A imagem perdida Follow story

halfhope halfhope ♥

Kim Yeri é filha de um dos maiores atletas que já passou por Hogwarts. Para manter o legado da família, a apanhadora da Sonserina trama uma estratégia para ganhar a final do campeonato. O que ela não esperava, é que seu maior seu maior rival, Jeon Jungkook, estragasse seus planos. Créditos: Ladyvic - American Edits


Fanfiction Bands/Singers All public.

#shortfic #magia #au #hp #harrypotter #jungkook #yeri #jungri #bangtanvelvet #btsvelvet
2
3.5k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Magic game

Assim que terminou de escovar seu cabelo loiro, Yeri prendeu suas mechas em um rabo de cavalo alto. Finalizou o penteado com vários grampos. Afinal, nada, nem sequer um fio de cabelo fora do lugar poderia tirar sua atenção. Hoje era o último treino antes da final de quadribol.

Antes de sair do quarto, a garota pegou o porta-retrato que estava na cabeceira de sua cama. Era uma foto de seu pai, no sétimo ano, levantando a taça de campeão. Durante todo período que esteve em Hogwarts, seu pai tinha conquistado três vezes o campeonato e sentia muito orgulho disso. Queria honrar ainda mais sua família, repetindo seus feitos. Estava no sétimo ano e esta era sua última chance.

Assim como seu pai, Yeri era uma apanhadora. Apesar de ser pequena e esperta, teve muita dificuldade para acertar seu equilíbrio. Afinal, correr atrás do pomo de outro e se desviar dos balaços era uma atividade que exigia concentração e muita forças nas pernas, para se manter estável.

Já no corredor, a loira ajeitou o traje esportivo, em tons de verde e preto. O emblema de uma serpente não deixava dúvidas que ela era da Sonserina. Não demorou muito tempo para que seus colegas de time se juntassem a ela na sala comunal:

— Prontos para ganhar dos urubus? – O capitão Johnny zombou e todos ali riram. Era assim que ele chamava o pessoal do Corvinal.

O rapaz era muito atraente com seu cabelo castanho, riso fácil e conversa persuasiva. Esses eram os fatores perfeitos que resultaram no cargo de capitão. E o que mais irritava Yeri era saber que ele não era dissimulado, essa era a sua real personalidade. Era um ótimo amigo para ela e para o pessoal do time.

O capitão era o seu total oposto. Apesar de ser uma bruxa sangue-puro, vinda de dois pais bruxos, era mestiça etnicamente. Seu pai era inglês e sua mãe coreana. A garota sabia que, por mais que se esforçasse e fosse competente, esse era o principal motivo dela nunca ter ganho uma eleição para líder. E, fora da sua casa, o preconceito continuava, também de forma velada.

Desde muito cedo, a apanhadora aprendeu a utilizar sua aparência de inocente para ser notada e respeitada por toda Hogwarts. Ao contrário do que se esperava de quem era daquela casa, Yeri mantinha uma aparência simpática e convidativa. Com o passar dos anos, passou de ser conhecida de “mestiça asiática” para “mestiça-asiática-legal-da-sonserina”, o que alavancou sua popularidade.

— Eles estão treinando antes da gente. Observem bem pra ver algum ponto fraco na estratégia de jogos deles. – Johnny retomou a palavra, silenciando o burburinho de risadas. O líder sabia muito bem a hora de brincar para descontrair e a hora de falar sério para ganhar o jogo.

— Vou observar bastante os apanhadores rivais, acho que cada um deveria focar em observar os da sua respectiva função. – Yeri propôs.

— Sim, pessoal. Se mantivermos o foco, como a Yeri sugeriu, o tri campeonato é nosso. Quem vem comigo? – Ele estendeu a mão, para fazer o ritual de motivação com o grito de guerra. Todos deram as mãos e gritaram, prontos para mais uma partida.

[...]

A brisa matutina fresca e o céu aberto indicavam que era um dia perfeito para o treino. O sol iluminava pequenos pontos voadores do céu. Enquanto se aproximava, o olhar clínico de Yeri procurou seus rivais de time. Avistou uma garota morena, muito ágil. Ela tinha mais ou menos o biotipo de Yeri. Não era uma boa ideia escolhê-la como alvo, pois, por serem praticamente iguais, ela não teria nenhuma vantagem sobre ela.

