Um Natal (Quase) Perfeito Seguir historia

cakejeh Jennie

Para Yifan, todos os seus natais sempre seriam perfeitos. Ainda que tivesse um namorado doido especialista em listinhas natalinas, e mesmo que para cumpri-las fosse necessário passar por talvez um mico ou dois. "Por que uma árvore sempre pega fogo?" "Acho que é a chama da nossa paixão que nunca se apaga."


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#yaoi #comédia #natal #exo #krisbaek #Baekris
2
4808 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

A Lista

 Byun Baekhyun amava o natal. Tanto que em todos os anos fazia algum tipo de comemoração, mesmo que a mais simples. Adorava passar aquela data rodeado de luzes e enfeites. Para ele não existia dia ruim quando o assunto era natal, se deixasse, passava o ano inteiro planejando ele.


 Sempre que o natal se aproximava, o Byun se punha a fazer uma lista de preparativos; do pinheiro a ser escolhido aos sapatos que iria usar, tudo sempre feito nos mínimos detalhes. Ninguém podia negar que os natais do Byun eram os melhores, ele sempre tinha tudo sob controle, e agradecia isso à sua pequena e inseparável lista natalina.


 Quem via Baekhyun de fora mal podia imaginar que o baixinho ficava doido atrás dos preparativos, afinal, era uma tradição comemorar o natal, e ele queria que tudo sempre desse certo, porque acreditava que um mau natal era um mau réveillon, e um mau réveillon significava um péssimo novo ano. E o ruivo realmente não queria passar um ano todo tendo azar.

 A única pessoa que sabia dessa tendência doida e muitas vezes supersticiosas do Byun, era o namorado Wu Yifan. Os dois namoravam há longos seis anos, e também moravam juntos numa pequena casa antiga perto do centro, um lugar calmo e muito bonito. A ideia de morarem juntos surgiu logo que completaram três anos de namoro, e sentiram que estavam mais que preparados para dar aquele passo no relacionamento.


 Yifan achava o namorado doido. Sim, doido, não tinha outra palavra para defini-lo, era doido e ponto. Baekhyun era totalmente obcecado com a lista, a levando realmente a sério, e as três primeiras semanas antes do natal eram as melhores — e mais engraçadas — para o Wu. Era divertido ver o namorado correr de um lado pro outro feito um pinguim bêbado, Yifan vivia rindo, ria até o momento em que o baixinho o mandava se mexer, arrastando-o para as compras, ou qualquer outra coisa que precisasse ser feita. E como o bom namorado que era, reclamava bastante, mas ia mesmo assim.


 O Wu costumava dizer que Baekhyun tinha muitas manias e costumes, além de uma tendência horrível em se meter em problemas, e uma tendência maior ainda em o arrastar junto. Na época em que ainda eram amigos (e adolescentes idiotas), o fizera correr loucamente pelas ruas congeladas arrastando um pinheiro de quase dois metros junto de si, e isso tudo apenas para não perder o metrô e a promoção no mercado que o esperava naquele dia — algo extremamente limitado, segundo o Byun —. O pior nem fora a corrida, mas sim, entrar na lataria com aquilo… todos os passageiros ficaram encarando, uns ou outros até mesmo soltavam comentários sobre aquilo. Algo constrangedor, principalmente porque quase se perdiam por entre os longos galhos do pinheiro que vez ou outra lhe acertavam os olhos sempre que tentava se mexer no banco.


Foi apenas ao final daquele dia, depois de deslumbrar o sorriso radiante que estampou o rosto de Baekhyun ao terminar de decorar a árvore de natal, que Yifan soube que tinha valido a pena todo o esforço e a vergonha passada por causa daquilo, além de um dos seus sapatos perdidos enquanto corria para dentro do metrô.


— O que você está fazendo? — perguntou o Wu do sofá da sala enquanto observava o namorado sentado no chão, este que mantinha os olhos vidrados na tela do notebook em seu colo. — A lista? — se voltou para a embalagem de gomas açucaradas que havia pegado da cozinha minutos atrás, e começou a lê-la distraidamente.


O Byun parou de digitar e encarou o outro no sofá antes de rir ao ver que ele estava tendo dificuldades em abrir o pacote de doces, optando por no final usar os dentes.


