Na sua estante Seguir historia

ariane-munhoz Ariane Munhoz

Hinata achou que havia realizado o seu maior sonho ao casar-se com Naruto e deixar tudo para trás. Mas descobriu-se apenas um bibelô em sua estante quando notou que o marido passava mais tempo longe de casa do que em sua presença. E talvez o casamento tivesse, de fato, sido o momento mais feliz de toda sua vida.


Fanfiction No para niños menores de 13. © Não copie

#desafiodosangst #Hinata #Naruto #NaruHina #FoiIssoQueMeDeram #FNS
Cuento corto
14
7.3mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Você me fez sangrar

Te vejo errando e isso não é pecado

Exceto quando faz outra pessoa sangrar

Estava tão feliz. Finalmente ele havia lhe reconhecido. Finalmente havia lhe enxergado. E ficariam juntos. Hinata estava exultante! O dia de seu casamento. O dia do casamento com Naruto.

E enquanto ele caminhava para o altar, nunca achou que seria tão feliz ou exultante. Enquanto ele dizia que sim, que ela era a pessoa com quem queria passar o resto da vida, nunca foi tão feliz.

Ela estava certa: nunca foi tão feliz como naquele momento. Nunca.

Te vejo sonhando e isso dá medo

Perdido num mundo que não dá pra entrar

Mas havia aquele sonho, o sonho sobre todas as coisas, o sonho que Hinata desejou apoiar com todas as forças: o de se tornar Hokage. Ela sabia como aquilo era importante para Naruto. Não apenas para que estivesse mais próximo do pai através do cargo, mas também porque ele acreditava que poderia mudar tudo o que havia visto de errado durante a guerra e todas as coisas antes dela.

E nesses momentos, quando estavam deitados, juntos, era tudo o que conseguia ver através de seus olhos: aquele sonho, o flutuar distante de sua alma para longe de si.

Um dia, Naruto havia lhe prometido que mudaria o clã Hyuuga. Mas no fim das contas, tudo o que havia feito era casar-se com ela. Poderia dizer que ele o fez desistir de sua posição quando foi sua própria escolha?

Não arrependia-se disso, no entanto, acreditava. Naruto mudaria aquela realidade. No dia em que se tornasse Hokage. Hinata só esperava não perdê-lo no processo.

Você está saindo da minha vida

E parece que vai demorar

Ele era um herói, aclamado para as missões mais perigosas, constantemente em movimento. E quando a notícia da primeira gravidez veio, Hinata precisou afastar-se de sua própria rotina como shinobi. Aquilo não foi um problema, é claro. Um filho! Teria uma criança de Naruto. Seu pequeno raio de sol.

Mas quando ele saiu por aquela porta para mais uma missão, antes que pudesse lhe contar a novidade, Hinata sentiu como se uma pequena rachadura começasse a tomar forma de algo maior. Será que Naruto se arrependia do casamento deles?

Se não souber voltar ao menos mande notícias

Mas os anos passaram, e aquela vozinha baixa em sua cabeça havia se tornado mais alta. Boruto mal via o pai. Suas primeiras palavras foram perguntando sobre ele. Na maioria das noites, Hinata acordava apenas sentindo os lençóis frios na cama, e nenhuma companhia. E quando Himawari nasceu, Hinata achou que as coisas melhorariam. Exceto que não melhoraram. Naruto era cada vez mais requisitado para missões, para acordos depois da guerra.

E então veio a notícia. A indicação para o cargo de Nanadaime Hokage já que Kakashi se aposentaria.

Ele estava exultante, e saiu para comemorar com os amigos, deixando-a em casa com as crianças.

Sozinha.

E Boruto a encarava, os olhos argutos e ligeiramente raivosos enquanto ela colocava Himawari na cama após a história que havia contado.

− Ele não vem de novo? – perguntou, mais perceptivo do que a maioria das pessoas. Mais perceptivo do que ela.

− Ele saiu para comemorar com os amigos, querido. A promoção para Hokage.

Boruto não disse nada, mas Hinata compreendeu. Naquela noite, esperou Naruto para conversarem.

Cê acha que eu sou louca

Mas tudo vai se encaixar

Naruto entrou silencioso na casa, não querendo despertar ninguém. Descalçou as sandálias e ia subir as escadas quando as luzes da cozinha se acenderam, chamando sua atenção para uma Hinata solitária.

− Precisamos conversar, Naruto-kun. – disse ela.

O shinobi aproximou-se, suspirando, um pouco embriagado.

− Não podemos deixar pra amanhã, Hinata-chan? – pediu, aproximando-se e depositando um beijo nos lábios dela. Hinata sentiu o gosto de álcool embrulhar seu estômago.

− Você se arrepende do nosso casamento?

Os olhos dele esboçaram surpresa.

− Claro que não, ‘te bayo! Quem colocou isso na sua cabeça? Eu amo você!

Mas está sempre ausente.

Hinata engoliu em seco.

− Boruto sempre pergunta do pai. Himawari... ela mal o vê, Naruto-kun. – Abaixou o rosto. – Gomene, mas sinto sua falta.

Naruto a abraçou.

− Agora vou ficar mais na vila. Teremos mais tempo juntos. – Beijou o topo de sua cabeça.

Hinata realmente queria acreditar naquelas palavras.

Tô aproveitando cada segundo

Antes que isso aqui vire uma tragédia

Mas as coisas apenas pioraram, as desculpas apenas mudaram. Sempre precisando ficar até tarde, sempre tendo um problema novo na vila ou fora dela para resolver. Viajando, não viajando. Hinata nem procurava mais saber.

Apenas cuidava dos filhos, vivia para eles, e via o prato de comida de Naruto sempre intocado no dia seguinte. Pois mesmo nos dias em que chegava mais cedo em casa, ia direto para cama.

E mal sabia como era tocá-lo depois de tanto tempo.

Mal sabia como era sentir-se amada.

E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo
Só você não viu

Até que simplesmente desistiu. Mesmo que permanecesse presente, estava ausente. Desistiu dos jantares em família, de perguntar sobre seu dia. Desistiu de tudo. Apenas continuava vivendo para ver Boruto e Himawari crescerem, mas a verdade é que não queria mais estar ali. Não estava mais ali.

− Simplesmente vá embora, nee-sama. – Hanabi dissera certo dia enquanto compartilhavam o almoço. – Você não deve nada a ele se ele não demonstra nada a você.

Hinata refletiu sobre esse conselho por muito tempo. Sobre tudo o que Naruto havia lhe prometido e não havia cumprido. E então compreendeu.

O tempo todo, ele havia estado preso na ideia utópica daquele genjutsu. De alguém que cuidasse dele e o amasse incondicionalmente. E quando finalmente alcançou isso, simplesmente não sabia lidar com a sensação, afogando-se no trabalho.

Mas ela decidiu que não esperaria mais. E, naquela noite, quando Naruto chegou em casa, tudo estava silencioso. Estranhamente silencioso.

Você tá sempre indo e vindo, tudo bem
Dessa vez eu já vesti minha armadura
E mesmo que nada funcione
Eu estarei de pé, de queixo erguido

− Não pode fazer isso, Hinata-chan. – disse ele, ao encontrá-la na mansão Hyuuga. – Não pode simplesmente ir embora e abandonar tudo o que temos! Tudo o que construímos!

− E você pode, Naruto-kun? – Era a primeira vez. A primeira vez que a ouvia levantar a voz, resoluta.

− Eu não...

− Todas as suas ausências, todos os dias em que não esteve presente ou que chegou cansado demais para jantar conosco. – pontuou. – Não preciso disso, Naruto-kun. Tenho minha família e minha própria vida. Não vou viver em função da sua.

− Hinata... – Tocou seu rosto. – Vou melhorar, eu prometo.

Ela o encarou nos olhos, azuis como o céu. Os olhos pelos quais havia se apaixonado perdidamente no passado. Não queria acreditar nele, mas seu coração se desmanchava...

− Mesmo. – Ele reforçou.

Seria a última vez.

Depois você me vê vermelha e acha graça
Mas eu não ficaria bem na sua estante
Tô aproveitando cada segundo
Antes que isso aqui vire uma tragédia

E, por um tempo, tudo ficou bem. Naruto era mais presente em casa. Delegava funções. Seus amigos até mesmo apareciam de vez em quando para jantares conjuntos. Sakura levou Sarada certa vez.

