Como crianças Follow story

saaimee Ana Carolina

Com o dia dos namorados quase acabando Slash não conseguia ver outro caminho a não ser aceitar ajuda para entregar seu presente a querida Astelle. 「Slash × Astelle」 ------------------------------------------------------ → Capa feita por mim com imagem do pacote de biscoitos pela TsukiAkii @ dA. → Fonte utilizada: Rage Italic. ✼ Postar esta estória em qualquer página sem a minha autorização é completamente proibido.


Fanfiction Games All public. © Os personagens desta estória pertencem a Otome Yuusha. Todos os direitos sobre eles são reservados a © LEVEL 5.

#amizade #shipp #casal #comedia #fluffy #fanfic #rpg #otome-game #otoge #game #otoyuu #otome-yuusha #astelle #slash
Short tale
0
2.9k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo Único

Já fazia duas horas que Slash estava sentado na cadeira de madeira do local onde os guerreiros faziam suas refeições. Seu semblante preocupado ajudava a revelar seus pensamentos controversos enquanto seu corpo se mexia de um lado para o outro soltando suspiros.

Estava sozinho ali por isso não se importava em ficar resmungando de vez em quando e balançando a cabeça toda vez que alguma ideia desnecessária cruzava sua mente. Estava assim desde que acordou esta manhã e resolveu fazer um pacote de biscoitos que, agora, estava encarando sobre a mesa.

Falando assim, pode até parecer algo nada grandioso, afinal, era um saco plástico cheio de guloseimas de chocolate que ele mesmo fez acompanhando um laço vermelho em decoração. O tipo de lembrancinha simples que se oferece no final de alguma festas. Algo que qualquer um podia fazer.

Entretanto a ocasião não era tão simples quanto parecia e pensar que o presente que queria oferecer para a garota que amava era algo comum o deixava inquieto assim como também não conseguia parar de o encarar perturbado pela reação que isso também poderia causar.

Quando fez os biscoitos pela manhã tudo o que dizia para si mesmo era que iria entregar a ela como sempre fez e isso não significaria nada. Porém ficava vermelho toda vez que pensava no rosto dela e nas possibilidades que essa iniciativa poderia trazer. Dessa vez ele não estaria entregando os doces como quando eram crianças e se sentavam para comer juntos depois de brincar. Hoje, estaria entregando como um presente de gratidão e carinho.

Sentindo o rosto ficar vermelho novamente ele se afastou da mesa empurrando o corpo para trás com os braços enquanto balançava a cabeça entre resmungos irritados.

— Que tá fazendo garoto?

A voz quase sorridente chamou sua atenção de trás o fazendo abrir os olhos para encontrar os guardas Dill e Lienhard parados curiosos assistindo seus movimentos.

— Ah, nada... – sem jeito e ainda mais envergonhado se ajeitou na cadeira apoiando os braços na mesa.

— Oh, e esse chocolate? – Se aproximando mais, Lienhard questionou assim que seu olhar perspicaz capturou o presente quietinho no canto. — Ganhou de alguém?

O rapaz queria poder enterrar a cabeça na mesa e se fingir de morto até os dois desaparecerem dali. Na verdade, ele preferiria estar morto do que responder a essas perguntas constrangedoras. Entretanto, por mais que se esforçasse, qualquer tolo vendo sua situação entenderia do que se tratava.

— Não... eu queria... entregar para alguém.

Os dois automaticamente se animaram tanto por ouvir a explicação quanto por esse assunto se tratar do tímido Slash. Como bons homens entendidos do assunto eles rapidamente puxaram as cadeiras ao lado se sentando com ele. Embora não dissesse nada, o guerreiro os assistiu se perguntando quem deu essa permissão e por que sorriam tanto.

— Para quem seria? – Lienhard continuou o interrogatório enquanto o outro assistia de perto os olhares incomodados do menor disfarçar seu rubor.

— Até parece que vou falar.

— E por que não? – Dill continuou, cruzando os braços exibindo sua confiança. — Se você falar, a gente pode te ensinar alguns truques.

— Ah, claro! – Apoiando o cotovelo na mesa o loiro concordou contente. — Qualquer um pode ser conquistado com charme.

