Zóio de Lula Follow story

kazuno Lari

Yifan é um skatista que, junto de seus amigos, domina o Juventude, gostando de se exibir enquanto faz suas manobras radicais. Porém, tudo muda com a chegada de um novato na cidade que, além de ser um playboyzinho, manda muito bem no sk8, ganhando de cara a antipatia do Wu e sua galera. KriSoo | love x hate | 00's au | eu vim de santos, sou charlie brown Capa por: Minseokbaek


Fanfiction Bands/Singers Not for children under 13.

#yaoi #exo #krisoo #mençãochanbaek #00s #sk8
7
414 VIEWS
In progress - New chapter Every Saturday
reading time
AA Share

1. Dono Do Meu Pensamento.mp3


Acordar de manhã, comer uma coisa rápida e partir pra pista de skate do Parque da Juventude que ficava a poucas quadras de onde morava. Essa era a rotina de Wu Yifan, o chinês que havia se mudado para um novo país desde muito novo.

— Tchau, mãe! — gritou antes de colocar o boné na cabeça e agarrar o skate encostado do lado de fora da porta antes de correr para o point com os amigos.

— Não chegue muito tarde! — ainda conseguiu ouvir a voz da mais velha ao longe. Já estava voando em cima de seu sk8.

Wu adorava a liberdade que aquela prancha com rodas lhe proporcionava, e se pudesse, viveria dessa mesma forma pelo resto de sua vida. Ter quinze anos era o máximo!

— Uuuh... — Chanyeol fez um gracejo assim que colocou os olhos no melhor amigo. — O tigrão chegou, pessoal — com um cumprimento de brothers, eles se cumprimentaram, Wu pisou na ponta de seu skate e ele pulou direto para sua mão livre enquanto cumprimentava o restante dos amigos.

Eram um grupo até que grande, e sempre se encontravam ali para vadiarem juntos. Eram uns baderneiros curtindo as férias, iniciadas naquela semana, o máximo que podiam.

— E aí, seus porras, estavam tristes pensando que eu não vinha? — o chinês brincou.

— Claro que não, você praticamente mora aqui, caralho — Sehun, o mais novo do grupo, não mentiu. Yifan sempre estava por ali, faça chuva ou sol, sempre que o Juventude estava aberto, lá estava ele.

— O que posso fazer se esse é o melhor lugar dessa cidade de merda? — Baekhyun e Jongdae assentiram com a informação, arrumando seus bonés antes de caminharem todos juntos para a piscina onde gostavam de se aventurar em manobras radicais.

Risadas em meio a Ollies malfeitos, tentativas de Kickflip falhas — por parte dos novatos —, esse era um resumo de como eram as tardes daqueles garotos.

— Ei, bora pro Burgguer's? — Baekhyun sugeriu quando olhou no relógio no pulso e constatou passar das quatro da tarde. O tempo voava quando estava com os amigos.

— Só bora — Yifan passou um dos braços pelo pescoço do mais novo e caminhou com os demais até a saída do parque, onde subiram em seus skates indo a caminho da lanchonete de sempre. O senhor Zhang nem mesmo se surpreendia ao ver aquele monte de garotos adentrando seu estabelecimento em meio a algazarras, já estava acostumado.

Comeram, brigaram pelas últimas batatas fritas e riram de bobagens enquanto pagavam a conta e se despediam na porta do Burgguer's; cada um indo para a casa cedo o bastante para não levarem bronca das mães e ainda terem um tempinho para tomar banho antes do jantar.

A rotina de Wu Yifan era assim, e ele adoraria que continuasse da mesma maneira até o fim das férias. Porém, às vezes o destino tem planos diferentes.


[...]


Mais um dia tinha começado e, como de costume, estava a caminho do Juventude. Por coincidência, havia esbarrado em Chanyeol e Baekhyun no meio do caminho, o Byun tinha dormido na casa do Park na noite anterior.

— Caralho, Park, nem chamou os parça pra tua festinha do pijama — brincou, vendo o melhor amigo rir sem graça e Baekhyun corar. Até estranhou, mas deixou para lá e nada disse, só voltou a remar no skate assim como os outros dois.

O vento balançava a camiseta larga conforme ganhava velocidade. Sua mania de usar roupas uns bons números maiores que si fazia-o parecer ainda mais magro do que realmente era, assim como os amigos que estavam junto a si.

