Vamos Jogar? [amor doce] Seguir historia

tsukki_coffee3764 gabseyo;;multifandom

Se apaixonar para mim é como comer pizza. Você tem que esperar o entregador da pizzaria chegar, ele pode demorar alguns minutos e quando chega em sua casa, tu tem aquela sensação de felicidade. Para mim, Armin é a minha pizza de todo dia, amém.


Fanfiction No para niños menores de 13. © Por favor, não plagie minha fanfic!

#romance
3
7.2mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 10 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Um - Vestida para conquistar

Senti minhas bochechas serem cutucadas delicadamente por alguém, resmunguei algo que nem mesmo eu pude compreender e tentei voltar a dormir mas, escutei um grito e me levantei assustada me vendo dentro da sala de aula, com todos olhando diretamente para mim.

Puta que pariu, tem coisa mais estranha do que acordar na aula de matemática na frente de todos?

— Senhorita Lynn, espero que explique o motivo de estar dormindo em minha aula — falou ele, sério.

Me sentei novamente, bocejando e escutando algumas risadinhas.

— Eu ajudei a minha tia com alguns doces até tarde, e eu acabei indo dormir tarde, sabe? — contei, coçando os olhos. Tinha remela, HAHAHA. ‘Tá, parei.

— Certo — falou, chegou mais perto do meu ouvido e sussurrou para mim. — Mande sua tia fazer alguns daqueles sonhos de goiabada, são os meus favoritos.

Não que eu me quisesse me gabar, mas eu ganhava alguns pontinhos na matéria desse gordo com a ajuda da minha tia. Sério, esse gordo-bigodudo-mexicano adorava comer sonho de goiabada.

Olhei para Alexy que se sentava ao meu lado, e sorri de lado fazendo um ‘joinha’ com a mão para ele, que riu em resposta. Fiquei escrevendo coisas aleatórias em meu caderno enquanto o professor-gordo-bigodudo-comedor-de-sonhos-de-goiabada explicava sobre o conteúdo novo. Entendi tudo, juro pelo santo do pau oco.

Depois de mais dez minutos o sinal bateu para o final da aula, hoje era quinta feira e amanhã era feriado de alguma coisa que eu não lembro. Três dias de folga, eu posso colocar alguns doramas em dia, ler livros e fanfics. Isso ai, ficar em casa sedentária que nem os meus ancestrais na pré-história — prestei atenção na aula de história, viu?.

Ambre, com a sorte que tinha, resolveu fazer uma festa já que seus pais não estariam em casa nos próximos dias. E fez com que Nathaniel aprovasse a ideia. A loira convidou todos da escola, eu e ela não brigávamos como antes, éramos como apenas colegas que pegam recuperação em matemática.

Guardei meu material, e peguei minha mochila colocando apenas uma alça nos ombros indo em direção ao meu armário para pegar um livro de história. Vi Alexy e Rosa se aproximarem de seus armários que eram próximos ao meu. Guardei o livro de matemática, e jogando o livro de história dentro da mochila. Droga, tinha um trabalho para fazer.

— Lynn! — chamou-me Rosa. Olhei para ela. — Vamos shopping hoje?

— Claro. Partiu — respondi.

Para melhorar a minha visão apareceu o meu crush. Mano, que cabelo emo gótico trevoso delícia. Ele estava acompanhado com o Lysandre e o Castiel, amigos dele e colegas nosso. Eles falaram algo, e deram risada em seguida. Armin, parou o que estava fazendo para depois se despedir de seus amigos e vir na minha direção.

O armário dele que separava-me de Alexy e Rosalya. Juro que senti uma brisa vindo, e balançar os cabelos deles junto aquele música estranha que tocava nos filmes. Ele parou no meu lado, abrindo seu armário e pegando algo. Ignorei aquilo, e ajeitei melhor os meus óculos, disfarçando.