— Não, a lista eu já terminei ontem. Eu só estava conversando com o senhor Yang sobre a ajuda que vamos dar a ele, e agora dando uma olhada nas viagens promocionais… mas já acabei. — bocejou se espreguiçando antes de se levantar do chão, deixando o notebook devidamente fechado numa poltrona.


— Achei que você não fosse querer viajar. — a fala veio abafada já que, depois de finalmente abrir o pacote colocou várias gomas de uma vez na boca.


— Eu só estava dando uma última checada para ter certeza que não ia me arrepender.


— Então vamos mesmo passar o natal em casa?


— Sim, dessa vez eu quero algo mais casal, e faz tanto tempo que a gente não passa na nossa casa, então... — caminhou em direção ao outro no sofá, este que abriu os braços o recebendo num abraço desajeitado por ainda segurar o pacote de doces.


— Hum… só nós dois? — apertou mais o outro sobre si, enquanto ele enterrar a cabeça em seu pescoço.


— Sim… só nós dois. — passou o nariz lentamente por ali antes de depositar um leve beijo, rindo ao ser apertado mais forte no ato — Fora que eu estou sentindo que esse ano vai ser especial, eu tive um son—


— Ah não, — Yifan fez uma careta revirando os olhos— Nem vem com esses seus sonhos estranhos de premonição.


— Mas é verdade, Kris! — Baekhyun se endireitou ficando dessa vez sentado sobre o namorado, este que aproveitou para enfiar mais algumas gomas açucaradas na boca.


— Sei, da última vez você fez a gente dormir na área de serviço por uma semana depois de cismar que o teto ia cair. — o olhou acusadoramente.


 Se lembrava bem daquele dia, o Byun acordara com os olhos arregalados dizendo que não podiam mais dormir no quarto porque havia sonhado com uma coruja amarela, segundo ele era um mau agouro. O Wu depois de tentar convencê-lo de que era tudo apenas um sonho e falhar miseravelmente, tendo o namorado ainda irredutível quanto aquela ideia, sugeriu que ao menos dormissem na sala, mas o baixinho disse que não, porque em seu sonho a coruja vinha o visitar passando por ela. Então terminaram os dois num emaranhado de travesseiros e edredons na área de serviço.


— Mas você bem que gostou de dormir lá. Ou eu devo te lembrar de todas as vezes em que me agarrou falando que estava com frio?


— Mas eu estava com frio. — riu


— E pelado.


— Dormir sem roupa gera economia. — disse como em uma constatação óbvia.


— É? Não sei do que. — voltou a se debruçar sobre o outro mirando desta vez a televisão.


— Se você não dorme com pijama, você não precisa lavar ele mais tarde, ou seja, você economiza água.


Baekhyun estreitou os olhos enquanto voltava a encará-lo, tentando prender o riso que ameaçava sair de sua boca.


—… Por que eu gosto de você mesmo?


— Não sei... talvez o charme… — olhou para cima numa falsa expressão pensativa — Mas desconfio que seja o meu belo traseiro. — finalizou arrancando risadas de ambos


— Você é ridículo.


— Também te amo. — o puxou para baixo prendendo-o em um abraço de pernas e braços que os deixou embolados no sofá.

Os minutos foram se passando e os dois continuaram juntos ainda no mesmo lugar, dessa vez Baekhyun estando numa nova posição com a cabeça apoiada em uma almofada nas pernas do Wu, este que se mantinha sentado, ambos assistindo um filme qualquer que passava na TV, um dos muitos natalinos que encheriam a programação normal por longos dias...




— Sabe Baek… — começou com um pequeno riso contido, vendo o namorado ainda encarando a televisão antes de lhe responder:


— O quê?


— Eu estava pensando, e acho que a gente deveria aderir aquele lance de ficar nu não só para dormir… sabe, andar pelado pela casa é bom também…


— Mas eu já faço isso.


O Wu riu, mas logo parou encarando o outro que ainda se mantinha sério.


— … o quê?



➷➸➹



— Para onde estamos indo mesmo? — Yifan mexia distraidamente no celular enquanto o Byun dirigia o carro com uma típica expressão séria que surgia sempre que estava concentrado em algo.


— Para a loja de natal no Keun-Jangso. — continuou olhando a estrada mas desta vez sustentando um sorriso.


— Aquela em que todas as pessoas loucas da cidade vão para comprar enfeites?


