Criminal Minds Seguir historia

lollipopmars Lollys Mars

Quando um espelho se quebra, é preciso juntar todos os pedaços para que se possa formar a imagem final.



Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#117 #tortura #yaoi #lemon #crime #chanyeol #tao #luhan #sehun #fanfic #mafia #exo
3
5.0mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 30 días
tiempo de lectura
AA Compartir

one

Sehun desceu do carro, o sol da tarde batia contra seus óculos e refletia atrapalhando a visão de qualquer um que olhasse para seu rosto; os capangas armados com AK-47 e algumas Pythons e Glocks escondidas sob a camisa, seguiam ao seu lado, juntamente com LuHan.

Não muito longe de onde haviam estacionado, estava o carro do corretor de imóveis.
Xhin Zhao, um chinês baixinho, de cabelos negros e lisos, que lhe caiam sobre a testa, sua pele era escura, parecia mais um indiano que um chinês, ele os esperava, próximo ao portão de entrada do galpão.

— Sehun! Como é bom vê-lo! — O homem sorriu e seus olhos se fecharam numa linha tênue. — Tenho certeza de que irá achar o lugar perfeito!

Sehun parou em frente ao portão de acesso, que estava semi aberto, e olhou ao redor.

Havia um porto abandonado não muito longe dali. Poderiam usá-lo para transportar as cargas.

Do outro lado, havia apenas a mata fechada.

Sehun voltou seu olhar para a fachada do lugar, haviam algumas placas de metal enferrujadas cobrindo a frente do galpão, alguns cipós, vindos das árvores do matagal ao lado, cresciam livremente pelo lado de fora.

— Está abandonado a anos! — Zhao falou entusiasmado. — Como disse pelo telefone, ninguém frequenta esse lugar.

Sehun voltou-se para o galpão e caminhou em direção ao mesmo.

Alguns dos capangas ficaram do lado de fora, enquanto ele ia, LuHan ao seu lado, examinar o interior do lugar.

— Como pode ver senhor, o lugar está de acordo com o que me pediu. — Zhang parecia extremamente feliz com o próprio feito, como se aquele galpão fosse de fato um lugar grandioso.

O lugar cheirava a mofo e poeira, estava coberto de limo e terra.

A mata que havia ao lado do galpão começara a invadir o lugar por entre as janelas quebradas.

O teto estava repleto de fendas, deixando a luz do sol entrar, mas por aquela ser uma área chuvosa, aquilo poderia atrapalhar a produção, caso não fosse selado, sem contar o risco de desmoronamento.

Equipamentos de metalurgia velhos e enferrujados que deveriam ser do século passado, estavam espalhados pelo chão.

— Eu pedi um galpão, não um monte de sucata. — Sehun falou, virando-se finalmente para o corretor de imóveis. — Existe uma grande diferença entre os dois.

— Mas senhor...

— Sem mas! — Sehun levou a mão aos cabelos e suspirou. — Eu lhe dei uma tarefa. Uma simples tarefa!

— Senhor...

— Eu disse que podia falar? — O homem balançou a cabeça em negativa. — Bastava encontrar a porra de um galpão! Só isso.

— Sehun, podemos encontrar um lugar novo. — LuHan falou em tom calmo.

— Não há tempo. — Sehun aproximou-se de Zhang. — E o que você espera que eu faça com esse lugar?

— Se puder me dar mais alguns dias...

— Dias? Não tenho dias!

— Horas! Me dê algumas horas e eu encontrarei um lugar melhor senhor...

— Você tem até o pôr do sol para me levar a outro galpão. E um maior do que esse.

— Eu irei senhor. — Zhang saiu caminhando o mais rápido que suas pernas curtas e gorduchas permitiam, indo para fora do galpão e pouco depois o som do motor do carro dando a partida foi ouvido.

Sehun fez menção de sair do lugar, porém LuHan o segurou pelo braço.

