O Semi-Pecado Follow story

witalo Witalo Castro

Como será que Erika, mulher independente e esposa fiel, reagirá ao ouvir de amigas, durante uma viagem a trabalho, que existe um homem tão perfeito que conseguiu acordar nela uma coisa que havia sido enterrada no passado e por conta do casamento: a busca pelo amor ideal, o qual só conhecia pelos livros e filmes? Fonte da imagem: http://blog.amandakastner.com/2014/06/waiting-for-letter.html


Short Story All public.
Short tale
2
280 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

O Semi-Pecado

“...De você fiz o desenho
Mais perfeito que se fez...”

- Acrilic on Canvas, Legião Urbana


No estacionamento do restaurante, Erika hesitou. Na verdade, um misto de euforia e medo lhe possuía a cabeça dourada e o corpo inteiro. Haveria de se encontrar com um homem com o qual começara a manter contato por bilhetes após saber, por colegas de trabalho, sobre ele e todas as suas qualidades como homem.


A euforia era por que encontraria, finalmente, o rapaz. Já o medo era por conta do compromisso que mantinha, há oito anos, com seu esposo, Eduardo. Olhando para a aliança, começou a rodá-la em seu dedo, sem saber se a tirava ou não. Sua cabeça estava mais bagunçada que sua bolsa.


Desceu, por fim, do seu carro. Seguindo em direção à porta do restaurante, fez de conta que deixou da porta do veículo para dentro os medos, as culpas e o casamento, já que a aliança ficou guardada no porta-moedas.


Sem nenhum vexame financeiro e na casa dos trinta anos, Erika se casara aos vinte e seis com quem julgara ser a encarnação do seu ideal romântico. É sabido que amor ideal é como peixe: se um não consegue viver fora d`agua o outro não também não dura fora da cabeça de quem o criou. Mas Erika nunca deu importância a isso, e furtou para si Eduardo como esposo.


Fora muito feliz com seu marido e assim continuava com ele nos dias atuais, mas precisou entender, a certo custo, o óbvio: ninguém é perfeito. Eduardo também não era, mas era bom o suficiente para desbancar qualquer homem que Erika já conhecera, tantas as qualidades e virtudes presentes naquele homem moreno na casa dos quarenta, residente numa selva de pedra e também de tentações chamada Salvador da Bahia. Era fiel, dedicado e apaixonadíssimo pela esposa dos cabelos dourados.


Erika precisava viajar regularmente por conta do trabalho; Eduardo, nem tanto. Era uma proporção de dez para uma. Então, em certa manhã de domingo ensolarado, enquanto ainda estavam na cama, Erika avisou a Eduardo sobre a possibilidade de uma próxima viagem.


- E vai aonde desta vez? Cabrobó do Judas? –, perguntou o esposo, virando o tronco em direção a esposa e começando a beijar-lhe a bochecha direita.


- Natal, amor. Mas, desta vez, precisarei passar um pouco mais de tempo que o de costume.


- Quanto? -, questionou Eduardo, parando de beijá-la para ouvir, assustado, que seriam quatro meses, pois outro escritório, um enorme desta vez, seria aberto e tal evento era a oportunidade que ela tanto esperava para subir uns três degraus de uma só vez, pois estaria à frente de tudo por lá.


- Entende a minha chance, Du? A nossa, na verdade. Aquela casa em Sauípe pode sair, finalmente.


– Entendo, amor. Mas e eu? Você nunca passou tanto tempo assim distante de mim.


- É por isso que não estou confirmando que vou; preciso saber de você primeiro. Está tudo bem? É longo o período, mas você acha que dá? –, olhando no fundo dos olhos do esposo, Erika falou e esperou a resposta do marido.


Após pensar por alguns instantes, fazer contas com os dedos das mãos, resmungar e falar consigo mesmo, respondeu, finalmente, enquanto tentava ser o marido compreensivo que sempre fora, e disse que sim:


– Tudo bem, amor. Esperarei por você.


