Pigmento Follow story

ya-young1554031536 Ya Young

Pecado, o mundo se vê nele. Padres sabem muito sobre o pecado do mundo.


Fanfiction Anime/Manga For over 18 only.

#gaara #gaalee #leegaa #lee #sabaku-no-gaara
Short tale
1
1781 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Pigmento

"Esses padres conhecem mais pecados do que a gente..."

....Alma limpa.... leve... e pura.... é assim queeu o via um ser que foi cercado de pecados e maldades, mas nunca se manchou com aquilo.

Ele é uma tela linda branca, mesmo já tendo seus vinte e cinco anos, crescido em um lar onde sua mãe não o queria e seu pai, bom ele não conheceu, talvez foi melhor assim. Quando completou cinco fugiu em meio a uma tempestade e foi salvo por um padre a beira da velhice.

Cresceu sendo educado por aquele velho para virar padre, aos dez foi matriculado em uma escola do clero para quando se formasse voltasse ao pequeno vilarejo e cuidasse dos moradores daquela região.

É para ele que estou olhando agora meu quadro em branco, minha obra de arte com seu corpo de um metro e sessenta e quatro, cabelos curtos em seu tom vermelho sangue, lábios finos para proferir o latim para reger as missas.

E o principal que me atrai desde o momento em que nascerá, seus olhos verdes, que me puxam para ele. Vi o povo se reunir entorno do caixão do padre, o coração parou na noite passada não aguentando para rever seu pequeno discípulo retornar.

Sentei-me em sima de uma das lápides ouvindo o corro de senhoras cantarolando uma reza em encomenda da alma.

Um barulho de galopes vinha ecoando em meus ouvidos e um sorriso em meu rosto vermelho se formava, Gaara está de volta e agora eu posso pintar esta tela ao meu beu prazer.

O animal preto altivo fincou o casco no chão e vi seu cavalariço descendo e revelando seu rosto a todos ali, o manto preto deslizou até o chão e o novo padre havia chegado ao vilarejo.

–Padre ele não resistiu partiu antes de te ver retornar.

Dizia o senhor se aproximando do mais novo, o corpo se moveu sozinho a passos lentos e se debruçando sobre o caixão, um ultimo adeus.

–Eu cuidarei da agenda da igreja, só peço um ou dois dias para me estabilizar aqui.

A voz grossa de Gaara me arrepiou, seu tom doce não lembrava a criança que era.

–Tome seu tempo padre.

Aos poucos o cemitério foi ficando vazio só me restando as almas, olhei para o céu a noite começava a cair e a lua estava cheia e brilhante.

- Hora de visitá-lo.

Passei a linguá pelos meus lábios, está na hora dele ver o seu demônio.

Entrei na igreja vendo a silhueta entonar algo em latim enquanto purificava cada canto daquele edifício velho, de paredes brancas sujas quase marrons, vitrais em tons escuros e de pouca luminosidade.

–Glória Patri et Fílio et Spirítui Sancto. Sicut erat in princípio et nunc et semper et in saecula saeculórum...

–Amém.

Disse junto ao outro fazendo o som ecoar por todo o ambiente.

–Quem está ai?

Não fiz mais nenhum ruido, ele apagou as velas e foi para o ambiente de trás da igreja onde há um pequeno quarto, cozinha e banheiro de pouco luxo.

A roupa preta de padre foi deslizando revelando a pele branca e com poucos músculos, mamilos rosados e mostrando que Gaara se arrepia fácil com o frio. Seus pés o levaram para o banheiro ouvi o barulho de água ele está se preparando para descansar.

Voltou envolto a um pijama tom azul marinho, se ajoelhou e começou a rezar em latim, esperei completar vinte Ave Marias e assim começar a jogá-lo no pecado.

–Sabe que os padres conhecem mais pecados que qualquer outro ser? Más você mesmo vindo dele não esta manchado.

Disse aproveitando a penumbra que encobria o quarto, me escondendo nela.

- Quem está ai?

- Tenho vários nomes, e vários rostos, vários séculos. Talvez eu devesse usar um simples para me apresentar.

Disse sem me mover, vendo suas orbes verdes brilhando com a claridade da luz que invadia o ambiente pela janela.

–Me chame de Lee, se lembra desse nome seu primeiro amigo?

–Você é um...

–Demônio, diga, repita pense em mim, senhor padre.

–Não é possível que você possa estar aqui, um demônio dentro da igreja, isso e uma...

–Já disse padres conhecem o pecado, o mal pode entrar onde quiserem basta ter uma alma conturbada no local. Eu o conheço desde antes de nascer vi o pecado de seus pais, sua mãe queria dinheiro e seu pai diversão, mas de duas almas manchadas você foi feito.

Sai do meu lugar revelando minha presença, notei o ser a minha frente paralisar.

– Você tem a alma mais pura que já vi, mais pura que um recém nascido. E antes que me pergunte eu vou manchá-lo, pigmentar sua alma com as minhas cores.

– Exorcizamus te...

– Não cante minha musica favorita, eu iria amar ter seu corpo enquanto canta ela para mim.

– Não vou ceder as suas tentações.

