Possessivo Seguir historia

h0rcrux millz

Possessivo. adjetivo substantivo masculino que ou quem não dá liberdade a quem ama para se relacionar com outras pessoas; ciumento. Característica que se não for moldada corretamente pode se tornar algo perigoso.


Fanfiction Sólo para mayores de 18.

#gay #slash #lgbt #exo #one-shot #chanbaek #baekyeol #suicídio #violência #alcool #possessividade #relacionamento-abusivo #loucura
Cuento corto
9
5.0mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único

“You know I gave you the world

You had me in the palm of your hand”

Ri baixo ao ouvir os versos da música. Era ridículo o quanto combinavam perfeitamente com o que eu sentia e pensava naquele momento, era como se o cantor que soava pelos fones diretamente em meus ouvidos sussurrasse apenas para mim. Como se a música fosse apenas minha.

Caminhei pelas ruas escuras calmo, não havia motivo para pressa, eu tinha planejado tudo com os mínimos detalhes. Nada ia dar errado.

“So, why the love went away?

I just can't seem to understand”

Era verdade, eu não conseguia entender. Em um dia eu e Baekhyun estávamos ali, andando de mãos dadas e sorrindo com paixão um para o outro e então, do nada ele simplesmente se foi. Como se tudo o que vivemos não fosse nada, quando eu achava que iríamos continuar juntos para sempre. Parecia infinito para mim.

Olhei para cima, o céu estava tão escuro quanto no dia em que nos conhecemos, mas eu duvidava que naquela noite fosse chover como choveu quando o vi pela primeira vez e no íntimo torcia para isso, algo como uma chuva apenas atrapalharia meus planos. Já estava próximo do seu apartamento, precisaria apenas virar uma esquina e estaria lá.

“Thought it was me and you, baby

Me and you until the end

But I guess I was wrong”

Ah sim, eu estava muito errado. Mas não era hora para me enterrar em pensamentos nostálgicos como fiz durante o ano todo. Acenei para o segurança que guardava a porta dos fundos daquele prédio e lhe passei o envelope branco que ele havia exigido para me deixar passar sem contar nada a Baekhyun. Era impossível subir ali sem ser anunciado, era uma regra quase inflexível da qual eu já havia provado, infelizmente. Naquele momento o homem que já possuía alguns cabelos brancos apenas sorriu para mim. Apesar de ter aceito aquele envelope, ele havia exigido saber o que eu queria fazer no apartamento de Baekhyun sem ser anunciado. O homem pensava que eu faria uma surpresa de aniversário para ele e por isso estava sendo tão compreensivo.

“I'm just so sick about it

I can't believe it's ending this way”

Subi a escada de incêndio com um palpitar no peito, eu estava mais nervoso que o habitual, talvez ver o rosto de Baekhyun novamente em tanto tempo estivesse me afetando mais que o normal.

Cheguei no último andar com a respiração descompassada, não por causa do exercício claro. Eu sabia que Baekhyun não estava em casa, ele passava muito tempo fora ultimamente e aquilo me deixava um pouco apreensivo, não era seguro ficar até tão tarde fora.

O apartamento não tinha luzes ligadas e não fiz questão de acendê-las, podia ver tudo com a lanterna do celular. Aquele lugar tinha o cheiro dele e fazia um bolo se formar na minha garganta, queria poder fazer ele voltar ao que era antes, mas era impossível.

“Is this the way it's really going down?

Is this how we say goodbye?”

Adeus. Dizer adeus nunca era fácil, principalmente quando era para alguém a quem amamos. Adeus é uma palavra forte demais, mas eu infelizmente teria que usá-la, era o momento certo afinal. Fui até seu quarto e me deparei com a cama de casal, ali não existia apenas seu cheiro. Havia o de outra pessoa misturado e me fazia querer vomitar.

Enquanto apoiava a mochila que trazia nas costas em sua cama pude observar o local. Na mesinha de cabeceira havia dois porta-retratos, em um deles eram os pais de Baek, no outro ele e Chanyeol.

O nome dele me dava asco, eu ainda não conseguia acreditar que Baekhyun havia me trocado por ele. Eu não conseguia entender nem mesmo o motivo. Eu dei tudo à ele, dei amor, dei carinho, dei todo o meu tempo e atenção. Tudo o que eu exigia era o mesmo de volta, queria apenas que ele se mantivesse afastado de pessoas como o Park e então ele disse que não conseguia, que eu estava o sufocando e parecendo um maluco. Como eu parecia um maluco se eu apenas queria proteger ele das coisas ruins com as quais ele se envolvia?

“Should've known better when you came around

That you were gonna make me cry”

Peguei o garrafão preto de dentro da mochila e a coloquei novamente nos ombros. Andando até a cozinha fui até a salinha das vassouras e esperei ali dentro enquanto ouvia os passos se aproximando.