Analisou a partida procurando o outro apanhador com quem pudesse competir. Ao encontrar Jeon Jungkook, ficou intrigada. O rapaz era alto e musculoso, e essas características são perfeitas para um rebatedor - que precisava ter força física para rebater os balaços -, mas não de um apanhador. Sentou na arquibancada, totalmente focada em descobrir o motivo dele ocupar aquela posição.

Não demorou muito tempo para que Yeri conseguisse descobrir o tal segredo que o colocava como apanhador: ele tinha um equilíbrio perfeito, desviava dos balaços com muita desenvoltura. Yeri não queria analisar sua anatomia, mas era preciso observar melhor seu corpo para tentar achar um ponto fraco.

Com o olhar, percorreu as longas clavículas e os braços que não pareciam ser o principal pilar de sustentação do rapaz. Desceu o olhar para fitar para as coxas do rapaz, que pareciam fortes mesmo sob as calças do uniforme.

Então o segredo está nas suas pernas fortes. Interessante.

O pomo acabou se aproximando da arquibancada e Yeri tinha plena consciência que ele poderia perceber que ele estava sendo encarado. Mesmo que quisesse parar de olhar, estava hipnotizada com a forma que aquele rapaz desafiava a leis naturais da física, se mantendo tão estável e rápido.

Quando o pomo chegou perto de colidir com a arquibancada, ele estendeu seus longos braços para alcançar o objeto voador. Sem muito esforço, a bola dourada se encontrava em suas mãos. A plateia da sonserina aplaudiu, enquanto os espectadores do Corvinal comemoravam gritando. Várias moças e moços pareciam se exaltar mais que o normal. Provavelmente ele tinha um enorme fã-clube.

O rapaz virou para cumprimentar a todos com acenos. Assim que ele encarou a bancada da Sonserina, não pode deixar de notar um olhar fixo de uma garota loira. Apesar do rosto angelical, os olhos dela eram... intimidadores. Ele encarou de volta e ela não desviou o olhar um segundo sequer.

Que menina intrigante. Delicada e forte ao mesmo tempo.

Jeon Jungkook voltou para sua função, tentando apagar aquele olhar intenso de sua mente. Já havia ouvido falar de Yeri, a apanhadora da Sonserina. Ela era conhecida por sua competência, mas também por sua fragilidade, e o que tinha visto era completamente surpreendente. Provavelmente era uma estratégia.

Assim que o treino acabou, Jungkook decidiu ficar para observá-la jogando. Afinal, se ela tinha o analisado a partida inteira, ele também tinha esse direito. Ela chegou a apanhar o pomo diversas vezes durante a partida inteira. Sua fama por sua agilidade e destreza era indiscutível. O rapaz suspirou. Não ia ser nada fácil ganhar aquela final.

Jeon tinha jogado por anos como rebatedor, por seu porte físico. Mas não se sentia feliz. Queria voar, explorar o campo inteiro; gostava de sentir o ar cortando seu rosto. Depois de anos jogando quadribol, pensou em sair, já que sentia que não estava na posição que queria. Felizmente, a atitude drástica serviu de choque para a equipe. Mudaram sua posição e ele finalmente se encontrou no esporte. O único fato lamentável é que tinha tomado aquela decisão tarde demais, no penúltimo ano. Ainda não tinha uma vitória como apanhador. Aquele troféu seria uma ótima despedida de Hogwarts.

[...]

Yeri não conseguiu dormir aquela noite. Seu cérebro só pensava em uma maneira de conseguir aquele troféu. Não era apenas para agradar seu pai. Sentia que aquele tricampeonato era a única maneira de consolar seu coração por nunca ter conseguido ser líder.

Deslizou o corpo para fora da cama e vestiu um sobretudo. Julie, que era a artilheira que dividia quarto com ela, estava dormindo num sono profundo. O corredor estava silencioso, indicando que a sala comunal estava vazia. Todos os jogadores tinham ido dormir cedo e os colegas que não jogam resolveram não fazer barulho em respeito aos atletas.