– Vai sim Gaara, eu sei que essa tela branca que e sua alma nasceu para ser minha.

– Não diga idiotices, sou ungido pelo Papa, uma alma fechada para qualquer possessão.

– Não é esse tipo de possuir que vou fazer.

Me movi ficando a centímetros do pequeno corpo, Gaara mantinha os pensamentos em rezas em latim, tentando me afastar dele. Em um micro espaço de tempo ele me revelou seu desejo mais profundo.

– E isso que desejas?

Nada se disse, ele só repetia a reza, como um mantra para acalmar os pensamentos, mas de nada fazia efeito podia notar as batidas fortes do seu coração.

Virei seu corpo bruscamente encaixando suas costas em meu peito, rasguei de cima a baixo seu pijama.

– Comecemos a pintar.

Mordi seu pescoço, lambendo após o local, assoprei podendo ver a penugem do pescoço se arrepiar.

– Primeira cor roxo luxúria.

Aproveitei minha mão grande e comecei a acariciar o membro de Gaara, que relutava para não sentir prazer, ato falho seu pênis mostrava todo o tesão que obtinha.

– Pare por favor eu sou um padre. Eu não...

– Não quer? Depois de me presentear com seu sêmen em minhas mãos. Ok eu paro agora é só.

O tom verde de seus olhos estavam escuros, brilhando quase fluorescente, meu corpo se arrepiou olhando aquela obra de arte a tela em branco agora tem manchas roxas.

– Vai...

O corpo do padre escorregou até o chão, vi ele se tocando necessitado de mais prazer.

– Precisa de ajuda?

– Me deixe... Isso que sinto como posso? Como pode...

– Isso é a luxúria, o que move todos no mundo a necessidade de explorar o prazer carnal.

– v Você me fez pensar em cousas impuras.

– Não só abri os caminhos para elas saírem, você já as possuía. Segunda cor azul do desejo.

Aproveitei o corpo ajoelhado e puxei sem muito cuidado seu rosto até meu membro, usei dois dedos para abrir sua boca e me afundar em sua úmida e deliciosa cavidade.

– Chupe como se o ar viesse dele.

Olhar para seu rosto suave, mas já mostrando o desejo em seus olhos me fez adorar tudo que estou fazendo. Me sentei na cama, acariciei os cabelos vermelhos e preenchi sua boca, puxei os fios de seu cabelo o trazendo para meu colo.

– Hora de colorir mais sua alma.

Deitei o corpo de Gaara na cama, ele ainda tentava se cobrir e se proteger. Me posicionei entre suas pernas e abocanhei seu pênis que se mantém ereto. Sugava deixando que os sons o envolvessem, meu olhar se fixou em seu rosto ele cobria a boca para não soltar nenhum grunhido.

– Melhor eu me apresar terás visita logo, logo.

Os olhos dele se arregalaram, seu olhar de suplica só me excitava mais.

Introduzi um dedo em seu ânus, que arqueou muito sua coluna, esperei um pouco e introduzi outro dedo, ele fez o mesmo movimento.

– Quem... Quem vi....

Não conseguia concluir sua pergunta.

Meus dedos eram sugados por seu ânus, me deixando com vontade de jogar toda a calma longe e me afundar o fazendo gemer tanto pra acordar todos os moradores do vilarejo.

– Termine isso, não quero que ninguém ousa o que fazemos.

Sorri com suas palavras, me afundando totalmente nele, seu corpo quente me envolvia, senti suas mãos me puxando para si e me movi aumentando minha velocidade, o contato dos nossos corpos esquentava o ambiente.

Gozei, deixando o peso do meu corpo cair sobre o dele, em um movimento rápido o padre abaixo de mim me abraçou.

– Meu...

Bateram na porta o interrompendo seu olhar de assustado me excitou, más só o soutei de mim o deixando se vestir com um outro pijama, e ir atender, se trata da morte de uma criança.

– Tudo bem eu vou lá, só me deem um tempo para pegar os matérias.

Gaara disse calmo acalentando o pai que viera o buscar, o corpo voltou ao quarto se vestindo com sua veste de padre e arrumando uma pequena mala com óleo e água benta, rosário e sua pequena bíblia.

Ao amanhecer vi ele regressando cansado ainda teria que rezar a missa de domingo logo pela manhã.

- Terás a mim ao seu lado.

Disse saindo do banheiro, revelando meu novo semblante, corpo mediano de um metro e oitenta, cabelos pretos olhos pretos e com um pouco mais de músculos.

– Serei seu ajudante, um padre recém formado que chegou a noite, assim não deixarei que outro além de mim peque com você, meu querido padre.

Gaara não esboçou nada, caminhou até a mim, sorriu e me empurrou na cama, suas mãos percorriam meu corpo até acariciar meu membro.

– Lee, meu demônio, quero ser teu durante todo esse dia, durante toda essa eternidade.

Eu havia o manchado bem, mostrado o pecado e caído nele, Gaara era o padre sorridente e bondoso pelas manhãs, o padre justo pelas tardes, e o padre pecador nas noites em que se deitava comigo.

Um demônio, seu eterno Lee.


July 15, 2019, 11:58 a.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~