We are experiencing some slowness issues in our website. We apologize and thank you for your patience while we continue to work hard to reestablish fast performance.
valeriacazevedo Valéria Costa

Os maiores professores não são a vida, a experiência ou a dor, mas os sonhos.


Short Story All public.
Short tale
4
4.4k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

O Homem de Chapéu Laranja

— A felicidade não existe! —gritou o Homem de Chapéu Laranja.

— O medo e a escuridão também não, são apenas projeções mentais —respondeu a Menina Que Costura Sonhos.

— O que eu quero dizer é que o medo e a escuridão mesmo não existindo, quando aparecem teimam em determinar o futuro daqueles que estão por perto. Mas a felicidade é falsa, ela não surge nem de projeções, pois é fingida.

— Projeções mentais tem poder, Homem de Chapéu Laranja, mas só tem o poder que nós canalizamos para elas. A felicidade não é deste mundo, mas eu também não sou. Ela vive dentro de nós e não precisa ser expressada para quem está fora.

— Se você prefere continuar pensando assim, nada posso fazer, afinal, sou um mero observador das estrelas —disse o Homem de Chapéu Laranja voltando-se para o céu.

— Como pode observar as estrelas se ainda é dia?

— Só porque não podemos ver, Menina que Costura Sonhos, não quer dizer que elas não estejam lá.

Sorrindo, a menina virou-se para o homem e disse:

— Exatamente, senhor. Só por que você ainda não viu a felicidade, não que dizer que ela não exista.

— Está enganada menina, a felicidade morava na minha casa, era minha confidente, mas ela me traiu, fugiu de mim, mesmo depois de eu tê-la alimentado e abrigado.

— E onde você morava?

— No Morro da Pedra do Pescador —o homem falou com voz embargada, remexendo a caixa das memórias.

— E por que você diz que ela fugiu?

— Em uma tarde de outono...

— Não seja poético, Homem de Chapéu Laranja, seu coração e suas emoções não cabem em um poema. Seja literal, por favor —disse a menina.

— Está certa. Meu avô era o meu melhor amigo, a vida era colorida com ele, pois ele me fazia ler com os olhos fechados. "Os olhos enganam", dizia ele. Tudo tinha sentido, eu sabia o propósito de estar vivo. Mas em uma tarde tudo ficou cinza, seus olhos se fecharam para sempre, talvez agora ele veja tudo mais bonito e como realmente é. E eu... Bom, eu estou aqui tentando entender o significado do termo "felicidade".

— Como se chamava o seu avô.

— O Doador de Detalhes.

— Ouvi falar do seu avô. Li quase todos os seus livros e realmente fiquei apaixonada pelos detalhes que ele me deu.

— Sim, é verdade. Meu avô foi o grande homem das histórias reais.

— Reais?! Não pode ser. Como ele pode ter vivido tudo aquilo de verdade?

— É que a realidade dele era diferente da minha ou da sua. Ele vivia pelo que você costura, ou seja, pelos sonhos. Ele construía impérios e muralhas indestrutíveis dentro da própria mente. Nada era impossível.

— Engraçado você dizer isso, senhor. Achei que tivesse dito que a felicidade não existia.

— Na verdade menina, eu é que não sei vê-la.

— Mas senhor, você está com seus olhos bem abertos, veja... Escute o vento. Isso sim é felicidade.

A menina falou apontando para o imenso campo de tulipas que se estendia por quilômetros. Ao seu lado havia uma enorme árvore com folhas alaranjadas onde esquilos estocavam nozes.

— É esse o problema, menina: nunca mais pude fechar os olhos e isso me impediu de criar minha felicidade. Quando os fecho, tudo que consigo ver é a escuridão que você diz não existir. E a felicidade nem sequer vem me dar um oi.

— Sinto muito senhor, mas a culpa é sua.

— O que disse, menina?

— Disse que a culpa é sua. O que você guarda aí dentro transforma o que você tem por fora. Por que não faz uma limpeza na sua casa?

— Minha casa está muito bem higienizada, menina.

— Não estou falando daquela casa onde você guarda seus móveis e as outras tralhas, estou falando dessa aqui —disse a menina colocando a mão no coração do homem.

— E como é que eu faço isso? Quer que eu coma sabão?

A menina soltou uma gargalhada e continuou olhando para o homem, balançando a cabeça. Ela estava pensando no quanto os acontecimentos podem ser engraçados: ali estava ela, uma menina, e ele, um homem. Pela diferença de idade era ele quem deveria ensiná-la, mas estava acontecendo o contrário.

— Você já amou, Homem de Chapéu Laranja? Sabe o que é isso?

— Não —o homem respondeu mais para si mesmo do que para a menina.

