Rest In Peace, My Love. Seguir historia

sunnybunny Sunny Bunny

Sasuke. Hoje te digo adeus. Hoje nos casamos. Descanse em paz, meu amor. [NaruSasuNaru/Yaoi/One-shot/+16/UA]


Fanfiction Anime/Manga No para niños menores de 13.

#romance #drama #angst #slice-of-life #shounen-ai #lemon #yaoi #sns #sasuke #naruto #sasunaru #narusasu
Cuento corto
4
5.0mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Rest In Peace, My Love.

OLAAAAAR VIADONS

Depois de mil anos, olha quem veio visitar a categoria ~

Então, pra quem me conhece e está estranhando que a autora de no mínimo 8k por capítulo tenha escrito um capítulo com menos de 1k... É por uma boa causa.

Vocês já ouviram falar da iniciativa DeLiPa?

Um grupo maravilhousaur no Facebook chamado Panelinha da "Limonada" realiza desafios periodicamente e é tudo lindo, cheiroso e cheio de amor! Vem pra Panelinha você também, vem! Manda DM que eu te coloco no probleminha, bb!

Finalmente dei as caras por aqui. Arrependida de não ter comparecido antes, por que MEU DEUS QUE SITE PERFEITO!!!


Meu tema do DeLiPa foi: PONTO DE ÔNIBUS.

Boa leitura!

Leiam as notas finais.


[x]


Descanse em paz, meu amor.

Hoje nos casamos.

Hoje te digo adeus.

Te enterro e te incinero, te desintegro e te renego, e então ardo nas chamas do meu arrependimento.

Onde foi que erramos?

Aliás, alguma vez fomos capazes de algum acerto durante todos esses anos? Atrevo-me a dizer que você foi meu primeiro e meu único. Acerto, eu digo. E também, todo o resto.

Te observei por tanto tempo e à uma distância tão segura que você jamais saberia quem eu era – quem, hoje, já não mais sou. Jamais saberia, se não fosse por aquele ponto de ônibus.

Um ponto de ônibus.

Aquele ponto de ônibus.

Nosso ponto de ônibus.

Ah, as ironias que protagonizamos! As alegrias que encontramos ao acaso! Nossos melhores dias foram o melhor da minha vida, tal e qual os nossos piores. Eram nossos, afinal. Meu e seu, e nós... Nós éramos como um. Isso, por si, já consiste na melhor parte de mim.

As coisas simples que conseguimos da vida foram as melhores, sendo a vida tão complicada para nós como sempre a soubemos ser. Gostaria de dizer que não soubemos como apreciá-las, mas como se estivéssemos cientes de que nosso tempo não duraria para sempre, que era tão efêmero quanto as flores de cerejeira que choveram sobre nosso primeiro beijo, nós aproveitamos cada segundo com tudo o que tínhamos, cada segundo que se fez uma memória preciosa.

No entanto, hoje incendeio a casa de memórias que construímos durante o tempo que era nosso.

Hoje, ardo em chamas segurando nossa última fotografia.

Me pergunto se tudo poderia ser diferente. Me pergunto se eu poderia, com essas mãos que seguraram as suas incontáveis e memoráveis vezes, mudar o curso do destino. Me pergunto tantas e tantas e tantas coisas, meu amor, mas não obtenho nenhuma resposta.

Grito em silêncio.

O ser que sou e que tanto te ama deve perecer nas chamas da pira funerária que minhas dores por não poder te amar através da eternidade acenderam no dia de hoje.

À luz bruxuleante e ao som dos gritos de agonia do meu amor, hoje nos casamos.

Mas não nos casamos um com o outro.

Não.

Hoje, deixo-te ir e você deixa-me estar.

Hoje, as pessoas que nos tornamos juntos cometem suicídio de forma hedionda.

Sobre nossos próprios corpos carbonizados pelas chamas de um amor que nunca deveria ter acontecido, caminhamos rumo ao altar.

Pereceremos, sim, mas por certo as fagulhas ardentes de nosso ser farão seus caminhos em direção às estrelas atemporais, vivendo eternamente naqueles dias que foram nossos, mas que hoje já não mais nos pertencem.

Há anos já não somos mais adolescentes; nós envelhecemos, então por que também não o fez nosso amor? Cada vez que te vejo é exatamente como a primeira... Minha alma se derrete, ebule, evapora, chove.