Erika ficou contente. Não esperava menos de Eduardo, pois se passaram por tantas coisas juntos, passariam por aqueles cento e vinte dias tranquilamente. Era uma certeza para os dois. E para celebrar o final daquela conversa, basta dizer que o dia ensolarado de domingo teve que esperar um pouco mais por eles.


*


Três dos quatro meses já haviam passado desde que Erika chegara em Natal. O trabalho ia muito bem, assim como a saudade de casa. Costumava falar com Eduardo por videoconferência ou por telefone quando não quebrava o protocolo de comunicação moderno ao enviar um cartão postal dentro de uma carta escrita à mão, que não demorava a ser respondida por ele.


Por ser uma pessoa muito simpática, Erika havia conquistado facilmente a amizade de algumas funcionárias potiguares, com as quais começara a sair, às vezes, fosse ao cinema, fosse ao barzinho.


Entre uma cerveja e outra, quantas foram as vezes que chegaram à mesa delas bilhetinhos de flerte, dos quais, cheios de clichês e muito mau gosto, alguns eram direcionados “àquela galega ali, garçom”. Erika sequer precisava recorrer a sua fidelidade de esposa para odiar aqueles pedidos; se anulavam em sua própria desgraça.


Acredito que todos somos adultos o bastante para entendermos que chega o dia, o fatídico dia, em que somos colocados à prova, qualquer que seja, afinal, como dizia um profeta: “ninguém é tentado senão pela sua própria cobiça”. Erika, aquele anjo dourado, aquela esposa linda e infalivelmente fiel, não pode deixar de dar ouvidos a um assunto que suas amigas levantaram enquanto esperavam , para comemorar a sexta-feira, chegar a carne de sol na nata que pediram no restaurante: falaram de um homem um pouco mais velho que elas, alto, barba bem feita, cheiroso e muito bem-vestido, de voz grave e de uma gentileza fora da curva. Disseram que o haviam encontrado acidentalmente, na travessia do semáforo da esquina do trabalho, por conta de um fato engraçado que acontecera entre os três:


– A gente, apressada que estava, trombou nele porque estávamos de olho num e-mail do serviço enquanto atravessava a rua. E apesar de ter sido culpa nossa, ele pediu mil perdões pelo café que derramou em cima de nossas blusas e, pasme, tirou tudo o que tinha na carteira, algo em torno de duzentos reais, e nos deu para que comprássemos outra, se fosse o caso.


- Sério? - Questionou Erika com o canudo da roska entre os lábios.


– Sim, e teve mais: falou que se o dinheiro não desse, a gente poderia procurar por ele num hotel onde ele estava hospedado, a dois quarteirões do trabalho. Falou que bastava perguntar ao porteiro pelo Sr. Carlos que ele passaria o recado. E tudo isso, baiana, sem demonstrar nenhuma intenção alheia a que te disse. Era realmente um homem bom, destes que parecem existir apenas nas novelas de época das seis.


Erika puxou o resto da roska enquanto a tudo ouvia, e aquela tentação que vem pela cobiça, como eu havia mencionado, acordara nela aquilo que a fizera se casar com Eduardo: a ideia de um amor ideal. Parece que havia encontrado, novamente, o que buscou quando mais nova e achou ter encontrado no marido, há oito anos. E aquilo começou a crescer dentro de si, num misto de curiosidade e culpa, o que remexeu sua cuca durante toda a prosa, e isso lhe acompanhou até sua casa e pareceu se instalar em seu travesseiro, sussurrando-lhe ideias e sugerindo coisas.


*


No sábado, Erika acordou com a imagem por si formada de Carlos; aquele homem permanecia em sua cabeça: montado como um moisaico do qual um quinto das peças veio do que ela ouvira e o restante do que ela complementara em suas ideias, sentia, antes da fome matinal, um voar de borboletas dentro de si. Ela havia se apaixonado novamente, após quase uma década.