— O tempo tá perfeito hoje — Chanyeol disse assim que passaram a entrada, diminuindo a velocidade com a qual surfavam no asfalto do parque. O céu estava azulzinho e o sol já brilhava forte naquele início de verão.

— Realzão — Baekhyun assentiu, já descendo do skate e pisando na ponta para que ele pulasse, pegando-o e colocando debaixo do braço só então notando que a borda da piscina, onde costumavam se encontrar com os demais, estava cheia de gente. — Tem evento hoje aqui? Tá lotado — franziu o cenho.

— Não ouvi nada sobre isso — Yifan tinha a mesma expressão que Baekhyun no rosto, já pedindo licença para o pessoal a fim de se aproximar e ver o que raios estava acontecendo.

Geralmente as pessoas ficavam aglomeradas quando ele e Chanyeol — os melhores skatistas daquela pista, modéstia à parte — estavam fazendo manobras, mas ambos haviam acabado de chegar.

Somente quando estava na borda conseguira ver o motivo daquele alvoroço todo: um garoto, que nunca havia visto antes, estava ali, se mostrando como se fosse o rei da pista. “Exibido”, Yifan pensou, já torcendo o nariz quando o garoto terminou e foi ovacionado pelo pessoal. Inaceitável. Já o havia odiado.

— Mano, vocês viram? — Jongdae chegou junto aos demais, depois que a galera se dispersou, com a mesma expressão que o chinês alto tinha no rosto.

— Que metido da porra! — Sehun estava ao lado do Kim, já de capacete e todos os demais aparatos de proteção colocados, e apertava o truck de seu skate com força. — Mal chegou e já fica se exibindo.

— Quem é ele? Nunca vi esse garoto aqui — Chanyeol, diferente de todos ali, estava com o rosto mais sereno, curioso na realidade.

— Ele se mudou pra minha rua — Minseok, que raramente aparecia no Juventude por já ser mais velho e estar ocupado com a faculdade, disse com o fecho do capacete aberto enquanto arrumava os óculos no rosto. — Ouvi dizer que a família dele veio da capital, ricos e tal — prendeu o fecho, conferindo se não estava apertado demais. Fazia mó cota desde a última vez que conseguiu colar na pista, a vida de universitário lhe comendo vivo. Graças a Deus estava, finalmente, de férias após tantas provas. — O pai dele tem um carrão de dar inveja, mano — contou. — Fino do fino, sem zoar — foi para a borda e se lançou, deixando os meninos mais novos para trás.

— Filhinho de papai ainda por cima — Sehun parecia empenhado em odiar o novato, mas uma coisa é certa: ninguém ali suportava filhinhos de papai. — Não acredito que tem um mauricinho na nossa área.

— Talvez seja bom a gente ir falar com ele? — Baekhyun questionou, recebendo olhares feios por parte da maioria.

— Tá louco, Byun? Quero nem papo com esse mané — Jongdae foi logo tirando o corpo fora. Não queria nenhum tipo de contato com gente riquinha e metida a besta. Tinha um preconceito fodido com o pessoal mais bem de vida, preferia a galera mais humilde. — Deve falar difícil e ser um porre.

Porém, antes que pudesse continuar ouvindo as lamúrias do Kim, Yifan seguiu para onde o novato estava sendo paparicado pelas garotas e garotos que o acharam incrível, sendo seguido pelos amigos que encaravam o mauricinho com expressões nada amigáveis no rosto da maioria — Baekhyun ainda achava meio precipitado odiar o garoto sendo que ainda não sabia nada sobre ele.

O garoto que havia roubado a cena era baixinho, não parecia ter nem mesmo 1,70 de altura, tinha os olhos grandes e lábios mais grossos — mas, apesar dos traços, seu rosto ainda carregava uma suavidade única —, vestia roupas no mesmo estilo dos outros garotos e também tinha o boné de aba reta virado para trás e fones de ouvido, porém, diferente dos demais, tudo em seu visual era nitidamente caro. As melhores marcas vestiam o garoto, até mesmo o skate fora montado com as peças top de linha, sonho de muitos, mas realidade de poucos — Jongdae que o diga, pra ter qualquer aparato daqueles teria de economizar durante uns seis meses, no mínimo!

Yifan arqueou a sobrancelha quando o baixinho afastou as pessoas que o rodeavam e, depois de medir o Wu de cima a baixo, deu um sorrisinho de lado ao retirar os fones do ouvido.

