Golden Seguir historia

waryeol Guaxinim -

Estar perdido, é parte do processo de se encontrar, de crescer, mas quem disse que precisa ser ruim o tempo todo para que isso aconteça? Algumas histórias tem um início definido, outras um início confuso... E aquelas que o início para um é o meio para outro? O final é realmente o fim?


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 18.

#romance #chanhun #Baekhan #Chensoo #exo
4
4.9mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 30 días
tiempo de lectura
AA Compartir

O outono é uma porcaria.

– Boa noite ouvintes. Estamos voltando de uma longa seleção de músicas que espero que os tenha feito dançar bastante, Baekhyun se divertiu as escolhendo – Kyungsoo suspira rente ao microfone, nunca chegara a conclusão do que era melhor; trabalhar em uma rádio pequena e poder falar o que quiser ou trabalhar em um horário tão calmo, que podia ser ele mesmo, sem precisar se policiar a cada 5 minutos.


– Sinceramente tem umas bem legais, porém como não sou pago para isso, vamos para a parte do programa em que eu mais me divirto... Sim, esse mesmo, o horário de vocês que como o Sehun são pérolas que mundo ainda não descobriu.


Era a mais pura verdade, Kyungsoo, amava aquilo, algumas pessoas se declaravam, outras divulgavam seus poemas, às vezes defendiam seus ideais, hora discutiam e reclamavam da vida.


Sendo assim sempre era diferente, Kyungsoo se esticou de uma forma estranha para alcançar as folhas onde se encontrava seu divertimento de todas as quartas, agradecia por só existir 3 pessoas naquele estúdio, incluindo ele, pois podia fazer as coisas com calma e do seu jeito. Mesmo que levasse broncas do seu patrão com uma frequência assustadora.


– Hoje temos uma espécie de carta, irei ler as partes que foram grifadas de azul pelo Baekhyun e eu não sei, acho que ele nem terminou de ler e só marcou aleatoriamente. – Resmungou ao ver o trabalho porco que seu amigo havia feito. – Ah, não esqueçam de ligar e participar do sorteio de 2 ingressos para o show do cantor mais fofo e desengonçado que conhecemos, Park Chanyeol. São só algumas perguntas, não tenham medo. 


Kyungsoo sorri escondendo o rosto dos amigos, afinal, quando Sehun e Baekhyun perdoariam ele sorrindo à toa por conta de um cantor? Ele conseguia ser bem fanboy quando queria – Eu vou estar lá, bem bonito e pronto para entrevistar o moço e lançar no YouTube para que surtem comigo. Vamos aos pensamentos da noite, esse foi mandado por Luhan, 26 anos. Mais nenhuma informação? Que misterioso. Como vai Luhan? Você estava bem inspirado, hein?


Como de costume Kyungsoo assume sua postura de contador de histórias, algo adquirido com o tempo gasto em longas leituras, sua voz se aprofunda, de forma etérea, seus lábios bem próximos ao microfone como se estivesse contando mil segredos e talvez estivesse mesmo.


“Tenho sentido ultimamente o frio chegando, vindo de fora, trazendo consigo a falta da vida, o prelúdio das épocas mais tristes, muito bonito de se admirar, porém terrível de se vivenciar, vindo também de dentro, me mantendo letárgico, sem fé, por que tudo que quero é deitar e esperar que as estações mais duras venham a passar e que minha primavera floresça sem que eu precise lutar, mas como fazer isso?


Não acho que tenha um caminho correto a ser seguido, mas a verdade é que temos que encarar se não quisermos ser soterrados. Como os animais aguentam as dificuldades que acompanham esse frio monótono e traiçoeiro que quase sempre acaba com as cores e a alegria?”


Mesmo sem o costume de fazer isso, o radialista em questão se interrompe, afasta os lábios do seu tão conhecido microfone e suspira.


– Eu te entendo em relação a se sentir letárgico, o frio tem esse poder, mas é maravilhoso cara, estimula nosso lado crítico, sem momentos difíceis seríamos todos cegos. – Kyungsoo sempre encontrara pessoas que achavam o outono uma época romântica, tanto que passou a achar até fofinha e ali estava alguém com um ponto de vista diferente. – Desculpem, mas sinto que irei atrapalhar a leitura.


“Creio que chegou o outono, que estação realmente imunda. Pessoalmente me deprime muito. Quem gosta dessa estação? No outono, murcham as flores, as horas com luz diminuem e vem os dias frios. Parece que dura mais que as outras estações, é um eterno não estar, é indefinido, não é verão com sua felicidade e calor exacerbado, também não é primavera com suas cores e cálido estado de paz, não é o inferno gelado e chuvoso. É um nada que se estende até ser tudo.”


– Respondendo a sua pergunta, eu gosto do outono, é a transição das estações, um aviso para a natureza como um todo de que o inverno se aproxima e que temos que nos preparar. Só sabendo o que está por chegar é que podemos tomar um posicionamento. Continuando...


Ele diria que ‘não há crise’, mas nesse caso amigos, acredito que há. O outono chega sigiloso, quase sem avisar, despacha o verão e nos deprime a todos. É triste. O outono é o ânimo da nostalgia. E o que é a nostalgia? É o sofrimento de reconhecer algo que teve e já não tem e nem vai ter; a nostalgia é uma viagem ao passado, à infância, à lembrança de uma pessoa que já não está, que já não é.


As cores começam a morrer, a vida se vê por trás de uma janela. Única coisa que penso ser aceitável, é que o outono nos avisa que o tenebroso inverno se aproxima, podemos nos preparar para lutar por nós mesmos e por quem amamos e pelo que acreditamos, ele é como a sensação de que algo maior e de errado vai acontecer e que nos deixa inquietos.


