Angels and Demons Follow story

gabykaijongin gabriela Rodrigues

Chen se sente cansado, o mundo não colabora com ele, em seus piores pensamentos se vê morto, em seus melhores se vê nos braços do amigo Sehun. Seu dia estava começando a melhorar e pela primeira vez seus pensamentos suicidas e demônios estavam se esvaindo enquanto lembranças de um passado bom vinha a tona, mas tudo mudou quando ele chegou em casa e Sehun parou seu carro atrás de um automóvel da polícia.


Fanfiction For over 18 only.

#sehun #chen
Short tale
0
3583 VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Affliction

Chen.


"As vezes eu me pergunto onde estão os meus anjos, meus demônios interiores as vezes me roubam por completo, eu grito para os anjos ficarem mas os demônios sempre ganham, eu sinto medo de que um dia, um desses demônios consiga susurrar diretamente em minha cabeça um "faça" e eu com minha ingenuidade apenas o obedeça."


Hey, tudo bem?


Sehun se aproximou de mim e eu rapidamente fechei meu caderno, ele se sentou no grande e extenso banco amarelo da arquibancada inferior do campo de baseball. Seu olhar me repreendeu por alguns minutos pela minha não atenção ao maior.


- Bem? Claro, porque não estaria.


Chen, tudo vai ficar bem. Você apenas precisa acreditar.


Eu não tenho depressão, apenas todos os sintomas da doença, Sehun sempre diz para eu acreditar e gritar que tudo vai ficar bem, mas nunca fica.


Minha mente me engana, eu não consigo entende-la, esse sentimento confuso de que tudo vai dar certo, eu tento todos os dias olhar no espelho e não imaginar um martelo em minha mão quebrando tudo, eu me sinto um lixo sentado no sofá de casa e pensando o que eu fiz para chegar a este mísero ponto. O ponto que eu cheguei? Esse vazio que eu sinto, eu acho que vou enlouquecer a qualquer momento e nada mais pode me puxar para cima e me salvar, as vezes eu acho que existe algum anjo a minha espera, algum anjo que poderá segurar em minha mão e dizer "venha até mim, tudo vai dar certo", mas ao contrário disso existe um demônio interior me dizendo "Para que tentar? Você tentou até agora e não deu certo, apenas desista!".


Eu olho muito para Sehun, ele joga no time da escola, é popular, é feliz e positivo, eu o invejo completamente, eu apenas queria ser ele, ter a vida dele, ele nunca precisou trabalhar, nunca precisou ouvir de seus pais que está sendo um peso sustenta-lo, seus pais o amam incondicionalmente e eu os adoro, sempre que vou até sua casa sou muito bem recebido, agora quando Sehun vai na minha casa a coisa muda, começa por não termos dinheiro, minha mãe tenta, ela sempre me disse para lhe dar orgulho e hoje a única coisa que eu não do a ela é isto, meu pai manda eu arrumar um emprego, mas eu fui despedido dos últimos dois porque chorava nos intervalos, eu não sei lidar com minha própria vida, e isso está me aterrorizando. A meu pai, a única coisa que eu queria lhe dar era algum tipo de orgulho, meu coração dói em pensar que eu desisti tão cedo da minha sem ao menos tentar, ou melhor, eu tentei, tentei muito até não dar mais, mas eu sou forte, eu estou aqui hoje, mesmo que doa não significa que não valha a pena.


Vamos para casa, okay? A professora não deveria ter passado esse tipo de aula e dito essas coisas, isso é muito errado.


Sehun é um bom amigo, quando éramos crianças ele me protegeu, ele se sentou comigo enquanto os outros alunos riam de mim por estar sujo, ele me deu sua comida, ele me deu seu apoio, ele realmente estave comigo todo esse tempo e eu nem mesmo posso reclamar. Eu não conto tudo a ele, ou pelo menos não o que realmente sinto, por isso escrevo, coloco tudo em um papel na esperança de que ele me responda com algum tipo de conselho.