Ela e Boruto discutiram sobre alguma missão que iriam juntos em breve. Hinata se sentia verdadeiramente feliz ao ver o sorriso que Naruto dedicava a si.

E depois, quando ele lhe ajudou com as tarefas domésticas antes de subirem para fazer amor, se sentiu realizada.

Mas isso não durou muito e a rotina tornou a acontecer. No fundo, Hinata já sabia disso.

No fundo, sempre soube.

Só por hoje não quero mais te ver
Só por hoje não vou tomar minha dose de você
Cansei de chorar feridas que não se fecham
Não se curam (não)
E essa abstinência uma hora vai passar

Então ela partiu, levando Boruto e Himawari consigo. E, desta vez, quando Naruto bateu à sua porta, Hanabi o dispensou, dizendo que chamaria os guardas caso ele insistisse. Pois, mesmo sendo o Hokage, estava indo contra a vontade de alguém de seu clã—sua irmã.

Hinata se permitiu chorar naquela noite, sozinha em seu quarto.

Pelo menos naquela noite, não permitiria que ele a atingisse.

Pelo menos naquela noite, Hinata se permitiria respirar novamente.

E talvez, no dia seguinte, pudesse reaprender o significado de viver outra vez.


N/A:

Não aceito Naruto como o pai ausente que pintam ele em Boruto quando o cara sabe o que é crescer sem família.

Mas não fiz essa fic com esse intuito, apenas segui a letra da música e o desafio da Inial Lekim, onde o casal não deveria terminar junto :D

Espero que gostem, pessoal!

Beijos!


4 de Marzo de 2018 a las 23:13 6 Reporte Insertar 4
Fin

Conoce al autor

Ariane Munhoz Dona de mim, escritora, louca dos pássaros, veterinária e mãe dos Inuzuka. Já ouviram a palavra Shiba hoje?

Comenta algo

Publica!
Ellen Chrissie Ellen Chrissie
excelente história! também fico triste com as escolhas para o Naruto no anime do filho... fico revoltada com a falta de amor que ele demonstra com a família... e o pior, ao meu ver, é que é só com a família. ele tem tempo para todos... até para a filha dos amigos, mas não compareceu pessoalmente no aniversário da própria filha!!! não acho Boruto revoltado por reclamar da ausência paterna, acredito que é uma atitude normal... mas a Hinata tem que agir, assim como a sua fez, porém acho que não é algo que veremos.
5 de Marzo de 2018 a las 06:25

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    O triste, na real, é como pintaram ele depois de tudo que Naruto passou. Ele jamais seria um pai ausente, jamais abandonaria a família daquele jeito. Exato, ele parece ter tempo para todos, menos para a própria família. Eu não gosto muito da atitude de Boruto pra muitas coisas, mas entendo o lado dele. Pois é, eu queria que ela reagisse, mas duvido muito. O Japão ainda é muito machista. Beijos e obrigada pelo comentário lindo! 6 de Marzo de 2018 a las 15:00
Danielle Botelho Danielle Botelho
Linda 😭😭😭😭😭😭😭 Meu coração ficou nessa fic maravilhosa, Ariane. Eu amei demais. Ninguém merece passar por isso é pó de acreditar que eu entendo. Bjosssss Dani
4 de Marzo de 2018 a las 19:19

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Ahhh, fico feliz que uma amante tão ferrenha de NH tenha gostado apesar de toda a tristeza! Muito obrigada pelo lindo comentário, Dani! Eu entendo, e ninguém merece mesmo passar por isso. Beijos! 6 de Marzo de 2018 a las 15:00
Inial Lekim Inial Lekim
Eu adorei a forma com você retratou a música <3 Realmente, esse Naruto como pai ausente me irrita, ainda mais que não faz o menor sentido ele ser assim. Essa fic foi praticamente minha visão do que a Hinata deveria fazer, além de ter ficado bem condizente com a personalidade dela. Ficou incrível <3
4 de Marzo de 2018 a las 17:39

  • Ariane Munhoz Ariane Munhoz
    Eu fico feliz que você tenha gostado, Paty. Quando comecei a escrever eu fiquei com um pouco de receio, mas aí a história foi fluindo. Que bom que você curtiu! Obrigada por ler e comentar <3 4 de Marzo de 2018 a las 17:44
~