Fechei a minha mochila, e depois o meu armário e fui até a Rosa e o Alexy, Viollete estava junto. Começamos a conversar, sobre a festa que Ambre iria fazer. Rosa falou que quem sabe não iria ir, por causa do Leigh — pensa em um homem ciumento, pff.

— Maninho, fala pra mãe que vou chegar tarde hoje — pediu Armin, do nada assim vem aquela voz sexy. Pulei de susto, coloquei as mãos no coração.

— AAAAAAAA! — gritei.

Armin abriu um sorriso, e depois riu junto com os outros que estavam ali. Não é todo dia que tu vira palhaço, puta merda.

~•~

Nunca realmente imaginei que eu iria gostar de alguém como ele, sabe? E eu já tentei muitas vezes tentar me aproximar de outros garotos. Mas, bem lá no fundo eu sentia uma grande esperança que em algum dia a minha timidez iria embora e deixaria-me falar com ele sem gaguejar ou destruir coisas ao redor.

O amor que eu sinto por ele começou no meu aniversário de doze anos. Naquela semana eu tinha vindo para cá — já que eu morava nos Estados Unidos —, então a minha tia Agatha fez uma festa surpresa, e eu só conhecia o Armin, Alexy e a Rosa.

Na hora de abrirmos os presentes, Armin levou-me até o quarto onde eu dormia para entregar o meu presente. Eu pensei na hora: Deve ser algum jogo, ou, uma blusa escolhida pelo Lexy. Mas, não foi bem isso.

Ele fechou a porta e veio até minha direção ficando na minha frente, pegou as minhas mãos e começou a chegar perto com o seu rosto. No começo fiquei confusa com a aproximação... mas, quando me dei conta, ele ia me beijar?! Fechei os olhos, e senti os seus lábios encostarem nos meus, foi um simples selinho que durou meros segundos. Senti as minhas bochechas esquentarem, e abri os olhos vendo o seu rosto ruborizado e sorrindo para mim.

— P-Por que fez isso? — perguntei.

— Foi o meu presente para você, Lynn! — respondeu. Ele fez uma cara de preocupação. — V-Você não gostou?

Sorri tímida.

— G-Gostei, é c-claro que eu gostei.

Ele sorriu mais ainda, abraçando-me.

A lembrança ainda era muito nítida em minha cabeça, e por esse motivo me sentia ainda mais tímida quando eu olhava para, e eu mal conseguia falar com ele. Sou uma medrosa.

~•~

Cheguei em casa e não encontrei a minha tia, apenas um bilhete dela dizendo que estava fazendo entregas e só viria à noite. Minha tia trabalhava como cozinheira, e então muitas vezes eu entregava os bolos ou doces – quando a quantidade era pequena e o lugar perto do nosso bairro, quando já era uma encomenda grande ela mesma ia com o carro. Esquentei uma pizza de frango, e depois fui dormir.

Quando era quase três da tarde, meu telefone tocou. Procurei pela a minha mesinha que ficava ao lado da cama, não olhei quem era apenas atendi:

— Alô?

VOCÊ NÃO VAI VIM AQUI? — gritou Lexy no outro lado da linha.

Me sentei na cama, e resmunguei:

— Porra, Alexy! Eu 'tava dormindo.

Tá! Troca de roupa e vem para cá, você tem meia hora. Beijos.

E ele desligou na minha cara, levantei e fui ao banheiro tomar um banho rápido. Coloquei um vestido azul claro, soltinho que ia até acima dos meus joelhos. Nos pés coloquei meu all star preto. Acho que eu deveria usar uma sapatilha…? Ah, foda-se.

Quando eu cheguei no shopping Alexy e Rosa já estavam lá, e muito empolgados para começar a comprar coisas que nem usariam depois. Lexy reclamou do jeito que eu estava vestida, eu mostrei o dedo do meio para ele. Se eu quiser me visto de pão e saio por aí.

A maioria das pessoas que 'conheciam-me' como alguém quieta e comportada, e os meus verdadeiros amigos sabiam que eu era horrível e preguiçosa.