Se antes o chinês ainda tinha alguma dúvida, fora completamente sanada depois de tal reação. Além de um mauricinho filho da puta que mamava na mesada gorda dos pais, era um debochado, e se tem uma coisa que Yifan odiava, essa coisa era gente debochada.

— Fala, mano — a voz de tom mais grave não combinava em nada com a aparência, e a simpatia em puxar assunto era uma coisa que o chinês não esperava. Simpatia, uma ova! Falsidade do caralho, isso sim. — Sou Do Kyungsoo, disseram que vocês são meio que os donos desse lugar. Maneiro. Me mudei pra cá essa semana e-

— Foda-se — o chinês logo o cortou, vendo a expressão sorridente sumir do rosto alheio. — Tô pouco me fodendo pra quem você é e de onde você veio, bom que te falaram que a gente que manda nessa porra aqui, e, só pra deixar bem claro, odeio pessoas da sua laia, então não se mete com a minha galera — Kyungsoo tinha a expressão fechada e o cenho franzido. A mão fechada em punhos que se apertava a cada palavra que o outro pronunciava. — Não fica no nosso caminho, seu mauricinho de merda — Sehun sorria como um maníaco enquanto tinha sua pose altiva, adorando Yifan umas quinze vezes mais só pelo chega pra lá que ele havia dado no Do. Mas, diferente do que eles pensavam, o mais baixo não ficou quieto.

— Vocês são uns arrombados do caralho, achei que seria daora falar com vocês e fazer amizade — deu uma risada soprada. — Tô nem aí que você se sente o rei do mundo, ou se a minha roupa te incomoda, aqui é a porra de um lugar público e eu não vou sair só porque você quer.

— Tá querendo arranjar briga, meu irmão?! — Sehun realmente ia pra cima de Kyungsoo arrancar a expressão inabalável no rosto dele no soco, mas fora impedido por Chanyeol que o segurou.

— Não quero merda nenhuma com vocês — deixou claro.

— Então não se mete — Yifan tomou a voz da conversa novamente.

— Nem vou, quero mais que vocês se fodam — deu de ombros, colocando a ponta do skate que segurava no chão. Yifan teve de se segurar para não perder a cabeça como o Oh quando o Do novamente lhe encarou de cima a baixo antes de mergulhar em cima da prancha e sair do outro lado, já longe do grupo.

Kyungsoo tremia levemente, coração batia apressado dentro do peito enquanto ele caminhava até outro ponto da pista de skate. Yifan o acompanhou com os olhos, mesmo nas rampas e corrimões o garoto era muito bom e ganhava a atenção fácil do pessoal. Odiou-o um pouco mais por ser tão talentoso.

— Vocês viram que filho da puta?! — Jongdae questionava ultrajado. — Mal chegou e já colocou as asinhas de fora, puta merda!

— Quero deitar esse maluco na porrada — Sehun ainda estava alterado, completamente puto e deixando tal estado de espírito bem explícito.

— Calma, mano — Chanyeol interviu. — De nada adianta se estressar por isso. O cara pode até ser um riquinho, mas ele tem razão quando diz que o Juventude é um espaço público. A gente não pode expulsar o cara daqui.

— Infelizmente — Jongdae alfinetou. Um silêncio seguiu durante alguns segundos. — Não vai falar nada, China? — a atenção se voltou para o Wu, que ainda acompanhava o outro com o olhar. O maldito fazia manobras difíceis parecerem fáceis, desenrolava uma atrás da outra sem muitas falhas. — Wu! — Yifan estalou a língua, tirando o boné e colocando novamente na cabeça.

— Falar o quê, caralho? Park tá certo, não posso fazer nada — deu de ombros. — Não gostei dele, mas foda-se — deu de ombros —, não tô aqui pra fazer amizade com esse fodido — deixou claro e, assim como muitos fizeram antes de si, se posicionou na borda com um pé segurando o skate, pronto para subir em cima ao se deslizar para dentro da piscina. Olhou na direção dos outros por cima do ombro. — Vão ficar aí parados? — sorriu pequeno quando os amigos se apressaram a acompanhá-lo e fazerem o mesmo, todos dando voltas pelo fundo da piscina com uma manobra ou outra ao pegarem impulso para quase saírem, voltando com ainda mais velocidade.

O incômodo ainda permanecia, porque sabiam que Kyungsoo estava por ali também, mas ainda riam quando algum dos amigos errava uma manobra ou acabava caindo por um deslize ridículo — Jongdae mesmo era todo ralado porque vivia usando o pé errado na traseira do skate.

