WILD Seguir historia

oshpcy

“Baekhyun podia dizer com certeza que iria viciar naquele beijo gostoso, mas não estava realmente com medo disso. Na verdade, estava ansioso para ter tantos beijos quanto fosse possível.” +18 | PWP | CHANBAEK | SIDE XIUCHEN


Fanfiction Bandas/Cantantes Sólo para mayores de 21 (adultos).

#yaoi #pwp #chanbaek #baekhyun #chanyeol #exo
Cuento corto
39
5.3mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Único

Baekhyun sentiu as costas baterem no chão frio da sala de ensaios, quando se jogou no chão, cansado após mais um dia de treino duro. Seu cabelo e sua camisa pingavam um suor grudento e sua respiração estava pra lá de descompassada, mas ele estava feliz. Logo iriam começar uma nova turnê e ele sentia que aquela iria ser maravilhosa. 

Ele, junto com Jongdae e Minseok formavam o trio CBX. O trio de kpop mais rentável da empresa pela qual eram contratados. Mas também, não era para menos. Desde o debut do grupo, seis anos antes daquele momento, Baekhyun não se lembrava de ter tirado férias decentes e nem de ter tido tempo para si próprio. Claro que não reclamava, aquele sempre fora seu sonho e ver a maneira como as fãs os olhavam fazia tudo valer a pena. Mas também não era como se ele tivesse tempo para fazer alguma coisa além de treinar, performar e tentar dormir quando os amigos estavam transando no quarto ao lado. E eles eram bem barulhentos quando queriam.
— Hey, quem topa comer fora hoje? — Jongdae, o C do nome do grupo, por ser Chen nos palcos, perguntou sentando-se ao lado do namorado que estava jogado no chão assim como Baekhyun.
— Eu só quero chegar na minha cama e dormir até o início da tour, meu amor. — Minseok, ou Xiumin, respondeu fechando os olhos e levantando as mangas do casaco que usava.
Baekhyun tinha certeza de que ele havia usado aquele casaco para suar mais e emagrecer até o próximo show, mas não iria comentar nada. Já havia falado o suficiente com o amigo, não queria se estressar mais do que já estava nos últimos dias.
A verdade era que Baekhyun estava há tanto tempo trabalhando incansavelmente que nem ao menos tempo para uma foda casual ele encontrava. Ele estava há bastante tempo se contentando com punhetas rápidas no banho enquanto tentava fazer o mínimo de barulho possível para os amigos não ouvirem. Deus o livrasse de ser pego com a mão na massa — ou no pau.
— Eu estou morto, Dae. — Baekhyun levantou a camisa para que as costas quentes entrassem em contato com o chão gelado, causando-lhe arrepios. — Preciso de um banho e cama.
— Você precisa de sexo, isso sim. — o mais novo riu, cutucando o amigo nas costelas.
— Também. — o loiro riu. — Mas não é tão fácil ir em algum encontro sem ser bombardeado com flashes inconvenientes.
— Então encontre um pau amigo. — Minseok se pronunciou depois de algum tempo em silêncio, levantando-se e pegando a mochila no sofá de couro preto que ficava na sala de ensaio.
— O que?
— Você sabe o que significa. — ele sorriu como quem sabia das coisas e piscou. — Vou pro banho. Você vem, Dae?
— Opa, to indo.
Baekhyun só conseguiu revirar os olhos e continuar deitado, sabendo que os sons no banheiro não seriam os mais agradáveis naquele momento.
Mas quando achou que finalmente estava sozinho e estava quase cogitando tirar um cochilo ali mesmo, até os amigos acabarem o banho — e a foda selvagem no banheiro grande — um barulho o despertou, fazendo-o se assustar. Algo havia caído perto da mesa de mixagem e uma cabeça podia ser vista saindo de trás dela.
Baekhyun quase suspirou de alívio quando viu Chanyeol o encarar com os olhos grandes atentos e um sorriso gigante se abrir no rosto dele. Baekhyun quis se bater. Chanyeol era bonito demais para seu próprio bem.
O garoto de orelhas avantajadas e sorriso largo era produtor musical do grupo. E Baekhyun sempre tentava esconder o quanto o achava atraente e ignorar a tensão sexual visível que existia entre eles, mesmo que fosse bem ruim nisso.
— Oi, Baek-hyung. Não tinha te visto ai. — ele sorriu mais, seus olhos enrugando nos cantos. Além de lindo ele era fofo, o que fazia Baekhyun sentir mais raiva de si.
— Oi, Chanyeol. Eu estava descansando um pouco. — ele se sentou e se arrastou até suas costas encontrarem o sofá. Encostou-se ali. — A tour está se aproximando então os treinos estao ficando cada vez mais cansativos.
— Ah, eu vi um pouco. — ele saiu de perto da mesa de mixagem e se aproximou, sentando-se quase ao lado de Baekhyun. — Vocês estavam ensaiando Vroom Vroom.
Baekhyun corou, mesmo sem querer. Tinha um pouco de vergonha da sua tentativa de fazer rap naquela música.
— Ah, ignore meu rap. Nunca fiz antes. — Chanyeol, pelo contrário, era muito bom no estilo, mas não costumava se gabar por isso. — Eu juro que tentei tirar, mas ninguém me permitiu.
— Eu gostei. Sua voz ficou mais limpa e a gente consegue ouvi-la melhor. — ela opinou, mordendo o lábio. — Mas... Eu gostei mesmo foi da coreografia.
Baekhyun não entendeu a princípio, até se lembrar da coreografia ousada que fazia na música. Sentiu seu rosto esquentar e tentou não rir envergonhado.
— Meio sugestiva, não? — o mais alto continuou e Baekhyun teve certeza que um brilho desconhecido passou pelos seus olhos. — Gostei bastante. — completou e o loiro teve certeza que engasgaria se estivesse bebendo algo.
A verdade era que qualquer coisa que Chanyeol dissesse daquela distância poderia fazê-lo tremer. O mais alto tinha a voz rouca e grave e Baekhyun deixou seus olhos caírem para as mãos. E meus amigos, que mãos.
Num instante o cantor estava envergonhado pela coreografia sexy demais, no outro ele estava fantasiando com aquelas mãos passeando pelo seu corpo inteiro, apertando e deixando marcas. Só de imaginar aquelas mãos lhe tocando uma punheta Baekhyun já sentia o pau dar sinais de vida.
Deus, quando havia ficado tão pervertido?
Tentou rir pra disfarçar a situação, mas só o que saiu de sua garganta foi um som esquisito, como um grunhido desconexo.
— Você... — pigarreou. — Achou legal? Eu tive bastante dificuldade em pegar, achei um pouco difícil no começo.
— Eu gostei Baek. — ele disse simplesmente, se aproximando e juntando-se ao loiro, sentando com as costas coladas no sofá. Os braços quentes estavam grudados agora. Baekhyun se arrependeu de estar suado e fedorento. — Principalmente daquela parte do refrão.
Baekhyun sabia exatamente qual parte da coreografia era aquela. A parte em que ele tinha que descer as mãos pelo suporte do microfone e rebolar de uma maneira quase indecente.
— Você é um ótimo dançarino. — ele falou com a voz rouca, grave, perto demais. Baekhyun sentiu que Chanyeol o encarava porque pôde sentir a respiração quente do maior em sua bochecha quando ele falou.
Levantou a cabeça, dando de cara com Chanyeol o encarando de uma forma esquisita, mas muito sedutora. Ele nunca imaginou que veria aquele olhar no produtor. E, por incrível que pareça, estava animado em vê-lo.
— Sou é? — Baekhyun perguntou, a voz um pouco rouca. A respiração de Chanyeol ainda batia em seu rosto e o olhar dele estava fixo em sua boca. — Gosta do jeito que eu danço?
O outro sorriu sacana. Estava entrando no jogo. E Baekhyun nem ao menos sabia de onde tinha tirado coragem para fazer joguinhos com alguém. Talvez a abstinência estivesse falando por ele.
— Gosto muito da forma como você dança... Como você rebola. — ele disse e se aproximou, as bocas a pouca distância. — Fico imaginando...
— Imaginando o que? — Baekhyun perguntou ignorando o impulso de fechar os olhos com a aproximação.
Chanyeol molhou os lábios secos, esbarrando a ponta da língua nos lábios do mais baixo. Baekhyun conteve um suspiro.
Estava tão quente somente com aquela aproximação que se sentia ridículo. Parecia um adolescente cheio de hormônios.
— Você rebolando... — ele ainda tinha uma sombra daquele sorriso sacana.
— Onde? — Baekhyun perguntou, encarando os lábios cheinhos de Chanyeol. — Você me imagina rebolando onde, Chanyeol? — ele perguntou, colocando em prática sua voz mais sedutora e em seguida mordeu o lábio inferior. Pelo que parecia, havia dado certo, já que Chanyeol engoliu em seco e sua respiração ficou mais ruidosa.
— No... — ele mordeu o lábio, se impedindo de falar. Baekhyun o olhou, incentivando-o a continuar. — No meu pau, Baekhyun.
Aquela frase. Aquela voz grossa. A tensão que sempre houve entre eles. A abstinência de Baekhyun.
Tudo contribuiu para que ele jogasse fora todo o autocontrole que possuía e juntasse os lábios aos do maior, sentindo-o meter aquelas mãos gigantes na sua cintura, fazendo-o conter um gemido. Chanyeol o puxou para cima de si sem parar o beijo e colocou a mão por baixo da camiseta suada do loiro.
Já fazia tanto tempo que Chanyeol fantasiava aquele momento que não foi surpresa alguma quando sentiu a calça ficar apertada demais na região da virilha. A bunda redonda do cantor exatamente na posição perfeita para seus pensamentos impuros também não o ajudava a se controlar.
Baekhyun sentiu o volume duro de Chanyeol ser esmagado por si e se segurou para não gemer alto quando o maior apertou sua cintura e o prendeu para baixo enquanto forçava a própria virilha para cima, repetidas vezes, simulando uma penetração. Não aguentando, simplesmente se rendeu à vontade de realizar as fantasias do produtor e rebolou no colo dele, ouvindo-o gemer entre o beijo.
— Porra Baekhyun. — ele xingou com a boca ainda próxima dos lábios do loiro. — Você me deixa tão duro.

— Essa não é uma característica exclusivamente sua, pode apostar. — Baekhyun respondeu, o puxando para mais um beijo quente e cheio de desejo.

— Não gosto de apostas. Gosto de ter certeza. — Chanyeol respondeu passeando as mãos pelas pernas do menor, até chegar no volume que pulsava apertado dentro da cueca. Por mais que estivesse de calça de moletom para o ensaio, sua cueca conseguia prender sua ereção dolorosamente.

E estava tão dolorido que foi um alívio gigante quando Chanyeol puxou um pouco sua calça, trazendo a cueca junto e libertando a glande que pingava pré gozo.

— Até o seu pau é bonito. Você é uma ameaça a humanidade, sabia? — o maior brincou, passando a mão na fenda que expelia lubrificação, fazendo o menor soltar um gemido arrastado pela pressão que o elástico da calça fazia em conjunto com o carinho indecente.

Por Deus, como havia sentido falta de um carinho na cabeça do seu pau.

— Você está jogando baixo, Chanyeol. Eu já estou aqui, todo exposto gemendo no seu colo e você ai, de casaco e tudo.

— Quer me ver sem roupa, hyung? — o maior perguntou com a voz inocente, mas a mão apertando o pau de Baekhyun que continuava dentro da calça.

— Quero muito.

Chanyeol sorriu de lado e tirou a mão do pênis do loiro, arrancando o casaco que usava. Ele não usava nada por baixo e seus mamilos ficaram eriçados pelo frio. Baekhyun se imaginou chupando aqueles mamilos e beijando aquele peitoral definido. Chanyeol era gostoso demais para sua sanidade.

Desceu beijos pelo pescoço cheiroso dele, decidido a saber se chupa-lo todo era tão gostoso quanto nos seus sonhos molhados. Chanyeol soltou um gemido rouco quando Baekhyun passou os dentes pelo seu pomo de Adão, mordendo levemente e lambendo em seguida. Chanyeol tinha um cheiro gostoso, amadeirado e meio doce, como um vinho gostoso ao paladar. Seu pescoço tinha gosto meio amargo de perfume e levemente salgado de suor, mas Baekhyun não se importou. Continuou descendo com beijos e lambidas até chegar a clavícula e novamente raspou os dentes ali.

As mãos de Chanyeol apertavam mais forte sua bunda conforme ia fazendo coisas que ele gostava. Aquelas mãos haviam lhe dado muito material imaginativo para as punhetas que estava tocando ultimamente.

— Baek… Hyun. — o mais novo suspirou entre um gemido, quando Baekhyun deixou uma lambida no mamilo dele. Logo em seguida, o loiro chegou mais perto, cheirando os músculos, lambendo o outro mamilo. Ali, ele ainda tinha o cheiro do perfume, mas também havia um pouco de sabonete de menta. Baekhyun achou o cheio de Chanyeol tão gostoso quanto ele.

O mais velho não aguentou continuar chupando os mamilos de Chanyeol quando ele enfiou as mãos em suas calças, encostando finalmente na sua bunda sem tecido nenhum o impedir. A mão quente de Chanyeol tão grande que quase pegava a carne toda, tão perto de onde ele sentia tanta carência quase o fez gritar de tesão.

Estava tão quente que podia explodir a qualquer momento. E ele nem tinha tirado as roupas ainda.

Com esse pensamento e mente, parou de morder a cintura de Chanyeol e tirou a própria camisa, expondo a barriga lisa e bem definida. Chanyeol o encarou por alguns instantes, antes de puxá-lo para mais um beijo quente.

— Eu quero… — Baekhyun tentou falar, mas Chanyeol o interrompeu com mais um beijo. As mãos que estava em sua bunda trabalhando em apertar e soltar a carne macia.

— Quer o que? — ele perguntou entre o beijo, com a voz tão grave que Baekhyun tinha certeza que poderia gozar só com ela se ele continuasse falando.

— Quero sentir você. — juntando todo o autocontrole, levantou do colo dele e separou os lábios. Desceu os olhos até o volume indecente e esquecido, e pensou se seria tão gostoso quanto tinha imaginado.

Chanyeol abriu o botão e o zíper da calça, e Baekhyun a abaixou até tirá-la. A cueca preta que o maior usava estava apertada, e o membro duro dentro dela, pulsante. O cantor salivou e abaixou a cueca, libertando o membro negligenciado. Chanyeol era, assim como havia imaginado, grosso.

Levou uma das mãos até a glande que brilhava molhada e acariciou, para baixo e para cima, colocando uma pressão que sabia ser gostosa. Chanyeol fechou os olhos e entreabriu os lábios, dando a Baekhyun uma visão do paraíso. Ou do inferno, dependia bastante do ponto de vista.

Conforme o loiro ia aumentando a velocidade e pressão dos movimentos, os gemidos de Chanyeol ficavam cada vez mais altos, manhosos — e deliciosos na visão do cantor.