— Olha, Lynn! — me chamou Lexy. Olhei para ele, saindo dos meus pensamentos e vendo com um vestido em mãos.

— Que? — perguntei me esticando mais no sofázinho da loja. Até que é confortável.

Na verdade, eu achava uma perca de tempo comprar roupas. Pega duas camisas, duas calças, um tênis e pá, você tem roupas novas para dois meses. Ninguém tem senso econômico hoje em dia?

— Esse vestido combina com você — falou sorrindo.

Ele virou o vestido para mim, a cor dele era azul mas fortes com alguns tons mais claros, era justo em cima e mais solto da cintura para baixo que ia até acima dos joelhos, a saia dele ficava meio rodado. Não era tomara-que-caia e sim, com duas tirinhas.

— É bonito. Vou provar... mas, cadê a Rosa? — perguntei confusa.

Ela havia sumido já fazia uns dez minutos e até agora não tinha voltado.

— Você é mesma uma esquecida. Aqui é a loja do Leigh.

— NÃO ACREDITO! ELES TÃO SE PEGANDO? — gritei incrédula.

Lexy riu e deu de ombros, depois disso fui em um dos provadores. O vestido coube perfeitamente em meu corpo, o que me deixou muito bonita. Sai do provador para mostrar para o Lexy, mas o Armin estava junto com ele lá. Puta que pariu.

— Ahn… ficou legal, Lexy? — perguntei constrangida, fitando o chão.

Houve um silêncio entre eles de meros segundos, e depois escutei um “nossa” de surpresa de Armin. Tô no chão com isso.

— Você está linda, Lynn! Que tal ir com esse vestido na festa da Ambre?

Assenti com a cabeça, e voltei a provador tímida de mais. Ah, qual é? Por que ele tinha que aparecer aquela hora?!

Quando sai do provador Armin não estava mais lá, somente Alexy. Paguei o meu vestido, e Alexy pagou suas três sacolas de roupas e Rosa apareceu. Meio descabelada, junto de Leigh. SAFADOS. Alexy e eu, zoamos com a cara deles.

~•~

— Oi? Como assim? — perguntei.

Alexy revirou os olhos.

— Você vai falar com o meu irmão na festa da Ambre!

— Vou não. E eu nem tô afim de ir naquela festa, porcaria.

— Vai, Lynn! — insistiu Rosalya.

Todo mundo fica contra mim, vai toma no cu. Quando é pra escolher algo, a minha opinião não vale nada.

— Tenho que falar com a minha tia. — falei dando uma colherada no meu bolo de chocolate com morango. Mano, que delícia.

Estávamos eu, Lexy e a Rosa aqui na praça de alimentação. Depois de comprar várias coisas, a gente veio encher a pança. Tenho vários motivos para não ir à festa da Ambre.

1: Eu não sei dançar.

2: Não tenho roupas para isso.

3: A música deles é péssima, bando de gente que escuta funk daquele país chamado Brasil.

4: A comida é bem pouca. Tendo mais bebida.

Alexy fez bico ficando emburrado com a minha negação em não ir.

— Ah, vai Lynn. Eu to cansado de escutar você falando o quanto o meu irmão é incrível, é lindo e tantas outras coisas. — desabafou com um tom de irritação.

— Então tampa os ouvido com esses fones, tá aí pra que linda?

Ele riu da minha ironia.

— Só falo a verdade. Ele é muito gostoso. — comentei.

Alexy abriu um sorriso estranho, a Rosa também. Porra, eu acho que ele tá atrás de mim. Eu devo ter pisado na tumba do Osama Bin Laden, só pode. Pior dia de todos. Só falta chover.

— Quem é gostoso, Lynn? — perguntou Armin se sentado na minha frente e acomodando na cadeira.

