Meu Sol Seguir historia

elloo Elloo Izy

Eu não me conhecia o bastante pra saber que no final de tudo eu conseguia sim me importa com alguém que eu nunca conheci, que eu conseguia me empolgar facilmente com certas atitudes e que acima de tudo eu podia aprender e prometer coisas para alguém.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#yaoi #bakugou #kirishima #kirideku #boku-no-hero
Cuento corto
2
5463 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Meu sol

Não sou o tipo de pessoa que se empolga ou vai atrás de algumas coisas. Não sou o tipo de pessoa que se interessa fácil por outras. Não sou o tipo que se preocupa com alheios, entretanto, me preocupo com amigos e conhecidos que tenho afeto.

Posso até mesmo não mostrar tais sentimentos assim, o tempo todo, mas sim quando tenho vontade para tal.

Sabe, a vida não é nada sensível. A gente aprende a deixá-la mais carinhosa, o que faz com quem aprendemos com esse afeto.

Aprender. Uma única palavra presente no nosso cotidiano todos os dias e horas. Aprender a amar, respeitar, cuidar e entre outras coisas necessárias.

Ouvimos as mesmas palavras quando nos casamos, talvez pode não ser a mesma, é, realmente não é a mesma. Mas aprender e prometer não são a mesma referência?

Prometer amar, cuidar e respeitar até o último dia de nossas vidas? Acho que se parecem até demais.

Por exemplo, nunca havia me interessado por alguém durante anos da minha vida, eu não sabia essas regras que todo mundo sabe. Não conhecia nem um “A” das juras de amor. Eu não me conhecia o bastante pra saber que no final de tudo eu conseguia sim me importa com alguém que eu nunca conheci, que eu conseguia me empolgar facilmente com certas atitudes e que acima de tudo eu podia aprender e prometer coisas para alguém.

O sol estava baixo, o parque movimentado, crianças barulhentas e agitadas curtiam os últimos momentos do dia antes que suas mães os tirassem de suas brincadeiras.

Encostando em uma árvore de tronco grosso e esguio, meu marido se encontrava sonolento no embalo do ar morno. A árvore acima de si tinha caules longos, quase chegando ao chão. Era verão e estava bem florida.

Os cabelos ruivos desgrenhados no rosto e ombros o davam um ar engraçado. As tatuagens que cobriam totalmente o braço direito iam para seu pescoço, parecia que era apenas um badboy esperando sua gangue, mas na verdade, era apenas um cara doce e puro de coração.

Eu poderia dizer entre outras mil coisas que me fizeram ter esses pensamentos em relação a ele, contudo, acho que não é necessário.

— Você parece um maníaco me olhando assim tão intensamente, Bakugou. — falava se ajeitando na toalha quadriculada, passando as mãos no cabelo bagunçado pelo sono e vento.

— Gosto do que vejo Kirishima, por isso olho para fixar a imagem na minha memória e não esquecer nunca.

Me aproximo de seu corpo me encostando em seu ombro, recebendo um peteleco em minha testa.

— Idiota.

Acabo soltando um pequeno sorriso, Kirishima não gosta de ser vigiado quando dorme, entretanto, eu tenho um certo problema de ficar olhando seus traços serenos.

— Estamos em um lugar bonito e barulhento pelas crianças e alguns cachorros que estão passeando com seus donos, não poderia não olhar pra você dormindo, parecia até mesmo um anjo caído. — Digo, e vejo que Kirishima fez uma careta.

— Quem é você e o que fez com o meu marido? — Pergunta se afastando.

Suspiro.

— Eu sou romântico.

— Ahamram, sei bem do seu lado romântico! — Ele diz rindo e voltando a ficar ao meu lado. — Não seja todo babão em público, algum idiota pode vir e tacar uma garrafa em nossas cabeças.

— Onw, Kirishima sendo cuidadoso, que lindo. — aperto suas bochechas — Mas eu não tô nem aí.

Ele tira seu rosto de minhas mãos e gargalha alto. Meus olhos se voltam ao chão e vejo que por conta do vento, algumas flores da árvore acima de nós, estava colorindo a grama verde. Pego uma flor amarelada e me viro para Kirishima, que me olha curioso.

— Isso combina com os seus cabelos, querido. — coloco a pequena flor entre sua orelha.

— Que carinhoso, isso tudo para ter sexo a noite?

— Hum, talvez, quem sabe.

Digo e ele sorrir amplamente. Ele parece com o sol. Dependendo da hora e lugar, ele pode clarear meu dia e me tirar do escuro. Tenho meu sol particular.

— Vamos pra casa? — pergunta, tirando um sorriso cínico de meus lábios.

— Vou lhe dá flores mais vezes.

8 de Abril de 2018 a las 01:07 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Elloo Izy Welcome to purpurina!

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~