rodrigotarrago Rodrigo Tarragô

Quando uma profecia anuncia a chegada de um grande mal, um jovem procura desvendar seu passado enquanto tenta impedir o que está por vir.


Adventure All public.
32
17.7k VIEWS
In progress - New chapter Every 30 days
reading time
AA Share

Em busca de uma história

Prólogo


O crepúsculo derramava suas tonalidades quando a visão da pequena gruta se revelou. Após desbravar um caminho árduo através da densa floresta, finalmente alcançou-se o objetivo almejado. Das entranhas da caverna, apenas um estreito feixe de luz âmbar era perceptível, e sua intensidade aumentava à medida que se adentrava na montanha. As paredes de pedra, antigas guardiãs do tempo, refletiam artefatos dos mais variados, tapeçarias tecidas por mãos há muito desaparecidas, armas ancestrais cujas histórias ecoavam pelos séculos, entre outras relíquias que adornavam o recinto como testemunhas silenciosas de eras passadas. Cada passo ressoava na caverna, ecoando como um sussurro, enquanto a luz âmbar dançava misteriosamente sobre os antigos artefatos, como se buscasse revelar segredos há muito ocultos. Ao término do corredor, um pequeno salão se revelava. No centro da sala circular erguia-se um cristal de meio metro de altura, emanando a luz âmbar que se avistava desde a entrada da caverna. No interior da sala, mais objetos estavam dispostos, enquanto ao fundo, uma estreita fenda conduzia a uma nova câmara, oculta por uma cortina de trapos.


Diante do cristal, cujo calor se fazia sentir no ambiente, uma pequena senhora permanecia sentada de costas para a entrada. Envolta por uma capa de linho, exibia o símbolo vermelho de uma pata de animal.


"Eu esperava tua vinda", proferiu a anciã sem se voltar.


Com um gesto, convidou o estranho a se assentar junto ao cristal. O calor emanado pela pedra era reconfortante, e sua luz, embora intensa, não ofuscava a visão, mudando de intensidade como as marés do mar, num ritmo quase hipnótico.


A velha, cuja estatura mal alcançava um metro, contemplava profundamente o cristal, como se vislumbrasse cenas de um passado remoto dentro dele. Seus cabelos grisalhos pendiam trançados sobre o ombro direito até o peito, onde se enroscavam entre os dedos. Sob a capa de linho, uma longa túnica cobria-lhe o corpo, chegando aos pés descalços. Segurava um longo cachimbo com a mão esquerda, cuja chama há muito se extinguira.


Minutos de silêncio se seguiram até que a anciã iniciasse a fala.


"O que traz alguém como tu a um lugar como este? Não, não precisas responder, tiich tiich tiich...", riu a idosa, exibindo os últimos três dentes.


"Ninguém busca a Grande Naualli por outro motivo", disse com orgulho.


"Buscas por uma nova história, mas não, não uma história qualquer, não. Apenas uma narrativa que não poderias encontrar em nenhum outro lugar além deste."


Naualli ergueu-se, murmurando palavras sem sentido ou compreensíveis apenas para si.


"Poderia contar-te inúmeras histórias, como a do estranho rapaz com um chapéu peculiar que ansiava por aventurar-se pelos mares, ou a do jovem rapaz-raposa que almejava ser o líder guerreiro de sua aldeia, mas não. Essas histórias todos conhecemos. Vieste até aqui por algo diferente, algo que ainda não foi contado", ponderou Naualli, fitando sua coleção de relíquias com profunda reflexão.


Após alguns minutos imersa em pensamentos, sem ser interrompida, pois um contador de histórias jamais se apressa, ela se aproximou e proferiu:


"Selvagem."


As palavras escaparam-lhe dos lábios quase como um sussurro, mas seu entusiasmo com a ideia era evidente.


"Sim, sim! tiich tiich tiich!", exclamou Naualli enquanto ria.


"Selvagem é perfeita para ti. Esta narrativa foi transmitida por gerações de contadores em nossa tribo, mas muito dela se perdeu além desta região."


Naualli reassentou-se junto ao cristal. Bateu seu longo cachimbo numa pedra, limpando os resíduos do fumo anterior, e retirou de dentro de sua capa um saco de fumo para recarregá-lo. Com a ponta do dedo indicador, tocou o grande cristal âmbar no centro da sala. O toque durou menos de um segundo, e então, com a ponta do dedo ainda brilhando, Naualli acendeu o fumo no cachimbo, que prontamente se inflamou em pequenas chamas.


Após algumas longas baforadas e ao expelir a fumaça que já se espalhava pelo ambiente, deixando um aroma doce no ar, a velha contadora de histórias prosseguiu:


"O que estou prestes a contar-te ocorreu há muitos invernos atrás, numa época de caos que assolava todas as terras..."

Dec. 8, 2021, 9:20 a.m. 5 Report Embed Follow story
11
Read next chapter O relato de um velho mercador

Comment something

Post!
Sabrina Andrade Sabrina Andrade
Olá, sou a consultora Sabrina. E trabalho para uma plataforma de livros digitais. Gostei bastante da sua história. Se estiver interessada em saber mais. Entre em contato comigo através do WhatsApp: 92984759876
June 25, 2023, 20:57
Margarita Lapina Margarita Lapina
TYVM for the Very PowerFull Story )) Have a IdeasFull Year!
September 13, 2019, 09:04
Rodrigo Borges Rodrigo Borges
Eu gostei da sua habilidade de descrição. Acredito que você deixou faltar muitas explicações sobre o cerne da história, o que me deixou motivado em ir até o final; ademais, essa falta de explicação é compensada pela riqueza de detalhes sobre o ambiente e a disposição de Naualli. Porém, senti falta de metáforas mais ricas, como na parte da luz "como ondas que vêm e vai". Há também outro ponto negativo: senti falta do uso de outros pontos como ponto e vírgula, hífen. Há também a colocação errática da vírgula em algumas partes, como, por ex.: "No centro da sala, havia um cristal", você separou sujeito do verbo. Bom, espero não ter faltado com delicadeza, mas caso tenha acontecido, mil perdões; minha pura intensão é fazer uma crítica para que seu texto fique agradável tanto de se ver, quanto de se viver. Ficaria muito feliz em receber uma crítica sua a respeito de meus textos, afinal, criticar sendo leitor é muito diferente de fazer sendo escritor :).
September 06, 2019, 05:14

  • Rodrigo Borges Rodrigo Borges
    Ah, aviso que aos poucos vou lendo os demais capítulos. September 06, 2019, 05:14
  • Rodrigo Tarragô Rodrigo Tarragô
    É exatamente esse tipo de comentário que eu busco. O que ajuda a aperfeiçoar a técnica. Muito Obrigado! September 06, 2019, 15:21
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 3 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!