dracula amy 高

De tantas preocupações que poderia ter o deus do Submundo, a que mais lhe afligia era se afinal ele seria ou não digno do amor de Perséfone, e ele não media esforços para mostrar-lhe toda sua afeição.


Cuento No para niños menores de 13.

#conto #romance #perséfone #hades #mitologia-grega #zeuspaidetodos
Cuento corto
11
8.0mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Roseiral

Desde que Perséfone pisou seus pés descalços no Submundo e inalou o ar pútrido do Tártaro pela primeira vez, Hades viu-se como alguém completamente diferente. A presença da deusa no mundo inferior coloria a atmosfera cinzenta e trazia uma indescritível leveza que consumia o deus dos mortos tanto quanto a paixão abrasadora que o fizera romper com os limites para fazer de Perséfone sua senhora.


Para ele, o amor até então era desconhecido. Estava longe de amar seus irmãos, quem dirá os mortais que o aborreciam com seus lamentares enquanto suas almas se arrastavam pelo Campo de Asfódelos, quando não julgadas a toda uma eternidade de torturas no Tártaro. Particularmente, não tinha tempo para heróis e suas ladainhas; nutria certo desprezo por aqueles que gozavam de uma boa vida pós-morte nos Elísios. Em suma, nada conseguia agradar o deus dos mortos. No entanto… qual fora sua surpresa quando pôs os olhos sobre tão frágil e delicada criatura, cuja beleza arrebatadora fazia inveja à própria Afrodite.


Hades jamais desejou uma mulher como desejava Perséfone. Ele gostaria que as coisas houvessem tomado rumos diferentes, tanto que fora pessoalmente conversar com Deméter para pedir-lhe a mão da filha. A resposta, obviamente, fora uma negativa regada de escárnio. Como alguém feito ele poderia ousar pensar na possibilidade de se casar com Perséfone? Deméter ficou ultrajada; a mísera ideia de perder sua adorada filha para qualquer outro homem provocava o mesmo sentimento, mas Hades, de todos eles...?


Enfurecido, ele não se contentou com a recusa. Àquela altura, mal conseguia passar um dia sem esgueirar-se pelas sombras e observar Perséfone de longe, completamente fascinado e entregue à deusa que sequer suspeitava de sua presença ali, quem dirá do quão era fervorosamente devoto a si.


Passadas longas tardes observando-as nos campos, retornar sozinho ao Submundo tornava-se cada vez mais excruciante, como se o ar fosse roubado de seus pulmões e lentamente sufocasse até ser agraciado com um novo sopro de vida quando voltava a admirar-lhe. Hades não mais podia permitir que seus dias se arrastassem assim, e num impulso embriagado de paixão retornou ao mundo dos mortos com a jovem Perséfone presa em seus braços.


Aquela não era exatamente a melhor forma de dizer-lhe o quanto a amava.

Tamanho fora o choque para Perséfone quando se viu diante do temido Hades, soberano dos mortos. Então era assim que a vida terminava? Em um minuto estava a colher narcisos e acariciar as pétalas macias das flores, noutro estava sendo arrastada até o mundo inferior enquanto seus gritos e lamentos eram ignorados por todos à sua volta.


Pôs-se a chorar copiosamente aos pés do deus, implorando para que ele a deixasse retornar quando não jogando sobre ele uma avalanche de perguntas em tom aturdido. Sobretudo, se repetia o inevitável: por que estava fazendo aquilo com ela, que sequer o conhecia ou lhe afligiu algum mal? Mas Hades era irredutível, seu olhar frio e distante fazia com que arrepios descessem pela espinha de jovem deusa. Ao fim, ele apenas lhe estendia uma romã e a observava em silêncio.