A ideia de ver de perto o moreno gentil lhe perturbou tanto aquela manhã que ela, ignorando se alguma das duas amigas iria lá ou não, vestiu-se e andou até a calçada que ficava próxima à travessia da história. De lá, tomou o rumo do hotel onde Carlos estava hospedado. Seu corpo tremia e o coração batia em ritmo de folia.


– Existe, por fim, este homem perfeito?! - pensou consigo mesma, em frente a grande porta de vidro do edifício.

Do balcão de atendimento, um senhor de cabelos grisalhos percebia uma formosa mulher, roendo as unhas, parecia hesitar entrar no hotel. Sendo assim, foi até lá e falou com ela:


– Bom dia. A senhora precisa de um quarto?


Tentando disfarçar o susto, Erika respondeu ao homem:


- Desculpa. Acho que estou no hotel errado –, mentiu, arrependendo-se da ideia.


Mas nem bem Erika tinha saído da vista do educado senhor, ele pôs um dedo sob o queixo e lhe fez uma pergunta:


– Ah! A senhora, por acaso, reconhece a relação entre estas palavras: café, faixa de pedestres e Carlos?


Erika parou. Entendeu que o homem achou que ela era uma das duas amigas do incidente. Então, sem calcular muita coisa, se aproveitou da história do incidente e fingiu que sim:


– Sou sim.


– Pois ele deixou um envelope com um valor para entregar a vocês. Venha, me acompanhe até o balcão lá dentro.


– Na verdade, eu só vim agradecer. O dinheiro foi o suficiente. O senhor faria o favor de entregar um bilhete de agradecimento a ele, por gentileza?


– Eu deixaria a senhora subir e falar diretamente com ele se ele estivesse aqui. Mas é claro, eu entrego sim.


Assim, Erika escreveu não um bilhete, mas uma carta, uma carta a um fantasma de amor, a um Lego romântico, a um homem que fora confeccionado dentro dela. Pôs a folha dobrada dentro do envelope onde estava o dinheiro e o devolveu ao senhor.


Se há curiosidade para saber o que ela escreveu para Carlos, segue abaixo um esboço:


Caro Carlos,

Ainda não te conheço, mas ouvir sobre você através de amigas me fez questionar algo que eu havia enterrado no passado: haveria, no mundo, alguém que pudesse, finalmente, ser tão intrigante e maravilhoso como os homens que eu só conheci nos livros, quando adolescente? Sou uma mulher romântica e, por isso, sempre sonhei encontrar em meu caminho alguém parecido com você.

O que ouvi sobre você foi o suficiente para despertar o desejo de te encontrar. Portanto, pergunto: aceitaria tomar um café comigo?

Ainda dá tempo de me achar louca e ignorar tudo o que eu disse. Caso não corra, aguardo sua resposta. O endereço segue no final.

Atenciosa e previamente encantada,

Erika.


*


Não preciso dizer que o final de semana se arrastou como se fizesse pirraça pessoal a um único ser humano. Erika não saiu de casa hora nenhuma, esperando o interfone tocar.


Nada. Nada de nada. O relógio na parede parecia dar um risinho de maldade a cada passada de segundo.


Às 7h30 da segunda-feira, Erika saía para tomar um café na padaria antes de seguir para o trabalho. Antes de girar a maçaneta, ao olhar para o chão de tacos de madeira, viu que um pequeno envelope havia sido passado por debaixo da porta. A fome teve que esperar, logicamente, pois Erika, tomada de excitação, sentou-se ali mesmo, com as costas apoiadas na parede e devorou a carta, que dizia:


Uôu. Quem, neste mundo e nesta época, recebia tamanho elogio, com caneta, papel e tamanha franqueza assim?

Foi de assustar, a princípio, o que me escreveu e como foi direta em me convidar, pois mais parecia um ultimato. Mas, sim, a resposta é sim, Srta. Erika. Admiro sua coragem. Só não espero ser uma decepção para você, como parece que todos os homens já o foram para que você chegasse até aqui. Correrei o risco mesmo assim. É o que levamos da vida: vivências. Esta, certamente, fará diferença para mim e, de um jeito ou de outro, creio que para você também.

