Vamos jogar RPG? Follow story

gabriel-zinho Gabriel Zinho

Todas as nossas jogatinas valiam a pena e aquela não seria diferente. horas ininterruptas com os amigos poderia custar muito mais além de tempo, talvez um pulmão ou os salgadinhos e bolachas.


Humor Black humor Not for children under 13.

#fantasia #Humor #aventura #rpg
1
3500 VIEWS
In progress - New chapter Every 30 days
reading time
AA Share

CAPÍTULO 1: Personagens.


Davi foi o último a se sentar na longa mesa de madeira polida da sala. Na ponta da mesa, atrás do Escudo do Mestre eu estava sentado e esperando. Boa parte do grupo não aceitava muito minhas propostas de RPG, porém, aquele parecia perfeito.

Em frente ao Davi, estava Emanuel. À esquerda de Emanuel, Queiroz, à frente de Queiroz, Perez e, por último, na ponta da mesa, estava César. Estávamos todos dispostos a começar e terminar aquele RPG custe o que custasse. Disposto na mesa estava todo o necessário: biscoitos, salgadinhos, um pote de molho de alho, pão, pratos e copos. Eu havia, no dia anterior, colocado estrategicamente uma geladeira ao lado da cadeira do Mestre, nela estava guardado muito refrigerante que muito provavelmente molharia a mesa e as fichas dos rapazes. Para cada um na mesa, havia vários pedaços de papel disponível.

–– Espero que tenham lido as regras mesmo – comentei. –– Posso até relembrar algumas durante a campanha, mas…

–– Espera, você mandou as regras pra eles? – César perguntou.

–– Mandei, ué.

–– Pau no cu! Não me mandou nada.

–– O porra, vai na fé então.

–– Como ir na fé, mano?

–– Sei lá, segue o fluxo.

–– A.

Fechei o escudo do Mestre e olhei para meus colegas.

–– Vocês podem escolher a raça de vocês. As opções são poucas, mas são: humano, orc, elfo…

–– Porque todo RPG tem elfo – Davi comentou.

–– Cala a boca, caraio – Emanuel reclamou.

–– Anão – continuei ––, draconato ou fada.

–– Fada, mano? Existe essa raça? – César pigarreou.

–– Claro que existe, nunca assistiu Tinker Bell? – Perez respondeu em um tom de sarcasmo.

–– Tá! Eu aposto que alguém escolhe fada por aqui.

–– Eu escolho fada – Queiroz alegou atraindo olhares duvidosos.

O silêncio tomou conta do lugar.

Davi sorriu como se segurasse uma gargalhada.

–– SE VOCÊ FOR GAY! – Ele gritou. –– PRA MIM OKAY!

–– VAI TOMAR NO CU! – Queiroz reclamou. –– Quero mudar então!

–– Tarde demais – comentei rindo. –– Já anotei aqui.

–– Porra, mesmo…

–– Aproveitando a deixa, Gu, escolhe a classe também. Você pode escolher entre: bárbaro, arqueiro, mago, druida, necromante, ladino ou paladino.

–– Qual é a que menos combina com uma fada? – Queiroz perguntou.

–– Bárbaro, cara, todo mundo sabe disso. –– Perez respondeu.

–– Ótimo. Eu vou ser uma Fada Bárbaro.

–– QUÊ?! – Emanuel protestou. –– Mano, cê sabe que EU sou o bárbaro dos RPGs!

–– Não faz mal, é só uma fada – Davi comentou rindo.

–– Vai se foder… – Queiroz pediu.

–– Tá, tá, Perez, qual vai ser? – Perguntei.

–– Vou ser um mago humano – respondeu o garoto enquanto anotava em sua ficha.

–– Tá massa. E tu César?

–– Mano… – César começou a explicar. –– Eu tô bem em dúvida na verdade, você me conhece, o que acha que eu escolheria?

–– Sei lá, elfo necromante?

–– É, pode ser. Eu tava entre isso ou elfo mago. Mas não quero ser um necromante do mal não, quero ser paz.

–– Não existe paz para o necromante. – Emanuel comentou fazendo uma voz maléfica.

–– Beleza, beleza, elfo negromante. E você, Emanuel?

–– Adivinha – o garoto pediu.

–– Orc guerreiro. –– Eu e Davi respondemos em uníssono.

–– Aha! Erraram! Dessa vez quero ser um orc paladino.

–– Hãn? Um orc? Paladino? – Davi comentou assustado.

–– Pior que isso, Davi – comentei. –– O Emanuel um paladino?

–– Sem chance, mano… – Queiroz riu.

–– Xiu aí, fada bárbaro – Emanuel provocou.

–– Bom, tanto faz, já estou vendo que vamos ter muita treta nisso aqui. – Olhei para César, o Necromante e então para Emanuel, o Paladino.

Coisas que nem sempre funcionam juntas num grupo de aventureiros: A fé em a bondade divina e o uso da magia das trevas.

Finalmente comentei:

–– Certo, então temos um Fada Bárbaro…

–– Danger Bell. Esse é o nome do Fada Bárbaro – Queiroz comentou.

–– Bem criativo. Então temos Danger Bell, o Fada Bárbaro… – olhei para Davi esperando que dissesse seu nome, classe e raça.

–– Draco Onnet, o draconato druida. – Davi finalmente respondeu.

–– Spark Dul’Maojin. – Emanuel falou.

–– Espero que a Lhaisa não leve isso pro lado pessoal – comentei.

–– Não vai, ela é gente boa e eu fã de Almakia.

–– Storrisch, o elfo necromante – César informou.

–– Sem sobrenome?

