A VAMPIRA VERMELHA Follow story

L
LISBETH PELETIER


Quem é? A porta se abriu, e entrou um homem branco, alto, careca, com o corpo de um lutador de boxe. Sua voz era rouca extremamente grossa que fizeram Iana tremer por dentro: Você não sabe que agora pra latir, cadela, é preciso pedir permissão? Ela congelou com as palavras dele: Mas o que isso significa? Imediatamente sentiu o peso da mão dele no seu rosto, que quase a fez cair da cama sentindo o gosto do sangue em sua boca, deixando suas nádegas abertas e empinadas para ele, que alisou com as duas mãos e desferiu vários tapas, dando uma pausa somente para enfiar um dedo no ânus dela, que sentia seu rosto molhar com suas lágrimas esquentando sua pele, preferiu não reclamar, e aquilo durou cerca de duas horas, e ela só soube disso, pois a cada meia hora ele gritava: Cadela, já te castiguei por 30 minutos... Agora meu prêmio! E ele seguia batendo a e penetrando por trás, sempre derramando seu líquido nela, continuava com os tapas, mais meia hora, penetração anal novamente, aquilo se seguiu por 3 horas, quando ele levantou e trouxe um salto alto e deu para ela:


Short Story For over 18 only.

#contoseroticos #+18 #submissão #orgia #bdsm #vampiros
Short tale
0
1212 VIEWS
In progress
reading time
AA Share

A VAMPIRA VERMELHA

Iana acorda atordoada, não faz ideia de aonde esteja, passa a mão no rosto, retirando o cabelo vermelho que encobre seu olho para ela ver que está num cômodo com as paredes pintadas de preto, bem gelado o quarto, a cama em que está deitada é confortável e quentinha, olhou ao redor e não viu Sírius, seu gato de cor cinza e olhos vermelhos, que era seu companheiro desde o nascimento e detentor de boa parte de seus poderes, por isso não tinha sentindo o poder que estava presente nela desde o dia que abriu os olhos, era a primeira vez que se separavam. Só então ela sente que seus pés estão algemados, mas as mãos estão livres. Como se tudo isso não bastasse estava nua, seus seios rijos rosados, redondos e grandes estavam congelando com o ar frio da sala, assim como todo o resto da sua pele branca seus pelos ruivos estavam arrepiados ao longo da cintura fina e seus quadris largos, com as pernas grossas entrelaçadas com as algemas nos seu calcanhar.

  • Alguém? Ei? Aonde eu estou?

Ecoou sua voz no quarto, e ela ouviu alguém se aproximar da porta.

  • Quem é?

A porta se abriu, e entrou um homem branco, alto, careca, com o corpo de um lutador de boxe. Sua voz era rouca extremamente grossa que fizeram Iana tremer por dentro:

  • Você não sabe que agora pra latir, cadela, é preciso pedir permissão?

Ela congelou com as palavras dele:

  • Mas o que isso significa?

Imediatamente sentiu o peso da mão dele no seu rosto, que quase a fez cair da cama sentindo o gosto do sangue em sua boca, deixando suas nádegas abertas e empinadas para ele, que alisou com as duas mãos e desferiu vários tapas, dando uma pausa somente para enfiar um dedo no ânus dela, que sentia seu rosto molhar com suas lágrimas esquentando sua pele, preferiu não reclamar, e aquilo durou cerca de duas horas, e ela só soube disso, pois a cada meia hora ele gritava:

  • Cadela, já te castiguei por 30 minutos... Agora meu prêmio!

E ele seguia batendo a e penetrando por trás, sempre derramando seu líquido nela, continuava com os tapas, mais meia hora, penetração anal novamente, aquilo se seguiu por 3 horas, quando ele levantou e trouxe um salto alto e deu para ela:

  • Agora você vai ser apresentada à elite do governo da Nova Ordem Mundial, o Partido dos Machos Alpha!

Ela nem sequer conseguiu lembrar que merda era aquela, partido? Governo? Nova Ordem Mundial? Se fosse um pesadelo já poderia acordar, pois estava ficando muito real, com sua bunda ardendo ensanguentada graças aos tapas e estupro a que foi submetida. Calçou a sandália de salto e levantou, não estava sentindo as pernas, nem sabe como conseguiu ficar de pé sob aquele salto agulha enorme, mas seguiu o seu algoz, tentando não lhe dar mais motivo para tal tortura. Seguiram por um corredor, cheio de homens, engravatados, igual seu torturador que ela passou a chamar de senhor careca em seus pensamentos. Todos a olhavam, uns a acariciavam nas partes intimas, outros lhe davam mais tapas em seu rosto, seios, bunda, pernas, enquanto o Senhor C. somente sorria enquanto fumava mais um de seus cigarros, que pareciam nunca acabar. Na porta de uma sala, cuja porta era enorme, estava recém colocada a plaqueta escrita: PRESIDENTE DA NOVA ORDEM MUNDIAL DO PARTIDO DOS MACHOS ALPHA THOMAS CARTER PHILLIPS.

Entraram na sala, enorme, toda em madeira escura, os móveis seguiam a mesma linha amadeirada, mas eram bem atuais, na mesa tinham dois computadores, porta canetas, impressora, porta retratos com homens de paletó, celulares, e dois Ipads. A cadeira, preta estava virada para a grande janela que dava para uma varanda, à qual Iana sentiu calafrios ao perceber que estava quase entre as nuvens de alta que aquela sala parecia ser.

