t
thiago silva


Nossas escolhas definem nossa humanidade?, que monstros podemos ser quando sucumbimos aos nossos desejos?


Horror Monster literature Not for children under 13.

#noite-de-caça
Short tale
0
3.6k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Presa

"Se nosso destino é baseado em nossas ações, isso iria definir nossa responsabilidade sobre o que nos acontece ?."

Ela se movia com pressa, a volta para casa costuma ser calma, mas nessa noite ela tinha compromissos que a forçaram a caminhar pelo parque nessa hora tardia da noite, a jovem era observada por alguns indivíduos que a olhavam sorrateiramente e famintos uma bela mulher andando sozinha por um lugar tão ermo alguns decidiram seguir a moça ao longe, enquanto fantasiam possuindo a jovem , com pensamentos alimentados por bebida barata.

Ela presente a sensação de ser seguida, entende que está sendo seguida mas não ousa olhar para trás, seus passos aceleram sua respiração fica mais frequente, a jovem aperta o caderno e as apostilas do curso contra os seios a noite é fria embora sua pele se aqueça pela emoção da situação, por instinto seus sentidos parecem mais sensíveis consegue ouvir os gracejos e provocações.

Uma lata de cerveja amassada certa a moça no ombro esquerdo, fazendo ela derrubar seu material de estudo, ela se abaixa para pegar o caderno e as apostilas o mais rápido que pode mas não antes de ter sua blusa puxada com força, um dos homens havia alcançado o hálito do homem é forte o cheiro a atinge com força, ele a observa sorrindo:

_ Ei dona não me ouviu pedindo um cigarro não, tá surda ou so ignora quem você acha um merda ? , ela se impulsiona para frente, sua blusa rasga, enquanto outros dois homens uivam de alegria correndo para cima dela, a jovem corre entrando na área do bosque do parque, correndo pelas árvores , o suor escorre pelo seu torso, ela sabe que está sendo perseguida por três homens embriagados, violentos, correr pelas árvores parecia uma boa idéia, já para seus perseguidores a ideia chega em torrentes sombrias de o quanto eles estão dispostos a ir, o que poderão fazer, uma existência patética, indivíduos vivendo a sombra da sociedade, vagando em recantos sombrios se envenenando com bebidas baratas, quando a própria vida não se vale muito, mas qualquer um vê a oportunidade quando surge, jovem moça entrando em um parque em horas tardias da noite como uma pequena ovelha andando para os lobos, os homens se excitam por pensamentos, gritam para a moça

_ Vamos pequena pare de correr ou vai ser pior, você vai gostar , nem vamos morder muito, seja uma boa ovelha.

A jovem sente o cansaço, ela entrou mais no interior do parque e não para uma das saídas, os homens se aproximam cercando a jovem, enquanto eles dizem obscenidades e provocações a jovem não reparam em como a expressão dela mudou, não é mais medo , mas um sorriso malicioso, a coloração de seus olhos muda para algo mais parecido para um animal, um dos homens tenta agarrar seu seio, outro a agarra forçando um beijo , o terceiro abre uma lata de cerveja dizendo gracejos, sem perceber o que aconteceu a seus amigos ,enquanto um tinha seu lábio inferior arrancado pela moça o outro sentia garras cravando em seu antebraço, foi audível o som dos ossos se partindo e o grito dos homens feridos , o terceiro em terror observou seus amigos feridos mas foi a aparência da moça o que gelou seus ossos , olhos brilhantes como um lobo, garras saindo de seus dedos que a pouco tempo pareciam frágeis e delicados, seu amigo com a boca sem o lábio inferior se arrastava pelo chão em choque gritando, o outro se esforçava para se soltar da força de apartamento da jovem, ela puxa o homem em sua direção levando sua mandíbula com ferocidade ao pescoço do homem, gritar por socorro já não era uma opção lógica entraram tão no interior do parque que ninguém iria intervir, fugir é o que resta, jovem mastiga e arranca pedaços do seu perseguidor sentindo e saboreando o gosto . O homem com medo atira sua lata de cerveja contra aquele monstro e corre ignorando o pedido de ajuda de seus amigos, a urina escorre pelas suas pernas na presença do horror a única lógica é correr, os gritos de seus amigos ainda ecoam, agora acompanhado por um uivo, sentindo se perdido ele para tentando se orientar na escuridão tentando entender para onde ir, respirar , entender o que está havendo, ele não quer morrer talvez a moça se contente com seus amigos ,mas uma lata de cerveja amassada o acerta com força na cabeça.

_ Sabe era mais difícil caçar antigamente as pessoas entendiam que deviam se esconder em suas casas temendo a noite, coisas como eu e minha família, olhos brilhantes como o da jovem surgem ao redor do homem, rosnados e um aroma de carne ensanguentada .

O homem se afasta andando para trás mas seu corpo atinge o tronco de uma árvore, a moça assume uma postura quadrúpede se movendo como um animal ainda coberto com sangue de sua presa.

_ Não corra ou vai ser pior, seja uma boa ovelha e saiba vamos morder muito, a alcatéia avança sobre o homem, em terror ele sente seu corpo sendo rasgado , cada um dos animais saindo com um pedaço se afastando a dor não pode ser descrita, mas ainda assim consciente em seus momentos finais ele ainda a ouve murmurando...uma estudante caminhando a noite por lugares afastados atraindo a atenção, você nem imagina o quanto isso funciona, em um rápido avanço a fera avança mordendo o rosto do homem que momentos antes havia cercado ela com seus amigos sem saber que haviam entrado em sua área de caça com sua família esperando o banquete, a presa e o predador mudam de lado em uma valsa de violência e desejo.

Dec. 18, 2019, 7:46 a.m. 0 Report Embed Follow story
0
The End

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Related stories