dracula amy 高

𝐕𝐀𝐋𝐊𝐘𝐎𝐍 x OC ☀️ Apesar do triunfo do Sacrifício Branco, o coração de Celeste se dilacerou com a perda de seu amado Valkyon. Percebendo a melancolia da sacerdotisa, o espírito de Fáfnir lhe faz uma proposta.


Fanfiction Juegos Todo público.

#romance #fantasia #drama #concurso #conto #eldarya #valkyon #beemov #leão-do-amanhecer
Cuento corto
2
2.6mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

A primavera que se faz em oposto ao inverno que me consome

Este conto foi escrito com base na proposta do concurso "Um último adeus", postado no fórum de Eldarya, onde os participantes deveriam escrever uma carta de despedida ao seu paquera no game; uma vez que haveria uma nova temporada e sofremos diversas perdas ao fim da primeira. Como meu escrito ultrapassou os limites impostos pelo concurso e não consegui reduzir, acabei não participando de forma oficial, mas postei Ad Astra Per Aspera para eternizar a memória do meu querido Valkyon.


No universo desta história, é o Valkyon quem se sacrifica em prol de toda Eldarya. A personagem que lhe escreve, Celeste, tem uma história própria, Leão do Amanhecer, e também protagoniza o conto Renascer. Reitero que essas histórias não estão interligadas, e você não precisa lê-las para compreender o enredo adiante, apesar de eu estar utilizando os mesmos personagens.



Valkyon,

os campos que florescem por detrás das vidraças da janela indicam a vinda do equinócio. Em seu desabrochar pacífico, as flores começam a contrastar suas pétalas multicoloridas com os gramíneos excessivamente verdes. Há frutos nos pomares, maduros e suculentos ao que saciam a fome dos faeries. Me obrigo a dizer então o que fica implícito: Eldarya triunfou, e encontrou o equilíbrio para se sustentar como mundo independente da Terra. Queria que soubesse disso, você sobretudo merecia ter descansado com a certeza de que venceu, tanto quanto eu queria estivesse ao meu lado para observar tamanho espetáculo; que se concretizou graças e somente ao seu sacrifício.


As notícias, porém, não são de todo boas. Adquiri uma certa fobia que vem me trancando no quartel pelos últimos meses, o que me impele de ver qualquer coisa que esteja muito distante da janela do meu quarto. Independente do que seja, não é como se me apetecesse desfrutar de tantas maravilhas sem a vossa companhia; sequer caminhar pelo refúgio com o fantasma da lembrança de tantos outros bons amigos que se foram. Fui tomada pela covardia, admito sem rodeios... não tenho a coragem de enfrentar o que quer que seja sem meu guerreiro ao meu lado.


Me sinto culpada, culpada ao extremo... mas é quase como se pudesse ouvir sua voz na minha cabeça, dirigindo-se a mim de maneira tão suave quanto possa me lembrar, gosto de pensar que era um timbre exclusivamente usado para ninguém além de mim e Floppy, e essa voz sempre me encoraja a persistir. Aliás, parece-me engraçado agora recordar que outrora sua voz muito me causou temor, enquanto hoje vivo meus dias a perguntar-me quando a estarei ouvindo novamente.


São tantas lembranças... e por mais que eu queira me afastar das que se atrelam à guerra sou incapaz de me esquecer de toda sua grandiosidade em batalha, falando por ambas as formas. Mas mesmo quando o tinha por um faelino vindo do povo das montanhas, me via encantada por todo seu esplendor. O conceito de beleza sempre foi subjetivo, mas particularmente pudesse definir-lhe me veria descrevendo você. Dos ombros largos e musculosos às cicatrizes que cortavam a derme, do âmbar dos olhos ao brilho do cabelo platinado, dos modos tão sérios ao coração que se revestia em ouro: estou certa de que não há, em nenhum dos mundos, alguém tão belo quanto você era. Uma beleza mais profunda, que vai além da pele. Valkyon, você era um esplendoroso leão do amanhecer, uma criatura capaz de equilibrar a fúria com a serenidade. Decerto causava temor, tanto quanto fazia-nos admirar-te.


E me dói tanto escrever sentenças no passado quando me referindo a você, ao ponto em mancho o pergaminho com as minhas lágrimas e a tinta escorre pelo papel tal como elas escorrem por minhas bochechas. Não consigo contê-las, não nesse momento de luto tão profundo em que choro suas perdas por dias a fio.


Sendo assim, tomei minha decisão. Não só quero te ver, mas não mais quero me afundar em lamúrias. Como a última sacerdotisa, há o que fazer para que novas surjam, o que garantirá a prosperidade de Eldarya. Isso é um sinônimo de sacrifício, um sacrifício que vim a antecipar pelo mais puro desejo de desfrutar de vossa companhia novamente. Existe um caminho áspero que nos leva às estrelas, mas eu o percorreria mil e uma vezes se isto significasse que chegaria até você.


Logo, como penúltima manifestação dos meus poderes e da minha vontade, estarei te enviando essas palavras, onde quer que esteja, para que saiba que estou a caminho. Não há um fim ou um adeus para nós: eu te encontrarei e nossas almas se reunirão novamente, mesmo que na morte.


Com todo o amor que cabe em mim e aquele que ultrapassa as barreiras corpóreas,

Celeste.

31 de Agosto de 2020 a las 20:23 0 Reporte Insertar Seguir historia
4
Fin

Conoce al autor

amy 高 𝐃 𝐀𝐍 𝐒 𝐄 ⠀𝐌 𝐀 𝐂 𝐀 𝐁 𝐑 𝐄 ⠀ 🐉 ⠀ intp . sonserina . emo & gay

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~
Hearts of Gold
Hearts of Gold

Quando os humanos mostram-se hostis à presença feérica na Terra, grandes espécies sacrificaram suas vidas em prol da criação de um novo mundo. Batizado de Eldarya, as novas terras emanavam magia e tinham seu equilíbrio regido por um enorme cristal azul e violeta. 𝐃 𝐈 𝐒 𝐂 𝐋 𝐀 𝐈 𝐌 𝐄 𝐑 🦁o universo de Eldarya em si não me pertence, e essa criação é na verdade uma releitura com enfoque na minha história Leão do Amanhecer, cujo grande propósito foi corrigir os furos na história do game. Aqui vou ter maior liberdade para discorrer sobre os pormenores da minha versão de Eldarya sem afetar a história. Leer más sobre Hearts of Gold.