  • Deixe-me apresentar, sou Thomas Carter Phillips, filho primogênito do criador do Partido DOS MACHOS ALPHA Ryan Carter Phillips, no ano de 2019, que hoje completa 20 anos de luta e que finalmente conquistamos nossa nação! Depois de anos para desvendar os mistérios que protegiam mulheres como você Srta. Hayes, Iana Hayes, filha do falecido Presidente da extinta Nação Federativa Norte Americana, Nicola Hayes Hall. O qual meu pai lutou a vida inteira até sua morte, sem conquista, mas que hoje dia 31 de Março de 2039 eu, Thomas Carter Phillips posso dizer com convicção que o seu pai está finalmente morto, na praça renomeada de Praça dos Troféus. Venha, Srta. Hayes, vamos ver seu papai ser comido pelos pombos, abutres e corvos que vão devorá-lo até só haver ossos nele, e depois queimaremos esses ossos, para que você não possa tê-los nem para enterrar, vamos, você assistirá tudo, tem minutos que ele parou de respirar.

A voz grossa, rouca e rude daquele homem, seguidas pelas palavras dele, fizeram Iana cair desmaiada, com tamanha atrocidade dita com palavras tão elaboradas, tamanha frieza e falta de humanidade. E então ela estava sonhando, anos atrás, na sua festa de debutante, 15 anos de idade, dia que conheceu Artur Schmidt Kohls, num bar, tinha conseguido fugir da escola, e precisava trabalhar, pedir informações, mas para variar todos queriam abusar dela e da sua beleza, afinal de contas uma vampirinha vadia abandonada, na cabeça deles era só isso que mereciam, serem abusadas, o que fazia a diferença é que ela adorava sexo. Mas Artur entrou no bar, era um homem alto, forte cabelos longos, barba grande, todo ruivo, igual a ela, mas os olhos eram de um azul celeste, calças jeans e camisa de banda, com um colete de couro do Clube de Motociclistas Alcateia, coberto de tatuagens. Hoje nua, desinformada, desmaiada, estuprada, humilhada e agora órfã de verdade, ela somente desejou que aquele monstro Thomas, não fosse o seu amado lobisomem, mas era idêntico e isso só a atordoava mais ainda, a única diferença eram os cabelos loiros e os olhos verdes mar. Acordou com o Senhor C. dentro da boca dela enquanto lhe acoitava o rosto com as mãos enormes e ouvia gargalhadas do Presidente Thomas que lhe segurava a cabeça movimentando para o pau entrar e sair até que ele me enchesse de porra novamente, tirando meu ar e me ensopando o rosto. Depois do líquido, os dois urinaram em mim, sorrindo e mandando que eu sorrisse, pois era uma ruivinha linda, corpo de uma Futura Esposa e meretriz do Presidente da nova nação, mas que tinha que aprender muitas lições ainda.

Fui caminhando até o elevador, e descobri que estava no 20° andar, chegamos ao térreo e homens estavam a espera, me bateram, uns metiam seus membros na minha boca enquanto outros né estupravam por trás, pela frente, aquele caminho até a praça durou horas pra mim, mas deve ter sido coisa de meia hora, arrasada encontrei meu pai no chão, sinais de estrangulamento e vários tiros no rosto dele que não era mais um rosto, deitei no chão chorando aquela atrocidade, mas não pude ficar muito mais que um minuto com ele, pois logo, Thomas me chamou e me mostrou meu sobrinho de 15 anos, meu pequeno Benjamin, os olhos verdes iguais os do meu irmão, que havia conhecido há 10 anos, estava todo ensanguentado quase morto:

- Iana Hayes Hall, este é o seu sobrinho, o único que ainda está vivo da sua família asquerosa, e você vai presenciar a execução dele, hoje, Benjamin Hayes, filho de Leonard Hayes, acusado de agir pelas costas da NOM, espalhar fake news nas redes sociais, promover encontros para difamar o meu nome e o nome de meu pai e praticar magia, nós Lobisomens puros e detentores do direito de governar, nos chamamos de Os Cavaleiros da Ordem Mundial, lutamos contra esses seres da noite asquerosos, os Vampiros. Depois que meu pai finalmente assassinou essa vampira mãe, todos os outros ficaram enfraquecidos, mais fáceis de serem encontrados, já matamos centenas de milhares, pois eles viviam e fingiam serem limpos, dignos, mas agora essa família da linhagem original está acabando, dando espaço para que os outros vermes iguais a eles apareçam para serem mortos e assim finalmente limparmos da face da Terra esses animais. Outras nações já estão se juntando a nós, e assim vamos vencer!

E então, cortaram a cabeça do meu sobrinho, que rolou até meus pés, que caí abraçando e gritando chorando, lembrando dos últimos pensamentos dele que estava falando em minha mente enquanto o Presidente discursava: - Titia, eu te amo, lembre-se sempre, a tatatataravó foi a primeira, mas você sempre foi a escolhida, a vampira de cabelos ruivos, cujos olhos cinza, carregavam todo o poder das Forças naturais, detentora do poder supremo. Te amo, deixe-me ir e destrua esses desgraçados, sinto muito ter te visto neste estado e não ter podido lhe ajudar pegaram meu gato Wafles perdi meus poderes, minha tia amada. E assim, agora eu era a última Hayes Hall, viva. E a minha história está só está começando.

April 2, 2019, 4:49 p.m. 0 Report Embed 0
To be continued...

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~