Perséfone havia perdido a noção de tempo, seu estômago estava embrulhado com o cheiro pútrido e carregado no ar denso do Submundo, mas ao que pareceu uma eternidade continuou a implorar para Hades; em certo ponto, seus pedidos eram um emaranhado incoerente de frases e soluços. Até que enfim, aceitou a romã vermelho-vivo e viu o mínimo dos sorrisos iluminar o rosto do deus, o que inconscientemente a fez espelhar o gesto. Sentiu água na boca ao pegar uma única semente, brincando com ela entre os dedos antes de levá-la aos lábios e engolir de uma só vez; o mal estava feito.


Não tinha mais lágrimas para despejar quando compreendeu os significados que se escondiam naquele simples gesto: bastou uma única semente para que fosse firmado o matrimônio que lhe prenderia a Hades por toda a eternidade.

O coração do deus do Submundo se despedaçou ao encarar os olhos inchados da deusa, a expressão dantes tão vívida e alegre agora era pálida e assustada. Tentou consolar a fragilizada Perséfone, mas foi repelido. Afinal, havia conseguido o que queria, mas a que custo?


Dali em diante, Hades não poupou esforços para mostrar à sua amada o quão a adorava. Não havia segredo dele que não fosse do conhecimento de Perséfone, não havia sentimentos que lhe tiravam o sono dos quais ela não soubesse, mesmo os mais íntimos trancafiados em si há tanto; enigmas para o próprio Hades. Ele até mesmo confessou sua tentativa falha de uma proposta adequada de casamento e dos dias gastos admirando-a à distância, e Perséfone sentiu pena do tom derrotado e envergonhado de sua narrativa.


Gradativamente, a deusa passava a lhe consolar e o tinha igualmente como confidente, se culpando por fazê-lo justamente com o homem que roubou sua liberdade. Chegou a pensar ter enlouquecido quando sentiu o mínimo afeto brotar em seu peito… dona do coração puro que tinha, era incapaz de odiá-lo. E como poderia quando ele havia desabrochado para ela feito as flores que se abriam ao seu toque?


Mesmo quando retornava ao Olimpo e ali permanecia por algum tempo, sendo envenenada pelas inverdades dos outros deuses que tentavam a todo custo fazê-la desprezar Hades, ansiava pelo dia em que poderia voltar ao Submundo e usufruir de companhia do deus.


Perséfone não mais odiava sua estadia no mundo inferior, estava habituada a viver nos domínios de Hades, se agradava de sua companhia e sinceridade, e até mesmo criaturas monstruosas que outrora a deixariam trêmula de medo mostraram-se bons companheiros.


— Eu só tenho duas mãos — choramingava com os braços doloridos enquanto as três cabeças de Cérbero continuavam disputando suas carícias nas longas tardes em que se dispunha a brincar com o enorme cão.


Percebeu enfim a natureza dos próprios sentimentos quando foi capaz de se opor a própria mãe em favor de Hades, um escândalo que Hermes fez questão de espalhar para os sete ventos.


De início, tentava negar a possibilidade de estar apaixonada. De tantos homens que poderia ter se assim desejasse, tinha de amar justamente o que a tinha raptado? Convencia-se de que o que sentia por Hades nada mais era do que um amor fraternal por todo o cuidado que ele tivera com ela, de que havia se apiedado de todos os infortúnios que sobreviram àquela pobre alma. Mas Eros já havia feito seu trabalho, e não adiantava pestanejar: estava apaixonada por Hades, seu peito borbulhava quando junto dele e flores brotavam incontrolavelmente em meio aos seus dedos.


Foi acometida pela culpa e a vergonha, mas não conseguia repelir aquela paixão, tão mais quando presenciava Hades sendo adorável demais para um deus cuja fama dizia justamente o oposto; a ideia de que despertava aquela versão dele a deixava com borboletas no estômago e um sorriso bobo preso nos lábios.


Certa vez, Perséfone caminhava distraidamente pelos corredores de pedra fria do palácio de Hades quando ouviu uma série de resmungos incoerentes e não foi capaz de conter a curiosidade, seguindo os sons até alcançar um portal que se abria em meio a parede, revelando um jardim de inverno. No entanto, a grama sob seus pés estava seca e amarelada, e das paredes e arbustos brotavam grossos espinhos escurecidos que se retorciam uns sobre os outros. Em meio aquele caos estava prostrado Hades, esbravejando para o nada.


