Cheiro Follow story

BeatrizPFT25 Beatriz PFT25

Mesmo que fosse perigoso para um ômega estar sozinho num bar à noite, era exatamente nessas condições em que Kaminari Denki se encontrava. Quando tentou lembrar-se das razões de estar ali, apenas um cheiro se fez presente nas suas memórias. E foi com a vontade de encontrar a fonte do cheiro que Kaminari decidiu percorrer aquele bar. [KiriKami # UA # Omegaverse # One-shot]


Fanfiction Anime/Manga All public.

#ua #MençãoBakuDeku #kirikami #KaminariDenki #KirishimaEijirou #omegaverse #abo #bokunoheroacademia
3
1135 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único - Cheiro

Existem diversas razões para as pessoas escolherem sair à noite. Passar tempo com os amigos, dançar, para, quem sabe, até mesmo para conhecer pessoas novas, algumas até para trocarem prazeres, mesmo que nessas situações normalmente fossem casos de apenas uma noite, e até só mesmo para beber, tanto por simplesmente gostar como apenas para esquecer.

E Kaminari tinha decidido sair naquela noite de sexta, estando incluído na última opção, mesmo que apenas se lembrasse vagamente que tinha ido por estar chateado com alguém, mesmo que estar sozinho fosse perigoso para um ômega, Kaminari não pensava nisso no momento.

Agora estava apenas a pensar qual seria a bebida que tinha em mãos, olhou para a frente, e voltou a olhar para o copo, nem sequer se lembrando quando se tinha sentado em frente ao bar.

Mas algo não parecia bem, Kaminari estava a sentir-se sozinho, e não era divertido não ter ninguém ao seu lado. Fechou então os olhos tentava forçar a sua mente a trazer de volta as memórias que a bebida tinha insistido em apagar momentaneamente, mas apenas uma coisa lhe vinha à mente, um cheiro, um cheiro bom e viciante, um cheiro que Kaminari se lembrava de ser o seu favorito, e foi com isso em mente que Kaminari decidiu procurar por esse cheiro, esperando encontrá-lo naquele lugar lotado de pessoas.

Levantou-se lentamente do banco alto onde estava, apoiando-se no balcão para não cair, olhou para o copo na sua mão, não se lembrava se tinha pago, nem sequer onde tinha a sua carteira, então bebeu o liquido todo de uma vez, sentido que o álcool já não lhe queimava tanto a garganta como se recordava, pousando o copo vazio e saiu dali.

Passou por uma zona relativamente mais calma, onde haviam sofás e mesas, as pessoas que estavam lá estavam praticamente a comer-se em público, e as que pareciam mais tímidas, já tinham algumas mãos mais atrevidas a passar pelo corpo da pessoa que os acompanhava.

Kaminari não se preocupou muito, não reconheceu ninguém, e o cheiro não estava ali, sabia que reconheceria o cheiro se estivesse minimamente perto da fonte do mesmo. Mas mesmo que tentasse não se conseguia lembrar de onde aquele cheiro era, seria de alguma flor? Algum perfume? Uma pessoa? Realmente não se conseguia lembrar.

Kaminari voltou a andar, ou tentou, já que não se conseguia manter em pé sem cambalear, rindo algumas vezes, não sabendo porque o fazia, mas simplesmente ria.

Seguiu em direção a uma das portas daquele lugar, uma que dava para uma zona ao ar livre, passando por entre as pessoas que dançavam ao som de uma música que Kaminari não reconhecia, mas mesmo assim tentou dançar também um pouco, rindo animado por se abanar com tantas pessoas à sua volta, mesmo quando sentiu algumas mãos mais atrevidas apalpá-lo.

Passado algum tempo, que Kaminari não conseguiu ter noção de quanto tinha sido realmente, conseguiu chegar à porta, indo para a zona descoberta, não sem antes ter sido apalpado novamente.

Assim que observa o local ao seu redor não reconhecia ninguém, havia uma zona em que mais algumas pessoas dançavam, e outra com outros sofás, mas nestes ninguém parecia estar a saciar nenhum fetiche de ter relações com um público a assistir.

Kaminari andou até uma zona que dava para o rio, agarrando-se numa barra de proteção, para ninguém cair na água, já que estava a ser difícil manter-se em pé sem quase cair.

Sentiu o corpo quente, provavelmente da bebida em demasia, e mesmo com a brisa fresca o seu corpo parecia não ter nenhuma descida de temperatura.

Kaminari começou a rir-se, de uma maneira incrivelmente alta e escandalosa para alguém que estava sozinho, e ele, ao parar de rir, nem se lembrava a razão de o ter feito, talvez pela água estar com uma leve ondulação? Ou pela brisa estar fria? Não se lembrava.