- Você é um bom amigo Sehun, você merece o mundo, mas o mundo não te merece!


O olhei passando a mão em meus fios escuros.


Porque diz isso?


- O mundo é cruel, as pessoas não pensam umas nas outras, e você pensa em todos, nos mínimos detalhes, você é bom de mais para essa droga de bola que vivemos.


Falei me levantando e guardando as coisas em minha bolsa vendo o texto da aula de hoje cair, ou melhor, a folha com apenas um título.


E se eu te contasse que a terra na verdade é plana?


- Eu te meteria um livro de geografia e ciências na sua cara!


Ele sorriu e eu também logo colocando aquele papel dentro do caderno o guardando.


"Conte-me sobre sua família e como vocês se vêem daqui 2 anos", esse era o tema da aula de hoje e eu vou ser bem sincero, eu nunca me segurei tanto para chorar, não pelo tema, não é isto, e sim pelas palavras da professora. "Chen, você não escreveu nada? Também, um bolsista como você que futuro terá?", Ela tem total razão, um simples bolsista como eu nunca terá nada, Sehun se levantou para me defender mas eu o impedi, ele não merece levar suspensão por minha causa.


As vezes eu imagino o meu futuro, ou pelo menos aquele futuro inrreal, eu tenho medo dele, não vejo um bom lugar, não vejo um bom status financeiro, não vejo um bom emprego, não vejo amizades a minha volta, não vejo família, só vejo Sehun, as vezes me sinto tão vazio ao ponto de me perguntar se tenho amigos, mas eu tenho, tenho ele, e mesmo que talvez não seja muitos é o suficiente.


Vem, vou lhe dar carona até em casa.


Andei com ele pelo pátio da escola indo para a garagem, entramos em sua BMW e ele deu partida, ele está realmente feliz pelo primeiro carro, ele está tão feliz que passa horas limpando, por dentro e por fora, e não é por mal já que eu fazia o mesmo com o carro do meu pai antes de ele vender para quitar nossa casa após todos esse anos.


- Eu sinto falta de quando éramos crianças, eu era tão feliz, nós nós escondiamos em lugares ridulos juntos apenas para seu pai ficar preocupado.


Acho que eu passei a ter medo disso quando o vi chorar ligando para a polícia.


Abaixei minha cabeça rindo e Sehun levou sua mão até o rádio do carro o ligando, até o som é baixo, porque na sua concepção, barulho de mais pode forçar o vidro e quebra-lo, Sehun é uma comédia.


As vezes penso em acabar com toda essa agonia dentro de mim, mas eu olho para Sehun e vejo um lado bom, as vezes queria me mudar para a casa dele, ser adotado pela família dele, ou sei lá, casar com ele, não seria má ideia se não precisassemos nos beijar.


Porque está sorrindo?


Olhei para ele negando com a cabeça.


- Presta atenção no trânsito e não em mim.


Você viu a menina nova? Ela é gostosa né? A bunda dela é incrível.


Me acomodei no banco do carro fechando meus olhos.


- Minha bunda é incrível, a da menina nova é apenas uma tentativa.


Ele riu e seguimos caminho, o dia pela primeira vez estava fazendo algum sentido, Sehun estava comigo para me animar e isso é a melhor coisa de todos os dias. Mas algo ruim tinha que acontecer, novamente eu fui abandonado pelos anjos e os demônios tomaram de conta.


Sehun estacionou o carro atrás do automóvel da polícia e eu já senti meus olhos se encherem de lágrimas, será que eu aguento mais uma? Será que eu aguento mais alguma coisa na minha vida?


Sehun tocou minha perna me fazendo acordar dos meus pensamentos, desci do carro com minhas pernas um pouco fracas e Sehun segurou minha mão, nós sabíamos que algo ruim havia acontecido, e isso ficou claro quando um corpo saiu carregado de dentro da minha casa, um corpo grande, um corpo pesado. Minha mãe saiu de dentro de casa com seu corpo e mãos ensanguentadas e ela chorava.