Engoli em seco, que macumba ele fez pra chegar aqui? Ele não tinha ido ver um filme com os amigos dele?! Aff…

Alexy começou a comer o seu bolo, e a Rosa olhou para mim como se esperasse uma resposta também.

— O b-bolo que eu estou comendo. É! Muito bom. — respondi.

Lexy sorriu sapeca pela minha mentira, ué.

— Hm — respondeu o gostosão do crush.

Não olhei para ele, é meio que eu não consigo fazer isso. Porra, olho bonito que ele tem. Eu sei por causa das fotos do Facebook, sou meio stalker. Meus filho vão nascer de olho azul, que alegria.

Rosalya me cutucou, olhei pra ela.

— Ta fazendo aquilo de novo.

— O que?

— Fica sorrindo e com os olhos brilhando. — Alexy respondeu.

Revirei os olhos, e enfiei um pedaço enorme de bolo na boca.

— Não pode agora! — falei de boca cheia.

Fiquei irritada agora, peguei o meu café cheiroso e tomei. Levantei do meu lugar, e deixei uma quantia para pagar o meu bolo e o café. Peguei a minha sacola com o vestido, tava pronta pra ir.

— Ô, não precisava ficar brava, Lynn. — Alexy falou.

— Nya, tô bem. — balancei as mãos, fazendo pouco caso. — Preciso fazer um trabalho de história. Falou gente.

Saí dali, eu tinha mesmo um trabalho para fazer. Pô, a professora me odeia.

~•~

Sexta passou com muito tédio, eu fiz o dever de casa por obrigação e depois ajudei a minha tia com os bolos para algumas festas de aniversário. Eu sou gorda de tanto comer bolo, e tô cansada de comer glace, aff.

No sábado – o dia da festa – Alexy e Rosalya apareceram aqui tentando fazer com que eu fosse a festa junto com eles, que por insistência aceitei. Eles logo me mandaram tomar um banho e quando sai do banheiro eles começaram a me arrumar com uns bagulho brilhante e o meu cabelo ficou cheio de… qual é o nome daquele negocinho que a dona Florinda usa? Ah, sei lá. Só sei que eu tava usando, até mandei o meu gato a não se ajuntar com a gentalha dos meus amigos.

Alexy e Rosalya saíram do meu quarto depois de terem terminado a maquiagem em mim e foram arrumar a si mesmos, então eu coloquei o vestido que havia comprado na loja. Ficou perfeito em mim, como se havia feito sobe medida a mim. Soltei o cabelo que ficou cheio de cachos, eu tô muito fofa com isso. Passei um gloss rosa, sem muito brilho.

Coloquei o meu tênis, mas pensando bem… o Armin vai estar, e eu nem pareço muito feminina. Aff, ok. Posso colocar uma sapatilha.

Me olhei no espelho e abri um sorriso pequeno nos lábios, a garota ali não se parecia muito com a Lynn desbocada ou a tímida, ela parecia uma garota confiante de si. Será que eu deveria fazer algo? Tentar algo com o Armin hoje à noite? Alexy me deu essa oportunidade, só devo tentar. O medo sempre esteve na minha frente, eu só deveria ignorar ele e ser confiante, não é?

A maquiagem que Rosa me fez era fraca, com um tom rosa ao branco. Passou o delineador que fez contraste com os meus olhos negros, me achei bonita naquele momento.

Peguei o meu celular em cima da cama e desci as escadas da minha casa, encontrando Lexy vestido junto a Rosa. Ele usava uma calça jeans escura, e uma blusa vermelha que por cima tinha o blazer num tom azul escuro que compramos no shopping. Rosa vestia uma saia florida soltinha, junto a uma blusa branca com alguns babados no peito, ela também usava o salto alto rosa.

— CADÊ O TEU SALTO, MULHER? — exigiu Alexy.

Rolei os olhos, e respondi:

— Não sei andar nesses bagulho.

Rosa riu, e a minha tia apareceu com uma máquina fotográfica. A não. Não. Não, não, não. Ela não vai fazer isso.