— Então eu encontrei o problema. O sabão que você deve usar para limpar por dentro é o amor.

— Como assim Menina que Costura Sonhos?

— Bom —a menina pareceu brevemente procurar algo em volta—, veja esta tulipa. É linda não é?

— Sim, é muito bonita, mas o que isso tem a ver?

— Se você ama esta tulipa, o que você faz com ela?

— Tiro-a daí e levo para casa —o homem respondeu como se a resposta fosse lógica.

— Está errado, senhor. Se realmente amasse a tulipa deixaria ela onde está, porque sabe que se levá-la para casa ela vai morrer, e quem ama ajuda a viver.

— Acho que entendi, Menina que Costura Sonhos, mas meu tempo de amar já passou. Hoje sou quase tão velho quanto o meu avô quando partiu.

A menina arregalou um pouco os olhos, impressionada com a ideia do homem. Internamente ela se divertia com situações como essas.

— Está novamente errado, senhor, se pensa que estou falando de protagonizar um romance com uma mulher. Por que não tenta amar algo mais difícil e complexo?

O homem balançou a cabeça tentando pensar em algo que ele conhecesse que fosse mais complexo que as mulheres.

— O que, por exemplo?

— Tente amar a humanidade. Tenho certeza que se o senhor conseguir essa proeza, sem dúvida vai encontrar a felicidade.

— Acho que não posso fazer isso menina. As pessoas já me causaram muitas dores, não sei se posso amá-las. E mesmo se conseguisse, como isso iria me ajudar a encontrar a felicidade?

— Você precisa aprender outra coisa antes de amar. Tem que aprender a perdoar, senhor. Viu? Já descobrimos a sujeira no seu coração que é todo esse rancor que você guarda. Também já descobrimos o sabão e o esfregão que são o perdão e o amor. Agora você só precisa começar a limpar e esvaziar a casa. E não se esqueça de não deixar entrar sujeira novamente. Ah! Quase ia esquecendo, limpe e esvazie a casa, mas não a deixe vazia, decore-a com tudo que há de bom e alegre.

— Menina que Costura Sonhos, você é muito esperta para a sua idade. Com quem aprendeu tudo isso?

— O senhor não sabe a minha idade, mas posso dizer que aprendi tudo com o meu pai.

— E qual é o nome do seu pai?

— Ele tem vários nomes: El Shaddai, Elohim, Shamah, Palet, El Raí, Adonai... Cada um chama de um jeito diferente. Eu prefiro chamar de Deus.

— Deus? E onde ele mora?

— Em todos os lugares e em lugar nenhum ao mesmo tempo.

— E como você o vê, menina?

— Eu faço como o seu avô, senhor. Fecho os olhos.

— Interessante —disse o homem pensativo, tendo aquela velha sensação de reconhecimento—. Bom, menina, eu preciso ir —o Homem de Chapéu Laranja olhava para o relógio no pulso—. Senão vou perder a hora.

— A hora é só um conceito abstrato, senhor.

— Nem por isso deixa de existir menina.

— Acho que o senhor está começando a pegar o jeito— disse a menina sorrindo.

O Homem de Chapéu Laranja sorriu e deu uma piscadela, virou-se e começou a andar pelo campo de tulipas. Admirando as flores pelo caminho, instintivamente arqueou-se para arrancar uma, mas no meio do movimento conteve-se. Sorriu lembrando da Menina que Costura Sonhos. Depois continuou andando compondo um assobio baixo.

Àquela altura a menina já desaparecia no ar, fragmentando-se em milhões de partículas energéticas, assim como tudo ao redor. Logo ela estaria no sonho de outra pessoa, tentando ensinar só um pouquinho de sabedoria, doutrinando e amando a mais um irmãozinho perdido na amargura.


July 30, 2019, 11:01 a.m. 2 Report Embed Follow story
4
The End

Meet the author

Valéria Costa Adoro a vida e toda sua composição. Amate de literatura e qualquer coisa que possa ser leitura. Estudante de Letras apaixonada pela arte de lecionar. Observadora das estrelas, precursora da liberdade e fã de café (muito café mesmo).

Comment something

Post!
Walisson Aguiar Walisson Aguiar
ADOREI!! Realmente é muito bom, pena que foi uma historia muito curta, O Homem de Chapéu Laranja parece muito com as pessoas e a menina era como se fosse Deus mesmo dizendo na historia que não é, mas eu gostei muito e espero q venha mais contos ou historia de Valéria Costa.
August 01, 2019, 01:35

  • Valéria Costa Valéria Costa
    Obrigada!!! É muito bom compartilhar ideia e ver que as pessoas admiram. Obrigada de verdade. August 05, 2019, 19:04
~

More stories

Finding Eden Finding Eden
Angels Of Three Angels Of Three