brendalf Brenda Bezerra

"Nunca tive facilidade com essa coisa da 'manhã seguinte', por mais vezes que eu repetice essa história, sempre terminava com um diálogo constrangedor e a incontrolável vontade de cavar um buraco e desaparecer. É claro que isso tem um motivo, as pessoas não se cansam de ter esperanças..."


Fanfiction Bands/Singers For over 18 only.

#sebaek #sehun #baekhyun #yaoi #lgbtqi+ #bl #exo-l #exo #kyungsoo #chanyeol #chansoo
2
824 VIEWS
In progress - New chapter Every 30 days
reading time
AA Share

One.

__Droga, droga, droga...

Eu corria, na ponta dos pés, de um lado ao outro do quarto, procurando minhas roupas perdidas entre outras roupas espalhadas ao redor da cama. Entre a leve dor de cabeça e a habitual desidratação, o pensamento dominante era o de pressa, eu precisava sair o mais rápido possível daquele lugar.

Encontrei meu celular no bolso de traz da minha calça e procurei por algum sinal de um carregador, de preferencia já preso a uma tomada. Avistei um fio branco sobre o criado bagunçado que estava perigosamente perto da cama.

­­__Ah!!__dei um pulinho contido__Por favor seja android, por favor seja android, por favooooor__eu sussurrava o mantra quase como se pudesse recuperar minha fé na sorte__ ISSO!

Conectei meu telefone, aguardei a luz de carregamento acender e então comecei a me vestir, no relógio perto da cama marcavam 05:40 e eu esperava que ele só fosse despertar daqui a pelo menos meia hora. Encaixei meu ultimo botão na casa, coloquei meu casaco cobrindo a pequena mancha de bebida no bolso da camisa clara, dei uma olhada no espelho, limpando algumas manchas do rosto e ajeitando o cabelo, peguei meu celular, ligando-o e assim que vi que tinha bateria o suficiente para chamar um uber o desconectei do cabo.

Pé ante pé, com meus sapatos em uma mão e meu celular na outra, caminhei até a porta, apoiei meus sapatos no peito e com a canhota tentei abrir o trinco, quando enfim pude ouvir o barulhinho da porta se destrancando, a puxei devagar e como o anunciado, o caos começou. O alarme atrás de mim disparou em um “pii-pii” agudo e irritante, ao mesmo tempo à minha frente uma fera se ergueu correndo e pulando em minha direção, rosnando raivosa e na sequencia gruindo, alguns tons mais agudos que o despertador, por dar com as fuças na porta que foi instantânea e ruidosamente fechada, antes que suas presas atingissem meu precioso rostinho.

Encostado na porta pude ouvir o zunido entre meus ouvidos e minha respiração acelerada cortando minha laringe ressecada, abraçando meus pertences meus olhos arregalados percorreram o quarto, encontrando, por fim, os do garoto alto que também assustado me observava confuso.

__Bom dia.

O sorriso amarelo foi inevitável quando eu senti minha bunda tocar o chão após eu escorregar pela porta de madeira branca. Aguardei uma resposta, mas o garoto não parecia acordado o suficiente para lidar com tanta informação logo pela manhã.

__Nos conhecemos ontem, no bar Namastê...__engoli em seco e me ergui desajeitado, ainda agarrado aos meus sapatos e pesando a possibilidade de abrir a porta e correr até a saída.

__S-Sim__ele parecia acordar aos poucos, o cabelo desarrumado dando-o um ar engraçado e os olhos já fininhos quase sumindo entre as pálpebras inchadas pela falta de sono__. Desculpa, eu deveria ter avisado sobre o cachorro, eu... Não esperava que você fosse sair assim...

__Eu não queria incomodar__me incomodar, na verdade, mas não diria isso em voz alta.

__Ok... Eu, eu vou ao banheiro, me vestir e prender a vivi.

__Vivi?

__A cachorra.

__Ah, claro, obrigado.

Ele se ergueu e eu me surpreendi com seu físico, mais alto do que eu ele tinha um corpo levemente definido e um rosto que também não era nada mal, os cabelos escuros e grossos davam peso ao rosto levemente arredondado e meio ondulados o deixavam com um aspecto de beleza natural, ele não parecia tão incrível na noite anterior em um ambiente pouco iluminado e comigo sob o efeito de tanto álcool; isso explicava por que eu conseguira chegar nele.