— Essa mesmo. Quando as encomendas de natal chegam todos os enfeites são muito bonitos, mas em quantias limitadas, por isso tem tanta gente de uma vez só, ganha quem chegar primeiro. — fez um som de estralo com a boca — Eu tinha me esquecido que como a gente passa muitos poucos natais em casa, as nossas decorações não são tantas… mas enfim, as minhas prioridades são a guirlanda e a estrela para colocar no topo do pinheiro… e eu quero uma rena também. Eu vi uma linda pelo site da loja, mas eles não fazem entrega, é só na hora.


— Então um mata mata pra comprar renas de pelúcia?


— Quase isso, ontem eu passei lá e pedi para deixaram reservado. — sorriu orgulhoso — A mocinha da loja me deu um papel com um número, então é só chegar e pegar.


O Wu soltou um “humm” para o que o namorado tinha dito antes de se lembrar de algo.


— Cadê a lista que você fez? Eu ainda não vi ela.


— No porta luvas.


Yifan abriu o local indicado pegando o papel de tom amarelado cuidadosamente dobrado ali dentro. O desdobrou para só então rir das coisas escritas nele.



Lista do Baekkie

1. Comprar decorações

2 . Cortar um pinheiro

3 . Decorar a Casa

4 . Ajudar o senhor Yang

5. Comer

6. Acender a estrela no topo da árvore

7. Ver as luzes de Natal




— Lista do Baekkie… — Yifan ficou fazendo uma voz afetada para só então ser acertado com um soco no braço

— Respeita o motorista!


Okay, okay. — riu do bico amuado que se formou no rosto do namorado, dobrando novamente o papel — Bem, é uma lista pequena comparada com a do ano passado… ou de todos os últimos anos.


— Ainda sim é maior que a que você fez uma vez.


— Não era tão pequena assim…


—Só tinha “Falar Feliz Natal”. — comprimiu os lábios numa careta o olhando pelo canto dos olhos.


— Eu gosto de ser surpreendido, por isso não coloquei mais nada. Que graça tem programar o natal?


— Não haver imprevistos.


— E quem te garante que não vai haver imprevistos?


Baekhyun pegou a lista das mãos do Wu levantando-a no alto logo em seguida.


— Isso. — balançou o papel.




➷➸➹



— E agora? — Yifan ajeitou mais o casaco sobre o corpo vendo a fumaça branca sair de sua boca logo que falou.


 O carro já havia parado no estacionamento do mercado, e os dois homens bem agasalhados se encontravam do lado de fora deste, analisando por um momento as pessoas que entravam e saíam dali. Keun-Jangso era o maior mercado da cidade, sendo não só um mercado como uma espécie de shopping tendo várias lojas e seções de todos os tipos. Um prato cheio para quem gostava de comprar várias coisas sem fazer várias viagens.   


— Pegue um carrinho e me siga. — fez uma careta engraçada e começou a caminhar



➷➸➹


 Já dentro do enorme mercado, Baekhyun se perdeu por entre os corredores bem iluminados deixando um Yifan sozinho com um carrinho meio cheio e um bico enorme. O Byun tinha dado uma outra listinha para o Wu com o resto dos enfeites que eles iam precisar comprar, e logo o abandonou alegando que iria atrás da rena que ele havia reservado.


 Enquanto se dirigia para os fundos do shopping, Baekhyun carregava uma enorme guirlanda que havia pego no meio do caminho, não sabia se ela estaria lá quando voltasse então preferiu não arriscar, além do mais, não queria demorar, sentia por algum motivo que algo ia acabar por não dar certo, talvez fosse pelo fato de ser meio impaciente, ou estar empolgado, mas a sensação continuava, então queria logo chegar a loja que procurava e pegar de uma vez a rena e assim riscar com sucesso o primeiro item da sua lista.


 Quando finalmente chegou ao local, foi logo se direcionando ao caixa. O lugar era amplo e mais parecia um depósito ornamentado em branco do que qualquer outra coisa, o que fazia sentido, visto que as grandes decorações à venda ficavam ali.


 A mocinha do caixa logo que o viu, sorriu e pediu o mesmo papel que havia lhe entregado no dia anterior.


— É só o senhor virar ali que as renas vão estar lá, acho que a que o senhor reservou é a última em tom acastanhado. — falou gentilmente apontando o local


 Para a felicidade do Byun, a rena que queria era realmente a última ali, entretanto outra mulher também estava no depósito e dessa vez, para a sua infelicidade, ela encarava contentemente a sua rena. A mulher estava prestes a prender o animal falso em um carrinho próprio para aquele tipo de objeto grande, quando o baixinho se pronunciou:


— Com licença, essa rena é minha. — sorriu o mais gentil que pôde.