— Parem de rir, porra! — grunhiu, mal se contendo também. — Ow, bora pro Burgguer's, mó fome, cachorrera — sugeriu.

Já se passava das quatro da tarde quando eles deixaram a pista pra trás. Yifan até tinha esquecido a existência de Kyungsoo. Ao menos até entrar na lanchonete e ver o cretino sentado justo na mesa deles.

O dono do estabelecimento, Yixing, pressentiu que a confusão estava formada, uma vez que os garotos eram clientes fixos, estavam ali, literalmente, todos os dias, e pelo olhar que notou nos recém-chegados, boa coisa não aconteceria se não interferisse.

— Jun — chamou o garoto que trabalhava para si, Junmyeon tinha uns dezessete anos. — Já vai fritando dez porções de batata — disse, vendo o mais novo arregalar levemente os olhos, mas concordou.

— Certo, chefe! — assentiu e começou com o trabalho dado.

O chinês se colocou à frente do grupo antes que a briga começasse, sorrindo de modo mecânico enquanto olhava para os garotos.

— E aí, garotos, tudo em cima? — riu, mesmo que sem real humor. — Vocês chegaram num momento muito bom! Sabiam que hoje estamos com promoção de batata frita? Na compra de uma porção, você ganha outra de graça, não é daora? — fez um sinal para Junmyeon já começar servindo o balcão. — E olha só, se não é o Jun já servindo vocês ali? — quando o grupo se virou para ver, Yixing tratou de já os empurrar para o local, conseguindo com sucesso. — Fiquem à vontade — sorriu antes de voltar para trás do mesmo balcão quando viu que os meninos já estavam acomodados.

Junmyeon sorriu enquanto colocava as batatas e os lanches de sempre no balcão, sentindo as bochechas arderem de uma maneira vergonhosa quando seu olhar se encontrou com o de Sehun. O garoto era uns anos mais novo que si, por isso, apenas ajeitou os óculos e voltou com suas obrigações. Já o Oh, nem notava, estava ocupado demais devorando as batatas como se nunca mais fosse ver tal comida na vida.

Entretanto, apenas da suposta “promoção”, Yifan percebeu que na verdade, o Zhang estava fazendo isso por não querer confusão, mas mesmo assim, assim que ele virou as costas, colou junto à mesa — que era deles — onde Kyungsoo comia um lanche e bebia milk-shake de morango com o pensamento longe. Ao menos até notar a presença alheia e encará-lo, se surpreendendo momentaneamente.

— Que merda você quer? — mais uma vez mediu o garoto alto de cima a baixo, antes de desviar o olhar para fora da janela, coisa que fez com que o chinês trincasse o maxilar.

— Quero que você pare de ser um intrometido da porra — grunhiu. — Olha, pode fazer a merda que você quiser, mas se eu chegar com os caras aqui e te encontrar na nossa mesa de novo, não vou ficar só nas palavras — nisso ele já tinha a mão espalmada na mesa e se curvava ameaçadoramente. Quando Kyungsoo virou o rosto e deu de cara com ele, até se afastou um pouco pela surpresa. Os olhos de Yifan eram afiados — Está avisado — nada mais disse, apenas se afastou e se juntou aos demais, que riam e badernavam como de costume.

Kyungsoo até abaixou o lanche que comia, encarando o grupo de amigos e percebendo que, porra!, tinha azar pra caramba. Tinha de se sentar justamente na mesa deles? Definitivamente qualquer possibilidade de amizade com aquele pessoal estava totalmente fora de cogitação.

— Bela forma de se entrosar, Do — murmurou para si mesmo antes de revirar os olhos e suspirar derrotado. Voltou a comer seu lanche, já sem toda a animação de antes, querendo terminar logo e ir para a nova casa.

Wu viu quando o Do se foi, subindo no skate e sumindo do seu campo de visão depressa. Esperava do fundo do coração que ele parasse de se meter onde não era chamado.

Naquela noite antes de dormir, Yifan pensou a respeito de Kyungsoo.

Feb. 20, 2019, 2:07 a.m. 0 Report Embed 1
Read next chapter 2. Tamo Aí na Atividade.mp3

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~

Are you enjoying the reading?

Hey! There are still 5 chapters left on this story.
To continue reading, please sign up or log in. For free!