Imagine Original: Não Foi O Suficiente Seguir historia

balletgirl Ballet Girl

Quem você acha que escrevera aqueles poemas na porta do seu armário? Ou deixava roupas limpas no vestiário quando acaba a educação física? Quem fazia doces e chocolates com todo o carinho nas datas festivas? Quem entrava de fininho nos seus sonhos, apenas para ter a certeza de que estava seguro? Eu me entreguei a você de corpo e alma, e mesmo assim não foi o suficiente.


Cuento No para niños menores de 13.

#Amor-não-correspondido #drama #carta #239
Cuento corto
0
242 VISITAS
Completado
Tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único


Para: Anônimo
De: Uma qualquer
Cidade do esquecimento, estado da Inexistência, CEP 000000000.


[Cidade do esquecimento, 10 de maio, vinte e duas horas]

Caro amor não correspondido,

Por meio desta quero mais uma vez lhe contar meus sentimentos, antes dessa carta acabar no esquecimento novamente, como todas as outras.
Nos conhecemos ainda na infância, época de inocência, onde cada sonho era recheado com fantasias e alimentavam nossa esperança de um dia termos nossos sonhos realizados.
Todavia nossos caminhos se descruzaram facilmente e a morte resolveu pregar sua peça mais uma vez, levando todo o amor que sobrara em meu peito.
No colégio essa chama reacendera quando o vi sentado na segunda carteira da terceira fileira da sala. Minha confiança em ser correspondida era tanta que fiz de tudo para chamar sua atenção... mas não foi o suficiente.
Quem você acha que escrevera aqueles poemas na porta do seu armário? Ou deixava roupas limpas no vestiário quando acaba a educação física? Quem fazia doces e chocolates com todo o carinho nas datas festivas? Quem entrava de fininho nos seus sonhos, apenas para ter a certeza de que estava seguro? Eu me entreguei a você de corpo e alma, e mesmo assim não foi o suficiente.
Mas tudo isso acabou quando o vi no pátio atrás da escola com outra garota. Os pedaços do meu coração que haviam sido remendados quebraram novamente. E a morte me pregara outra peça.
Na faculdade essa chama outra vez renasceu, assim como a fênix que, deslumbrante, renasce das cinzas mais imponente. Essa é apenas uma das várias cartas que escrevi que sei que nunca chegarão as suas mãos.
Vendo o mundo de outra forma, esqueci-me dos meus problemas e deixei-me ser levada mais uma vez para um mundo novo, apresentado pelos meus amigos. Eu simplesmente fechava os olhos e sentiu o líquido viciante correndo pelas minhas veias. E a morte, minha velha amiga, quase me levou para junto dela para sempre.
Enquanto isso sua vida mudara. Estava casado, tinha três filhos e uma casa grande. Para que precisava ainda de mim? Mas eu nunca desisti de tentar te fazer feliz, meu amado... mas ainda assim não foi o suficiente.
Você nunca precisou de mim de verdade. Você não precisou de mim para arrumar a sua marmita, sua esposa o fez e muito bem. Você não precisou de mim para te dar a atenção e o amor que necessitava. Seus filhos já o fizeram e muito bem. Você não precisou de mim para velar por seu sono, sua mãe já o fez e muito bem.
E aos poucos fui caindo no vale do esquecimento. Na verdade, acho que nunca saí daqui. Sempre estive aqui, meu amante, cuidando de você, mesmo de longe, velando por seu sono.
Aqui escrevo-lhe esta carta, mais uma que se queimará no esquecimento, nos meus últimos dias de vida, - um tumor cancerígeno corroendo as minhas forças -, com a esperança de que essa chama irá renascer novamente. Apenas mais uma vez. Mas acho que mesmo assim não será o suficiente.
Por favor, amado, só essa petição que irei fazer antes de morrer afogada na minha própria angústia que eu mesma criei. Logo a morte, minha velha amiga, virá me buscar para ficarmos juntas para sempre.
Seja feliz. A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, chore, cante, ria, viva intensamente! Antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos. Por favor, amado, viva por nós dois. Só assim eu morrerei em paz.
Você poderá dizer a ninguém: “não tem algo faltando?”, mas logo isso também cairá no vale do esquecimento e não será o suficiente.
Talvez algum dia, meu amor, eu encontre-o novamente no paraíso. E essa chama vai se reacender mais uma vez, e eu poderei amá-lo da maneira que eu sempre sonhei.
Até esse dia... Adeus.

De sua esquecida.

12 de Junio de 2018 a las 23:14 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Ballet Girl Hii! My name is Samara, but you call me Wolf. I am crazy? Yes, i do.

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~