— Como assim é sua? — a mulher era tão baixa quanto o Byun e tinha cabelos castanhos curtos, e tudo isso entrava em contraste com os grandes olhos igualmente castanhos, que naquele momento encaravam Baekhyun com certa desconfiança. — Que eu saiba, as reservas são feitas por unidades, não cores.


— Sim, só que eu já passei aqui antes, isso é acertado aqui. Tanto cores quanto unidades.


— Pois bem, estou passando aqui agora. — ignorou completamente o Byun que naquele momento abria a boca num perfeito O, terminando de amarrar a rena ao compartimento que trouxera consigo.


A funcionária — que no fim acabou por aparecer ali depois que ouviu a conversação suspeita — ficou intercalando o olhar entre o Byun e a mulher sem saber o que fazer. Não esperava aquele tipo de situação no seu turno.


—Você não ouviu? Essa rena é minha. — a mulher continuou o ignorando


— Senhor Baekhyun, o senhor não gostaria de escolher outra? Temos as brancas e acinzentadas ainda… elas são muito bonitas e as brancas estão em bastante alta esse ano.


 A pobre mocinha do caixa tentou amenizar a situação. Não sabia o que fazer, sua supervisora havia ido resolver um problema de entrega, então estava sozinha na loja. Era nova ali e achava que os dois clientes provavelmente já tinham percebido isso já que, pareciam excluí-la totalmente da discussão, como se fosse algo que ela não soubesse resolver… e realmente não sabia como.


— Uma rena branca não combina com a decoração que eu quero...


— Ah, que pena. — a mulher sorriu falsamente compreensiva antes de pegar no suporte do carrinho e sair do depósito sem olhar para trás.


O Byun ficou parado olhando a mulher se afastar na cara de pau, aquilo só podia ser uma pegadinha tamanho o seu absurdo.

“Eu não acredito nisso… ela zombou da minha cara… NA MINHA CARA!”


  Baekhyun respirou fundo comprimindo fortemente os lábios. Não podia se irritar, lembrava-se bem da última vez em que fizera aquilo e fora expulso de um dos seus estabelecimentos favoritos, então tentou manter a calma. Já podia imaginar o escândalo e desculpas que a mulher daria caso falasse com a gerência, que no final diria que arrumaria uma rena daquela para cada um, rena essa que chegaria só depois do natal… e ele não tinha todo aquele tempo.


 Suspirou arrastado uma última vez ajeitando os cabelos, antes de se voltar para a funcionária que parecia tão perdida quanto da primeira vez.


—Por favor, eu vou querer uma rena branca…



➷➸➹


 O baixinho caminhava a passos firmes. De um lado trazendo a rena branca e do outro a guirlanda, os objetos praticamente tapavam a visão dele, mas isso não o estava impedindo de andar menos vigoroso ou irritado. Estava fulo da vida e não tinha melhor palavra para defini-lo naquele momento.

 Assim que Yifan avistou o namorado com aquelas coisas, quis rir, só não o fez porque conforme ele foi se aproximando notou a expressão fechada dele. Um Byun Baekhyun irritado era um Byun Baekhyun perigoso.


— O que foi? Te deram a rena errada? — riu levemente anasalado tentando descontrair o ambiente, mas logo se recompôs com o olhar mortal que o outro lhe lançou — Te deram a rena errada.


O Byun entregou a guirlanda que segurava ao namorado que logo tratou de a colocar no carrinho junto das outras coisas. Já estava indo em direção ao caixa quando notou que não era seguido pelo outro.


— Não vai vir? — se virou o vendo ainda parado no mesmo lugar olhando atentamente para os lados como se procurasse algo.


— Ainda não… vai pagando as coisas no caixa e me espera no carro, eu já volto.


O Wu encarou o baixinho com as sobrancelhas franzidas por alguns segundos antes de falar:


— Eu não quero nem saber o que você vai fazer. — então girou sobre os calcanhares e voltou a empurrar o carrinho em direção ao caixa.


 Depois de ver o moreno se afastar, Baekhyun começou a colocar o seu plano em prática. Precisava achar aquela mulher e a sua rena. O que não deveria ser tão difícil assim, afinal, ela parecia fazer uma grande compra — notou pelo carrinho de suporte — para já ter simplesmente ido embora… se bem que após pegar algo daquele jeito o mais sensato seria realmente ir.