— Nyaha! Se estiver falando de conquistar garotas eu também quero ouvir.

Assim que ouviram a voz alta, o trio desviou a atenção encontrando Higan caminhando em suas direções rindo e, sem perguntar, puxou outra cadeira mostrando seus olhos brilhantes interessados no assunto.

— Quem chamou vocês aqui?! – Gritando frustrado, o jovem tentou descontar sua frustração neles e, quem sabe, os fazer ir embora, porém só conseguiu ser recebido por sorrisos que ignoravam seu choro. Ele não tinha opção a não ser participar desse plano idiota.

— Então? – Higan começou depois de ver os biscoitos em cima da mesa. — Slash pretende entregar o presente pra garota?

— É...

— Mas se você ficar parado aqui não vai adiantar muito.

— A não ser... – Dill interrompeu com as sobrancelhas levantadas surpreso com o que tinha descoberto. — Que ela venha te encontrar aqui!

— Não! Eu ainda nem sei como... – respondeu rápido e só depois percebeu que tinha dito mais do que queria — entregar...

Sua voz foi sumindo enquanto seu rosto foi corando cada vez mais. Ele não conseguia olhar para eles e aquele silêncio estava o engolindo em desespero.

— Nesse caso, você realmente precisa de ajuda. – Sentindo pena da situação constrangedora, o arqueiro resolveu falar trazendo uma saída para ele. — E tem três pessoas experientes aqui.

As palavras fizeram o jovem rapidamente levantar seu olhar para ele podendo ver os três rostos que o encarava tão convencidos quanto determinados a oferecer qualquer concelho. Ele sabia que não tinha motivos para não aceitar e vendo a posição em que estava era melhor não continuar teimando em ignora-los.

O suspiro que cortou seus lábios fez um som alto mostrando seu cansaço enquanto concordava com o plano deles.

— Então eu posso começar? – Animado como estava desde o início, Dill resolveu tomar a frente mais uma vez vendo os outros assentirem. — Certo... Se o problema é entregar o chocolate eu tenho a resposta. Primeiro você tem que surpreender ela, só o chocolate seria simples demais. – Apoiando os braços sobre a mesa começou a explicar calmamente aumentando a curiosidade e chamando a atenção de todos. — Leve essa pessoa para um passeio e deixe que seja egoísta com seus pedidos. Faça sua vontade como uma princesa merece! – Apontou os detalhes mostrando um sorriso de canto que prendeu o olhar de Slash por sua confiança. — Depois... Leve flores.

— Ah... – interrompendo curtamente a conversa, Higan resmungou acenando negativamente com a cabeça. — Nem sempre funciona.

— Mas não estou falando de um buque. – Destacou o arqueiro fazendo o loiro o olhar novamente curioso. — Falo de um campo inteiro.

— Que?! – A reação exagerada foi de Slash que naquele momento tinha perdido completamente o fio de raciocínio se perguntando como isso seria possível. Entretanto, seu grito não foi o suficiente para fazer Dill se calar.

— E por fim, diante do pôr do sol entregue o chocolate com a promessa de que irá fazer sua luz brilhar para sempre. – Olhando para o além do que eles podiam ver, finalizou sem receber qualquer comentário de volta.

Por instantes os três olharam para ele com expressões diferentes, uma mais animada, outra curiosa para tentar e outra que não conseguia entender nada.

Slash não podia acompanhar aquele plano e menos ainda teria tempo para realizar tudo isso em poucas horas. Ele nem conseguia entender o motivo de Dill ter sugerido isso quando nada daquilo combinava com ele, entretanto o olhar contente no rosto do loiro o fez notar que aquela declaração exagerada devia fazer sentido para ele.