E por falar em chuva, você se lembra, certo? Foi em um dia chuvoso que seus olhos finalmente se encontraram com os meus enquanto dividíamos um mesmo guarda-chuva, que era aquele ponto de ônibus; foi nosso primeiro e último abrigo através das tempestades da vida.

Era verão e, pela manhã, o céu não tinha uma única nuvem. À tarde todos nós, adolescentes tolos e felizes que éramos, corremos através da chuva passageira com gotas grossas e frias escorrendo por nossos rostos e encharcando nossos corpos. Apenas eu pegaria o ônibus para casa, então corri para aquele abrigo enquanto gritava despedidas aos meus amigos.

Jamais poderia eu imaginar que meu destino me aguardava naquele lugar corriqueiro.

Ao som dos meus passos, seus olhos encontraram-se com os meus. Ao som das batidas ensurdecedoras do meu coração, me apaixonei novamente.

Daquele momento em diante, quantos dias de chuva, vento, sol e neve compartilhamos naquele mesmo lugar? Quantas conversas, risos, brigas e beijos ele foi capaz de testemunhar?

Daquele ponto em diante, seguimos juntos todos os dias.

A primeira vez em que nos beijamos foi como se toda a magia que os livros de ficção juram existir tivesse se derramado sobre nossos corpos... Você e eu, nós éramos eternos e aquele momento poderia durar para sempre.

A primeira vez em que compartilhamos uma noite foi como se fogo corresse por minhas veias e você me incinerasse com esses seus grandes olhos negros. Ardi e queimei de amor, de paixão, em êxtase dentro de você. O mundo era meu, pois meu mundo era sua voz chamando meu nome por entre gemidos entrecortados; sua respiração arfante; seu corpo quente e suado; suas mãos apertando meu corpo junto ao seu; nossos corpos qu, unidos, davam vida àquilo que nossas muitas palavras ditas haviam tanto jurado.

Então, aquele mundo que era nosso partiu-se em dois. Te amei mais do que nunca naquele dia, quando o destino que nossos pais traçaram para nós finalmente nos alcançou. Te amei nas lágrimas que chorei sozinho e sobre os planos que fiz para evitar que aquilo acontecesse, mesmo sabendo que seria inútil.

A escadaria que leva ao topo do mundo dos negócios, no qual nossos pais nos ensinaram a viver desde cedo, é íngreme e escorregadia. A única maneira de torna-la mais segura é com alianças forjadas através de casamentos arranjados.

Nós sabíamos disso desde sempre; nós havíamos nascido para aquilo.

Nós éramos o próximo degrau.

Não havia escapatória.

Não há.

Minhas esperanças me abandonaram nesse ano que se passou e eu pude ver que o fogo de determinação que queimava em seus olhos a princípio, transformou-se em um incêndio fora de controle, te consumindo aos poucos.

Portanto, escrevo com a finalidade de me despedir. Preciso dar esse adeus tão doído àqueles dias que jamais voltarão.

O amor que um dia alimentou-me com o néctar dos deuses, hoje coloca-me em grilhões e ateia fogo a mim.

O destino ri enquanto ardo e grito seu nome.

Sasuke.

Vou àquele ponto de ônibus pela última vez.

Você estará lá?

Vou dizer que te amo pela última vez.

Sasuke.

Hoje te digo adeus.

Hoje nos casamos.

Descanse em paz, meu amor.


Eternamente seu,


Uzumaki Naruto.


[x]

Me desculpem. Eu não pude fazê-los ficar juntos dessa vez. Partiu meu coração aaaaaaaaa

MASSSSS quem sabe eu continuo isso em uma short-fic, né mesmon?

Foi meu primeiro DeLiPa e eu espero ter me provado à altura do desafio. 999 palavras de limite? 999 palavras será, então! ajodkajsoai 

Espero vocês nas reviews!

Um beijo!

@UmaSunnyBunny

Edit.: 23/08/2017, 20h20. Once Again You Haunted Me é a continuação independente dessa one-shot. Você pode encontrá-la através do meu perfil ou nesse link: https://getinkspired.com/pt/story/46514/once-again-you-haunted-me/

Não deixe de demonstrar seu apoio deixando uma review aqui antes de partir para a leitura da próxima, okay? ;)

1 de Agosto de 2018 a las 01:11 0 Reporte Insertar 2
Fin

Conoce al autor

Sunny Bunny 22yo/Paulista/ENFJ/Escrevo para dar vazão ao sobejante da alma.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~