Seus pés a levaram até a sala de reuniões do time. Ali, ficavam o vestiário e uma mesa para discussões de estratégia. Porém, as vassouras não estavam no lugar de costume. Provavelmente Flich tinha pego as vassouras para dar uma pequena limpeza antes da partida começar.

Um barulho do lado de fora denunciou que ela não estava sozinha. Será que o zelador estava trabalhando aquela hora da madrugada? Com muito cuidado, Yeri foi espiar pela porta. Através da iluminação fraca, pôde ver o zelador retocando o verniz na cabo das vassouras. O homem, já de idade, era conhecido por seu temperamento forte; era odiado por muitos que gostavam de sair de seus dormitórios à noite.

A garota apertou os olhos e viu que tinha mais que sete vassouras ali. Provavelmente, as do time rival estavam juntas. Ao olhar para a parede, viu uma firebolt muito parecida com o modelo que Jungkook usava.

Seu cérebro começou a sussurrar pensamentos errados. Não seria muito difícil distrair Flich e jogar um feitiço para sabotar aquela vassoura. Tentou exorcizar os pensamentos malignos da sua cabeça. Não precisava daquilo para ganhar.

Mas era o seu último ano, a última chance de conquistar reconhecimento...

Suspirou e pensou em um feitiço que não causasse muito impacto. Um pouquinho, mas só um pouquinho de vantagem não iria prejudicar tanto assim. Com muita cautela, saiu da sala de quadribol e ficou na área externa, onde Flich estava. Se escondeu atrás de uma árvore e mirou em uma lata de tinta que estava dentro da casa.

— “Accio” – sussurrou enquanto guiava a lata para o chão. O barulho assustou o zelador.

- Quem está aí? Apareça já! – O homem gritou enquanto adentrava a sala.

O coração de Yeri recebeu uma carga enorme de adrenalina. Não só porque estava fazendo algo que exigia rapidez, mas porque era errado. Aproximou-se rapidamente da vassoura e pensou em um feitiço leve.

— “R-relaxo”! – ela conjurou tremendo. Uma pequena fivela da vassoura se soltou e, com ela, várias palhas caíram no chão. Isso ia bastar para causar um pouco de desestabilidade. Ela mal teve tempo de ver a sujeira no chão, pois os passos de Flich ficaram mais perto, anunciando que ela estava voltando para a área externa.

Felizmente, Yeri conhecia bem a sala de quadribol e se dirigiu à porta dos fundos. Conseguiu escapar, ouvindo os xingamentos do zelador ficando mais distantes à medida que se afastava no corredor.

Assim que sentiu que estava longe o suficiente, parou para respirar; suas pernas tremiam. Sempre tinha sido uma garota exemplar, até ceder àquele momento de fraqueza. Ainda ofegante e com passos lentos, resolveu passar na biblioteca antes de voltar para o quarto. Com certeza a noite seria longa, e ela não conseguiria dormir com a consciência pesada.

Para sua sorte, o ambiente estava vazio. Ascendeu as luzes e foi procurar alguma coisa para ler. Precisava ser algo relaxante, então passou longe da sessão de aventura e mistérios. Talvez algum livro clássico a fizesse pegar no sono, por terem uma linguagem mais arcaica. Seus dedos percorreram as estantes até pegar um exemplar de Otello.

O livro era uma edição antiga, em capa dura. Estava um pouco empoeirado, mas pelo menos não fedia a mofo. Shakespeare era um autor muito respeitado no mundo bruxo e ela queria entender o motivo. Yeri se distraiu enquanto folheava o livro antigo e sequer notou quando uma pessoa também adentrou a biblioteca:

— Também está sem sono? – perguntou uma voz masculina grave. E quando yeri levantou o olhar, se deparou com ninguém menos que seu rival de jogo: Jeon Jungkook.

May 6, 2019, 9:34 p.m. 0 Report Embed 0
Read next chapter Magic room

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 2 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!

Related stories