— Eu concordo com o Dill sobre as flores. – Suspirando ouviu a voz de Lienhard tomando o espaço o fazendo desejar que dessa vez o plano fosse mais realista e pudesse, de fato, ajuda-lo. — Rosas exalam paixão, porém eu faria diferente. – Sua voz confiante fez os demais voltarem os olhares para ele que aguardou ser o centro da atenção antes de continuar. — Ao invés de sair o dia todo, eu deixaria que essa pessoa terminasse suas tarefas rotineiras como sempre faz. Então, no final do dia, quando estiver cansada, iria busca-la em sua sala com uma desculpa para que me acompanhasse. Ela provavelmente seria teimosa e se recusaria se eu falasse a verdade. – A sugestão fez Slash pensar na jovem Astelle sentada em um tronco com a espada suja de sangue ao lado o encarando com uma expressão que implorava por algumas horas de sono deixando claro que não o acompanharia em lugar nenhum. — No meio do caminho, a tomaria pela mão fazendo me seguir pelas escadas do palácio sem dar qualquer opção para que fugisse. – Com um sorriso gentil, o loiro continuou falando como se visse a cena acontecendo diante de seus olhos. — Ela ficaria confusa e isso causaria o impacto perfeito ao chegarmos ao terraço assim que seus olhos fossem cumprimentados pelo jantar romântico preparado embaixo das luzes das estrelas.

— Fuwaa~ Lienhard-sama~ – Ao lado dele Higan imitou o grito das admiradoras do guarda o fazendo sorrir.

— Nesse momento, aproveitaria sua surpresa para finalizar com o “te amo” em seu ouvido.

Assim como Dill, o rapaz também terminou sua sugestão com um olhar distante vendo algo do lado de fora da tenda que os outros nem se importaram em olhar.

— Ah... – Cansado, Slash suspirou mais uma vez sabendo que nunca teria a confiança que Lienhard tinha para fazer algo tão ariscado quanto isso. — Você foi bem especifico.

— É mesmo? – Vendo o olhar desconfiado do menor, o loiro questionou rindo sem dar importância.

— Ah, minha vez! – Sem dar espaço para eles discutirem mais a fundo a intenção por trás dessas sugestões, Higan gritou levantando os braços.

— Ok.

— Eu admiro a extravagancia de vocês, mas acho que algo simples seria perfeito. – Finalmente algo sensato, Slash pensou rapidamente se virando na direção do mais velho antecipando pela ideia. — Eu levaria a noiva a um campo e-

— Espera. – A animação no olhar do jovem foi apagada assim que ouviu as primeiras palavras o fazendo interromper o pensamento de Higan. — Tá falando da Astelle?

— Claro!

— Então tá bom, já chega.

— Eh?! Por que?!?!

Ignorando os gritos insistentes, o jovem se debruçou na mesa sentindo-se ainda mais derrotado. Ele não poderia realizar um plano tão caro quanto o de Dill no tempo que tinha, não era no mínimo confiante para poder dizer aquelas coisas doces como Lienhard e sabia que o que quer que Higan dissesse ainda seria muito além do que sua vergonha o permitia fazer. Além do mais, ele também sabia que nada disso realmente faria jus a garota e, no máximo, iria assusta-la fazendo rir de suas tentativas.

— Eu agradeço a ajuda, mas ela não ia gostar de nada disso. Eu tenho certeza.

Seu tom derrotado fez os três o olharem com carinho. Em momento algum tiveram a intenção de diminuir o alcance dele, na verdade, só queriam que percebesse o quão longe ele mesmo poderia chegar mostrando suas ideias.

— Ora, então o que tá esperando? – Sorrindo tão largo quanto na hora em que chegou, Dill questionou atraindo o olhar confuso dele.

— Você já sabe o que fazer. – Apoiando o queixo sobre a mão Lienhard completou.

Era verdade que colocar os extremos em sua frente o fez imaginar a reação de Astelle e até mesmo a sua descobrindo o que realmente podia fazer por ela. Que só ele podia fazer.

Com carinho Higan pegou o pacote de biscoitos colocando nas mãos de Slash enquanto mostrava o sorriso gentil que torcia por ele.

— Vai lá e agarra sua chance.

Levou alguns minutos até a coragem tomar conta de seu corpo o fazendo se levantar no pulo correndo dali enquanto gritava palavras de agradecimento aos três.

• • •

Seus pés correram pela areia rasa do acampamento desesperados em direção onde sua mente tinha certeza que a jovem estaria. Sua mão agarrada ao pacote se agitava junto ao corpo chegando próximo ao gramado das elevações pouco distante de onde as tendas ficavam e não demorou muito para que seus olhos eufóricos encontrassem a silhueta da amada parada ao lado de uma árvore assistindo ao pôr do sol.