Eu sempre soube que o Byun não era um santo e desconfiei desde o princípio que ele não estava apenas comigo, mas quando ele chorava ao ouvir minhas acusações eu voltava atrás, afinal quem poderia simular emoções tão fortes? Descobri que Baekhyun podia quando pouco menos de dois meses após termos terminado ele começou a sair com Chanyeol. Era óbvio que ele me traía, como ele poderia conhecer alguém tão rápido assim?

Mas é como diz a música: o que vai, volta.

Ouvi as risadas antes do ranger da porta abrindo e soube que estavam bêbados. Amanhã seria o casamento de um dos seus amigos afinal e eles estavam na despedida de solteiro. Claro, eles não estavam bêbados a ponto de esbarrarem nas coisas, mas o suficiente para dormirem como pedras assim que se jogassem na cama. E meu plano seguia perfeitamente.

Baixei o volume dos fones, queria ouvir tudo o que acontecia perfeitamente. Ouvi quando foram tomar banho juntos, ouvi enquanto riam e se declaravam um para o outro. O ódio no meu peito só crescia, como ele podia dizer amar Chanyeol quando eu estava aqui para amá-lo mais e melhor? Como ele podia falar aquilo para o Park quando nunca havia dito para mim?

“The funny thing about that is

I was ready to give you my name”

Eles dormiram depois de quase uma hora e com a paciência que eu havia desenvolvido durante o ano em que estivemos afastados esperei mais um pouco, para ter certeza que eles realmente dormiam. Comecei pela cozinha, e despejei o líquido que eu sabia ser amarelado por lá, depois a sala e o banheiro. Após ter colocado em todos os cômodos necessário fui até o quarto e deixei minha mochila no chão, peguei as chaves que estavam sobre a cômoda e deixei em seu lugar o par de alianças que havia comprado após nosso primeiro mês de namoro, nelas haviam nossos nomes gravados.

Assim que terminei olhei para os dois sobre a cama, dormindo abraçados quando deveria ser eu ali junto dele. Segurei um grito de ódio e me encaminhei para fora do lugar antes que colocasse tudo à perder. Eu havia dito para ele, eu avisei que se não fosse para ser meu ele não seria de mais ninguém. Eu disse para ele que o Park não servia e avisei que ele apenas iria se machucar ao seu lado como eu me machuquei, mas Baekhyun não me ouviu. Ele disse que o amava, que queria ficar com ele e que se casaram no final do ano.

Eu não ia permitir aquilo, não quando eu estava me afundando em tristeza e ele apenas parecia mais feliz. Eu queria fazer ele sofrer como eu sofri, mas ficava difícil me aproximar quando tinha uma ordem de restrição me impedindo de me aproximar.

Não era justo e eu estava doente de ódio por causa disso.

Acendi um fósforo quando cheguei na porta do apartamento e vi quando ele caiu, fazendo as chamas percorrerem a sala de estar rapidamente. Não esperei que eles acordassem ou que alguém notasse, apenas tranquei a porta e fui até as escadas de incêndio subindo para o terraço do prédio. Eu podia sentir o revólver roçando na minha cintura e finalmente pude sorrir depois de muito tempo ao ouvir os gritos de socorro que Baekhyun soltava abaixo dos meus pés, do namorado dele eu apenas ouvia uma tosse rouca e desesperada. A fumaça subindo nunca teve um cheiro tão bom.

“See, you shoulda listened to me, baby”

Assim que as sirenes começaram a soar eu pude suspirar aliviado. Eles haviam demorado demais para atender ao chamado, o dispositivo contra incêndios estava desativado, eu havia me certificado disso uma semana atrás. Não afetaria o prédio inteiro, mas aquele apartamento não tinha mais chances de salvação. Mas a culpa não era minha, a culpa era de Baekhyun. Eu avisei à ele, eu disse que ele não deveria fazer aquilo, mas ele não me ouviu.

Ele devia ter se preparado para lidar com as consequências de suas atitudes.

“Because, what goes around comes back”

Ouvi a música até o fim e peguei a arma que estava na minha cintura quando um dos observadores do show apontava para onde eu estava. Haviam me visto. Era hora de ir.




________________

Notas Finais


Oi pessoal, espero que tenham gostado da história. Eu sei que o tema utilizado foi pesado e espero que eu tenha atingido meu objetivo que era mostrar os sentimentos do vilão, ele era um homem com problemas psicológicos e abusivo em relação ao Baekhyun que mesmo depois de mais de um ano de relacionamento terminado não conseguiu seguir em frente. Também espero que tenham percebido a forma como ele resolveu solucionar sua prórpia "dor", ele dizia que amava o Baek, mas não queria ele com mais ninguém e não queria viver sem ele, logo a única solução que ele encontrou foi a descrita acima.

25 de Junio de 2018 a las 17:51 0 Reporte Insertar 2
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~