Paradoxo Temporal: O encontro entre presente e futuro Follow story

vanessabr Vanessa Darioli

Um misterioso viajante do tempo chega em Edo para pedir ajuda a Gintoki, para procurar seu pai desaparecido em sua linha de tempo. Será que o Trio Yorozuya vai topar esse desafio de avançar vinte anos no tempo e ajudar o jovem a encontrar quem ele procura?


Fanfiction Anime/Manga All public.

#fanfiction #anime #drama #comédia #ação #fanfic #Kagura #Shimura-Shinpachi #Sakata-Gintoki #Gintama
7
1.5k VIEWS
In progress - New chapter Every Wednesday
reading time
AA Share

O viajante do tempo

― Volta aqui, ladrãozinho de meia tigela! – Gintoki berrava totalmente possesso enquanto corria. – Devolve a minha carteira!

Num cruzamento, ele, Shinpachi e Kagura conseguiram cercar o meliante. Este não hesitara em passar a mão na “poupança” do ex-samurai e arrancar de seu bolso a carteira. O albino logo apontou a espada de madeira ao delinquente.

― Se você não me devolver a carteira – ameaçou. – Você vai se arrepender do dia em que nasceu!

― Sem essa, babaca!

O ladrãozinho “pé-rapado” saiu correndo pela via que ainda estava livre, mas não conseguiu dar nem três passos de distância. Caiu duro para trás, após tomar uma forte pancada no queixo, proveniente de um cabo de espada. Porém, a pancada não fora dada por Gintoki.

O Yorozuya recebeu a carteira roubada do estranho que nocauteara o sujeito que fugia com ela. O autor da recuperação da carteira fora um rapaz albino, cabelos curtos e encaracolados, olhos vermelhos e uma bandana branca. Para completar o visual, camiseta regata preta, calças brancas e tênis, além de portar uma katana.

Um olhar de peixe morto encarava outro olhar de peixe morto. Os dois albinos fitavam um ao outro, até que...

― POR FAVOR, PRECISO DA SUA AJUDA, SAKATA-SAN!!

O rapaz acabara de se ajoelhar à moda japonesa, com a testa quase tocando o chão, num clássico pedido de favor. Gintoki simplesmente cutucou o nariz com ar de indiferença e mandou-o se levantar. Enquanto essa cena se desenrolava, Shinpachi e Kagura se entreolhavam ao mesmo tempo em que notavam a forte semelhança entre os dois albinos.

Assim que o outro se levantou, Sadaharu não fez cerimônia e o abocanhou. E, pra arrematar, o garoto de óculos deu um grito histérico.


*


― Sakata-san – o jovem disse a Gintoki. – Eu preciso muito da sua ajuda.

― Para quê? – Gintoki perguntou enquanto tomava mais um copo de iogurte.

― Digamos que é um trabalho bastante absurdo, em circunstâncias igualmente absurdas.

― Desembucha.

― Meu nome é Ginmaru e vim do futuro.

O trio Yorozuya encarou o visitante com olhares céticos, porém Ginmaru não se abalou com isso.

― Continue. – Gintoki disse.

― Eu venho de uma época vinte anos à frente deste tempo. Ainda vou nascer daqui a dois anos. Há dez anos, minha linha temporal sofreu uma nova invasão Amanto, que conseguiu eliminar quase todos os focos de resistência. O único que ainda resta é o do Distrito Kabuki.

― E onde entramos nisso? – Shinpachi indagou.

― Eu vim avisar dessa nova invasão, que ocorrerá em dois anos. Mas ela pode ser detida aqui no presente.

― Ok, obrigado por avisar, pode ir. – Gintoki disse com displicência. – E obrigado por recuperar minha carteira.

― Gin-san, nós deveríamos dar atenção ao que ele diz. – o garoto de óculos opinou. – Não acho que ele veio aqui só pra avisar do que vamos enfrentar no futuro.

― Ele disse queria sua ajuda. – Kagura acrescentou.

O jovem encarou Gintoki, que limpava o ouvido com o dedo mindinho:

― Sakata-san, quero a sua ajuda para encontrar o meu pai desaparecido! Ele é a chave para acabar com o mal que aqueles Amantos estão fazendo na minha linha temporal! Você será bem pago!

Gintoki quedou-se pensativo. A julgar pelo pedido de Ginmaru, a recompensa parecia ser das boas. Apesar disso, tinha a impressão de ter visto uma história parecida em alguma página de alguma Shounen Jump...

― Ok, eu aceito o serviço. – respondeu.

― Ginmaru-san – Shinpachi o chamou. – A propósito, como se chama o seu pai?

O olhar do rapaz passou pelo trio Yorozuya e pousou seus olhos no integrante mais velho, que tomava mais um generoso gole de iogurte. Sentenciou:

― Ele se chama Sakata Gintoki.

― PFFFFFFFFFF...!! – Gintoki cuspiu o iogurte que tinha na boca. – O QUÊ?!

Gintoki limpou a boca enquanto observava que Ginmaru limpava o rosto melecado de iogurte. Ainda com os olhos arregalados diante de uma revelação como aquela, o Yorozuya encarava o jovem à sua frente.

A semelhança era gritante, mas não se imaginava sendo pai. Nem mesmo vendo semelhante marmanjo cara a cara.

Jurava que iria morrer solteiro, por viver cercado de mulheres insanas por todos os lados.

Não, não era verdade. Aquilo não passava de um sonho. Ele nem tinha trinta anos e era pai de um homem já barbado?

Só podia ser brincadeira!

Será que era verdade tudo isso? Ou era um sonho maluco? Ou ainda um golpe?

Apoiou as mãos na mesa de centro e ficou cara a cara com o “filho”:

― Não vou engolir essa história babaca de viajantes do tempo! – vociferou. – Você só pode estar querendo me dar um golpe!

Ginmaru, obviamente, se ofendeu com tal declaração e agarrou com força a gola da camisa de Gintoki:

― QUE MANÉ “GOLPE” O QUÊ! SE FOSSE GOLPE EU TERIA FICADO COM A CARTEIRA MESMO QUE ELA ESTIVESSE SEM DINHEIRO!

― É GOLPE, SIM, IDIOTA! – Gintoki, por seu turno, também agarrou a camisa regata de Ginmaru. – SE FOSSE PRA EU TER UM FILHO, ELE TERIA NO MÁXIMO ONZE ANOS, NÃO SERIA UM MARMANJO COMO VOCÊ!

― EU VIM DO FUTURO, SEU ESTÚPIDO! POR ISSO QUE EU TENHO DEZOITO ANOS!

― QUEM VOCÊ TÁ CHAMANDO DE ESTÚPIDO, SEU ESTÚPIDO?

― VOCÊ É QUE É UM ESTÚPIDO, SEU ESTÚPIDO!!

― TENHA MAIS RESPEITO COM SEU PAI, MOLEQUE EST--...!

Gintoki logo se interrompeu e percebeu o tamanho da mancada que acabara de disparar. Largou Ginmaru, que fez o mesmo.

― Desculpa – murmurou enquanto se sentava. – Tô completamente confuso.

― Eu é que tenho que pedir desculpas. – Ginmaru retrucou. – Cheguei jogando a maior bomba na sua cabeça.

Nisso, o ambiente ficou completamente mergulhado no silêncio por alguns instantes, os dois albinos completamente absortos em seus próprios pensamentos. Porém, logo se lembraram de Shinpachi e Kagura, que não desgrudaram os olhos da dupla que brigava até momentos atrás.

Perceberam que o garoto de óculos e a Yato pareciam tão confusos quanto o Yorozuya.

Ginmaru teria algum trabalho pra explicar direito o que estava fazendo ali. Mas...

― É melhor se prepararem. – limitou-se a dizer. – Se vocês quiserem respostas, me sigam.

― Aonde vamos? – Gintoki perguntou.

― Vamos à minha linha temporal.

― Eu não disse que iria.

― Disse, sim. Aceitou o serviço. Você me deu a sua palavra.

Sem muita condição para novos questionamentos, Gintoki, junto com Shinpachi e Kagura, seguiu Ginmaru até um portal que este abriu com um pequeno controle remoto. Ali o quarteto entrou e, em seguida, o referido portal desapareceu.

Onde o trio Yorozuya iria parar?

Feb. 6, 2020, 1:12 a.m. 0 Report Embed 1
Read next chapter Com o tempo, o Shinsengumi também precisa de óculos de grau

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 8 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!