— Você assustou o pobre homem. Não deveria ser tão rude. — LuHan falou retirando os óculos escuros do rosto de Sehun.

— Se eu não for firme com esses homens, quem será? — Sehun pegou seus óculos das mãos de LuHan e o colocou novamente no rosto.

— Está exigindo muito Sehun. Nem há tanta necessidade desse galpão de qualquer forma.

— Sim, há necessidade. Você mesmo viu o que aconteceu em Hong Kong.

— Não é porque houve uma batida policial que isso vai mudar muita coisa. — LuHan revirou os olhos.

— Temos uma demanda. Sem a produção de Hong Kong essa demanda não pode ser cumprida.

LuHan suspirou e deu as costas a Sehun, e caminhou para fora do galpão.
Sehun saiu logo atrás do Han.

— Idai que um bando de viciados vão ficar sem a merda do pó deles? — Falou LuHan quando Sehun entrou no carro, um Hummer H2 preto, assim como os outros dois que seguiam consigo.

— Idai que são esses viciados que nos sustentam. — Sehun puxou LuHan para perto de si.

— Me solta. — LuHan empurrou o loiro para o lado, o carro começou a se mover.

— Você que sabe.

O smartphone no bolso de Sehun começou a vibrar.
Era Chen.

Já começou a nova remessa? — Chen foi direto ao assunto.

— Não. O cara que você mandou me levou a um lixão.

Estamos rodeados de imbecis, eles vão acabar fodendo a nossa vida. — Chen suspirou. — O que você vai fazer a respeito?

— Dei a ele algumas horas para encontrar um lugar que não estivesse caindo aos pedaços.

Você fala como se se importasse com os trabalhadores. — Chen falou em tom irônico.

— Eu me preocupo apenas comigo mesmo. — Sehun sorriu, embora Chen não pudesse ver. — Nunca se sabe quando eu posso estar vistoriando a produção e um pedaço do teto cair em minha cabeça.

Chen riu brevemente antes de voltar a falar.

Resolva isso o mais rápido possível, cada minuto conta.

— Ok.

Sehun desligou o telefone e voltou seu olhar para a janela do carro.

A única vista que tinha era a das paisagens agrícolas do interior de Pequim.
Os camponeses paravam seu trabalho e olhavam para os três carros que seguiam pela estrada.

— Toda essa ambição de vocês, essa coisa de querer ser o melhor. Isso não é bom. — LuHan falou virando-se para Sehun. — Você não se dá conta de que tantas pessoas morrem por causa do que vocês fazem?

— Não é o que você diz quando eu te dou presente caros. — Sehun ergueu uma sobrancelha. — Caso ainda não tenha percebido, é isso que paga suas roupas de marca.

— Eu não nasci para ser mulher de bandido. — LuHan revirou os olhos.

— De onde você tirou que eu sou um bandido?

LuHan abriu a boca para falar mas foi impedido pela explosão que veio naquele instante.
O carro que seguia a frente do qual Sehun e LuHan estavam, passara por cima de uma mina terrestre recém colocada, fazendo o motorista perder o controle do volante, e consequentemente, o carro capotou, girando algumas vezes, antes de parar dentro das plantações, à beira da estrada.

Sehun estava caído no meio da estrada, havia sido arremessado pelo vidro traseiro do carro, ele abriu os olhos, sua visão estava embaçada, o Hummer estava completamente amaçado.
Levou a mão até a testa e sentiu o líquido pegajoso que corria.
Os capangas do terceiro carro, que vinham mais atrás, não haviam sido atingidos, foram até o carro e retiraram LuHan de lá, poucos minutos depois, o veículo explodiu.

O primeiro Hummer, queimava um pouco mais à frente, levando consigo toda a plantação ao redor, causando um incêndio, que em poucos minutos estava totalmente fora de controle.

Sehun tentou se levantar, porém, fracassou, e seu rosto bateu novamente contra o chão.
Um dos capangas aproximou-se dele, e o pegou, levando-o para o único dos três carros que não fora atingido.