É como a parte que vem antes do clímax da sua história favorita, ela vem devagar sendo trabalhada do começo ao meio da história, então do meio para o final a bomba é lançada, o inverno vem como a consequência desse problema, que dura várias páginas e então tudo se encaixa, para o bem ou para o mal.


É uma propaganda de chocolate, um casal feliz, apaixonado, que se amam, se beijam, ela é bonitinha e ele é um bombom. Não é assim. O outono é a velhice do ano, é o crepúsculo dos sonhos, é uma porcaria.”


– Há bem mais coisas por trás da velhice do ano querido, é nela que se esconde a sabedoria acumulada nas épocas mais fáceis e que finalmente é colocada à prova, o crepúsculo não é uma hora ruim, é um horário mágico, onde as coisas além da nossa compreensão estão mais próximas de nós, é o fim da luz e início da escuridão, porém isso não o torna ruim, como você saberia que a luz é luz se não houvesse a ausência da mesma? Como sentiria falta dela? Como a buscaria desesperadamente se ela nunca houvesse existido? Iria querer viver com o eterno sentimento de que algo te falta?


Baekhyun se aproxima calmamente do amigo e o abraça, não havia um motivo real para estarem afetados por aquele texto enviado para o e-mail da rádio, mas estavam, queriam pegar esse Luhan, seja lá quem ele for e o mostrar que existe luz até nos momentos mais escuros, que sempre há algo que vale a pena.


Kyungsoo lhe lança um sorriso triste e volta a ler a carta com os lábios próximos ao microfone, sentia a atmosfera mais tensa, como se a gravidade finalmente fosse notada, os empurrando para baixo. Baekhyun apoia seu rosto no ombro do ruivo sem desfazer o abraço estranho.


“Ele diz que não há tal crise, em seguida atira um monte de pratos no piso... Não há tal crise e marca uma hora no cabeleireiro... Não há tal crises e passa base para esconder as olheiras.


Não há tal crise, ele fala e quebra o que tem na mão, e acha graça da loucura. Você pode colocar sua maior cara de boba e dizer: não há crise alguma. Mas há e você sabe, a reconhece.”


– Então há alguém, certo? Mais cedo ou tarde, sempre chega a hora em que a crise se evidencia como uma estria, aí não tem saída, tem que aceitar. Podemos até negar a crise um dia, um mês, um ano, mas chega um dia em que a crise explode na sua cara. Passar pela crise é como passar o pelo na água oxigenada, pode incomodar, coçar e coisa do tipo, mas o resultado fica claro e tudo faz sentido, Luhan. – Baekhyun fala de forma alta, completamente diferente da conduta que Kyungsoo costuma usar, tampara a boca de Kyungsoo no momento em que este havia terminado de ler o parágrafo para poder expressar o que tanto queria dizer.


– Um acredita que é o final, que acabou tudo, mas na realidade ali começa tudo. Atravessar uma crise é como passar por um bom cirurgião plástico, você é a mesma pessoa só que diferente. Dão medo as crises. Você teme o desconhecido, quase como a um mal cabeleireiro, entende? Em chinês, japonês, coreano, e tailandês, bom, em qualquer idioma oriental, crise significa oportunidade. As crises são como os anos; te surpreendem e não te resta outra coisa a fazer, tem que decidir passar por eles e é isso, não há fórmula mágica. Vai lá Luhan, faça a diferença por si mesmo. Deixe de ser tão trouxa.


– Baekkie! – o ruivo o repreende, mesmo sabendo que não faria diferença alguma, Baekhyun sempre seria assim, até quando age de forma legal, ele tem que tirar a pressão da situação sendo um perfeito idiota.


Após tirar o mais velho de perto do microfone, bufa inconformado, apostava mentalmente que o chefe deles iria encher seu saco. – Perdoem o Baekhyun, ele é um imbecil.


– O imbecil que tu ama. – O loiro em questão grita, o atrapalhando.


– Continuando, mais uma vez... – Bufa e direciona seu olhar mais amedrontador ao loiro. – Vamos ouvir as músicas mais votadas de hoje, porque já falamos demais. A primeira e menos votada é Gentle On My Mind da The Band Perry e uau... nunca ouvi essa... Sehun, temos essa música?


– Lógico. – Responde o mesmo enquanto revira os olhos, pois já estava com todas as músicas na ordem em que deveriam ser executadas. – Posso?


– Claro que pode, fiquem com nossa playlist de início de noite, não esqueçam do sorteio, aproveitem o crepúsculo de hoje, e tomem cuidado com o outono... – então a música se fez presente e Kyungsoo joga a cabeça para trás pensando sobre o que havia lido. Queria tanto fazer Luhan ver o lado bom da vida.



~~○●~~



Sem que os radialistas sequer cogitassem, um Luhan inquieto parara de fazer o bolo que tanto desejara para os ouvir falar.


Rira sozinho das analogias de Baekhyun, e agora enquanto Gentle My Mind tocava ao fundo, se via perdido outra vez, olhando a mesa suja, as mãos tremendo, os olhos marejados.


Ele realmente não desejava ser essa estação enfadonha para sempre. O que ele deveria fazer quando o outono é uma parte tão grande de si? O que fazer quando você não consegue imaginar a própria vida em outra estação?


Luhan era um nada. Tão assustador. Quando o verão chegaria? Ele aguentaria a primavera? Ele resistiria ao inverno?


O que fazer quando não se sabe lidar com as estações dentro de si? Luhan não consegue ver nada além de um outono infinito.


Precisava escrever, colocar seus pensamentos em ordem, antes que Kris chegasse.

28 de Junio de 2018 a las 16:56 0 Reporte Insertar 1
Leer el siguiente capítulo Você não é mais planeta

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 1 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión

Historias relacionadas