Cicatriz Seguir historia

xhasashi Hasashi Rafaela

Uma escolha que talvez fosse possível mudar um destino, cada um dos dois tinha certeza daquilo que decidiram percorrer em seu caminho. Entretanto, nunca deixou de ser difícil aceitar as consequências.


Fanfiction Anime/Manga No para niños menores de 13.

#oc #tobirama-senju #angst #fns #ANBU #naruto #tobihime
9
5.0mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo único

Notas da autora: Olá meus queridos, vamos lá:

Bom, vocês sabem que eu escrevia muito TobiHime e que o casal sempre foi um dos meus preferidos, mas algumas questões de força maior me fizeram repensar a maneira como estava escrevendo e quis mudar algumas coisas.

A primeira delas que a partir de agora, vocês não verão mais a ''Himeko'' em minhas fanfics, e sim a Hime. Apesar de elementos da Himeko, as coisas serão bem diferentes do que vocês começarão a ver em minhas estórias daqui pra frente.

A Hime tem uma origem diferente (que em breve irei explorar em outros lugares), ela é ANBU e a relação com o Cretino está bem diferente do que vocês estavam acostumados.

Essa origem acabou surgindo no twitter e eu fui plotando e bom, deu nisso.

Com o decorrer do que eu for postando, vocês entenderão o que eu estou dizendo. De toda a forma, espero que acolham a Hime tanto quanto acolheram a Himeko.

Então é isso, espero que gostem.

~~

Nunca fui bom em demonstrar sentimentos, principalmente em relação a ela.

Eu a observava já deitado em minha cama, em mais uma madrugada que nos encontrávamos escondido. Ela, após uma missão da ANBU, entrava em meu quarto sem ser convidada como a boa insuportável que era.

Desatava as faixas do próprio corpo, passando algumas pomadas nos machucados de batalha, fazendo meu coração apertar em medo de perdê-la. Não sabia ao certo lidar com o que tínhamos, principalmente porque só aconteceu; um dia nós discutimos como sempre, ela foi a mesma petulante...exceto por naquele momento eu ter reparado no contorno bonito de seus lábios, em quanto seus olhos verdes são brilhantes e seu riso era como uma melodia para meus ouvidos.

E então eu a beijei, mesmo com medo de não ser retribuído ou temendo que fosse embora...porém, ela ficou e me correspondeu.

Desde aquele dia nós temos algo que não sei bem descrever, mas sinto, em cada um dos meus poros e nervos quando ela está por perto, sendo a maldita prepotente com seu sorriso largo e da gargalhada gostosa que tanto me irrita por não conseguir odiar.

- Você não vem? – Perguntei, e ela apenas se virou e me observou enquanto retirava as ataduras de si.

- Vou, só preciso...tirar isso...- Falou vagamente, olhando para o próprio corpo repleto de cicatrizes de maneira cabisbaixa.

Me levantei no momento que percebi que seus orbes já não brilhavam tanto como antes, seu olhar carregou uma tristeza que me deixou inquieto; parei em sua frente, levantando seu rosto delicado com a ponta de meu dedo.

- O que foi? – Hime desviou o olhar para o próprio corpo e suspirou.

- Tenho mais cicatrizes do que posso contar, às vezes me questiono se sou apenas uma máquina de causar mortes ou uma mulher. – Respirou fundo, fechando os olhos.

- Me perdoe. – Foi a única coisa que soube responder. – Eu que deleguei essa função a você. – Segurei em sua cintura, aproximando nossos corpos e rostos. – Eu só quero que sinta orgulho de cada uma de suas feridas, pois elas te fazem uma sobrevivente, amor. – Era a primeira vez que eu a chamava daquela forma.

- Como posso ter orgulho, Tobirama? – Se desvencilhou de meu aperto, parando próximo a janela. – Elas foram adquiridas quando precisei matar alguém, ou me defender. – Passou a retirar a faixa que cobria seu peito. – E você não precisa me pedir perdão, eu aceitei, não foi?

Não conseguia mais me conter, novamente foi em sua direção, envolvendo sua cintura entre meus braços. Enterrei meu rosto em seu pescoço, inalando o perfume que misturava canela e alguma outra coisa que não soube identificar, mas que eu amava, profundamente, por ser dela.

- Sei que talvez eu esteja sendo egoísta por dizer isso, mas elas são as marcas de que você voltou para mim...viva.

- Cretino. – E então o som de sua risada foi uma das melhores coisas que ouvi naquela noite. – Não sabia que você tinha coração. – Passou as mãos em meus cabelos, e eu passei a beijar seu pescoço demoradamente.

- Quando se trata de você, talvez eu tenha coração. – E ela riu novamente, apertando seus braços sobre os meus. – Por favor, não tenha vergonha de suas cicatrizes...elas fazem parte de quem você é. E ainda que seja uma mulher prepotente, petulante e insuportável...te admiro muito pela força que tem.

Hime se virou em minha direção, percebi algumas lágrimas escorrendo por seus olhos, limpei com a ponta de meu dedo, beijei sua têmpora e ela se aninhou em meus braços. Eu queria encontrar uma maneira de consolá-la, de dizer que ficaria tudo bem e que tudo passaria de uma fase.

Porém, jamais poderia mentir tão descaradamente dessa forma.

Eu a amava, era claro como água e sabia que em algum momento poderia receber uma notícia terrível, assim como a possibilidade de eu deixa-la pela mesma razão: a morte.

Ainda que negássemos, tentássemos suprir esse temor entre os lençóis, prometendo céus e terra um para o outro apenas com nossos beijos trocados de maneira intensa...somos ninjas e infelizmente nosso destino vai além do que podemos controlar.

E pela primeira vez, odiei o campo de batalha, as guerras, todos os clãs envolvidos e os deuses que permitiam aquilo, porque era doloroso pensar que corria o risco de nunca mais ouvir o som de sua risada ou tocar em seu corpo.

- Suas cicatrizes são lindas, por favor...jamais se despreze por isso. – Quebrei nosso silêncio. – Eu amo cada parte do seu corpo, amo cada marca de sua pele. – Delineei com meu dedo a cicatriz maior que ela tinha próximo a costela. – Amo você estar viva, Hime. Amo o fato de ter voltado para mim.

- Não sei até quando vou voltar para você ou até quando você irá voltar para mim. – Seu tom saiu amargo, e minha garganta secou no mesmo momento. – Eu só...não aguento mais.

Eu entendia, perfeitamente.

- Não posso te prometer que isso não vai acontecer, só quero aproveitar todos os dias como se fossem os últimos, quem sabe morrer fazendo algo digno pela vila. E de toda forma, Hime...- Respirei fundo. – Vou continuar beijando você como se fosse a última vez que faço isso, todos os dias e enquanto nós estivermos juntos.

- Amo a cor dos seus olhos, sabia? – Acabei sorrindo. – Eles são a cor mais intensa que já vi. – Suspirei, fechando os olhos ao sentir seus dedos passando pelas marcas em minha pele. – Assim como amo as marcas do seu rosto. – Lançou seus braços por meus ombros, aproximando nossos corpos e eu respirei fundo, tentando manter a palpitação em meu peito. – Só...me beija, Tobirama. Como se fosse a última vez.

Algo dentro de mim dizia que talvez aquela seria a última noite que ela estaria entre meus braços, dentro de mim tudo estava quebrado e eu não podia demonstrar e tampouco fraquejar em sua frente. Eu era o Hokage, minhas obrigações me diziam para ser forte, mas era impossível ter algum tipo de controle próximo àquela mulher que me tira toda e qualquer racionalidade.

Então me permiti me entregar, pensando que poderia ser a última vez que a beijaria, que seu corpo estaria contra o meu; talvez o som de sua risada não ecoasse mais em meu quarto como antes ou, quem sabe, seus olhos não encontrariam os meus.

Naquela noite quis ser um maldito egoísta, não pensar na vila ou em todo o peso de ser Hokage que fica alojado em minhas costas, mas sim, ser um homem que beija a mulher que ama com intensidade e carinho.

Talvez, essa poderia ser a última vez.

E eu só poderia pedir para Kami-Sama que me permitisse mais um dia ao lado dela.


26 de Junio de 2018 a las 00:15 7 Reporte Insertar 8
Fin

Conoce al autor

Hasashi Rafaela Faço estágio de Scorpion nas horas vagas, principalmente quando Plano Terreno precisa de salvação. Tenho sangue Uzumaki e dou aula de como lidar com Senju Cretino, interessados chamar no probleminha. Apaixonada por Mortal Kombat e a mama da igreja HashiMito.

Comenta algo

Publica!
Ariane Munhoz Ariane Munhoz
Hime é a princesa que brilha em nossos corações e isso é tudo o que importa, irmãzinha <3 Estou muito feliz de ver essa fic que você me mostrou uns pedacinhos ter tomado uma forma tão intensa e maravilhosa. Gostei bastante do desenvolvimento. Real e triste. Torço para que Hime continue voltando segura pros braços do cretino mozão. Te amo!
27 de Junio de 2018 a las 06:24
brener Silva brener Silva
eu adorei é simplesmente perfeita a Hime, adorei essa fic, e em como você desenvolveu, está incrível
25 de Junio de 2018 a las 20:31
Mandy Mandy
Achei um ícone, FODE MAIS RAFAELA FODE MAIS AAAAAAAA
25 de Junio de 2018 a las 20:01
Tatu Albuquerque Tatu Albuquerque
AH NÃO, DONA HASASHI, VOLTA AQUI QUE EU VOU DAR NA SUA CRA, ME DÁ A HIME VIVAAAAA
25 de Junio de 2018 a las 19:52
Tatu Albuquerque Tatu Albuquerque
AH NÃO, DONA HASASHI, VOLTA AQUI QUE EU VOU DAR NA SUA CRA, ME DÁ A HIME VIVAAAAA
25 de Junio de 2018 a las 19:52
Tatu Albuquerque Tatu Albuquerque
AH NÃO, DONA HASASHI, VOLTA AQUI QUE EU VOU DAR NA SUA CRA, ME DÁ A HIME VIVAAAAA
25 de Junio de 2018 a las 19:52
nathalia   nathalia
olha eu espero que minha hime esteja viva e que esses "últimos" beijos durem por muito tempo não vem não que eu sou louca
25 de Junio de 2018 a las 19:33
~