Kaminari sente então uma mão no seu ombro, e ao virar-se viu uma mulher muito bonita, com uma roupa que lhe favorecia as curvas do corpo e que sorria para si, seria ela a pessoa que tinha aquele cheiro que ele estava à procura?

– És tu que tens aquele cheiro? – Perguntou com uma voz animada.

A mulher, que era uma beta, fez uma cara de surpresa, não esperando ouvir essa pergunta, simplesmente viu Kaminari sozinho, e mesmo que parecesse um pouco tocado pela bebida, tinha um físico que lhe agradava, então só procurava uma noite de sexo forte e intenso com algum alfa, deduzindo que Kaminari era um, não esperando que o loiro escolhesse o seu par pelo cheiro.

Mas não iria preocupar-se com o detalhe de que o loiro estava à procura de alguém especifico, se estava sozinho ali e agora, porque não aproveitar?

Abraçou-lhe um braço, apertado os seus seios nele, aproveitando o decote para tentar atiçar o loiro.

– Sou eu sim. – Disse aproximando os seus lábios do seu ouvido, tentando provocá-lo.

Kaminari olhou para ela, ainda a sorrir, tinha-se lembrado que o cheiro era realmente de uma pessoa, e se aquela mulher tinha dito que era ela, então porque é que o ômega não conseguia acreditar? Ela tinha um cheiro diferente, mesmo num estado mais embriagado Kaminari sabia muito bem que a pessoa pela qual estava à procura tinha um cheiro melhor, não que a mulher cheirasse mal, pelo contrário, usava um perfume agradável, mas não era aquele cheiro que Kaminari se lembrava e queria sentir.

– Não acho que sejas... – Disse com alguma dificuldade começando a rir. – Tens um cheiro diferente. – Comentou rindo mais.

A mulher estranhou, todos lhe diziam que ela era muito atraente, qualquer homem, quer alfa quer beta, por vezes até ômegas, gostariam de estar com ela, nem que fosse apenas uma noite, então porque é que aquele homem não parecia nutrir qualquer tipo de interesse em si?

Mas antes que pudesse dizer algo, para tentar convencer aquele homem a divertir-se consigo, sentiu o corpo dele ser puxado para longe do seu, fazendo-a soltar o seu braço.

Há sua frente, um homem mais alto, com músculos bastante definidos e perfeitamente marcados pela roupa, ruivo e com os cabelos espetados para cima, encarava-a, com os olhos vermelhos brilhantes, que a intimidaram um pouco.

O ruivo agarrava Kaminari, uma mão no seu ombro, puxando a cara do ômega de encontro ao seu peito enquanto a outra estava na cintura, dando apoio para que Kaminari não se desequilibrasse.

Kaminari, tão próximo da pessoa que tinha chegado e o puxado para perto, pôde sentir o cheiro que o outro tinha, era aquele cheiro! Aquele que mais gostava, o que queria sentir, o que se lembrava e pelo que procurava. Ao perceber isso Kaminari abraçou a pessoa, sem nem olhar para o seu rosto, o cheiro era mais que suficiente.

– Encontrei-te. – Comentou divertido, rindo novamente.

A mulher encarava a cena confusa, olhou para Kaminari e depois para o ruivo, reconhecendo-o de um programa televisivo, era Kirishima Eijirou, um ator alfa bastante famoso.

– Desculpe, mas este ômega já tem um parceiro. – Comentou Kirishima sorrindo, expondo a nuca do loiro, revelando uma marca que provava que Kaminari era um ômega e que já tinha alguém.

A mulher surpreendeu-se, ela não tinha percebido que Kaminari era um ômega, muito menos um marcado, mas isso explicava a razão do mesmo não parecer nutrir interesse por si, mas ter abraçado logo o alfa que tinha chegado, e que mesmo estando ligeiramente bêbado reconheceu o seu alfa apenas pelo cheiro.

– Desculpa, pensei que estivesse sozinho. – Comentou um pouco envergonhada, Kirishima pediu desculpa pelo incomodo e foi embora, levando Kaminari, que ainda o abraçava, consigo.

A mulher observou-os irem embora, sentido um leve ciúme pois os dois faziam um casal lindo, e tinham as almas interligadas, o alfa tinha ido buscar o ômega provavelmente porque estava preocupado, e o ômega num estado um pouco fora do normal reconheceu o seu alfa pelo cheiro, eram coisas pequenas, podiam até ser consideradas banais e sem importância, mas era nessas pequenas coisas que o amor se fazia presente, um amor puro e verdadeiro, que aquele alfa e ômega tiveram a sorte de poder encontrar. Suspirou, olhando em volta e pensado em ir para casa, depois de uma cena e reflexão daquelas a vontade de ter uma noite se sexo forte e intenso tinha praticamente desaparecido.

Enquanto isso, Kirishima e Kaminari já se encontravam fora do estabelecimento, como o ômega estava a tentar andar agarrado a Kirishima, dizendo que não queria parar de sentir o seu cheiro, o alfa acabou por pegar Kaminari ao colo, andando com ele assim pelas ruas.

Kaminari não pareceu nada incomodado com isso, apenas abraçou o ruivo voltando a referir como gostava do seu cheiro.

Kirishima suspirou ao olhar o ômega risonho em seus braços, só porque lhe tinha dito que não poderiam jantar juntos porque tinha um jantar de trabalho para umas gravações que iriam ocorrer em breve, Kaminari, após saber disso e em especial pelo nome de um outro ator que ia contracenar com o ruivo, Bakugou Katsuki, disse para que Kirishima não se preocupasse pois também iria jantar fora.

Kirishima tentou explicar que Kaminari não precisava de sentir ciúmes, sabia que era isso que o ômega estava a sentir pela marca, pois Bakugou era um alfa, e já tinha o seu parceiro, Midoriya Izuku, que já tinha sido marcado e tudo, mas Kaminari não admitiu que eram ciúmes e saiu do apartamento dos dois.

Kirishima foi ao jantar, sentindo-se um pouco incomodado, pois mesmo que a marca dissesse que Kaminari não estava em perigo, estava preocupado, assim que o jantar acabou voltou logo para casa, com esperança de ver o ômega lá, mas o apartamento estava vazio.

Preocupado decidiu sentir a presença de Kaminari, para fazer o mesmo voltar para casa, já não era hora para o seu ômega estar sozinho na rua, e ficou espantando ao chegar a um bar noturno, com direito a musica e luzes fortes. Entrou, logo procurando o ômega, e quando o encontrou viu uma desconhecida atirar-se a ele, vendo que Kaminari já tinha bebido, pela maneira como o seu corpo abanava levemente e tinha o rosto vermelho, respirou fundo e tratou logo de afastar aquela mulher do seu parceiro, ficando aliviado pela mesma ter compreendido rapidamente que aquele ômega era seu, não queria iniciar nenhuma confusão.

Mas apesar de estar um pouco chateado com Kaminari, por ter saído sozinho, e para um local onde qualquer alfa poderia tentar atacá-lo, ficou feliz por ter sido reconhecido quase de imediato, mesmo que pelo cheiro.

– Eijirou… – Murmurou Kaminari com os olhos ligeiramente fechados e um sorriso suave no rosto.

Kirishima olhou para ele, sorrindo ao ver como o loiro era fofo.

– Sim? – Perguntou um pouco curioso.

– Beijo. – Pediu manhoso fechando os olhos e erguendo um pouco a cabeça.

Kirishima não conteve o riso logo atendendo ao pedido do ômega, dando-lhe um beijo suave, ao afastar-se, Kaminari encostou a cabeça ao seu peito e voltou a falar.

– Eu amo o teu cheiro… e também te amo a ti. – Kirishima voltou a sorrir ao ouvir aquilo, iria ter uma conversa mais séria no dia seguinte quando Kaminari não estivesse sob o efeito do álcool, iria explicar que o ômega não devia voltar a sair sozinho, à noite e para sítios como aqueles, muito menos por ciúmes sem fundamento.

Kirishima percebeu que o seu parceiro já estava a dormir nos seus braços, mesmo que fosse fraco para bebidas insistia em fazê-lo, suspirou observando-o, lembrando-se que quando se conheceram Kaminari tinha dito que adorava o seu cheiro, e quando começaram um relacionamento tinha confessado que era viciado no cheiro natural do alfa, então aquela noite tinha sido outra prova que o ômega realmente gostava dessa sua característica tão natural.

Kirishima abaixou-se e beijou a testa de Kaminari suavemente.

– Eu também te amo Denki, e ao teu cheiro. – Confessou rindo levemente, recordando-se que tinha sido aquele cheiro característico do ômega que o tinha feito perceber que estavam destinados, e que era graças a isso também que estavam juntos e, apesar dos ciúmes que levavam Kaminari a arriscar-se sem razão, felizes.

June 14, 2019, 8:54 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Beatriz PFT25 Viciada em BNHA! ❤ Apaixonada pelo Todoroki Shouto! ❄❤🔥 Escrevo nos tempos livres! ✍ TT: Beatriz_Kami7 Sintam-se livres para falar comigo :3 Tenho conta também no Spirit, Wattpad e Nyah, todas com o mesmo nome

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~