— Meu senhor? — chamou em seu tom melodioso, ao que ele se virou para ela com os olhos arregalados, sinalizando para que ela entrasse. — O que faz aqui sozinho?


— Bem… — Hades limpou a garganta, visivelmente constrangido enquanto sua face tomava uma cor vermelha vibrante feito a de uma romã. — Ora, eu estive… na verdade… eu… — as frases morriam antes que ele pudesse completá-las, e enfim admitiu suas intenções com os ombros baixos e uma expressão de pura derrota — estava tentando fazer um jardim para você.


Os olhos de Perséfone se iluminaram, e um sorriso largo de doer as bochechas se apossou de seus lábios. Contudo, nem mesmo seus ânimos foram capazes de infectar Hades.


— É claro, não deveria ser um jardim de espinhos — ele gesticulou com veemência para os arredores, claramente desapontado. — Mas parece que fazer brotar flores está longe de ser uma de minhas capacidades. Espero que me perdoe por isso, minha senhora.


Perséfone balançou a cabeça, gentilmente acariciando a face do marido que se inclinou para o seu toque. Não seria a primeira vez em que Hades lhe presenteava sem motivo aparente, mas as décadas de convivência a fizeram conhecê-lo muito bem, sobretudo as inseguranças que se escondiam por detrás dos mimos; Hades não se achava digno do amor de Perséfone.


— Não vejo razão para se desculpar. Você fez um ótimo trabalho — ele a encarou, confuso.


Ainda sustentando o sorriso que fazia com que Hades sentisse as pernas fraquejarem, Perséfone tomou uma de suas mãos entre a sua, guiando-as para dentro dos espinhos. O deus dos mortos não protestou, mesmo que temesse que ela se machucasse, e não desviou os olhos do semblante calmo de sua esposa enquanto ela voltava a falar:


— Às vezes, temos de enfrentar os espinhos que se colocam diante de nós... — começou, fechando os dedos sobre os deles e lentamente trazendo as mãos de volta. Hades sentiu os espinhos arranharem sua túnica e trincou os dentes quando se revelaram pequenos cortes nos braços desnudos de Perséfone — para conseguirmos aquilo que desejamos.


Estava prestes a protestar quando sentiu algo formigar em sua pele, baixando os olhos para suas mãos enquanto Perséfone o soltava. Com uma sobrancelha arqueada, o ar ficou preso à garganta de Hades quando afastou os dedos e viu um pequeno broto em sua palma, que tão logo desabrochou em uma grande flor branca e macia. Boquiaberto, olhou de volta para Perséfone, cujo sorriso travesso e olhar terno o deixavam ainda mais embasbacado, e as palavras escaparam de sua boca sem que percebesse:

— O que eu faria sem você? — e mesmo antes de terminar sua fala, ao seu redor começavam a nascer em meio aos espinhos as mesma flores, de tons que iam do vermelho ao branco.

25 de Noviembre de 2020 a las 14:56 24 Reporte Insertar Seguir historia
15
Fin

Conoce al autor

amy 高 𝐃 𝐀𝐍 𝐒 𝐄 ⠀𝐌 𝐀 𝐂 𝐀 𝐁 𝐑 𝐄 ⠀ 🐉 ⠀ intp . sonserina . emo & gay

Comenta algo

Publica!
Cristiene Carvalho Cristiene Carvalho
E assim temos o nascimentos das primeiras rosas... Que história mais linda!
March 28, 2021, 21:51

  • amy 高 amy 高
    Aaaa! Acredita que eu nem tinha pensado nisso? Muito obrigada pelo seu comentário, Cris. (ノ*゜▽゜*) April 22, 2021, 12:03
Anne Claksa Anne Claksa
Olá! A cada releitura fico mais encantada por esse casal. E esse conto mostra que o amor pode mudar alguém, Hades não conhecia o amor, nem sabia seu significado, vivia aborrecido com almas do mundo inferior e entediado com os relatos de heróis, mas, quando pôs os olhos em Perséfone, o amor lhe tomou e faria de tudo para agrada-la e ter o seu amor, mudou seu jeito, até arriscou a fazer um jardim para ela. Quando poderíamos imaginar, Hades fazendo um jardim? E Perséfone, soube o que é a expressão "Não se pode mandar no coração". Hades a raptou, tirou a sua liberdade, fez se casar com ele, ela sentiria desprezo por ele e não via a hora de sua tão sonhada liberdade chegar. Mas, com o tempo de convivência com ele, um sentimento nasceu e Perséfone passou a compreende-lo e se apaixonou por Hades. Ela nunca poderia imaginar que se apaixonaria pelo homem que a raptou, mas, aconteceu. Tanto que ela nem se importava com que os outros deuses falavam de Hades, para faze-la o odiar, só ela conhecia Hades e só ela sabe o quanto o deus mudou por causa dela. Perséfone até ajudou Hades com o jardim, transformou o emaranhado de espinho, em um belo jardim com flores de todas as cores. Um precisava do outro para fazer o amor desabrochar entre eles. Parabéns pelo conto! Até a próxima!!!
March 25, 2021, 16:36

  • amy 高 amy 高
    Olá, Anne! ~ヾ(^∇^) Antes de mais nada, muito obrigada pelo seu comentário! E mil desculpas pela demora pra respondê-lo; meus dias vem sendo bem caóticos. Hades é um dos meus deuses favoritos da mitologia grega: se você for parar para analisar, ele é o menos problemático entre seus irmãos, por mais que seja rabugentinho, além de ser super apaixonado e devoto à sua esposa, motivo pelo qual eu quis escrever essa história e dar uma nova versão ao rapto de Perséfone. Hoje, eu penso que poderia ter acrescentado muitos detalhes aqui e acolá que apenas reforçariam suas observações quanto aos dois lados desse amor, mas acredito que, por mais que estes pormenores não estejam presentes, ainda é possível identificar como tudo se deu. E eu amei sua consideração final!!! Quase escorreu uma lágrima aqui, heheheh. Muito obrigada, de coração. ♡ April 22, 2021, 12:07
Alexis Rodrigues Alexis Rodrigues
esse é um dos casais mitológicos que eu mais shippo, mas as formas como o rapto de Perséfone são contadas tornam impossível não se indignar, mesmo que um pouco, com Hades. aqui você recontou o mito do rapto de uma forma muito mais aceitável que o ''canônico'' da mitologia, de forma que, mesmo com a forma errada como ele finalmente conseguiu a companhia daquela que roubou seu coração, nós ainda torcemos por ele, pois ele não se forçou sobre ela ou impôs nenhuma vontade além de a ter por perto. como shipper deles dois, digo com toda a certeza do meu coraçãozinho que essa foi a melhor releitura do mito do rapto e eu AMEI <3
March 19, 2021, 05:35

  • amy 高 amy 高
    Oi, Alexis! ♡ Demorei, mas finalmente apareci pra responder o teu comentário. KJDWKAJF Eu repudio MUITO a parte do sequestro, e escrever essa história foi um verdadeiro desafio, e eu fiquei encolhida no cantinho com medo de receber pedrada por estar romantizando algo que não devia, admito, por mais que jamais tive essa intenção. E receber comentários como os seus me faz perceber que eu consegui modificar a essência da história verdadeira, evidenciando que Hades não tinha nenhuma intenção maldosa com o rapto. Muito obrigada pelo seu comentário! Sua presença aqui fez meu dia. (*・▽・*) April 22, 2021, 12:02
Estella Monteiro Estella Monteiro
Hades sem saber lidar com seu amor e sequestrando Perséfone e a atando em um matrimônio sem sua real permissão, isso parece uma premissa fadada a um desastre, mas não! Você romantiza tão perfeitamente e trabalho sob pontos que eu simpatizo muito; que um erro ou um começo errado não deve privar alguém de perdão, mudanças e amor. Esse começo do relacionamento, foi mesmo como a floresta de espinhos, mas o tempo e o bom coração dela foi captando o lado bom. Acho que Hades é como um cacto selvagem, belo e assustador, mas puro e valoroso em sua essência. Excelente uso de palavras e desenvolvimento maravilhoso. Parabéns!
December 02, 2020, 12:12

  • amy 高 amy 高
    Olá, Estella! Muito obrigada por ler e deixar registrado seu comentário. Meu coração ficou quentinho sabendo que consegui dosar bem a história, e concordo demais com a parte sobre Hades; sou suspeita demais por falar, sendo ele um dos meus deuses favoritos, se não o favorito. kdsajkfjwa Um abraço. ♡ December 02, 2020, 12:53
Urutake Hime Urutake Hime
Olá! Atrasei um pouquinho, mas como eu disse antes: sou igualmente apaixonada por esse casal problemático. Eu sinto admiração por Hades e todo este amor que ele tem por Perséfone, acho que ele é um dos poucos deuses que nunca se envolveu com outra pessoa e é totalmente dedicado a esposa tanto quanto é dedicado ao submundo. E essa dedicação toda foi muito bem expressa na sua história, que deixou o meu coração bem quentinho, principalmente com a Perséfone admitindo que também ama o marido. A cena final, do jardim de espinhos, foi linda e acredito que ilustra bem a própria imagem do casal: Hades como os espinhos e a Perséfone como as flores, coexistindo em harmonia. Foi muito bem escrita e estruturada, mesmo que tenha sido uma participação simbólica, valeu a pena e agradeço por ter trazido algo deste casal ♥
November 26, 2020, 23:06

  • amy 高 amy 高
    Oi, Hime! Tudo bem, a bonita aqui atrasou pra responder também- KJDKAJW Mil perdões. Sim!!! Hades é um exemplo de marido se equiparado a Zeus /cof/ além de ser um denguinho de personagem. As pessoas costumam ver Hades como um deus maligno, vilanesco, etc por cuidar do Submundo e viver ali, etc etc, mas na real ele é um dos deuses mas compreensivos e amorosos no meio da mitologia grega. Se já errou, eu passei pano com gosto. KJDKAJF Ai, o paralelo que você fez foi perfeito. ♡ Muito obrigada pelo seu comentário!!! November 29, 2020, 14:09
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Olá, Amy! Antes de qualquer coisa, gostaria de agradecer a você pela sua dedicação e carinho para com este desafio e, sobretudo, para com a embaixada e com o time de Conteúdo. Temos nossas vidas pessoais, temos nossos afazeres, que muitas vezes possuem maior prioridade, e ainda assim você está sempre presente, sempre se mostrando compromissada e pronta para fazer a diferença. E saiba que você faz, não apenas no time e na embaixada, como também na minha vida. Mas agora vamos ao seu conto, não é mesmo! Jardim de Espinhos já mostra na sinopse a que veio: para arrebatar nossos corações e mostrar que o deus do Submundo também é capaz de amar. E, olha, a mensagem ficou gravada no meu peito do início ao fim da história e tenho certeza de que não fui a única afetada pelos sentimentos do deus. Quando Perséfone foi raptada por ele, logo imaginei que isso não traria coisa boa. Pensei que ele ficaria impaciente ao extremo ao perceber que ela estava confusa, com medo e que a última coisa que queria era permanecer ao lado dele. Ledo engano! Hades foi companheiro, paciente e fez de tudo para chamar a atenção de Perséfone de uma forma positiva. Ele abriu mão de sua rudeza, de sua altivez e orgulho, tudo para tentar conquistar o coração dela e mostrar que o que sente não é apenas luxúria. O amor da deusa para com Hades também evoluiu em um ritmo muito gostoso. Na verdade, a mim ficou nítida a desconfiança dela para com ele durante um período, o que era de se esperar, mas ela também não foi imatura a ponto de rejeitá-lo de todas as formas antes de compreender toda a situação pela qual ele estava tendo de passar ao ter de lidar com as consequências dos atos prematuros dele. Acredito até que ela talvez tenha conseguido enxergar o medo de rejeição nos olhos dele. Porque, apesar de esse medo não ter ficado latente no texto, foi nítido para mim, como leitora. Hades estava se entregando sem reservas e isso é assustador para qualquer mortal, imagine só para o deus do Submundo. Como uma deusa em posição não muito diferente da dele, ela com certeza deve ter percebido a implicância de tamanha devoção e entrega. Claro, você já deve saber à esta altura, mas é sempre bom explicitar: para mim, o ponto alto da história foi o jardim secreto que Hades. A delicadeza desse ato derreteu meu coração, me envolveu de uma maneira impressionante e a única coisa que eu queria era mais desta narrativa tão leve e cativante. Acredito eu que o sentimento de Perséfone ao ver o que ele preparou, ou ao menos tentou tão fortemente preparar, deve ter sido avassalador. Ela, até então, continuava resguardada apesar de já compreender também ter sentimentos por ele, mas resolveu fazer daquele momento o perfeito para demonstrar o que estava em seu peito. Obrigada por essa história, que sei que foi feita com muito amor e carinho. Obrigada por sua parceria, sua dedicação e por ser quem você é. Muito sucesso com suas histórias e com os desafios que estão por vir na embaixada — e que espero poder enfrentar ao seu lado. Abraços!
November 26, 2020, 19:45

  • amy 高 amy 高
    Oi, dona Karimy! Antes de mais nada, eu nem sei o que dizer ou qual seria a maneira mais correta de responder esse comentário. KDJAKFWJIFWA- Desde que recebi fiquei como? Chocadíssima em Paris e com os olhinhos cheios d'água. Mas antes de qualquer outra coisa, tenho que te agradecer imensamente por toda a parceria desde que fui efetivada na embaixada; aliás, só o dia da entrevista já foi um baita amorzão e eu estava radiante conversando contigo. Enfim, deixa eu pontuar o final desse momento de nostalgia e agradecer por todas as suas considerações da história. É muito bom pra mim ler um comentário super detalhado que me faz ver que consegui passar aquilo que queria com o queria, e mesmo num capítulo único desenvolver meus bebês problemáticos. K Ainda assim é inegável: melhor casal da mitologia grega, Hades o melhor e mais dedicado marido. You can't change my mind. Muito muito muito muito obrigada por esse comentário! Obrigada por sua parceria nesse desafio, por ser essa coordenadora maravilhosa e fazer dos meus dias na Embaixada mais divertidos. Um beijo do seu Drogonzinho. ♡ November 29, 2020, 14:05
 Silva Silva
Considero Hades um personagem injustiçado, ou no mínimo mal compreendido. Seu conto ressalta as qualidades do senhor do Tártaro de maneira bela e ao mesmo tempo suave. Gostei bastante da sua narrativa bem como a dinâmica dele com a Perséfone :') O diálogo sobre enfrentar espinhos foi uma das minhas passagens favoritas do conto. Parabéns!
November 26, 2020, 17:16

  • amy 高 amy 高
    Oi, Silva! Muito obrigada pelo seu comentário. ♡ Realmente, eu também acho o Hades injustiçado; provavelmente porque eu sou apaixonada por personagens com a pegada de vilão. dskajkfw Sou suspeita por falar, mas esse diálogo é meu amorzinho. Foi a motivação da ideia como um todo. Muito obrigada novamente e um abraço! :D November 26, 2020, 18:00
A Louca dos Cavalos A Louca dos Cavalos
Oiee ♥ Aparecendo no seu conto ♥ Se até Hades consegue se apaixonar, talvez até os mais frios também tenham seus sentimentos. Realmente Afrodite tem inveja de Perséfone ♥ PQP HADES! To achando fofo ele calado o tempo todo e quando ela fica exausta ele oferece uma romã delicadamente, ainda limpando a fruta com a veste para ficar brilhosa. To falando que esse conto vai fazer eu shippar. Seria Hades um injustiçado? Geralmente me compadeço com esses tipos de personagens. Cérbero ♥ Magine, quem não queria fazer carinho nesse nenem ♥ Eu sinceramente acho que é possível se apaixonar quando a pessoa que sequestrou não machucou nem feriu a vítima de outras maneiras e se após consentido, deixa-la livre novamente mesmo em casamento ou namoro. VOCÊ PERCEBE QUE A AUTORA CUMPRIU COM SEU PROPÓSITO DE SHIPP QUANDO FAZ A GENTE AMAR A IDEIA DELE TER TENTADO CRIAR UM JARDIM PRA ELA ♥ ANWWWWW! Que coisa mais linda ♥ Achei lindo e maravilhoso esse conto ♥ É isso que você queria? Conseguiu, satisfeita? ♥ Amei mesmo ler e acompanhar o conto. Foi uma leitura deliciosa e sempre a sensação de expectativas a cada paragráfo ♥ Parabéns ♥ Bjss de cavalinhos ♥
November 26, 2020, 05:10

  • amy 高 amy 高
    Aaah, satisfação aspira de ler esse comentário! Muito obrigada. 💛 E bom, se tem mais alguém shippando Hades e Perséfone minha missão nesse site já foi cumprida. dhaushafu Muito muito muito obrigada pelo seu comentário! E beijos de cavalinhos pra você também. November 26, 2020, 16:35
Marianna Ramalho Marianna Ramalho
Ok, eu li do começo ao fim com um sorriso bobo na cara. Que história perfeita <3 Não sei nem o que dizer. Ver Hades nessa aura apaixonada e romântica foi a melhor coisa do meu dia, e sua escrita é muito gostosa de ler. Beijos :*
November 26, 2020, 02:51

  • amy 高 amy 高
    Muito obrigada, Jupiter! 🥺 Que incrível saber que você leu com esse sorriso; era justamente o sentimento que eu queria despertar. November 26, 2020, 16:32
Gabriel Amaro Gabriel Amaro
Olha, que o casal é problemático todo mundo já sabe, mas eu vou ter que confessar que sua escrita transformou esse casamento em algo bem fofo de se acompanhar. Mesmo sem costume de apreciar romances, adorei ler seu conto e achei esse final muito perfeito. Parabéns pela história e pelo Hades bobinho de amor!!
November 25, 2020, 23:26

  • amy 高 amy 高
    Olha, pra Hades e Perséfone eu fico só o meme do Pica-Pau passando pano. Ai ai... esse meu casalzinho. 😇 Muito obrigada!! Fico contente em saber que gostou; e um elogio desses vindo de um escritor que eu admiro, meu coraçãozinho explode. November 26, 2020, 16:24
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Filhinha, que orgulho! Meu coração ficou tão quentinho com esta história, você nem faz ideia. Eu adorei ver o Hades desse jeito derretido e o mais legal de tudo é que mesmo com esse jeito fofo ele ainda continuou sendo o mesmo de sempre no que diz respeito a outros assuntos e a Perséfone claramente escolheu o amar ainda assim. Essa parte final foi a cereja do bolo, viu. Lindo demais <3
November 25, 2020, 19:10

  • amy 高 amy 高
    Ai, que bom! 🥺🥺🥺 Depois daquela pornochanchada que eu te fiz ler, nada mais justo do que te deixar de coração quentinho com meu casal problemático favorito. dkajskajfwi Muito muito muito obrigada, mamis. ♡ November 25, 2020, 19:31
Isís Marchetti Isís Marchetti
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH! Ainda bem que você postou, porque eu amei demais! Fiquei encantada do começo ao fim. Abraços.
November 25, 2020, 15:52

  • amy 高 amy 高
    Não me diga mentirinhas, dói demais. 😔 KJDSAKFJ Obrigada, Isís!!! Que bom que gostou. sz November 25, 2020, 15:59
~