Cuento corto
14
6.8mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

...

Chuva caindo

Olhos se esvaindo

Na madrugada

Que não acaba

Nuvens escuras

O céu acumula

Tal qual o tormento

Por dentro

A azul desaparece

A angústia cresce

Distante, cada trovão

Encobre a pulsação

Desta decomposição

Chamada coração

Erros cometidos

(Nada faz sentido)

Pessoas perdidas

(Incompreendidas)

(Feridas)

(Falecidas)

Percursos errados

(Desastres anunciados)

Tão pouco obtido

Ao longo do caminho...

(Sozinho)

Assim, resumidos,

Pesos imbutidos

No resto da alma:

Submersa, náufraga

No escorrer da lágrima

Nos gritos

(Suprimidos)

No som da chuva

Tão fria, tão pura

Desabando

(Me imitando)

Feito pranto

(Dói tanto...)

No meu corpo

Tão quente, tão morto...

Pensamentos

Sentimentos

Amálgama violento

Como o firmamento

Força da Natureza

Que vomita e pragueja

Assim como a consciência

(Inclemência)

Espiral descendente

Inclemente

Como a tempestade

E a saudade

E a infelicidade

(E a verdade)

Tudo fustigando

Transbordando

O que carrego

(Renego)

Como a sujeira da rua

E a que me inunda...

Que pena

Que o problema

É que cessa a chuva

Mas o Inferno continua

Como diria qualquer padre

"Até que a Morte os separe"...

7 de Mayo de 2021 a las 05:31 0 Reporte Insertar Seguir historia
17
Fin

Conoce al autor

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~