- O dia está realmente lindo hoje, não está?


Falei para Sehun olhando para o céu e senti as lágrimas descerem de uma vez, ele me abraçou mas eu não queria aquele abraço, eu não queria que ele tivesse pena de mim.


Meu pai estava dentro daquele carro agora dado como morto pelo simples fato de não estarem fazendo nada com seu corpo, nenhuma massagem cardíaca se quer, minha mãe só sabe chorar e as vozes em minha cabeça persistem em um "faça".


Chen, querido, não... Não era para estar aqui, Sehun leva ele embora, hum?


Me soltei do braço de Sehun olhando para minha mãe que passou sua mão ensanguentada em seu rosto na expectativa de limpar suas lágrimas. Puxei a manga de minha blusa levando a mesma até seu rosto, após esse meu ato ela desmoronou, ela sentou no chão chorando e eu não sabia o que fazer, eu sou tão egoísta ao ponto de não saber confortar minha própria mãe?


- O-o que aconteceu?


Minha pergunta saiu falha e minha mãe já sentada no chão puxou a manga de minha blusa para que eu me agachasse.


Não entre Chen, eu te imploro, apenas não entre.


Olhei para a casa e para ela.


Eu sempre quis evitar isso, toda essa tristeza, todo o arrependimento, que tipo de arrependimento? O meu maior arrependimento é ter pensado que queria ser adotado pelos pais de Sehun a cerca de 10 minutos atrás, e agora meu pai está em uma ambulância sendo levado embora e já dado como falecido.


- O que aconteceu mãe?


Minha mãe me olhou friamente, ela se levantou e bateu em meu rosto, Sehun segurou a mão dela e eu apenas torci meu queixo para o outro lado a olhando. Eu apanhei por aparentemente não estar chorando, mas talvez ela só quisesse descontar algo em alguém.


- Tudo bem mãe, tudo bem.


Levei meus braços até ela a abraçando, meu abraço foi imediatamente retribuído e naquele momento eu percebi que para ela o mundo havia acabado.


Minha mãe tem muitos problemas, eu sou o maior deles, e agora meu pai se foi, eu não sei quando minha ficha vai cair, mas a dela já caiu.


°°°°


Minha mãe estava mais calma, ou era para estar, Sehun abriu a porta e eu adentrei a casa, havia muito sangue, uma corda amarrada no lustre branco antigo que agora se encontra no chão, ao lado uma arma o que indica que antes de se enforcar e se jogar da escada para que a corda o segurasse ele deu um tiro em algum lugar, talvez na cabeça.


Porque ele fez isso?


Ouvi a pergunta de Sehun e me agachei perto da marca de barbante feita de seu corpo.


- Assim como eu, ele não teve um anjo, seu demônio interior o levou.


Sehun me ergueu pelo braço e me agarrou em seus braços me abraçando.


Você é forte chen, mas não precisa ser agora, okay?


Levei um de meus braços até sua cintura, mas eu estou bem, meu pai se foi, eu nunca mais vou vê-lo aqui na terra, mas ele estava sofrendo e eu via isso, o casamento estava desmoronando, eu sou um completo de um inútil e nunca fui realmente presente em sua vida, não dá forma que ele precisava, sempre fui egoísta, mas nunca egoísta o bastante para dar fim a minha vida sem pensar na dor que deixaria para trás, eu penso nessa dor, a dor que eu não queria que ele sentisse quando eu fosse embora, talvez seja por isso que essa dor é menor em mim, porque eu sei que meu pai está melhor agora, ele provavelmente está se sentindo mais leve, talvez ele tenha encontrado enfim algum anjo especial, ele merece, ele foi um bom homem até onde conseguiu.


Eu posso ser seu anjo Chen, apenas me deixe ser alguma coisa para você.


