Finale Follow story

morghanah Morghanah .

Deixo-te aqui minhas últimas palavras. Minhas finitas lamúrias. Meu último adeus


Short Story Not for children under 13. © Todos os direitos reservados

#songfic #angst #07 #Kalafina #romance #oneshot #conto
Short tale
3
3.3k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Único

N/A: Recomendo que, para um melhor aproveitamento da história, a leiam ao som de Finale das Kalafina, cuja aesthetics capa deste capítulo feita por mim – e que, infelizmente, não pode ser visualizada em seu tamanho original quando vista através do aplicativo do site – pode ser visualizada aqui, uma boa leitura a todos e obrigada.




Sabes que sou sensível a tudo, embora não demonstre ou permita que o vejam.

Sabes o quanto odeio flores e o quão mórbidas estas soam para mim em suas cores vívidas e formatos únicos, ainda assim, por vezes agraciava-me com algumas delas dizendo que algum dia far-me-ia mudar de ideia e vê-las como vês: uma dádivas coloridas da mãe natureza.

A confirmação do toque e da presença divina em nosso cotidiano.

Eu tentei. Sabes o quanto tentei, mas no final não pude fazê-lo. Não consegui desvincular delas o cheiro e a sensação de morte que tanto me trazem, talvez por isso não as tire mais de casa desde que te perdi, pois recordam-me constantemente do perecer lento do meu corpo sadio, da necrose moderada a avançar e devorar minha sanidade, e o esvair de minh'alma sem a tua presença colorida para alegrar-me todas as manhãs. Sem teus sorrisos largos para iluminar o meu dia, sem os seus toque cálidos a me aquecer o corpo e fazer vibrar a alma que ressoava graças a ti.

Mas agora nada disso importa mais.

Tu não estás mais aqui comigo e ao meu lado existe apenas um lugar vazio que jamais será ocupado por ninguém mais além de ti.

Pranteio sozinha e quieta em meu aposento frio sem o seu calor, puxando a minha ponta da nossa promessa vermelha de nunca mais sermos dois, pois daquele dia em diante nos tornamos um, na esperança vã de que sentirás que sinto sua falta, preciso de ti e virás em meu socorro, mas de nada adianta.

Você nunca vem.

E mais um dia cinza em minha vida tem início, meio e fim.

Mais sorrisos falsos a serem mostrados para apaziguar a dor que sinto latejar em meu peito e alma tornando-os macambúzios.

Será que existe algum anjo, algum Deus lá em cima ouvindo minhas preces? E se há, por que não o traz de volta aos meus braços ou me leva para junto de ti, meu amor?

Por quê?

Será que não o fez por que não me queres ao seu lado? Eu fui tão má contigo a ponto de me odiares e abominar minha existência?

Diga-me, por favor.

Acabe com esta dúvida que tanto me corrói e dilacera por dentro a ponto de não me permitir findar ou recomeçar a viver outra vez.

No entanto, caso pudesse escolher, escolheria ter uma nova vida em um novo envólucro finito. Um que te agradasse mais do que este e não trouxesse-te tamanha repulsa.

Será que o céu de onde estás parece tão belo quanto o que vejo no momento com uma linda lua cheia a brilhar alaranjada no firmamento?

Sabe, eu não sou mais capaz de ver as estrelas, pois para mim todas se foram juntos contigo. Você ainda se lembra do quanto eu gostava de observá-las à noite?

Confesso-te que as palavras no momento encontram-se borradas demais defronte os meus olhos, mas, ainda assim, empenho-me em transcrevê-las a ti. Preciso que veja, que saiba o quanto murchei sem você ao meu lado. Tal qual uma flor sem alimento ou arrancada de seu caule.

Posso pedir-te um favor? Não desejo homenagens póstumas, pessoas a prantear sobre meu caixão ou uma lápide dizendo quem fui sobre a minha sepultura. Todo o que almejo é repousar e retornar ao pó de onde vim.

É me tornar às cinzas a qual pertenço e sempre pertenci, mas que por um breve momento me esqueci.

Sei que verás a caneca de chá meio cheia e dirás que ela está meio vazia, exatamente como estou agora ao lado de um caderno onde anotei e estou a anotar meu pesar e esta carta, assim como tantas outras, voltadas a ti.

Não te culpes ou entenda-me mal, nunca foi culpa sua a minha fraqueza. Eu é quem vim com “defeito de fábrica” e foi você quem me ensinou o que era viver, por isso dói tanto e o fio vermelho em meu dedo – antes tão carmesim, alimentado pelo nosso amor – desbotou e ainda desbota gradativamente conforme leva consigo o meu sopro de vida.

És capaz de ver isso também?

Minha estrada deserta, fria e desolada chegou ao fim. Não há estandartes a minha espera, flâmulas em saudação às minhas supostas vitórias, abraços de felicitação ou palavras de conforto.

Para onde vou existe apenas o vazio escuro e cálido da inexistência.

Todavia, antes de ir admirarei pela última e derradeira vez o império negro acima de mim enquanto busco novamente as estrelas e penso em você.

Em nós.

No que fomos e poderíamos ter sido no futuro, tentando trazer-te para junto de mim mais uma vez, porém, ao amanhecer, caso não apareça significa que falhei e minha voz já não és mais capaz de alcançar a ti e a seu coração contrito como era antes, então darei meu adeus não somente a ti, como a todos.

Mas principalmente a mim mesma.




______________________________________________

PS: Essa shot era para ter sido postada no dia 02 de Junho, como presente para mim mesma, mas acabou não dando certo e veio um pouco atrasada, porém não menos importante ou significativa dando fim a este projeto ao qual iniciei semanas atrás e me sinto muito grata em o tê-lo completado. Agradeço também a todos os que acompanharam esta série, que leram todos ou apenas este conto individualmente.

Um abraço e até mais.


June 4, 2019, 7:47 p.m. 4 Report Embed 3
The End

Meet the author

Morghanah . Escritora faz algum tempo que migrou de outras plataformas para mostrar meu trabalho. Sou uma pessoa dedicada a historias mais densas com personagens tirados de uma mente conturbada por diversos conflitos internos e levemente insana, um detalhe importante que me fez iniciar a minha longa jornada na arte da escrita e, caso aprecie isso, seja bem vindo ao meu mundo.

Comment something

Post!
Billy Who Billy Who
Como eu sei que essas shots são importantes pra você venho trajada na mesura *muito tempo passando na companhia do Kira haha* Não, sério, sei que essas shots são muito importantes pra você e depois de ler algumas das suas palavras não só nesta, mas em outras fics, fica clarissimo o seu dominio com as palavras e como elas brotam com a mais pura sinceridade, chega a ser doloroso e satisfatorio ver o modo em que você consegue se entregar de um jeito sempre visceral e arrasador fazendo com que o leitor leia de queixo caido, sentindo os seus sentimentos na pele dele, isso é o que um escritor de verdade sabe fazer. E doi as vezes, doi, mas é lindo, poetico e verdadeiro, você tem tudo que um escritor de verdade precisa para ser chamado por tal alcunha. Eu ouvi a musica enquanto lia e bah.... bateu um aperto legal hahaha mas eu amo quando isso acontece e vc sabe o quanto eu ando lendo as coisas friamente, portanto se rolou um cisco aqui é por que vc alcançou seu objetivo. Bjo more!
July 9, 2019, 2:57 a.m.

  • Morghanah . Morghanah .
    Ok, aquele momento que a pessoa que mais fala pelos cotovelos perde as palavras e não sabe o que dizer ou como dizer, hahahah. Sim, essas shots falam muito e cada uma é tão especial quanto a outra, seus significados e razões são diversas, assim como pessoais demais em aspectos complicados de uma pessoa por vezes não muito certa das ideias que sente falta de algo que nunca vai ter porque perde a muito tempo atrás. O engraçado é que entrega na escrita é algo que nunca deixo de lado quando faço algo importante para mim - o que devo de dizer que é em tudo de uns tempos pra cá quando me achei de verdade -, assim como sentir as emoções enquanto as tento passar o mais verdadeiramente possível é parte de mim e saber que atualmente como está, você conseguiu, junto com a música, sentir o que quis dizer, me deixa muito feliz. É um aperto dolorido, que traz certo desalento compadecido pela alma dessa pessoa, mas vale a pena sentir ao menos um pouco o que ela sentiu pelo menos uma vez com a ajuda das palavras, porque na pele não recomendo. Não faz bem para a sanidade mental de ninguém, hahahahh Bjo, more, e não sei mais o que dizer, mas tu sabe o que é <3 July 10, 2019, 4:57 p.m.
Evelyn Ramirez Evelyn Ramirez
Se não for para sentir minha dor assim ao morrer, nem tenho relacionamento! kkkkkkkkkk Parabéns, adorei seu trabalho ♥♥
June 8, 2019, 11:08 a.m.

  • Morghanah . Morghanah .
    KK, sério isso? Dói, viu, e não é pouco, muito menos fácil de aguentar, apenas aviso e que nem sempre realizar certos tipos de desejos é algo de fato bom ou benéfico para a sanidade de qualquer pessoa. Muito obrigada pela congratulação e pelo comentário, que os meus outros lhe agradem também, caso os leia algum dia, beijos e até mais :3 June 17, 2019, 3 p.m.
~