Short tale
0
2.2k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo único

- Kakashi... – a voz dele soa baixa, tímida, em um tom que aparenta abdicado ao próprio cansaço. Não há nenhum sinal de urgência, mas ele sabe que tem sua atenção, então continua – Eu amo você.

De onde você está você para. Congela. O sapato que calçava a meio caminho do pé. Essa é a primeira vez que seu pai te diz algo desse tipo a meses, e você chega a se surpreender o quanto sente o próprio peito aquecer.

Você lentamente gira a cabeça, ao tempo em que usa para processar aquela simples sentença. Sakumo permanece em sua posição à mesa, ele não move um músculo e te olha como se aguardando que você entenda. E você está feliz... tão feliz que sente que poderia abraçá-lo, mas o tempo corre e logo você se atrasará para a reunião com seu novo time.

Seu pai sorri em sua direção e você esboça um pequeno curvar de lábios por baixo da máscara, e só o que diz é:

- Eu volto logo. Hoje vamos ter salmão grelhado para o jantar!

E você sai. E não olha para trás.


xxxx


Você sempre foi uma criança prodígio, desde que se entende por gente.

Seus oito anos de idade não passam de nada mais que um simples número a comparar com o nível de suas habilidades. Você possui técnicas que poderiam ser comparadas ao nível chuunin de dificuldade. Você consegue derrubar ninjas de três vezes o seu tamanho com a facilidade com qual chuta a bunda de seus colegas de classe em disputas na escola. Em combate, você possui um nível crítico de percepção que ultrapassaria a de muitos adultos formados.

E, mais do que isso, você tem total confiança em suas técnicas e um conhecimento cru de todos os seus limites. É isso que te diferencia dos demais. É isso que te dá segurança em campo de batalha.

Você tem total e plena segurança de que seus métodos não te deixarão ser pego desprevenido em uma situação crítica. Ou, ao menos, reduzirão essas possibilidades a um nível mínimo.

Mas, então, pela primeira vez na vida, você não consegue ter a mínima ideia do que está fazendo.

Seu corpo preparado para reagir rapidamente ao mais sutil dos ataques está estagnado em seu lugar. Suas mãos treinadas para arremessar armas e acertar alvos difíceis com a precisão de uma águia tremem. Não há força em seus joelhos. Não há sangue correndo em suas articulações. E você não consegue pensar em nenhum motivo racionalmente plausível para que você esteja tentando estancar um sangramento tão forte com mãos nuas.

Você poderia ter corrido para o gabinete de primeiros socorros buscar bandagens. Você poderia mandar um clone para buscar ajuda. Você consegue pensar em, ao menos, sete movimentos diferentes que lhe seriam mais úteis do que o que está tentando fazer.

Mas você nada faz.

O curto punhal sujo de sangue ainda restava próximo do seu pé, e você o chuta para uma longa distância naquela sala vazia. Vazia e intacta, sem o menor resquício de invasão ou ataque inimigo – o que você tem certeza por ter custado um extenso tempo analisando. E você não erra, você nunca erra.

Você é um maldito prodígio.

O buraco da ferida é grande demais. Maior do que suas mãos. E é mais do que claro que tudo isso está sendo inútil. Sua mente te bombardeia com todas as possibilidades do que você não está tentando. Do que você não está fazendo. Mova-se! Rápido! Faça alguma coisa!

Seu corpo não obedece. E, em vez disso, aqui está você. Ao chão. Coberto em uma poça do sangue de seu próprio pai, enquanto consegue sentir o corpo inerte dele esfriando gradativamente sobre a pressão de seus dedos.

Sakumo tirou a própria vida.

Seu próprio pai. o Canino Branco de Konoha. O gênio. O verdadeiro herói. O shinobi de elite.

Uma farsa.

Você se sente só. Você se sente abandonado. Mais do que qualquer coisa, você se sente traído.

Pela primeira vez na vida, você age conforme a idade que possui. E chora.

Aug. 7, 2019, 9:02 p.m. 1 Report Embed 2
The End

Meet the author

Políbio Manieri Being alive...

Comment something

Post!
Inial Lekim Inial Lekim
Mulier vai-te a porra que depois de séculos nem pra ser um romancinho fofo. Naaaaaaaaaaaao. Taca-me desgraça na cara. Porém adorei. A gente lê experienciando cada sentimento da criança que o Kakashi era - e é tão difícil encontrar fanfics assim, que tenham essa leveza e esse impacto.
Aug. 7, 2019, 6:27 p.m.
~