Seus pés deram mais alguns passos antes de parar distantes dela. O rapaz não queria interromper qualquer que fosse o pensamento que estava tendo naquele momento, afinal, sabia como era difícil para ela carregar sozinha o destino de todo um povo nessa guerra sem fim contra demônios. Sabia o quanto ela deveria estar sofrendo e, por isso, teve que se segurar ali para não correr em sua direção e abraça-la, protegendo seu pequeno corpo de todo o mal.

Por instantes ele se permitiu ficar em silêncio observando as tranças se moverem lentamente com a brisa enquanto apertava forte as guloseimas procurando pela coragem em dar o primeiro passo.

— Oi! – Sua voz falou mais alto do que seu corpo na intenção de acordar seus sentidos além de chamar a garota.

Era a mesma voz séria de sempre como se estivesse irritado com algo, mas insistente como se pedisse para ela o olhar. Astelle se virou no mesmo instante vendo seu rosto de sobrancelhas abaixadas e bochechas avermelhadas alguns metros atrás dela.

— Slash?

Ele não tinha preparado nenhuma frase de efeito ou um plano de entregar e, agora, ao vê-la o olhando só aumentou sua vontade de voltar atrás fingindo que isso não tinha acontecido. Entretanto, depois de toda aquele corrida e na simpatia dos colegas, ele se forçou para ir em frente.

Caminhando a alcançou e com coragem estendeu a mão entregando os biscoitos sem qualquer cuidado. A jovem observou a atitude sem conseguir entender o motivo daquilo. Porém antes que pudesse questiona-lo seus olhos viram o rosto tenso dele dando a resposta que procurava prendendo sua respiração por um segundo.

— Pra... você...

— Hm... obrigada...

Hoje era dia dos namorados e apesar desse não ser o primeiro presente que ela ganhava ainda foi o que fez seu coração bater mais rápido em uma alegria inocente.

Pegando o pacote, a jovem ficou parada sem saber o que deveria fazer tendo certeza de que ele deveria estar passando pela mesma situação. A cena constrangedora a fez rir o alarmando a pensar que tinha feito algo errado.

— O-O que foi?

— Nada. Eu só estou feliz. – Não era só isso, mas era o suficiente para ele saber naquele instante.

Ver ela sorrindo o deixou envergonhado, mas também trouxe o alivio que procurou o dia todo.

Sem esperar mais, Astelle abriu o pacote pegando o primeiro doce em forma de coração sentindo sua textura macia antes de colocar na boca mastigando com calma.

O sabor era doce com um toque amargo que dominava sua língua com satisfação. Sua primeira reação foi arregalar os olhos resmungando sons alegres enquanto ele encarava preocupado.

— Wah, tá muito bom!

— Verdade? – Timidamente questionou a vendo morder mais um pedaço. É claro que ele tinha experimentado antes para ter certeza que tinha feito tudo certo, mas ouvir aquilo o deixou muito mais feliz do que quando terminou a receita.

— Sim. Pega. – Estabanada como sempre foi, ofereceu os doces o deixando pegar um dos corações para saborear com ela.

Slash não precisava fazer isso, mas era melhor do que ter que confessar que tinha passado a manhã toda trabalhando nisso. E para sua surpresa, ao mastigar aquele doce ele sentiu um sabor ainda mais delicioso do que antes.

— Oh.

— Eu falei!

Ele não sabia se isso era porque tinha feito alguns melhores que os outros ou se era porque estava dividindo sua alegria com ela. Também não importava a resposta.

A cena realmente relembrava os velhos tempos, porém dessa vez o sentimento era diferente. Ele a observou comer animada enquanto fazia comentários felizes pensando que esse era o plano perfeito e que, talvez, algum dia iria contar a ela sobre cada sentimento escondido nesses corações.

June 12, 2019, 5:38 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Ana Carolina Mãe de 32 personagens originais e outros 32 adotados com muito carinho, fanfiqueira nas horas vagas e amante das palavras em período integral. Apaixonada demais e, por isso, sou tantas coisas que me perco tentando me explicar. Daí eu escrevo. ICON: TsukiAkii @ DeviantArt

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~