guilherme-balarin1674159026 Guilherme Balarin

Durante a pandemia de 2020, uma mulher visita os pais em isolamento.


Cuento No para niños menores de 13.

#café #família #pandemia #isolamento #quarentena
Cuento corto
2
4.9mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Disparates em quarentena

O primeiro disparate foi quando disseram a Dona Chica que o mundo estava imobilizado, pessoas isoladas, desoladas, assoladas por uma pandemia. As pessoas deveriam ficar em casa. Ninguém poderia sair a não ser para utilizar os serviços essenciais, como supermercados e farmácias.


— Nada de novo. Já faz um tempo que minha vida está sendo de casa pro mercadinho, do mercadinho pra farmácia e da farmácia pra casa outra vez. — desdenhava Dona Chica, julgando impossível acontecer tamanho milagre. — Imaginem! Não ter que cruzar com aquela velha chata da Carmela da rua de cima, que bença!


— Mãe! — Renata ria lá da cozinha. — Coitada da Dona Carmela!


— É verdade! Ela e aquele bando de velhas desocupadas.


— A senhora que está virando uma velha chata. — Renata veio, ainda rindo, trazendo uma bandeja com três xícaras de chá. Entregou a primeira para sua mãe. Antes de entregar a segunda, fez um carinho na cabeça do pai, Seu Arnolfo.


— Pai. — Renata ajeitou a gola da camisa de Arnolfo e percebeu que ele não acordaria tão facilmente. Deixou estar. Colocou a bandeja na mesinha de centro, pegou sua xícara e sentou-se no sofá ao lado da mãe.


— Me passa o açúcar... — Dona Chica envergou-se para a frente esperando que a filha a servisse.


A tarde esticava-se com o horizonte abarrotado de nuvens em tons de vermelho e grená. Em pontos distintos a luz do sol descia em fachos e um deles passava pela janela da sala formando um pequeno arco-íris no chão. Aquele silêncio, aquela preguiça, fazia parecer que era um domingo, embora estivessem em plena quarta-feira. Foi dentro daquele sentimento de tempo arrastado que veio o segundo disparate. A campainha soou alto pela casa, fazendo com que Seu Arnolfo acordasse. As mulheres levaram um susto mais com o grito de Arnolfo do que com a campainha.


— Benzadeus! — Gritou o velho.


— Eu falei pra ele arrumar o volume da campainha, mas ele ouviu? Não, senhor! — Enraiveceu-se Dona Chica.


Renata, ignorando a briga dos pais, pousou sua xícara na mesinha e levantou-se. Então ouviram um grito que rasgava toda aquela calmaria da rua.


— Francisca! — Dona Carmela esgoelava-se no portãozinho de entrada.


Os três na sala ficaram imóveis, em silêncio, esperando que Carmela fosse embora.

Parecia um efeito dominó do caos. Os cachorros da rua começaram a latir. O bebê do vizinho começou a chorar. Dona Carmela gritou novamente.


— Francisca, tá em casa?


Renata e Dona Chica foram até a janela da sala, escondidas pela cortina, espiar Dona Carmela.


— Meu Deus, que velha chata. — revoltou-se Renata.


— Ah, coitada da Dona Carmela. — Francisca zombou.


— O que será que ela quer, mãe?


— Encher o saco, isso sim!


Esperaram um minuto ou dois, observando a velha Carmela gritando no portão. Então, do mesmo jeito que a gritaria começou, o silêncio voltou à rua. Carmela foi embora. Os cachorros não latiam mais. O bebê do vizinho parou de chorar.


— Amém! — Dona Chica soltou aliviada.


— Mãe, cadê o pai?


O terceiro disparate veio pouco depois que Dona Carmela foi embora. Os cachorros do vizinho de trás começaram a fazer alarde. Mãe e filha foram rápido até o fundo da casa e viram a escadinha de alumínio de Seu Arnolfo apoiada sobre o muro e a cabecinha do velho desaparecendo atrás do muro.


— Puta que o pariu! Vai ser teimoso assim lá na China! — Esgoelou-se Renata, acordando o bebê do vizinho e irritando os cachorros da rua.

24 de Enero de 2023 a las 14:40 2 Reporte Insertar Seguir historia
1
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~