O motorista deu partida no Hummer, levando-os para longe do incêndio.
Alguns camponeses corriam para longe, tentando escapar do fogo, outros tentavam apagar o incêndio e evitar uma perda maior da plantação.

Sehun olhou ao redor, mas sua visão estava escura e turva.

— LuHan... — Sehun falou, sua voz saiu quase como um sopro.

— Ele está aqui. — Dissera um dos homens. — Ele está bem.

Sehun suspirou aliviado, e fechou os olhos novamente, embora a dor que sentisse em todo o seu corpo o impedisse de dormir.

— Não deveria ter mentido para o chefe. — Falou um dos homens sussurrando para o que estava junto a Sehun. — Não quero estar perto quando ele perceber o que você fez.

A verdade é que LuHan não estava nem um pouco bem.
Havia uma fratura em sua cabeça que não parava de sangrar. O Han estava desacordado e seu pulso enfraquecia a cada segundo.
O homem, um coreano alto e robusto, pressionava sua mão contra a abertura no crânio de LuHan, quase era possível ver o cérebro do jovem, na tentativa de conter a hemorragia, mas, a julgar pela quantidade de sangue em suas roupas e no banco do carro, não parecia estar dando muito certo.

O motorista seguia numa velocidade muito superior ao permitido, mas uma multa de transito não era algo com que ele realmente se importasse.

Eles estavam a pouco minutos do hospital.
O homem acelerava cada vez mais e fazia ultrapassagens perigosas na rodovia.
Já podia ver o prédio do hospital não muito longe dali.

Um sorriso se formou em seu rosto, ele conseguira.

Já quase em frente ao pronto-socorro, o homem puxou a trava de mão de uma única vez, fazendo os pneus do Hummer queimarem o chão, enquanto o veículo girou duas vezes, antes de parar, a poucos milímetros de se chocar contra a parede do pronto-socorro.

O motorista desceu do carro, pegou a Phyton que trazia sob a camisa e adentrou a emergência, voltando poucos segundos depois com médicos e enfermeiros, que traziam duas macas consigo.
LuHan foi levado diretamente para a sala de cirurgia, enquanto Sehun foi para a sala de tomografia.

Algumas horas mais tarde, Sehun já estava fora de perigo, sua visão retornara por completo, e seria liberado em algumas horas se não houvesse nenhuma complicação, não tivera ferimentos mais graves.
Alguns dos seus capangas estavam no hospital, fazendo sua segurança.

— Quero que descubra quem fez isso. Traga-o até mim. — Sehun ordenou a um de seus capangas, que assentiu positivamente e saiu do quarto.


Quanto a LuHan, permanecia na sala de cirurgia, houveram complicações.
A cada hora, uma enfermeira ia até o quarto de Sehun, atualiza-lo da condição de LuHan.

Depois de 18 horas em cirurgia, LuHan fora levado para a UTI.

Sehun fora vê-lo.
Ele estava entubado, sua cabeça coberta de bandagens, seu rosto estava inchado e de uma coloração arroxeada, haviam muitas manchas roxo-azulado espalhadas pelo seu corpo.
O médico, um americano que parecia ter pouco mais de 30 anos, de sobrenome Brown, dissera que LuHan ainda estava em estado crítico, e que as horas que se seguiriam eram cruciais.

Sehun não o respondera, o médico saira do quarto. Sehun ergue sua mão e segurou a de LuHan.
O rapaz estava quase irreconhecível.

— Não me deixe LuHan. Você não pode fazer isso comigo. — Dissera Sehun, uma lágrima solitária correu por sua face.

25 de Julio de 2018 a las 13:08 0 Reporte Insertar 0
Continuará… Nuevo capítulo Cada 30 días.

Conoce al autor

Lollys Mars Desde 2012 escrevendo altas merdas por ai.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~