Em poucos passos ele chegou até mim, se inclinou e apoiando suas mãos sobre as minhas, fez um carinho leve, me deixando sem jeito.

__Você já pode calçá-los.

__A-Ah, claro, eu v-vou...

Sem graça me ergui, coloquei os sapatos no chão e enfiei meus pés neles, antes que eu me abaixasse novamente para prender os cadarços senti sua mão pesada sobre minha cabeça, bagunçando meus cabelos e na sequencia sumindo da minha linha de visão antes que eu terminasse de erguer meu olhar. Quando voltou estava mais apresentável, mais vestido, por assim dizer, ele passou por mim exalando um cheiro agradável de pele limpa e abriu a porta, passando primeiro ao outro cômodo onde, através de uma fresta, o vi acariciando a cabeça da fera, fazendo algumas vozezinhas vergonhosas e convocando o animal bestial que, agora bem mais pacífico, o acompanhou até a cozinha e sumiu, sendo por fim confinado no que deveria ser a lavanderia.

__Pode vir.

Abri a porta tímido, avaliei melhor o ambiente e me surpreendi com a organização de tudo quando comparado ao quarto, que se parecia com um campo de combate.

__Você quer comer algo?

__Não precisa.

__Sério? Não seria trabalho nenhum...

__Sério.

__Ah, come comigo, a gente termina junto e eu posso te levar em casa.

__Não, obrigada, eu já vou saindo.

__Quanta pressa.

__Não__eu odiava isso__. É que eu não quero isso, eu não preciso dessa parte, onde a gente finge que isso pode ser algo__assinalei nós dois, como um casal__, foi só uma noite divertida, não vai se repetir e nunca mais vamos nos encontrar. Não precisa se emocionar...

__Ok, não precisa ser rude.__ele sorria, divertido__Vou abrir para você.

Esperei que ele passasse por mim e o acompanhei de perto, quando ele abriu a porta eu ia saindo ligeiro, quase vazando pelo espaço diminuto, porém ele puxou meu braço me dando um leve solavanco e me roubando um beijo, apertando seus lábios contra os meus com força. O beijo teve gosto de hortelã e a sensação da inquietação de alguém que quer morder uma criança fofa, tão ríspido quanto começou terminou e ele prosseguiu como quem não havia feito nada.

__Tchau, baixinho.

__O QUE?!

A porta se fechou na minha cara, quase acertando o meu nariz e em segundos fui da situação de fugitivo à de expulso.

__Mas que filho da...

Virei as costas e observei a vizinhança, me apertei dentro do meu casaco e senti o frio típico do nascer do sol congelar meu nariz e orelhas. Decidi dar uma caminhada até que fossem umas 06:30 para então chamar um uber por um preço mais em conta. Quando enfim chamei meu carro, peguei uma rota direta para o tão conhecido café perto de casa, mandando alguns áudios durante o caminho e esperando um pouco de atenção do meu ocupado amigo.

Quando enfim cheguei o sol estava alto o suficiente para me cegar, de modo que quando entrei no café, mesmo com muitos olhares julgadores, me senti aliviado pelo ambiente de iluminação mais leve e cheiro agradável.

__Minoooo__me arrastei até o balcão, me sentando e jogando meu corpo sobre ele__, você não vai acreditar no que aconteceu.

Lá no fundo, entre as portinholas, vindo da cozinha carregando duas bandejas cheias de croissants e bolinhos sobre a altura de sua cabeça, sua figura esguia se destacou, e antes que ele pudesse abastecer o balcão com suas múltiplas guloseimas, pude ver seus olhos encontrarem os meus e um sorriso iluminado acender em seu rosto.

__KYUNGIEE!!!

Feb. 16, 2020, 6:30 a.m. 0 Report Embed 0
Read next chapter Two.

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 4 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!

More stories

THE WITCHER´S CHOICE THE WITCHER´S CHOICE