— Faça uma pose, Lynn. E tire essa cara de quem comeu e não gostou!

— Não vou fazer isso.

Alexy ficou no meio entre mim e a Rosa, agarrando nos pela cintura e sorrindo. Sorri falso, e a minha tia tirou mil fotos. A maioria o Alexy tirou, ele ama tirar foto.

Olhei a hora, oito e meia. Ok, a operação de conquistar o crush começa agora, pelo menos tenho que conseguir um beijo, porque o Facebook eu já tenho.

7 de Marzo de 2018 a las 02:19 2 Reporte Insertar 2
Leer el siguiente capítulo Capítulo Dois - Festa, beijo e camisinha

Comenta algo

Publica!
MiRz Rz MiRz Rz
Olá, eu sou a MiRz do Sistema de Verificação do Inkspired. O Sistema de Verificação atua para ver se as histórias estão dentro das normas do site e ajudar os leitores a encontrar boas histórias no quesito de gramática e ortografia; verificar sua história significa colocá-la entre as melhores nesse aspecto. A verificação não é obrigatória para sua história continuar sendo exibida no site, portanto se não se interessar em obtê-la, basta ignorar essa mensagem e não alterar o seu texto. Caso queria que outras histórias suas sejam verificadas, é só contratar o serviço através do “Serviços de Autopublicação”. Sua história está marcada como “em revisão” pelos seguintes apontamentos retirados do seu texto: 1)Vírgulas. O texto apresenta alguns errinhos com vírgula, por exemplo, a utilização dela após a conjunção adversativa, quando o correto seria vir antes, como em “[...] tentei voltar a dormir mas, escutei um grito [...]” e em “[...] Mas, não foi bem o caso [...]”, como em outros lugares. Nesse caso, a vírgula deve vir depois do “mas”. A conjunção “ou” também não deve vir entre vírgulas, apenas a antecedendo. 2) Hífen. Os dias da semana possuem hífens, como por exemplo, “segunda-feira”, “terça-feira”, etc. 3) Excesso de pontuação. Uma vez que se coloca o ponto de interrogação ou exclamação, a utilização do ponto final torna-se desnecessária, como em “[...] prestei atenção na aula de história, viu?. [...]”, entre outros lugares tanto no primeiro capítulo como no segundo. 4) Ausência de palavra após o “para”. Na frase “[...] mais tímida enquanto eu olhava para, [...]”, aqui faltou dizer enquanto ela olhava para onde, ou o quê, ou para quem. 5) Acentuação. Algumas palavras como “o que”, quando vierem empregadas na interrogativa e ao final da frase seguidas do ponto de interrogação, devem ser acentuadas, como por exemplo, “o quê?”, “Quê?”. A mesma regra se aplica ao “por quê”, sendo a forma correta “por quê?”. Eu citei apenas alguns exemplos presentes no texto, existem alguns outros que não foram abordados, por isso recomendo uma revisão mais minuciosa da história caso decida optar por revê-la. Você pode contratar os serviços de um Beta Reader em Serviços de Autopublicação aqui do Inkspired para analisar os erros mais profundos ou se quiser, pode conferir o livro do Inkspired, chamado “Esquadrão da Revisão”, que dá algumas dicas de gramática e ortografia. Outro detalhe importante na história, como não há cenas de sexo, a classificação não recomendada para crianças menores de 13 anos está correta, porém no segundo capítulo dá a entender que a personagem quer perder a virgindade, portanto se realmente houver uma cena de sexo na história, a classificação obrigatoriamente terá que mudar para “não recomendada para menores de 18 anos”, além da recomendação do uso de tags, pois muitos leitores encontram histórias através das tags. Caso você estiver interessada em uma nova verificação, reiterando que ela não é obrigatória, após corrigir os erros em todos os capítulos, basta comentar aqui, que eu farei uma nova releitura. Tenha uma boa semana! :)
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 1 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión