8mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Inseguranças

Durante toda minha vida, não me senti homem. 
Desde a academia ninja, os garotos que mais tinham fama, eram os ''misteriosos''. De inicio eu achava que era isso, depois acreditei que eram famosos por eles serem engraçados, mas... O Sasuke não era. Continuava me perguntando o porquê de eu também não ser ''famoso'', mais para frente eu entendi que não se tratava de fama, mas sim de ser aceito. Passei minha vida toda me perguntando o que me tornava diferente dos outros, e aí encontrei a resposta.
Padrões.
Apenas padrões. Corpos com silhuetas perfeitas, que esbanjam ''saúde'', era o que me separava. E como percebi? Bom... Foi gradativo, foi quando eu via a Ino fazer mais contato físico com o Shikamaru ou qualquer outro garoto, enquanto que comigo eramos apenas colegas. Só. Também as vezes na infância que eu era ridicularizado só por não ser normal... Cresci me sentindo anormal.
Mas... Mudou. Eu nunca achei que fosse mudar, já estava acostumado à ficar no meu canto, seguindo meu papel de só comer, comer, comer... Enquanto que todos achavam comum eu sempre estar comendo, eu sofria internamente com distúrbio alimentar. Tinha vezes que eu comia tanto que passava mal e nessas vezes eu chorava. Me sentia culpado, tentar preencher o vazio do meu peito com o sentimento de estar satisfeito, e era isso que me doía.
Mas ninguém entendia nunca. Meus pais achavam que fazia parte, que era comum se sentir assim. Shikamaru dizia que me entendia, que tinha vezes que também ficava com consciência pesada quando comia muito, mas eles também tentavam preencher seu vazio com comida?
E encontrei alguém que me entendia... De verdade. Não me entendia por ter passado pela mesma experiência, mas sim por conhecer o mesmo vazio dentro de mim. A mulher mais sensual que eu conheci, não só por questões de silhueta, mas questões de me dominar com um simples olhar. A mesma mulher que me acalma em um estalar de dedos finos.
Karui... A mulher que eu salvei na guerra ninja. Eu achei que ela fosse ficar com nojo, ou apenas agradecer e sair, sempre foi assim, mas não... Ela ficou irritada. Não comigo, acho que com ela mesma por quase ter morrido por um deslize dela. Bom, não sei. Eu acabei caindo na gargalhada quando vi o quão orgulhosa ela era. Ela brigou comigo primeiro mas murmurrou um ''obrigada'' em meio à tosses no fim de tudo.
E é por ela que eu sempre corro por toda Konoha só pra dar um abraço apertado nela quando ela vinha por missão. Ou quando marcávamos de comer um churrásco, ela ficava falando mal e contando as histórias do seu time, eu ria. Era bom ter uma amiga sempre me entendendo, me ajudando com minha insegurança.
Só que esse desejo de ver ela se tornou doloroso. Não aguentava essa distância e tinha medo de demonstrar isso... Ficar pedindo para que ela viesse sempre, mas era inevitável não sorrir tanto ao ponto das bochechas doerem quando via ela me fazer essas visitas surpresas. Até o Shikamaru falava que eu que tinha que ir lá ver ela, mas cara, ela não se adequa a nada disso. Ela é única. Nunca vi uma ninja tão copetente, uma mulher tão dona de si... Talvez seja isso que também gostei nela.
- Chouji? - Acordei já abrindo um sorriso. quem estava ao lado da cama era ela. Cocei os olhos e olhei ao redor. Dormi no apartamento dela...?!
- O que?! - Olhei novamente ao redor. - Mas... Ué! - Apontei para a cama e depois para ela, que riu, se sentando ao meu lado.
- Lembra do churrasco? - Assenti. - Lembra da aposta de sakê aqui em casa? - Assenti lentamente franzindo o cenho e olhando ao redor, desconfiado de mim mesmo. - Então... Você bebeu tanto que desmaiou.
- Espera... Então estou te devendo três cupons?! - Ela riu da minha voz alta.
- Sim. Também me deve um tapete novo! - Ela apontou para o tapete sujo na lavanderia... Não acredito que eu vomitei. Sério. Na casa dela?! Ela bebeu muito mais que eu e está normal, na verdade, está até sóbria... Eu devo ter dormido horas na real. Já está de noite. Eu me joguei para trás na cama, tampando o rosto com as mãos.
- Que vergonha... - Murmurrei, à ouvindo rir mais de mim.
- Eu te contei a parte que você ficou dormindo e dizendo meu nome? - Ela disse de propósito perto do pé do meu ouvido.
- Não quero mais saber de nada Karui, pelo amor de kami, leva isso e todo o resto pro seu caixão! - Tirei as mãos do rosto e meu coração deu um batimento sufocado ao ver ela abrir um sorriso tão grande, tão brilhante... Acho que posso ficar o tempo todo observando ela aqui.
- O que foi? - Ela parou de rir, limpando as lágrimas que se formou no canto de seus olhos. - Está me olhando assim por quê?