Sehun ainda me abraçava e por mais que eu tentasse confortar minha dor ele disse algo que me fez sorrir, sempre quis ouvir algo do gênero, sempre fui tão incapaz de lidar com meus demônios sozinhos, e Sehun sempre foi capaz de mata-los, e eu digo isso de forma literal, ele já até pegou uma espada de esgrima e começou a lutar na minha frente, quando eu perguntei o que diabos ele estava fazendo ele disse que estava matando todos os meus demônios e minhas dores.


- Eu te amo Sehun, Obrigado.


Retribui seu abraço colocando minhas mãos em suas costas e o apertando contra mim, eu preciso disso, não porque acabei de perder alguém, e sim porque acabei de ganhar algo novo, um anjo.


••••


- Não escolhemos nascer, não pedimos para permanecer aqui, eu acho um absurdo sermos obrigamos a viver contra nossa vontade, ninguém pediu para nascer, nunca demos permissão alguma para existirmos e não somos obrigados a viver em um mundo horripilante onde pessoas não entendem pessoas. Meu pai foi particularmente um bom homem, ele trabalhou muito para sustentar a família, sempre me dizendo para ter algum sonho, sinto muito Appa, eu não fui capaz de lhe agradar, não foi? Sempre me perguntando sobre faculdade e eu sempre lhe dizendo que estava pensando, na verdade appa eu não quero fazer faculdade alguma, eu não quero ser nada, quero apenas ser amigo de Sehun, estranhas palavras, não?


Limpei minhas lágrimas olhando para Sehun, fixei meu olhar nele porque ele é a única pessoa que me dá forças e esperanças.


- Eu sei como o senhor se sentia, não lhe julgo pelo seu ato, nunca julgarei, o senhor não queria deixar dor para sua família, mas veja só, mamãe não parou de chorar até agora.


Sorri.


- Tudo bem Appa, sempre gritei para mim mesmo que tudo ficaria bem, sempre disse que em algum lugar existe um anjo e eu espero que o senhor em fim tenha encontrado o seu. Descanse em paz.


Dobrei meu papel que na verdade estava em branco, tudo que eu disse foi pensado na hora porque esse era o meu discurso para escrever antes de minha morte, isso seria deixado em minha carta, mas talvez meu pai precise mais do que eu, e eu não me perdoaria se não dissese isso a ele, sem contar que minha carta seria destinada a ele também, e ele não está mais aqui para ler a mesma.


Todos começaram a bater palmas, na verdade, todos que estavam presentes, isso é, muitos demônios nas cadeiras vazias, minha mãe que está chorando mais que tudo, Sehun e seus pais, e 2 amigos do meu pai que eu sinceramente pergunto onde eles estavam quando isso aconteceu, Sehun me ajuda muito, talvez meu pai não tenha dado a mesma sorte que eu, agora eu vejo como sua vida era infeliz.


Me sentei ao lado de Sehun, minha mãe não quis dizer nada, apenas foi até o caixão e colocou flores ali, deitei minha cabeça no ombro de Sehun e fechei meus olhos deixando que as lágrimas molhassem seu terno fino de cor preta. A música clássica triste tomou de conta de meus ouvidos e minha mente, e a única coisa que realmente fui capaz de sentir foram as mãos de Sehun em meu braço susurrando em meu ouvido as palavras certas no momento certo.


Tudo vai dar certo, seu anjo vai cuidar de você.


Agora eu sei que tenho um anjo de verdade, sempre cuidando de mim, sempre tentando me afastar de meus pensamentos, sempre me permitindo dar risadas e ir em festas sem graças apenas para ele pegar muitas pessoas, talvez esse apego que eu sinta por ele não seja apenas apego por uma amizade forte, talvez eu goste dele, mas isso não importa porque ele mesmo diz ser meu anjo, espero que assim ele sempre e sempre continue sendo. Meu anjo.

Notas Finais

Escrevi para descontrair, obrigado a quem ler, quem sabe eu não passa a escrever histórias assim.

Gente eu estou muito apegada pelo Chen e Sehun, mas provavelmente farei uma fanfic com chanbaek.

Feb. 3, 2019, 3:43 p.m. 0 Report Embed 0
The End

Meet the author

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~