Quando ele finalmente abriu os olhos, levou as mãos até o elástico da calça do loiro, fazendo-o parar com a masturbação. Baekhyun levantou um pouco o corpo, ficando de joelhos e deixando Chanyeol tirar sua calça e sua cueca, libertando finalmente o membro duro. A pressão que o elástico estava fazendo estava boa, mas nada como uma punheta bem batida. E Baekhyun tinha certeza que Chanyeol sabia muito bem como fazer aquilo.

— Toca uma punheta pra mim, Chanyeol. — ele disse, quase implorando, com os olhos escuros de desejo.

Chanyeol não precisou ouvir duas vezes, levando uma das mãos até o membro duro do cantor e a outra até a bunda dele, apertando-a com força. Ele queria deixar uma marca.

Baekhyun nem precisou sentir Chanyeol mexer a mão, só de vê-la, grande, cheia de veias e de dedos grossos no seu pau, ele já gemeu manhoso. Estava tão ridiculamente entregue que nem conseguia sentir vergonha.

Ele sentiu Chanyeol mexer os dedos, apertando em volta do membro, subindo e descendo a mão, usando seu próprio pré gozo como lubrificante. Estava tão gostoso que ele não conseguiu segurar o próprio impulso de mexer o quadril para frente algumas vezes, como se estivesse fodendo a mão grande do mais novo.

— Isso Byun, fode a minha mão. — Chanyeol disse, tendo a visão perfeita de Baekhyun suado, os cabelos grudados na testa, as bochechas vermelhas, os olhinhos fechados, o lábio inferior sendo castigado pelos dentes bonitos e o pau na sua mão, a cintura sendo ritmadamente impulsionada para frente. Se ajoelhou na frente dele ainda sem soltar o membro alheio, sentindo seu próprio pau bater nas coxas grossas e bonitas, e beijou-lhe o pescoço. Baekhyun tremeu com o hálito quente de Chanyeol batendo contra seu pescoço e abriu os olhos febris.

Conteve um sorriso ao sentir o mais alto descendo beijos pelo seu peitoral suado. Nem conseguia se lembrar de que estivera pingando suor minutos atrás.

Precisou de muito autocontrole pra não gritar quando sentiu a ponta da língua gelada do produtor tocar sua glande, lambendo a fenda que soltava pré gozo, de maneira quase tímida. Olhou aquela cena e percebeu que ele ficava tão lindo chupando seu pau que era quase uma obra de arte. Se Chanyeol ali, lhe chupando e tocando não fosse tão gostoso, Baekhyun o mandaria para um museu.

— Senta ali. — ele o ouviu ordenar, lhe arrancando de seus devaneios. Nem cogitou a possibilidade de se fazer de difícil, sentando-se no sofá de couro preto atrás dele, arrancando as calças totalmente e as jogando de lado.

Chanyeol nem esperou que Baekhyun imaginasse o que viria a seguir, pois se ajoelhou e abocanhou o pênis bonito, colocando até onde podia na boca, molhando com saliva e sugando gostoso. Sua cabeça subia e descia e Baekhyun segurou nos cabelos escuros e ondulados, incentivando os movimentos gostosos.

Estava a tanto tempo sem receber um boquete e Chanyeol chupava tão gostoso que ele sentia que estava a ponto de explodir. Novamente o impulso de mexer o quadril foi mais forte que ele e ele o jogou para cima, levemente, enquanto sentia a cabeça do pau bater na garganta de Chanyeol. O maior gemeu com isso, fazendo o membro de Baekhyun vibrar dentro da boca quente. O cantor tomou aquilo como positivo e continuou fodendo a boca quente e carnuda do mais novo, enquanto gemidos manhoso saíam de sua boca.

— Isso Baek — Chanyeol afastou a boca e o incentivou. —, há muito tempo eu queria você fodendo a minha boca.

Baekhyun gemeu arrastado e apertou o sofá quando, mais uma vez, Chanyeol encostou seu membro na própria garganta. Ele já sentia seu corpo esquentar e uma sensação conhecida chegar a sua virilha.

Mas não queria gozar naquele momento. Ele havia esperado tempo demais pra gozar com um boquete. Não que gozar na boca de Chanyeol não fosse um sonho antigo, mas já que ele estava ali, sem roupa e totalmente entregue, ele iria até o fim.

Por isso, pensando no que poderia vir de melhor, parou a cabeça de Chanyeol, que fazia movimentos de vai e vem enquanto sua língua se mexia de maneira alucinadamente boa em sua glande. Puxou-o para cima pelo ombro, sentindo os membros se chocarem quando o maior se colocou por cima dele, e o beijou novamente.

Tinha algo de tão malditamente erótico no beijo de Chanyeol que Baekhyun sabia que corria o risco de ficar viciado. Não que ele estivesse reclamando.

Chanyeol o beijou enquanto suas mãos faziam caminho por todo corpo menor abaixo de si, encostando as ereções e mexendo o próprio quadril, arrastando-os de um jeito que Baekhyun nunca havia sentido.

— Chanyeol. — Baekhyun parou o beijo, mordendo o lábio inferior do mais alto, deixando-o vermelho. — Eu quero…

— O que? — Chanyeol perguntou, mordendo o queixo bonito e lambendo em seguida. Baekhyun tinha um gosto levemente salgado de suor e Chanyeol nunca imaginou a possibilidade, mas estava achando delicioso. Queria poder lamber Baekhyun para sempre.

— Quero que você me foda, Chanyeol-ah. — ele disse no ouvido de Chanyeol, mordendo o lóbulo e usando honorífico. Chanyeol ficava louco quando ele usava honoríficos, porque era muito raro quando ele os usava, sempre petulante demais.

Precisou realmente usar todo seu autocontrole para não abrir as pernas de Baekhyun e meter fundo, de uma vez só, dentro dele até que ele implorasse para gozar.

— Porra, Baekhyun. — ele grunhiu, apertando a cintura do menor e o girando, deixando a bunda exposta para si. Baekhyun nem precisava empina-la para que ficasse mais convidativa, só ela ali, já era um convite e tanto para se enterrar dentro dela. — Você é um filho da puta, sabia disso? — questionou, encostando o corpo ao dele, encaixando seu pau nas coxas fartas. Cheirou a nuca do cantor, sentindo o cheiro fraco do perfume dele. Levou a mão direita ao rosto dele, observando-o abrir a boca e chupar dois de seus dedos, sensualmente demais para o próprio bem. Se ele continuasse chupando os dedos de Chanyeol daquele jeito, ele iria ser fodido daquele jeito mesmo, sem preparação alguma.

Baekhyun estava, finalmente, realizando o sonho de chupar aqueles dedos grossos e gostosos. Chupava como se estivesse chupando o pau de Chanyeol e, pelos gemidos roucos do maior atrás de si e as mordidas nas suas costas, Chanyeol gostava daquele estímulo.

Quando acreditou que os dedos já estavam molhados demais, abriu a boca, lambendo uma última vez e deixando que Chanyeol os guiasse até onde ele queria, sentindo uma pontada de ansiedade na virilha. Quando os dedos do produtor passaram levemente por sua entrada, fazendo uma carícia leve, o cantor teve que segurar um espasmo de prazer tão intenso que o assustou.

O dedo de Chanyeol trabalhava habilidosamente em sua entrada, acariciando, forçando a entrada e o fazendo ter sensações cada vez mais incríveis. Quando finalmente Chanyeol conseguiu colocar um dedo, Baekhyun segurou um gemido incomodado pela ardência, mas conseguiu relaxar, mexendo de leve o quadril para que servisse de incentivo para que o maior mexer o dedo dentro de si. Baekhyun segurou um gemido ao sentir o dedo grosso de Chanyeol entrando e saindo, enquanto a outra mão apertava sua cintura. Com a força de Chanyeol colocava no aperto, Baekhyun tinha certeza que ficaria marcado e quase sorriu com o pensamento. Talvez fosse um pouco fã de marcas, afinal.

Chanyeol colocou mais um dedo, metendo com mais força agora, arrancando gemidos arrastados e manhosos do menor. Baekhyun rebolou um pouco, inconscientemente, e quase gemeu triste quando sentiu o maior tirando os dedos de si.

— Eu posso? — Chanyeol perguntou, esfregando a glande molhada de pré gozo na entrada de Baekhyun. Cuspiu na própria mão, molhando o pau com saliva numa punheta apressada. Em outra circunstância, Baekhyun acharia o ato nojento, mas naquele momento, quase gozou só de reviver a cena na mente.

Chanyeol batia punheta com a cabeça do pau encostada na entrada dele, fazendo-o se mexer no sofá conforme mexia a mão no próprio membro duro. A sensação do pau esmagado contra o sofá, sendo friccionado com o mesmo ritmo que Chanyeol se masturbava era indescritível, mas Baekhyun queria mais. Precisava de mais.

— Por favor… — gemeu subindo a mão pelas coxas do maior e encontrando suas bolas, fazendo um carinho desajeitado nelas. Chanyeol gemeu baixo e se empurrou um pouco para dentro. A sensação era totalmente diferente dos dedos dele e Baekhyun não era mais virgem, mas estava a tanto tempo sem aquilo que a sensação foi praticamente nova. Sentir Chanyeol buscando espaço dentro de si, com ambas as mãos no seu quadril, uma de cada lado, apertando forte enquanto gemia com aquela voz grossa era enlouquecedor.

Chanyeol não estava ligando se estava gemendo alto demais ou não, naquele momento ele só queria sentir o interior apertado e quente de Baekhyun esmagando seu pau até ele ficar louco. Ele tinha certeza que iria enlouquecer depois daquele dia. Ele também tinha certeza que iria ficar viciado, porque nunca havia encontrado alguém tão maravilhoso quanto aquele homem. E, naquele momento, aquele homem perfeito estava gemendo lindamente enquanto tinha o rabo fodido por ele, engolindo todo seu pau.

— Chan-Chanyeol. — ele gemeu rebolando precariamente pela posição. Mesmo se não houvesse se mexido, só de ouvi-lo gemer seu nome, Chanyeol enlouqueceu. Soltando um grunhido rouco do fundo da garganta, ele encostou o nariz na nuca do cantor, segurou sua cintura dos dois lados, fortemente e deu a primeira estocada.

Forte.

Fundo.

Baekhyun soltou um gemido desconexo, sentindo o pau de Chanyeol o preencher por completo. O aperto em sua cintura também o levava a um nível de tesão intenso, além das estocadas rápidas e ritmadas que Chanyeol havia começado, fazendo seu pau esquecido, novamente ser estimulado pelo aperto contra o sofá. Baekhyun estava sentindo tanta vontade de tê-lo cada vez mais dentro de si que sentiu o corpo levantando-se por vontade própria, empinando a bunda para que Chanyeol o comesse de quatro.

— Quer me dar de quatro é? — Chanyeol sussurrou contra seu pescoço, mordendo em seguida, sem nunca parar com os movimentos de vai e vem.

— Quero te dar de todos os jeitos possíveis. — Baekhyun nem teve tempo de se assustar com a própria frase, porque Chanyeol se ajoelhou no sofá e lhe deu um tapa estalado na bunda, entrando mais fundo e mais forte dessa vez, se é que era possível.

Na terceira estocada funda, Baekhyun precisou conter um grito de prazer ao sentir sua próstata ser atingida. Aquilo era, sem dúvidas, a melhor coisa que já havia sentido na vida.

Seu membro esquecido foi segurado por Chanyeol, que arrastada o polegar sobre a glande que jorrava pré gozo em abundância. Baekhyun gemia alto, no mesmo ritmo que o pênis de Chanyeol tocava seu ponto. Mais algumas estocadas e uma punheta gostosa que Chanyeol batia para si e Baekhyun sentiu que não iria aguentar. Seu pênis pulsava, suas bolas estavam pegando fogo e aquela sensação gostosa demais estava tomando conta do seu corpo, fazendo-o apertar o sofá e contrair os dedos dos pés. Ele já via estrelas sob as pálpebras fechadas.

— Chanyeol. — chamou em meio a um gemido arrastado, a voz falhando. — Eu vou…

— Então vem. — Chanyeol respondeu com a voz grossa perto do seu ouvido, metendo mais uma vez no ponto mais sensível do corpo do menor e apertando a cabeça inchada do pau alheio. — Vem, que eu vou depois de você.

Ao ouvir aquela frase, Baekhyun sentiu os espasmos no corpo e gozou tão forte que seus olhos ficaram nublados. Chanyeol enfiou o pau fundo mais uma vez e tirou, gozando na bunda e nas costas do loiro, gemendo tão gostoso que Baekhyun quis gravar para ouvir mais tarde.

Seus olhos estavam pesados demais para se importar quando Chanyeol deitou sobre ele, não se importando em se sujar de porra. Sentiu uma pressão em sua nuca e percebeu que Chanyeol havia deixado um beijo casto ali.

— Caralho. — foi a única coisa que sua cabeça conseguiu pensar para falar naquele momento.

— É. Caralho. A gente transou na sala de ensaio. — Chanyeol concordou.

Baekhyun riu, o corpo sacudindo com Chanyeol sobre ele.

— Sempre fantasiei transar aqui.

— Comigo? — Chanyeol perguntou, fazendo uma cara engraçada. Não era como se ele não soubesse que Baekhyun tinha um desejo louco por ele.

— Também. Além do Chris Evans. — o loiro respondeu, sorrindo e se mexendo um pouco desconfortável. Chanyeol era grande e pesado, afinal.

O maior pareceu ter percebido isso, porque se mexeu e deitou-se ao lado dele, segurando sua cintura para que não caísse.

— Me sinto bem por ser comparado ao Chris Evans. — ele comentou, fingindo orgulho. Baekhyun o olhou de um jeito fofo. Seus olhos ainda tinham vestígios do orgasmo recente, seus cabelos estavam grudados na testa, suas bochechas vermelhas e a boca formando um bico engraçado devido a posição em que ele estava. — Estive pensando… por bastante tempo, na verdade. — Chanyeol iniciou, antes que perdesse a coragem que ganhou olhando para a expressão fofa de Baekhyun. — Faz um tempo que queria te perguntar se… você quer, sei lá, fazer alguma coisa em algum sábado por aí. Talvez jogar algum videogame, ou jogo de tabuleiro, pedir comida, assistir um filme. Claro que, penso nisso porque você não pode se expor e…

— Quero, Yeol-ah. — novamente, lá estava o honorífico. Era até engraçado porque na cultura deles a intimidade tirava os honoríficos, mas Baekhyun gostava de ser diferente. — Eu quero jogar videogame, jogos de tabuleiro, pedir comida, assistir filmes e repetir o que a gente acabou de fazer também.

Chanyeol sorriu um pouco e se aproximou, o beijando lentamente. Baekhyun podia dizer com certeza que iria viciar naquele beijo gostoso, mas não estava realmente com medo disso. Na verdade, estava ansioso para ter tantos beijos quanto fosse possível.

O maior parou o beijo e o encarou, com os olhos brilhando e a boca vermelhinha. Deu aquele sorriso largo, que Baekhyun achava lindo, que fazia enrugar o cantinho dos olhos grandes. Sorrindo daquele jeito, com os olhos espremidos e brilhantes, Chanyeol parecia muito inocente.

Bem, tão inocente quanto pudesse ser depois do que haviam acabado de fazer. 

9 de Junio de 2018 a las 02:22 0 Reporte Insertar 8
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

Historias relacionadas