Convite mais que aceito. Mas nada de Café. Mangai, sábado, às 20 h. Estarei de camisa de botão preta e uma boina italiana.

Até lá, figura.

Estupefato, mas curioso,

Carlos.


*


No estacionamento do restaurante, como eu dizia, Erika hesitava em sair do carro. Um misto de euforia e medo dominava sua cabecinha dourada e formosa. Mas o anseio de conhecer aquele homem extraído de algum livro de amor-perfeito era maior; valia até deixar seu casamento, simbolizado ali pela aliança, no porta-moedas do veículo.


– Boa noite, senhora! Mesa para dois?


– Na verdade, já tem alguém me esperando.


O atendente, ao conduzir Erika para dentro do restaurante, mostrou-lhe as mesas:


Não encontrando ninguém com as descrições da carta, Erika falou ao atendente:


- Não estou encontrando. A pessoa que me espera esta vest…


– Camisa preta e uma boina? Sr. Carlos, sim? Ele avisou que viria. Está na mesa próxima aos cachos de banana, mas parece que foi ao banheiro. Me acompanhe.


Erika se sentou em frente à cadeira em que ele provavelmente estaria e o esperou, disfarçando a impaciência.


Dois longos minutos se passaram até que o homem, vendo-a de longe, sorrateiramente chegou por trás dela sem ser percebido e, colocando suas duas mãos grandes sobre os olhos castanhos de Erika, disse, com sua voz grade e suave ao mesmo tempo:


– Adivinha quem é?


Erika gelou. A vontade de encontrá-lo parecia agora dar lugar a algum outro sentimento, incômodo. Havia algo errado ali. Seria um Déjà-vu? Talvez.


Quando Carlos, por fim, tirou as mãos do rosto de Erika, a estranha sensação que a dominava foi rapidamente justificada:


– Você se esqueceu do meu primeiro nome?


– O … o que você faz aqui?


– Havia uma demanda de montagem de estrutura de rede em algumas cidades, e eu podia escolher em qual delas eu trabalharia. Coincidentemente, tinha Natal. Pensei em te fazer uma surpresa, mas antes que tomasse um banho após um virote pauleira no serviço, recebi do porteiro uma carta sua. Logo, muito prazer novamente, Erika. Eu sou o Carlos, Carlos Eduardo. O que devemos pedir? A conta ou algo bem forte primeiro?

Dec. 3, 2019, 5:29 p.m. 2 Report Embed 3
The End

Meet the author

Witalo Castro "...A passagem dos séculos me assombra./ Para onde irá, correndo, minha sombra/ Neste cavalo de eletricidade?/ Caminho, e a mim pergunto na vertigem:/ Quem sou? Para onde vou? Qual minha origem?/ E parece-me um sonho a realidade..."/ Poema Negro - Augusto dos Anjos Tenho trinta e alguns anos, sou baiano, gosto de Poesia e me aventuro a escrever contos. O mundo é para mim um moinho, mas sei que ainda há beleza nele, nem que seja a que é dada a ele através da Literatura.

Comment something

Post!
Valmir Brito Valmir Brito
Como o primeiro conto teu que li esse também prendeu minha atenção até o final (que, por sinal, deixou um gostão de quero mais). Parabéns, Witalo! Só responda uma coisa: por que essa de deixar o leitor esperando mais acontecimentos? Rapaaaaz! Abraço do Brito!
1 week ago

  • Witalo Castro Witalo Castro
    Apois, Brito-sama, tem horas que eu deixo para vocês o restante. O final ficou com duas possibilidades, mas não achei por bem escolher uma e pronto.kkkk Obrigado pela moral, irmão. P.S. Postei um conto erótico também. Este teve final.rss 1 week ago
~

Related stories