- Só estou lembrando do sonho bom que tive com você. - Eu ainda estava encantado com ela, tanto que falei meio sem pensar. Quando percebi o que disse, tentei levantar, mas ela fez questão de me colocar de volta na cama deitado, me fazendo soar frio... O pouco que conheço dela, esse olhar... Ela não vai desistir até conseguir o que quer.
- Volta aqui e me conta como foi! Agora!
- N-Não Karui... Esquece isso, vai... - Olhei para ao redor, tentando achar uma escapatória.
- Eu te dou um prêmio dependendo do sonho! - Legal, já sei que vou apanhar...
- Tá, desisto... Olha, eu sonhei lembrando de tudo que já passamos, desde quando eu te conheci até hoje. Eu só... Gostei do sonho.
- Por quê? - Ela está sorrindo... Droga, tudo que ouço são meus batimentos cardíacos e minhas que não param de soar.
- Eu percebi que você foi a primeira na minha vida... Primeira a ser minha amiga, companheira, paix... - Dei uma forte tosse, quase me engasgando quando disse a última palavra, fazendo ela rir, quase me matando pedindo pra eu repetir... Ela está muito perto! - Olha, eu só te admiro muito... Apesar de todo mundo achar você muito bruta, ou ''cruel'', como o Omoi disse, eu não acho isso. Eu te acho muito forte, de um coração muito lindo. Você é capaz de se doar completamente por pessoas que ama, mesmo que isso ponha em risco si própria... Só admiro muito você. - Ela sorriu está com um sorriso enorme, seus olhos brilham para mim. Seu rosto é tudo que eu vejo, tudo que eu quero sempre ver. Eu coloqueias minhas mãos na sua bochecha, tomando coragem para dizer o que eu sempre quis dizer.
- Eu gosto de você. - Eu fiquei uns oito segundos ainda com o sorriso apaixonado enquanto à observava, só vendo seus olhos... Espera. Ela falou o que meus pensamentos estavam gritando?!
- O que? - Ela riu e eu não acredito que ela está tímida. Não estou conseguindo acompanhar, isso nunca aconteceu comigo.
- Se você não sente o mesmo não precisa fingir que não ouviu! Ela se levantou de cima de mim totalmente irritada. Quando eu segurei o braço dela.
- Karui, espera!
- Não, me solta! - Ela não quer nem virar o rosto para me olhar.
- Espera, deixa eu ao menos te explicar! - Ela continuou parada enquanto olhava para a porta. Eu ia puxar ela para mim, mas... Apenas me levantei e a abracei com carinho. - Eu gosto de você. Gosto muito. Tanto que aqui - coloquei a mão em cima do seu coração, mais acima na área da clavícula. - dói. Eu sinto saudades de você, mas eu sou muito inseguro com tudo...
- Chouji. Eu não sou esse tipo de pessoa que você pensa. Eu sou uma pessoa complicada que se tem o ego ferido, começa a ser bruta. Eu não acho que o problema seja sua insegurança, mas sim eu... - Ela passou a ficar cabisbaixa. A virei de frente para mim e coloquei gentilmente a mão nas suas bochechas, sorrindo enquanto via aqueles olhos castanhos entristecidos.
- Eu gosto de você porquê sua insegurança é parecida com a minha.
- Eu gosto de você porquê sua bondade, é algo que eu admiro. Seu coração gentil, me ensina à cada vez mais quando estou com você... - Eu não me segurei, selei seus lábios com um selinho, logo depois voltando a encarar seus olhos. - Eu gosto do seu rosto vermelho... - Ela ficou na ponta dos pés e me deu um selinho também.
- Gosto do seu jeito único... - Dessa vez quem à beijou fui eu. - Estava cansado de encontrar a mesma pessoa ignorante em corpos diferentes. - Disse colado de seus lábios, enquanto ela ria.
- A sua voz... Mexe comigo... - Ela disse ao pé de meus ouvidos e eu de verdade não vou me controlar se isso continuar.... Ela passou a mão pelo meu pescoço e passou os dedos por entre os cabelos da minha nuca, os puxando, me fazendo sentir um arrepio por todo meu corpo.
- Karui... Se isso continuar, não sei se vou me segurar. - Murmurrei tentnaod ao máximo me segurar para não tocá-la. Nunca que eu quero fazer algo que ela não queira.
- Bom, eu pelo menos não vou te segurar. - A sua voz está provocante... Os seu corpo tão próximo ao meu também está e o que mais me seduz são aqueles olhos. O que eu não sei se controlaria, seria minha vontade... Ela colou as suas coxas das minhas pernas e foi aí que não aguentei. Levei minha mão até suas coxas e peguei no colo e ela passou as pernas enovlta de mim, logo segurando meu rosto e me beijando. Dessa vez, aprofundei o beijo, desfrutando das nossas línguas que se encaixavam completamente. Eu estou tentando deixar minha insegurança de lado, colocar todos meus desejos no agora.
Passei as mãos pelas suas coxas, as apertando. Me sentei na cama atrás de mim, a deixando em cima de mim.
- K-Karui... - Ela começou a rebolar no meu colo e para o tanto que estou excitado, chega à doer. Nossas respirações estão aceleradas, seu corpo está quente, e o meu também. Ela tirou a blusa e a jogou para qualquer canto do quarto, e assim que ela voltou a rebolar em cima de mim, passei a beijar seu ombro, clavícula e seios... Quando retirei seu sutiã, ela gemeu, mas tentou ao máximo abafar com uma mão. Sorri e retirei a mão da boca dela, sem parar de sugar o seu seio. Ela agarrou minha cabeça, com os dedos dançando entre meus fios de cabelo tanto quanto seu quadril em meu colo.
- Chouji... Vamos fazer... - A sua voz saía ofegante num sussurro. Eu à joguei na cama, ficando por cima dela, que retirou minha blusa... Se eu falar que não fiquei incomodado por estar sem blusa, é mentira, mas o tanto de tesão que estou sentindo...
- Você tem certeza? - Sussurrei em seu ouvido, enquanto beijava seu pescoço. - Por que eu não tenho. - Ela riu junto comigo.
- Você não precisa ficar inseguro comigo. - Ela segurou meu rosto, me fazendo encara-la no fundo de seus olhos. - Quero quebrar essa barreira com você. Quero conhecer tudo de você que ninguém conheça. - É surreal... É como se eu sentisse meu coração palpitar nas mãos.
- É a minha primeira vez... Então pode não ser bom ou ent... - Ela calou meus lábios com um beijo tão quente que fez meu corpo todo suar frio com tanto calor que estou sentindo... É uma chama que se ascendeu em mim, não consigo mais apagar.
- Essa também é minha primeira vez... - Ela disse no meu ouvido e instintivamente minhas mãos foram para retirar seu short. Ela está tímida, mas é tão linda... A sua pele macia, os seus lábios carnudos. Retirei sua calcinha e ela cobriu os lábios, mas sei que estava sorrindo. Estava tímida, mas não conseguia parar de me fitar com aqueles olhos tão lindos...Retirei a minha calça num movimento rápido e bastante tímido, mas assim que fiquei de frente de novo para ela, à vi tão tímida, tão encolhida que ri. Fiquei por cima dela, a olhando nos olhos. Pocionei meu membro na sua vagina e ela estendeu os braços para me abraçar e no momento que entrei lentamente dentro dela, ela fechou os olhos e mordeu os lábios inferiores, contedo os gemidos de dor. Ela passou à arranhar minhas costas e meu coração apertou ao ver ela sentir tanta dor... Quando finalmente entrei totalmente dentro dela, ela abriu os olhos, completamente ofegante e soada.
- Consegue ouvir? - Abri um sorriso largo. - Nossos corações estão em perfeita sintonia. - Era possível ouvir os batimentos cardíacos dela se misturarem com os meus...
- Dói... Mas é tão inexplicável... - Seus olhos brilhavam feito constelações para mim, e essas constelações era o que me garantia de que toda insegurança dentro de mim não era maior que esses olhos com um brilho. Aos poucos, eu fui me mechendo devagar dentro dela, ouvindo seus gemidos se misturarem com os meus... Quando ela gemia meu nome, quando eu chupava seus seios e ela gemia mais alto me alucinava. O seu gosto consegue ser viciante. É um sentimento tão doce, mas tão quente... Não consigo descrever o que sinto, somente minha mente em branco só conseguindo enxergá-la.
- Karui... Eu vou... - Ela passou a gemer mais alto, junto comigo. As estocadas se intensificaram num ritmo tão rápido que meu coração acelerado se tornaram parte de mim.
- C-Chouji... - Ela gemeu em meu ouvido, enquanto à senti ficar mais apertada dentro de mim e logo seria a minha vez de me derramar dentro dela. Com muito esforço retirei de dentro dela para que não à engravidasse. Me deitei atrás dela, sem folego algum. - Sabe... Acho que seria uma boa eu vir morar aqui em Konoha... - Ela disse ofegante. A abracei, tão feliz quanto ela.
- Karui, eu te amo!
31 de Agosto de 2018 a las 03:00 2 Reporte Insertar 3
Fin

Conoce al autor

Aiko Shizume Amo escrever histórias, apaixonada em poesias, e, pretendo vincular os dois!

Comenta algo

Publica!
Políbio Manieri Políbio Manieri
Ah mano que preciosidade. Tem tempos que eu queria ter um pedacinho de como se desenrolou a história desses dois e jamais pensei que eles pudessem estar interligados pela insegurança! Adorei a abordagem que você deu aos pensamentos dos dois, principalmente a atenção que o bolinho chouji merecia, ao observar todos ao redor e tristemente se dar conta da sua diferença que o mantinha afastado dos demais. É bom ver que com ela ele pode ficar seguro de que é amado como é e não precisa de nenhum tipo de rodeios, que com ela ele pode se sentir tranquilo pra dividir seus mais íntimos pensamentos. Que bonito.
6 de Septiembre de 2018 a las 02:05
Tatu Albuquerque Tatu Albuquerque
Own, baezinha. Olha esse Chouji ti nenê mais lindinho que nunca fez nada de errado. #LutoPeloTapeteDaKarui
5 de Septiembre de 2018 a las 19:19
~

Historias relacionadas