 Andou pelos corredores com uma falsa expressão despreocupada, olhando tudo e todos atentamente. Depois de algumas voltas acabou por esbarrar no carrinho da madame-rouba-renas na seção de enlatados. A mulher estava um pouco mais afastada dali admirando uma exposição de bolos para encomenda. Amadora, pensou o Byun. Como você pega algo que não é seu e continua no local do crime? Tsc... Realmente amadora.


 Baekhyun olhou para os lados tendo a certeza de que não era observado e se aproximou sorrateiramente do carrinho.


 O quão errado seria o que estava prestes a fazer? Esperava que pouco.


 Depositou discretamente a rena que segurava no chão antes de se agachar para soltar as amarras dos pés da outra, sorrindo ladinamente durante todo o processo.



Bem, que não ganhasse um carvão naquele natal.



➷➸➹


 Enquanto Yifan esperava a vinda do namorado ao carro, — batucando o volante ao som de uma música qualquer que havia colocado no celular — não esperava ver o Byun correndo em sua direção enquanto segurava uma rena marrom.


— Mas o que…. — o Wu estreitou os olhos vendo o namorado se aproximar ainda mais, por reflexo ligou o carro, ainda encarando confuso o baixinho correndo em sua direção. Quando ele chegou perto o suficiente do carro, abriu a porta de trás e se jogou lá dentro com a rena falsa.


— Dirige, Yifan! Dirige!


— Mas que merda você fez, Baekhyun?! — perguntou exasperado ligando o carro e saindo dali o mais rápido possível.



 Durante o percurso, depois de finalmente conseguir assimilar as coisas, Yifan não sabia se olhava para estrada ou para o namorado ainda ofegante no banco de trás, optando por no final revisar entre os dois.


— Você roubou a rena? — frisou a palavra “roubou”, ainda mantendo o olhar intercalado entre o Byun e a rua asfaltada.


— O quê? — se mexeu no banco de trás começando a passar desajeitadamente para o da frente, tendo dificuldade naquilo. Bufou. Ou estava ficando gordo demais ou aquele vão que era pequeno demais — Eu não posso roubar uma coisa que já era minha… E ela mereceu também. — deu de ombros


— Ela? — arqueou uma sobrancelha


— A mulher que pegou a minha rena.


— Você já pensou se ela decide te processar ou algo do tipo?


— Por causa de uma rena?


— Bem, você correu no meio da neve por causa de uma, e ainda saiu em fuga de um supermercado para completar… talvez ela tenha esse tipo de tendência problemática também. — disse fazendo o Byun estreitar os olhos enquanto soltava um "Engraçadinho".


— Enfim, se caso ela tentar algo assim, — ergueu o quadril enfiando a mão no bolso de trás da calça jeans que usava— eu ainda tenho o papel que prova que aquela coisinha ali, é minha… E eu ainda deixei uma no lugar, já é mais que o suficiente.


— Você… eu não acredito — o Wu olhou para ele por alguns segundos antes de começar a rir descrente — Acho que agora é a minha vez de perguntar o porquê de eu gostar de você mesmo…


— Talvez o charme... mas desconfio que seja o meu belo traseiro — parou por um segundo encarando o vão entre os dois bancos em que havia passado segundos atrás —… um tanto gordo já. — fez uma careta voltando a encarar a rua com resquícios da neve que havia sido retirada mais cedo.


— Você não gosta dele assim? Porque eu gosto muito. — depositou uma mão na coxa do menor antes de dar um aperto forte.


 Baekhyun sorriu de lado sem encarar o outro, abrindo o porta luvas logo em seguida e pegando a sua lista dali de dentro. Já podia finalmente riscar o primeiro item dela, e assim o fez, pegando uma caneta preta que estava guardada junto da lista. Quando terminou de riscar as palavras e guardar o que tinha pego, moveu sua mão para cima da de Yifan, que ainda mantinha ela em sua perna, entrelaçando por fim os dedos num gesto carinhoso que foi logo retribuído.



 Algo lhe dizia que aquele natal seria diferente dos outros, e tão bom quanto.

24 de Julio de 2018 a las 03:07 0 Reporte Insertar 1
Leer el siguiente capítulo O Pinheiro Perfeito

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 3 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión