Alone Seguir historia

minanyeow Min Anyeow

Se passaram três anos e nada do Natsu cumprir a sua promessa de voltar em um ano do seu treinamento juntamente com Happy, e Lucy se afundava mais e mais na solidão que ela mesma criou, sentindo falta dos momentos que passava com a sua família.


Fanfiction Anime/Manga Todo público.

#drama #one-shot #anime #fairy-tail #lucy #Lucy-Heartfilia #Natsu-Dragneel #natsu
Cuento corto
2
4.2mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Por que?

Já se passaram três anos, e a promessa que Natsu fizera naquela carta para mim, não foi cumprida. Não havia nenhuma notícia sobre o rosado ou até mesmo sobre o Happy, assim como não havia notícia sobre os demais, que também sumiram no dia seguinte em que a guilda foi dissolvida.

Durante todos esses anos, tentava me reanimar dizendo para mim mesma que iríamos nos reencontrar novamente como uma família que sempre fomos, mas, chega uma hora que cansa, chega uma hora em que seus sonhos não se realizam e você acorda para a realidade, a triste realidade.

Chegou a época dos Grandes Jogos Mágicos e imediatamente a minha tristeza aumentou, eu tinha a leve sensação que se continuasse daquela forma eu acabaria entrando em depressão. Eu estava sozinha, afinal, todos os meus amigos da Fairy Tail tinham simplesmente sumido.

Eu estava investigando as possíveis localizações dos mesmos, mas eu desisti quando caí para a verdade: provavelmente, nunca mais eu iria ver a minha família de novo. Até mesmo o mestre sumiu, e eu estava desolada até hoje. Embora não demonstrasse isso para as pessoas atualmente.

Eu segui a minha segunda paixão; ser escritora, e eu tive coragem de publicar um dos meus livros, o que foi um sucesso, pude evoluir mais a minha escrita e agora eu vivo disso. A literatura é a única forma me tirar da dura realidade, nem que seja por míseros minutos.

Parei de andar pelas ruas movimentadas de Crocus assim que vi uma sorveteria, e sem hesitar, adentrei, pedindo um sorvete de chocolate. Enquanto eu esperava, senti uma mão em meu ombro, fazendo-me virar e me deparar com aqueles fios capilares loiros tão bem conhecidos.

— Lucy, quanto tempo que eu não te vejo! - Sting me cumprimentou com um grande sorriso formado em seus lábios, encarando-me fixamente.

— Não faz nem duas semanas que a gente se falou, Sting. - Disse dando uma breve risada, pegando o meu sorvete e dando o pagamento para a moça, voltando a dar atenção para o loiro.

— Duas semanas para mim é muito, sabia? - Indagou rindo, fazendo um sinal com a cabeça indicando que era para sairmos ali e ficarmos conversando enquanto andamos pelas ruas de Crocus, como sempre fazíamos. - Mas e aí, como você está?

— Por que você sempre pergunta isso? - Devolvi com outra pergunta, sentindo uma súbita vontade de chorar aparecer.

— Porque eu quero ouvir da sua boca o que você está sentindo. - Respondeu sério, andando ao meu lado sem tirar os olhos de mim.

— Você sabe que eu não estou nada bem, Sting, e se duvidar, nem ficarei. - Respondi deixando escapar um riso sem humor algum, dando uma lambida no meu sorvete em seguida.

— Por que você diabos insiste em ficar sozinha? - Sting perguntou em um sussurro, suspirando em seguida, agora olhando para frente.

— Mesmo se eu entrasse para a Sabertooth ou para qualquer outra guilda, o sentimento de tristeza não iria sair de mim. - Disse terminando de comer o meu sorvete logo, antes que derretesse com o calor.

— Eu não vou insistir, você sabe que a Sabertooth estará sempre de portas abertas para você. - Disse erguendo sua mão destra e o levando até a minha cabeça, deixando um rápido cafuné ali. - Eu preciso ir, marquei com a Yukine de sairmos mais tarde. - Proferiu beijando de forma breve a minha bochecha e saiu com um sorriso reconfortante em seus lábios.

Acenei para o mesmo com um pequeno sorriso em meu rosto, eu estava feliz por ele, mas não por mim. Era incrível e patético em como estava me afundando cada vez mais e mais na poça que eu mesma criei.

Decidi ir para a casa logo, não tinha muito o que fazer naquele festival, e sequer tinha começado os jogos, então não teria cabimento eu andar por aí sem ter o que fazer. Assim que cheguei em casa, meu coração insistia em pular de esperança achando que ao entrar no prédio, iria ter um gato azul e um crianção com cabelos rosados fazendo uma bagunça daquelas.

Mas, como sempre, estava vazio. Sem que eu pudesse me conter, senti minhas lágrimas rolarem por minhas bochechas sem a minha permissão, mas eu já estava acostumada com aquela situação. Fechei a porta e me sentei no chão gélido, me permitindo chorar mais e mais.

Perdi os meus pais, perdi os meus amigos, perdi a Aquarius, perdi a minha felicidade. Mas a pergunta que eu sempre fazia na esperança de algum dia ter resposta é: por que isso tinha que acontecer?

Eu podia muito bem seguir o conselho do Sting e entrar para a Sabertooth, a guilda que mais me apoiou quando a Fairy Tail foi dissolvida e me mudei para a Crocus, mas meu peito gritava “não”, e toda vez que encarava o emblema da minha família na costa da palma da minha mão, eu sentia que meu único lugar era a Fairy Tail, e nenhuma outra guilda iria ocupar o lugar dela.

Por um lado, o meu subconsciente gritava que era para eu desistir com isso, e seguir em frente, pois nada iria voltar a ser como antes, enquanto o outro lado gritava que algum dia iriamos nos reencontrar e nos juntar novamente, como antes, e voltaríamos a causar problemas para o povo de Magnolia com destruições.

Mas até esse dia chegar, eu me afundarei mais e mais no meu martírio, chorarei todas as noites antes de pegar no sono, acordarei com dor de cabeça, colocarei um sorriso falso em meu rosto e direi para todos que estou bem, enquanto por dentro espero que todos retornem logo. Mas até lá, eu estarei sozinha, e nada, nem ninguém, vai me tirar dessa solidão que eu mesma criei.

Por que, por que vocês me abandonaram? Por que vocês sumiram justo quando eu mais precisei? Por que você quebrou a sua promessa, Natsu?

Por que diabos sempre perdemos as pessoas que mais amamos e nos importamos, por que não podemos viver o tão falado felizes para sempre?

3 de Mayo de 2018 a las 18:29 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

Historias relacionadas