The blue boy Seguir historia

yoonseok_never Yoon Seok

Admirar a lua sempre foi uma coisa que eu gostei de fazer, sem contar que conversar com ela era interessante. Já que ela guarda um desejo meu. Desejo esse de ter um amor como o dos meus pais, ou até mesmo, da própria Lua com o seu amado Sol. Espero que um dia eu consiga encontrar a minha outra parte, e por incrível que pareça, depois de meses nessa procura, a minha metade apareceu. Em uma manhã de segunda, está de mudança para a casa do outro lado da rua, em frente à minha. Quando o conheci foi uma sensação fantástica, não sei o que dizer sobre o que senti.


Fanfiction Bandas/Cantantes No para niños menores de 13.

#slash #yaoi #junghoseok #minyoongi #sope #yoonseok
Cuento corto
8
5.0mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Contemplate

O que falar? Bem,eu não tenho nada muito a dizer, minha vida nunca foi tão empolgante ou algo assim, sabe. É de casa para o colégio e do colégio para a casa, nos finais de semana, vou para meu curso de dança e extravaso tudo que está preso dentro de mim em relação a tudo que aconteceu na semana.


Só a dança consegue me acalmar e me dar forças para continuar a sorrir em certos momentos, me pergunto se irei encontrar alguém que me apoie e me ajude a aguentar esses momentos; se encontrarei alguém para amar como meus pais se amam. O amor deles é tão puro e acolhedor que só de vê-los juntos na hora do café da manhã, me deixa contente.


Omma sempre fala que eu não devo ficar desesperado em relação a isso, que não devo pensar que nunca chegará o meu momento. Porque ele pode ser do nada ou não e quando isso acontecer, eu saberei que encontrei finalmente a pessoa que me completará.


Enquanto isso não ocorre, me contento em admirar a Lua nessa noite tão escura, tão bela e tão solitária. Deve ser doloroso não ver o amado sempre, mas deve ser satisfatório encontrar com ele em um eclipse. Eu queria ter a força dela de continuar ali brilhando e iluminando os casais apaixonados que passeiam abaixo da minha sacada e abençoar o romance deles.


É, somos dois solitários que esperam encontrar os amores de nossas vidas, só que ao contrário da Lua, que já tem o seu caloroso Sol, eu não tenho ninguém. Torço para que não demore muito para que eu possa encontrá-lo.



¸。❀¸。



O dia amanhece e mais uma vez irei àquele lugar maravilhoso, me levanto com o ânimo lá em cima e faço minha higiene matinal, logo vestindo o uniforme do colégio. Ao descer as escadas e seguir em direção à cozinha para tomar o café da manhã, sou metralhado pela Omma sobre a casa em frente da nossa que foi finalmente vendida e que hoje nossos novos vizinhos irão chegar.


Eu não sei o porquê, mas eu sinto um frio na barriga quando ela me fala isso, e sinceramente, eu não entendo essa sensação. O melhor a se fazer é deixar de lado e seguir para o colégio enfrentar algumas aulas desgastantes.


Deixo para pensar nos vizinhos quando estiver em casa e já até sei que Omma vai me arrastar ao outro lado da calçada para conhecê-los. É, deve ter sido por isso que senti um frio na barriga de repente, no entanto, tem algo lá no fundo da minha mente que nega esse pensamento veemente.


Mal piso em casa para ela agarrar meu braço e arrastar-me para o outro lado da rua, quando vou falar que poderia pelo menos ter me arrumado melhor para conhecer os vizinhos, a porta se abre e tudo a minha volta fica em câmera lenta. Consigo ouvir perfeitamente o som do meu coração em meus ouvidos e o suor frio brotar em minhas mãos pela agitação que surgiu em mim.


Eu nunca vi uma pessoa tão bela como essa que está em minha frente, a pele branca como a neve e eu tenho quase certeza que deve ser macia como veludo. Os olhos pequenos castanhos escuros e um pouco caidinhos de sono dando um ar infantil, mas ao mesmo tempo charmoso.


Os lábios rosados e cheinhos me fazem prender a respiração e, por alguns segundos, a minha atenção; e por fim, o que mais atrai a minha atenção: seus cabelos exóticos de um azul claro meio bagunçado como se tivesse mexido nele antes de atender a porta. Foi nesse momento em que eu notei que estava em frente à pessoa que estava procurando, só que ela não sabia disso, pelo menos não ainda.


– Boa tarde, o que desejam? – Ele tem uma voz grossa e rouca que arrepia os pelinhos da minha nunca, ela é tão serena que me dá vontade de ficar ouvindo-a o resto do dia.


– Boa tarde, querido. Somos os seus vizinhos de frente. Viemos aqui para desejar boas-vindas. – Pelo visto, minha Omma se encantou também pelo baixinho a nossa frente, o sorriso que ela tem em seu rosto é de orelha a orelha.


– Oh! Claro, entre sim... Não repare na bagunça, ainda não terminamos de arrumar as coisas. – Ele nos informa antes de dar passagem para entrarmos. Eu não sei como não explodir em arco-íris quando ele arregala os pequenos olhinhos ao compreender a explicação de minha Omma. – Eu irei chamar minha Omma e fique à vontade.


Ele aponta para o sofá em frente à televisão de plasma na parede, a casa tem um aspecto moderno, porém continua com o estilo tradicional coreano, uma combinação exótica e bela. Quando nos sentamos no sofá, aparece uma moça de cabelos negros como a noite curtos com franja, a pele bem branquinha como a do pequeno que nos atendeu. Ela parece ser mais nova que minha Omma e também é meio baixinha.


– Boa tarde, meu filho me falou que temos visitas – cumprimentou-nos docemente com um abraço e um beijo no rosto, o aroma que emana dela é de lavanda, muito bom.


– Boa tarde, eu sou Jung Sun-hee, sua vizinha da frente, e esse é o meu filho Jung Hoseok – Omma nos apresenta a bela moça a nossa frente, enquanto estende a travessa com um bolo de chocolate.


– Prazer em conhecê-los. Eu sou a Min Sook e aquele que atendeu vocês é o meu filho, Min Yoongi – Presenteia-nos com um belo sorriso ao aceitar o doce de boas-vindas. – Espero não estar incomodando vocês com essa bagunça, ainda não acabamos de arrumar.. – A Sra. Min tem sua fala interrompida por Omma.


– Não precisa se preocupar, eu e meu filho estamos aqui para desejar boas-vindas. Se quiser podemos te ajudar, não é, Hoseok? – Omma vira o rosto na minha direção e eu só afirmo ao balançar a cabeça, que sorri em direção a Sra. Min, que a indica para segui-la para cozinha.


Coloco minha mochila perto da entrada da casa, e começo a ver as caixas que estão lá, umas estão escritos “Coisas do Yoongi”, as outras já estão vazias e dentro de um das outras. Respiro fundo criando coragem e pegando duas caixas empilhando uma na outra, as erguendo com cuidado, seguindo em direção à escada que há ali. Subo com cuidado para não derrubar as duas caixas e chego a um corredor.


Olho para os dois lados para decidir qual devo seguir, decido ir para o esquerdo que dá de frente para uma janela que dá vista para a rua e minha casa, ao lado dela tem uma porta e nela está escrito Yoongi. Ponho as caixas no chão e bato levemente na porta,esperando ouvir a permissão para entrar, nenhum som é ouvido por mim, então bato novamente e escuto um “entre”.


Ao abrir a porta, vejo aquele pequeno ser em cima de uma cadeira organizando os livros na estante ao lado da sua cama, volto a pôr as caixas no chão e pigarreio para que note a minha presença em seu quarto. E por causa disso, ele vira rápido,se desequilibrando na cadeira, contudo, eu ajo rápido e consigo o segurar a tempo.


E foi ali que nossos olhares se encontraram pela primeira vez, Yoongi com os pequenos olhinhos arregalados de susto e eu um pouco ofegante por ter agido rápido para conseguir pegá-lo a tempo. Nesse exato momento, estamos abraçados e, pelo visto, ele nem notou isso ainda, só devolve a encarada com os olhinhos um pouco arregalados e eu posso sentir o seu cheirinho de limão com hortelã me deixando totalmente embriagado e vidrado em ti.


Quando o momento de hipnose acaba, tons rosados aparecem em suas bochechas fazendo-o abaixar o rosto e assim encostar sua testa perto da minha boca, eu não consegui resistir e eliminei o pequeno espaço entre a gente. Fazendo-me senti a maciez de sua pele branquinha e o aroma de hortelã que vem de seus cabelos me entorpecendo ainda mais. Com cuidado te coloco no chão e a contra gosto te liberto desse abraço gostoso, mas ainda seguro sua mão para te dar equilíbrio.


– Você está bem? – pergunto em um sussurro em sua direção.


– E-Eu estou bem sim... Você chegou a tempo,né?! – sussurrando com um pequeno sorriso em lábios e o rostinho rubro, deixa-o ainda mais adorável ao meu ver.


– É! Eu não poderia deixar que caísse. – Fico o admirando, noto suas sobrancelhas arquearam e sua boca formar um pequeno “o


– Bom... – Desvia o olhar para a cama e pigarreia. – Minha mãe pediu para você me chamar?


– Hm... Não, eu me ofereci para ajudar na mudança, vi aquelas caixas lá na sala. E resolvi te ajudar. – Coço a minha nuca envergonhado, enquanto aponto para as caixas na entrada do seu quarto.


– Ah, sim. Você poderia trazer elas duas para cá e me ajudar a terminar de arrumar os livros na estante? – Yoongi inclina a cabeça levemente para o lado esquerdo esperando a minha resposta. Completamente adorável!


– Claro! – Acho que minha voz saiu mais animada do que deveria, mas quem liga,né? Eu que não.


Ando em direção às caixas e a trago para perto da cama e da estante. Começo a abri-las e tirar os livros de dentro entregando para o baixinho colocar nos devidos lugares. Ficamos um bom tempo organizando tudo, sem falar que ele me pediu ajuda em mudar a cama para o outro canto, entre outras coisas. Por mais que eu esteja cansado, me sinto vivo como nunca me senti antes – sem contar com a dança – após uma tarde de arrumação e limpeza.


Não o conheci totalmente como desejava, entretanto, consegui conhecer o jeito meigo e manhoso ao fazer biquinho quando algo não saia como queria. E sem contar o seu belo sorriso gengival quando levei um susto com o seu cachorrinho. – Holly. – Entrou no quarto correndo e passou entre minhas pernas.


Foi a cena mais encantadora, vê-lo rindo do grito que dei ao sentir o cachorrinho, Holly, que descobri depois de admirar o seu riso ter cessado, cheirar a minha perna e encostado nela para ficar em pé. Ele pegou o pequeno cachorrinho nos braços e ficou acariciando a cabeça e eu fiquei com vontade de tirar uma foto para gravar esse momento.


Quando eu tive que ir embora, meu peito chegou a doer. Eu não queria ir, e sim ficar admirando o pequeno ser de cabelos azuis, descobrir mais coisas sobre ele e sentir o seu cheirinho doce e suave. Mas nem sempre tudo é como queremos e tive que voltar para a casa com Omma.


Ao me arrumar para deitar, tenho a mais bela visão de todas, Min Yoongi sentado na sacada admirando a Lua. É, querida Lua, eu encontrei o meu amado, só falta conquistá-lo como você fez com o seu caloroso Sol.



¸。❀¸。



A partir daquele dia, comecei a admirá-lo escondido atrás das cortinas da minha varanda, sempre ao nascer do sol lá estava ele, admirando os tons de rosa e laranja que surgiram no céu e assim sermos agraciados pela presença daquela estrela quente.


Pequenos raios solares penetram em sua pele, mostrando o quão clarinha ela é. Seus cabelos azuis brilham e os pequenos olhinhos quase fechando pela claridade, mas o melhor é o sorriso que ele dá ao sentir o calor desses raios solares o esquentando.


Às vezes eu me sinto como um pervertido por observá-lo dessa maneira, no entanto,eu não consigo parar, extasiante e cativante que parar de assistir esse momento é como cometer um dos piores pecados da vida.


São assim minhas manhãs antes de ir pro colégio, assisti-lo tomar um banho de sol, presenciar seu adorável sorriso gengival. Isso me deixa de bom humor e animado para chegar em casa logo e poder conversar um pouco com ele. Por que digo isso? Porque, de vez em quando, a sorte está do meu lado e o encontro na sacada, ele me vê e sorri.


Nesse momento, eu sinto meu coração disparar e querer fugir do meu peito pela garganta, tenho quase certeza que meu sorriso é como uma careta, já que sou agraciado pelo seu riso baixinho. Isso me dá coragem e começo a puxar assunto, ocasionando uma tarde de assuntos aleatórios meio filosóficos e cômicos. Extremamente agradável para nós dois.



¸。❀¸。



Já faz três meses que a família Min se mudou para o nosso bairro e mora na casa em frente à minha. Três meses que eu admiro Min Yoongi atrás das cortinas e três meses que conversamos pela sacada.


Sim, eu contei. É meio impossível para mim não contar esses meses, porque são os melhores da minha vida, mas também os piores. Por quê? Simples, os melhores por estar sempre presenciando o meu amado em seus momentos de relaxamento e ouvir sua voz rouca e baixinha dirigida a mim, entretanto, os piores por eu nunca conseguir arrumar coragem de falar o que eu sinto por aquele baixinho.


Ah, isso está me deixando agoniado e inquieto, sempre quando há uma oportunidade de falar sobre meus sentimentos por ele, tenho sua total atenção voltada para mim. Eu travo… Apenas travo e fico o olhando com uma cara estranha, já que novamente eu ouço sua risada e a clássica pergunta: “Hoseok, você está bem?” ou “Tem algo no meu rosto?”.


Com direito a inclinar a cabeça para o lado e ter seu rostinho consumido pela confusão. Tão fofo; tão mordível. Que me dá vontade de sequestrar esse pequenino para mim, a única coisa que eu sei fazer é respirar fundo e balançar a cabeça negativamente e iniciar um novo assunto.


Mas de hoje não passa, eu posso levar um “não”? Sim, eu posso.


Posso levar um “sim”? Talvez.


Posso levar um “posso pensar”? É o mais provável.


Contudo, não irei desistir tão fácil, aos poucos vou o conquistando e assim tê-lo para mim, como desejo. Chego em casa e tomo um banho longo e relaxante, fico me olhando no espelho por um bom tempo até me secar e me vestir para chamá-lo na sacada. Respiro fundo e ando em direção à minha sacada, encontro a dele fechada.


Ele deve estar dormindo, irei esperar mais um pouco e daqui a pouco ele aparece. A tarde se foi, o céu foi escurecendo, a Lua foi surgindo calmamente e ocupando seu devido lugar naquela imensidão escura. E Yoongi nem deu sinal de vida, estava quase desistindo quando ouvi o barulho da porta da sacada abrindo e ele surgindo entre as janelas com os cabelos bagunçados e o rostinho inchado de sono.


Assisto Yoongi se acomodar no pequeno sofá que ali tem e ficar olhando para a Lua, bem, é agora ou nunca.


– Hyung... – digo em um tom de voz alto para que o azulado note minha presença, não demora muitos segundos para ter sua atenção focada em mim.


– Seok-ah. – Oferece-me um pequeno sorriso.


– Acordou agora? – questiono curioso cutucando a tinta da sacada com a ponta do dedo indicador.


– Ah… sim! – revela meio envergonhado, desviando o olhar para a rua abaixo de nós.


– Que hyung preguiçoso – provoco-o com um sorriso travesso nos lábios.


– Aish?! – bufa o baixinho fazendo bico e cruzando os braços, totalmente emburrado. Mal sabe ele que isso acaba totalmente comigo.


– Hyung?


– Hm? – resmunga o azulado sem me olhar ainda, mas que volta a me encarar ao perceber que não voltei a falar. – Sim, Seok-ah?


– É… sabe um amigo meu veio me contar um negócio esses dias… – Faço uma pausa olhando a rua abaixo de si. – Me contou que estava gostando de alguém e me pediu um conselho de como se declarar para a pessoa que gosta sem assustar ou passar vergonha na frente da mesma.


– O que você disse? – questiona curioso com a história.


– Para ser sincero, hyung, eu não sabia o que dizer para ele. Pelo fato de nunca ter me declarado para ninguém. Mas se ocorresse de um dia eu encontrar essa pessoa, eu...


– Você?


– Eu diria que o sentimento não foi tão de repente, ele surgiu aos poucos e foi me consumindo. Que com o passar do convívio o gostar de amizade mudou e que ficar sempre perto dela é sempre agradável e aconchegante – revelo o olhando intensamente. – E no final disso tudo diria: Eu gosto de você!


– Oh! E o que seu amigo disse ao ouvir sobre tudo isso? – Ele me olhou divertido e com um pequeno sorriso nos lábios.


– Ele me disse que… que eu sou bem corajoso por revelar algo tão íntimo assim.


– Eu concordo com ele, tem que ser realmente corajoso para revelar seus sentimentos para alguém. Como sempre, você é encantador, Seok-ah


– Hm… Obrigado. – Dou um leve sorriso por ter falhado na declaração. – É uma pena que a pessoa não tenha entendido o que revelei – sussurro pra mim mesmo decepcionado.


– Disse algo?


– Nada não, hyung. Deixa para próxima, nela com certeza eu consigo


Realmente não foi dessa vez e a Lua está de prova, contudo, eu nunca fui uma pessoa de desistir, não deu certo nessa, na outra posso alcançar o sucesso com o garoto dos cabelos azulados. Meu vizinho e meu escolhido.

31 de Mayo de 2018 a las 14:54 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Yoon Seok ❀¸。ʏᴏᴏɴsᴇᴏᴋ ʜᴀʀᴅ sʜɪᴘᴘᴇʀ¸。❀ 彡 ʏooňɢı!ɞoţţom sզuѧԀ 彡 һosєoҡ!ţop squad ♡ ¡หd¡ε кσяεคห ♡ ❖ ℓєiτσrα❀¸。{ⒻⒶⓃⓉⒶⓈⓂⒶ}❀¸。αρσsєηтα∂α ❖ ɑɱɑ ɛรcʀɛver ɳɑร ɦѳʀɑร ѵɑgɑ

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~