Sins - Ripshipping Seguir historia

taimatsu_kinjou Taimatsu Kinjou

Por você não me importaria de ser um pecador. 7 ones Ripshipping (Akefia e Ishizu) com base nos sete pecados. (escrito em 2016)


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18. © Kazuki Takahashi

#Thief King/Akefia #Ishizu Ishtar #yu gi oh! #ripshipping #comédia #fluffy #pecados #romance
2
6.7mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Ganância

Akefia é um cara ganancioso por natureza, e ele não tem vergonha de admitir, faz parte do seu ser querer o que não é seu. E seria embaraçoso se o Rei Ladrão não o fosse, não é mesmo? Ele se orgulha em dizer que sempre conseguiu o que deseja, o toma para si sem cerimônia ou meias palavras, porque é isso o que ladrões fazem, seja certo ou errado, ele é assim e nada vai muda-lo. Nem mesmo uma morena exigente e esquentada.

Mas, verdade seja dita, não apenas ladrões sofrem do mal da ganância, todo ser humano tem um pouco disso em sua essência, todos querem algo, fácil ou não de ser tomado. Alguns como ele desejam riquezas e bens, o que é fácil de se conseguir, com um estender de mão você o agarra e o toma para si. Por outro lado, há quem não deseja coisas tão mundanas e esses são os mais difíceis de se roubar, reconhecimento, o respeito e o afeito.

Sentimentos não podem ser roubados, não dá para segurar entre os dedos ou arrancar de uma pessoa, existem coisas que podem ser roubadas e outras que devem ser pedidas. Contudo também podem ser dados voluntariamente, o que não significa que são suficientes para alguém ganancioso. Akefia descobriu isso numa dessas noites, e não foi apenas isso, também viu a ganância e o egoísmo que residem dentro de Ishizu, escondidos por trás da sua atitude austera e bem disfarçados pelo olhar profundo.

— O que você está fazendo? – ele perguntou, curioso, suspirando na sensação dos lábios macios contra sua pele do peito e pescoço.

— Te marcando. – foi a resposta simples que ela lhe deu. Os lábios agora espalhavam beijos suaves por seu queixo e mandíbula, mas era o par de olhos que mantinham sua atenção, azuis como águas profundas.

Ele sorriu, algo mínimo, mas que não passou despercebido por ela que lhe sorriu de volta, soltando um som rouco no fundo da garganta deixou os dedos se enroscarem e deslizarem pelos cabelos negros desarrumados. Ela fica bonita assim, com a aparência leve e natural – E posso saber por quê?

A pergunta a fez parar por um momento contemplando uma resposta que achasse satisfatória, por fim piscou lentamente – Porque você me pertence.

— E quem disse? – provocou, seu sorriso se arregalou para algo mais evidente, era um pensamento egoísta e possessivo, mas ele não se importava.

Eu disse. – ela respondeu, presunçosa, lhe dando aquele olhar que o desafiava a discordar.

Akefia riu e o som reverberou pelo corpo dela, a fazendo soltar o peso sobre ele e suspirar. Uma mão grande envolveu o pescoço delgado, a puxando para baixo até que seus lábios se tocassem, enquanto o braço envolvia o corpo quente, a colando contra seu peito até que fosse capaz de sentir a ondulação dos músculos suaves.

Eles se beijaram, lento e sem malicia, apenas desfrutando o momento, ela soltava pequenos gemidos e ele a acompanhava com grunhidos, aprovando os ruídos dela. Só se separaram quando os pulmões queimavam buscando ar.

— Eu quero você. – ela sussurrou, os lábios inchados e úmidos pairando sobre os dele de forma tentadora.

— Você já me tem, não acha? – retrucou erguendo as sobrancelhas em sugestão.

Sem esforço ela se desvencilhou e se ergueu usando o colchão de apoio, seus cabelos caiam em cascata ao redor deles, como uma cortina negra que os separava do resto do mundo. Ele a olhou com fascínio, preso nos profundos olhos azuis que o desarmavam.

— Não é o suficiente. Quero mais. Quero tudo. – ela diz, uma mão delicada pousa sobre o peito largo, sentindo os batimentos ritmados – Eu quero isto.

Ah, ali estava toda a ganância dela se mostrando, pensou com um sorriso e a puxou para baixo novamente, sentindo falta do calor extra dela – Tão ingênua Ishizu. Você já o tem à sua mercê. – disse numa voz baixa e rouca antes de beijá-la.

26 de Febrero de 2018 a las 04:03 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo Ira

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 6 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión