Countdown for The Authors' Cup 2020. Sign up now for chance to win prizes!. Read more.
guardiangel Reira Trapnest

Uraraka estava decidida: iria se declarar para Midoriya. Ela só não esperava que sua carta houvesse sido colocada, por engano, na mochila da pessoa errada...


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only.

#comédia #romance #colegial #uraraka #bakugou #bnha #boku-no-hero-academia #Bakuraraka #kacchako
5
4.9k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Primeiro Encontro

Oi, gente!

Nós sabemos que é uma surpresa para vocês (também é uma surpresa para nós duas), mas estamos escrevendo essa Kacchako. Não vamos abandonar Kiribaku, mas esse plot surgiu e a gente precisava escrever.

Pretendemos que seja uma fic bem curtinha, mas estamos animadas.


Um super beijo e esperamos que gostem.


***********


- Eu vou ter um encontro…

Uraraka afirmou baixinho, abraçando o travesseiro, tentando esconder as bochechas rosadas e o constrangimento. As amigas, reunidas na festa do pijama semanal no quarto de Momo, se espantaram com a informação.

- O quê? SÉRIO? FINALMENTE MIDORIYA DEIXOU DE SER TAPADO E ENTENDEU OS SINAIS?

Mina foi a primeira a se animar. Sabia há quanto tempo a amiga ansiava por um encontro com Deku.

- Aquele ali… Eu não sei que mágica que a Ochako fez para ele perce…

Retrucou Yaoyorozu.

- ...Com o Bakugou

Mina, Jirou, Hagakure, Momo e Tsuyu a encaravam, perplexas. Aquilo só podia ser um devaneio muito forte! Todo mundo sabia que ela tinha uma queda por Deku. Não só uma queda, quase um penhasco inteiro! E agora ela surgia com um encontro com ninguém menos que Katsuki Bakugou? O esquentadinho que chamava ela de Cara de Lua? Não fazia sequer sentido!

- Você… O que?

Perguntaram em uníssono.

- Aconteceu um acidente e eu não consegui desfazer as coisas a tempo…

A manipuladora da gravidade tentou se justificar.

- Não, espera… Mas você nunca demonstrou interesse nele... Você tem que explicar o que diabos aconteceu!

Hagakure afirmou, curiosa.

- É que…

-------------------------------

FLASHBACK

Uraraka sabia que aquela era a única chance que teria. Midoriya treinava com Iida e nem sequer conseguia ver qualquer coisa fora do salão do treino. Depois de tudo o que haviam passado, ainda se pegava admirando a habilidade do amigo e o brilho de seu olhar quando se tratava de melhorar suas habilidades como herói. E talvez fosse aquilo que a atraísse tanto. Aquela força e positividade coberta de sardas.

Pegou o papel no fundo de suas coisas e saiu à procura da mochila de Deku, no meio de tantas outras dos colegas que dividiam a arena de lutas. Como todas elas eram iguais, teve dificuldade em encontrar a de Izuku. Entretanto, cada uma tinha sua própria particularidade: a de Kirishima tinha fitas vermelhas e uma foto plastificada do herói Crimson Riot no bolso, a de Kaminari tinha vários pequenos bonecos do Pikachu pendurados em cada zíper, a de Hagakure era com vários desenhos à mão de coelhos, entre a muitas outras, mas ela sabia o que deveria procurar. Se encontrasse qualquer coisa de All Might no meio de tudo aquilo, saberia que Deku era o dono. Finalmente, depois de muita procura, encontrou uma mochila que tinha um chaveiro de cada era do All Might nos bolsos. Só podia ser aquela. Ninguém era mais fã do maior herói de todos os tempos do que o garoto de cabelos verdes.

Colocou a carta no bolso da frente. Respirou fundo, nervosa. Talvez ele gostasse dela também. Ou talvez… Preferia não pensar naquilo. Sabia que a friendzone era mais que uma possibilidade. Mas precisava conversar com ele e finalmente dizer como se sentia. Deixou a sala às pressas, torcendo para que não fosse vista.

----------------------------------------------------------

- Ei, Bakugou, você anotou as coisas que o Aizawa disse no início da aula? Eu me distraí um pouco, sabe…

Kirishima perguntou ao amigo enquanto começavam a estudar. Bakugou parecia tentar se concentrar em algo que lia.

- Você é um cabeça de vento! Eu vou parar de emprestar minhas anotações para você. Tá na porra do bolso da frente, só pegar.

O de cabelos vermelhos levantou e abriu o zíper da mochila que tinha pendurado o chaveiro da época de prata do All Might. Ao invés de encontrar as anotações do amigo, encontrou um envelope com marcações de corações rosa. Achou no mínimo esquisito que Bakugou tivesse se rendido ao estilo másculo dos corações em papel, então resolveu perguntar ao loiro.

- Ei, Bakugou! Achei muito másculo de sua parte usar envelopes de coração. Foram muito caros?

- Do que você está falando, Cabelo de Merda?

- Ué? Isso aqui não é seu?

O ruivo puxou o papel e entregou nas mãos de Katsuki, que fez cara de intrigado ao ver que aquilo estava dentro de sua mochila.

- Eu não comprei isso, idiota! Alguém deve ter colocado nas minhas coisas.

Bakugou pegou o envelope e rasgou sua lateral, puxando de dentro um papel rosa com algo escrito, o qual passou a ler.

Assim que terminou, o loiro encontrava-se quase em estado de choque. Não sabia o que dizer além de…

- CARALHO…

- O que foi, Bakugou?! Por que está agindo desse jeito.

- Lê essa porra aqui.

Entregou a carta na mão do amigo e esperou que ele lesse.

"Oi,

Sei que não é a melhor maneira de fazer isso, mas podemos nos encontrar a sós, amanhã, umas 22h, no centro dos estudantes? Tenho algo muito importante para te dizer.

'Chaco."

- Calma… Isso é da…

- Cara de Lua? Que diabos…

- Eu pensei que ela gostasse do Midoriya…

- Uma garota como a Cara de Lua, gostar de um idiota como o Deku de merda? Ela é mais esperta do que isso.

Kirishima pegou a carta e releu.

- Cara, ela tá tão na sua!

- Enlouqueceu de vez, Cabelo de Merda?!

- É uma carta cheia de corações! E ela disse "a sós, 22h". Todo mundo sabe o que isso significa!

- Isso é um puta de um exagero… Eu nem sei como caralhos vou encarar essa garota! Eu… A respeito como rival mas… Não sei se tem algo a mais.

- Nem pensar em fugir, Bakugou!

- EU NUNCA FUJO, CABELO DE MERDA!

- Então vamos te preparar para esse encontro.

- Isso não é a porra um encontro! Às vezes, ela só quer um parceiro de treino, ou sei lá… Pode ser literalmente qualquer coisa!

- Amigão! Você é o cara mais inteligente da classe, é transudo, másculo pra caralho e vai ser o melhor herói da próxima geração! Cai na real, é óbvio que a Uraraka tá caída por você, bro. Eu também estaria, se eu fosse ela… E ela é bonitinha, fofa, e máscula!

O loiro pareceu refletir por uns instantes. Todo o discurso de Kirishima fazia sentido. Não faria nenhum mal ir lá e saber o que a Cara de Lua queria dizer. E se fosse para ser um encontro, ela não era de todo mal.

- E além disso, no festival esportivo ela te enfrentou sem medo nenhum. Isso é meio raro quando se trata de você.

- Tá, tá… Eu vou nessa merda.

- Mas você não pode ir de qualquer jeito!

- Como assim, Cabelo de Merda?!

- Deixa tudo comigo! Eu vou dar um jeito em você!

- Morra! Nãooo!

Kirishima tomou a mão do amigo, puxando-o em direção ao seu quarto, sob os protestos do loiro.

-----------------------------------

Uraraka estava no canto do refeitório. Sozinha. Ela nunca comia sozinha. Mas tempos desesperados requeriam medidas desesperadas. Deku não havia falado nada sobre sua carta. Esperava que ele sentasse à sua frente e respondesse ao convite. Mexia no celular, nervosamente, quando ouviu o barulho da cadeira ao seu lado sendo movida.

Viu a mochila de canto de olho. Era ele! Sentiu um arrepio na ponta de sua espinha. Sorriu de lado.

- Hey, Cara de Lua.

- Ba… Ba… Bakugou?

- Quem mais seria?

- Errrr… Oi. Posso…

- Amanhã, 22h. Está confirmado. E não se atrase. Eu odeio atrasos.

- Espera, do que...

Antes que ela terminasse de falar, o loiro se levantou e jogou a mochila sobre as costas. Enquanto ela via os chaveiros das gerações do All Might balançando na mochila do loiro, a revelação lhe atingiu como um raio.

- Puta que pariu...

------------------------------------------------------

- E o que você vai fazer?

Hakagure perguntou.

- Eu vou, ué. Nem que seja para tentar, sei lá, desfazer esse mal entendido.

- Se você falar para o Bakugou que na verdade queria chamar o Midoriya para sair, é capaz dele explodir o prédio inteiro!

Sugeriu Tsuyu, colocando a cabeça nos ombros da amiga, tentando apoiá-la.

- Mas amiga… Pensa bem… Esse encontro com o Bakugou pode te render bons frutos… Certamente ele já contou para metade da escola sobre isso.

Disse Ashido, com sua esperteza.

- E como possivelmente isso poderia me beneficiar? Eu não vejo como.

- Vai que o Midoriya fica sabendo e decide tomar uma atitude? Ele é meio tapado, mas se perceber que tem outro cara interessado, talvez chegue em você…

- Mina! Eu não poderia fazer isso! Nem com o Midoriya e nem com o Bakugou.

- Amiga, o que eu estou querendo dizer é que você pode matar 2 coelhos com uma cajadada só. Você sai com o bonitão do Bakugou e de graça ganha um teste para saber se o Midoriya gosta de você.

- Bonitão?

- Amada??? Você não acha ?

Disse Momo, pegando o celular e mostrando o Instagram com um total de duas fotos, que com toda certeza era administrado por Kirishima.

- Mas aí é só, sei lá, foto dele fazendo montanhismo.

- Mas se você olhar os comentários, tem um monte de gente de tudo quanto é gênero dando em cima dele… Você nunca reparou nas aulas na piscina ou como ficam os músculos dele no uniforme e…

Disse Hagakure.

- Não. Eu só… Nunca dei muita bola para isso.

- Aposto que ele beija bem…

Jirou deitou na cama pensativa.

- Hmm… Aposto que ele é um ficante explosivo…

Mina disse, enrugando de leve a testa, tentando imaginar.

- Aposto que ele é gay. E tem um caso com o Kirishima.

Completou Tsuyu.

- NÃÃÃÃOOOO!

Responderam as outras em uníssono.

- Bom… Se bem que nunca o vimos andando com ninguém além do Kirishima e sua trupe de palhaços. Por que será que ele aceitou sair com você?

Ponderou Jirou.

As bochechas volumosas de Uraraka ficaram completamente vermelhas. E SE ELE GOSTASSE DELA? Seria muita maldade dizer a verdade. Era só um encontro, e eles poderiam sair como amigos. FIM. Ela não precisava se preocupar. Ou precisava?

- Ochako, você tá flutuando.

A controladora de gravidade se assustou, caindo sobre o chão.

- Se acalma menina, vai correr tudo bem. A gente vai te ajudar.

Ashido tentou acalmá-la.

--------------------------------------------------------

- Não passa essa merda no meu cabelo! E POR QUE RAIOS TENHO QUE USAR UM TERNO?

- Confia em mim, eu entendo tudo sobre garotas e é disso que elas gostam.

Kirishima tentava emplastar o cabelo de Bakugou com uma pomada para que ficasse menos arrepiado.

- Então por que é que eu nunca vi você com garota nenhuma?

- Eu sou muito másculo. Elas não entenderiam.

- E sobre o que vou conversar com a Cara Redonda? Eu nem sei nada sobre ela.

- Bro, ela te chamou para um encontro! É óbvio que ela quer que você a "conheça melhor".

- Eu… Acho melhor cancelar essa merda…

- Você? Está desistindo?

- Morraaaaaa, eu odeio essa Cara de Lua maldita. Por que ela foi me chamar para sair?

- Evita esse palavreado chulo perto dela. Garotas não gostam disso. E toma essas flores, ela vai gostar.

- Mas que… AAAAAAAAAAAAAAAAAAAARG INFERNOOOO!

-------------------------------------------------------

- Você está tão linda, Ochako.

Yaoyorozu disse, sorridente, vendo a amiga balançando o vestido rosa fofo tomara-que-caia e tênis branco.

- E se ele achar que eu gosto dele?

- Vai ficar tudo bem. Vai que atrás daquele monte de grosseria e descontrole tem um cara legal? Vocês podem até se tornar bons amigos.

Ashido apoiou a mão nos ombros da amiga, que ainda se olhava no espelho.

Todas as meninas riram, como se fosse algo muito absurdo.

- Socorro, Deus.

-------------------------------

Ochako já aguardava há alguns minutos no centro de estudantes. Ela chegou pelo menos 10 minutos mais cedo. Suava frio, sentia-se nervosa e nem sabia exatamente o porquê. Até que viu Bakugou se aproximar. O terno provavelmente pertencia a Kirishima, já que era um pouco maior do que ele. O cabelo estava arrumado demais, um pouco colado na testa. Ele segurava um buquê de flores com tanta força que sentiu que ele as explodiria a qualquer momento. Tremeu por dentro. O garoto à sua frente parecia qualquer coisa, menos o Bakugou.

- T-Toma… Isso aqui é pra você.

Bakugou ofereceu o buquê de flores à morena, com certa impaciência.

- Ah! Uau! Obrigada! Não achei que você fosse o tipo que dá flores a uma garota.

- Por que diabos eu não seria? Eu sempre fui muito bem educado!

- Bom… Errrr… Eu não quis ofender nem nada. É só algo que não imaginava sobre você.

Respondeu Uraraka sorrindo um pouco.

O loiro desviou um pouco seu olhar.

- E então, eu vim até aqui, e tal... Que merda você queria me falar?

- ERR… Bom… É que… Eu achei que… Sei lá… A gente poderia conversar...

- Conversar?

- É!

- Já estamos conversando.

- Sobre nós.

- Nós dois?

- N-Não! Não sobre nós dois! Não! Sobre as coisas que a gente tem em comum. Para a gente se conhecer melhor.

- Por que você quer me conhecer melhor?

- POR QUE VOCÊ ME TROUXE FLORES?!

Perguntou Uraraka, já desesperada.

- Você me chamou aqui só para gritar comigo?

- Não, eu… Olha, vamos tentar de novo, está bem? Eu acho que você pode ser um cara legal, até pelas coisas que aconteceram no festival esportivo. Você foi muito considerativo…

- Eu não fui "considerativo", eu lutei pra valer, porque eu achei que você era uma adversária à altura.

- Não! Não sobre isso. Sobre meu casaco, sabe? Eu sei que você me viu chorando e foi uma atitude legal ter levado um outro casaco para mim.

- Qualquer um faria isso…

- Eu imagino que você deve achar que pessoas que choram por uma derrota são fracas e…

- Acho que você faz muitas suposições sobre mim, Cara de Lua. É um hobby por acaso?

Uraraka riu, sentando em um dos braços do sofá, esperando que Bakugou também encontrasse um espaço por ali.

- Nem é. Bom… Talvez seja o dos seus admiradores da escola.

- O que? Como assim admiradores?

- Não… Nada… Quero dizer… Você agora está bem popular e tal, deve ter muitos admiradores.

- Eu meio que não me importo, sei lá. Você foi a primeira pessoa que quis falar a sós comigo. E com quem eu aceitei falar também.

Ochako ruborizou novamente ao pensar que era a única pessoa com quem, de fato, Bakugou já teve um encontro. Se é que podia considerar aquilo um encontro.

- Ei! O sofá está flutuando!

- Ah! Me desculpa. Fiquei distraída por um momento.

- Quer sair daqui? EU ACHO QUE TEM MAIS GENTE NESSA PORRA DE SALA DO QUE DEVERIA.

As últimas palavras foram ditas bem altas como se Bakugou quisesse deixar bem claro que tinha visto alguém. Ela sentiu um desconforto. Apesar de não ser um encontro, era horrível se sentir observada.

- A… Vamos.

O loiro tomou a menina pela mão, deixando-a ainda mais nervosa. A intenção era desfazer aquele mal entendido, então por que eles pareciam cada vez mais próximos?

Caminharam até a borda do lago planejado para missões de salvamento e sentaram na borda.

- Você endoidou? A gente não pode estar aqui após o toque de recolher!

- Se você ficar quietinha ninguém vai saber que estamos aqui.

- E como você tem tanta certeza?

- Eu venho aqui quase toda noite para pensar.

- Pensar? Você pensa? Não! Quero dizer… Eu sei que você pensa, é claro! Quero dizer… AAAAARGGG!

Bakugou se pegou rindo do quanto Uraraka era sem jeito com as palavras.

- Eu sei exatamente o que quis dizer, Cara de Lua. Relaxa. E sim, eu penso na vida como qualquer merda de pessoa normal.

- Sei lá, aqui é muito… Calmo. Não parece você.

- E o que você acha que parece comigo?

- Gritar "Morra", cem, duzentas, mil vezes, até as coisas ficarem mais calmas.

- Eu faço isso também, às vezes.

Ochako virou-se na direção do garoto, olhando-o com a testa enrugada, as bochechas bem rosadas e os cabelos curtos agitados pelo vento. O maldito do Kirishima, de algum modo, tinha razão, e ela era uma graça. Talvez não tivesse sido má ideia aceitar aquele convite.

- Tá, não me olha com essa cara de quem sabe que eu tô mentindo. Ok, eu faço isso para caralho.

- Eu sabia!

Ela disse, celebrando a vitória.

- Mas em minha defesa, ajuda a esvaziar a cabeça. E tem vezes que tudo o que eu quero é ficar em paz.

- Deve ser terapêutico.

- Por que você não… Tenta?

- Não, eu…

- Ou a grande Uravity não xinga? Não explode às vezes, não tem nada para…

- MOOOOOOOORRRAAAAAAA!!!

A garota gritou, surpreendendo-o e fazendo-o gritar também.

- SEU BANDO DE FILHO DA PUTAAAA!!!

- QUE ESSA MERDA SE EXPLODA SEU BANDO DE BABACA ESCROTOOOOO!!!

Bakugou estava orgulhoso. Ela não era tão careta quanto parecia.

- Porra, você botou pra foder!

- Você achou?

- Claro, Cara Redonda! Mas acho melhor a gente correr ou certeza que vão pegar a gente aqui.

A garota sentiu a pele arrepiar com a neblina fria que subia do lago enquanto levantava para sair dali. Pensou que era uma pena ter deixado o casaco no quarto, a pedido das amigas. Os lábios tremeram um pouco e, ao mesmo tempo, sentiu seus ombros serem aquecidos por um tecido grosso e quente. Quando percebeu, o terno do loiro estava sobre si.

Olhou para ele, sem entender muito, mas logo obteve resposta.

- Vai me olhar assim ou prefere passar frio?

- Bom… Você deve estar com frio também.

- Meu corpo produz mais calor do que o normal por causa da minha individualidade. Eu preciso estar sempre pronto para suar.

- Deve ser complicado…

- Um pouco só. Não é pior do que me distrair e fazer a cidade inteira flutuar…

- Ah! Qual é? Foi só o sofá!

- Mas quando você quis, me mandou a porra de uma chuva de meteoros na fuça! Eu quase não consegui explodir tanta pedra! Tive que treinar 5 vezes mais na semana seguinte.

- Eu… Também estou treinando. Não vou perder para você novamente.

- Isso eu quero ver!

- É um desafio?

- Só se você quiser, Cara Redonda.

Os dois se encaram com profundidade. Uraraka sorriu com o desafio, mas percebeu que a expressão de Bakugou mudou. Os olhos dele começaram a ir na direção dos seus lábios, e depois, novamente, na deu seus olhos. Ele queria beijá-la? Uraraka sentiu o coração palpitar e ela nem gostava tanto dele assim. Lembrou-se das amigas falando que ele devia beijar bem e ficou nervosa de estar pensando nisso. Sentiu as bochechas esquentarem, desviou o olhar e seguiu em frente, e ele a seguiu.

Quando deram por si, perceberam que já estavam na sala comum da 1-A. O encontro havia acabado. Ambos não precisavam mais se falar ou ter qualquer tipo de contato, assim como era antes.

- Err… Bom… Obrigada por atender ao meu pedido hoje. Foi… Bem legal.

- É… Não foi de todo ruim…

Respondeu Katsuki, sem olhar diretamente para ela.

- Então… Tchau?

- Tchau, Cara Redonda.

Ambos viraram em direções opostas, um tanto sem graça e pensando se aquela fora uma boa conclusão para o encontro. Ochako já passava as mãos pela bochecha em nervosismo quando ouviu a voz rouca de Bakugou chamá-la do outro lado do corredor:

- Ei! Uraraka!

Ela se virou e o loiro perguntou:

- Você… Quer se encontrar comigo no fim de semana?

Jan. 21, 2020, 8:44 p.m. 3 Report Embed Follow story
1
Read next chapter Segundo Encontro

Comment something

Post!
Thay Neuberger Thay Neuberger
MEU DEUS DO CÉU MANA EU AMEI. Continua, pfv, numca te pedi nada. Sua escrita é ótima!!!
January 22, 2020, 14:36

  • Reira Trapnest Reira Trapnest
    Oi, anjo! Tudo bem? Muito obrigada por ter lido! Que bom que você gostou! Eu escrevo em parceria com a Lovage (esqueci de botar na sinopse ahahahahha), mas logo logo, vamos atualizar! Um beijo! January 25, 2020, 01:07
  • Lovage Lovage
    Oieeeee, nossa obrigada por avisar! As nossas escritas meio que se complementam, muito obrigada pelo elogio. Já começamos a escrever o próximo e voltamos logo! Um beijão February 03, 2020, 21:48
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 5 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!

More stories

Promiscuous Promiscuous
Lunaria River Lunaria River