–– Fugi de casa antes de ter um.

–– Então seu nome é Storrisch Sem Sobrenome?

–– Não, só Storrisch.

–– Tá, tanto faz – Encerrei o assunto e finalmente olhei para Perez.

–– Eu sou Mallz Von Strax! O mago mais reconhe…

–– Tá, tá, tá, tá, vamos rolar os dados… –– Interrompi meu amigo.

–– Carai, Mestre… – Perez comentou entristecido.

–– Vamos começar com o César já que ele não leu as regras, beleza? É o seguinte: Vamos tirar um d.6. pra cada atributo da sua ficha. Quer rolar o dado?

César confirmou.

–– Ok. Role o dado para definir seu nível de força. – Pedi.

César pegou o dado de seis lados, chacoalhou-o na mão e por fim lançou na mesa.

04.

–– Anota aí, quatro de força – pedi mais uma vez.

–– Caraio – Emanuel comentou. –– Cê fraco, tio.

–– Mano, eu sou um necromante, quem precisa de força quando se é um necromante? – César protestou.

Emanuel o olhou de olhos semicerrados.

–– Luta com um gigante então!

–– É só eu invocar outro gigante, ué.

–– Calem a boca, César, rola aí pra saber sua destreza. – interrompi mais uma briga.

03.

–– Eu sinto que vou tomar no cu… – César comentou.

–– Não fique triste – Davi tentou ajudar. –– As coisas vão piorar. – Avisou.

–– Rola aí pro seu HP. – Pedi.

–– Santo Baphomet, me ajuda a tirar algo que preste! – o garoto lançou o dado.

04.

–– Porra! – reclamou.

–– É mais da metade… – Perez amenizou.

–– Mas não é seis.

–– É verdade.

–– Isso que dá ser necromante! – Emanuel provocou.

–– Mano, eu vou te matar nessa merda e vender teus itens, na boa.

–– Vai nessa…

–– Agora algo crítico: Rola sua resistência. – pedi mais uma vez.

01.

–– PUTA QUE PARIU! – César gritou.

Eu ri. Ele realmente estava ferrado.

–– É, tu vai mesmo tomar no cu. Rola pro seu Carisma.

01.

–– Mano, esse dado tá viciado, né? – César reclamou mais uma vez.

–– Para de chorar, todo mundo vai passar pelo mesmo processo – Emanuel defendeu.

–– Cara, olha meus resultados!

–– Foda-se!

–– Porra, dá pra focar?! – Pedi. –– Rola pra sua sabedoria.

05.

–– Ah! Pelo menos isso! – O garoto suspirou aliviado.

Ele rolou o dado mais uma vez, agora para saber sua inteligência.

04.

–– Aceitável, não sou tão burro assim – comentou.

–– Ótimo, agora outra parte importante. O combate. Cada um de vocês já possui um mínimo de acerto com qualquer arma, porém, dependendo da sua classe, esse mínimo pode ser maior, por exemplo, em classes que usam magia, possuem um valor mínimo de acerto de dez em ataques mágicos, seja forte ou fraco. O valor mínimo para todos vocês é cinco, mas, como eu disse, para o necromante e o mago, em ataques que usam magia, vocês já possuem dez.

–– QUÊ?! – César perguntou. –– Mano, eu não entendi N.A.D.A.

–– Bora na prática. Em um combate, você vai rolar um dado, um d.100. O resultado do dado deve ser igual ou menor o valor de acerto que vai ficar na sua ficha, entendeu?

–– Tipo o que a gente fez com o Alex?

–– Isso, esse mesmo. Porém, vocês já possuem um valor mínimo, sem o dado, que é cinco. Anotem nas fichas de vocês aí. Agora, César, vai rolar o d.6 de novo e multiplicar o resultado por dez, o resultado final, somado com o seu valor mínimo de acerto é a sua porcentagem de acerto, ok? Vamos começar com o ataque corpo-a-corpo. Para ataques fracos, o seu valor mínimo já é cinco. Rola o dado aí.

01.

–– Ok, então o valor do seu ataque corpo a corpo é quinze, já que dez e cinco somam quinze. Agora some o valor da sua Força.

–– Dezenove. – O garoto respondeu.

–– Certo, então, quando for batalhar corpo-a-corpo, deve tirar dezenove ou menos no d.100 para acertar ou não um ataque.

–– Nossa, valor baixo…

–– Mano, cê é um necromante. – Queiroz reclamou.

Davi abriu um salgadinho.

–– Role o d.6 pro seu valor no ataque forte.

01.

–– Caraio… 19 também? – César perguntou.

–– Não – Falei com um salgadinho na boca. –– O valor mínimo do seu ataque forte é dois, não cinco, esqueci de avisar.

–– Certo, doze então?

–– Doze.

–– Agora seu ataque à distância.

04.

–– Opa! Deu uma melhorada. Quarenta e cinco. Somar a destreza? – César perguntou.

–– Sim, quarenta e oito. Tá melhor já.

Perez riu baixo.

–– Um necromante de arco. Isso é tipo, sei lá, uma fada guerreiro.

–– Vai tomar no cu! – Queiroz pediu educadamente.

–– Agora seu ataque com magia, onde o mínimo é dez. – Pedi.

06.

–– OPA!! – César comemorou.

–– Caraio, mano… O maluco tá feedado… – Emanuel comentou.

–– Justo pra um necromante – Davi comentou. –– Setenta.

–– Somando a sabedoria, setenta e cinco.

–– AEOOO! – César comemorou novamente.

–– Não comemora muito não, tem as dificuldades de cada feitiço, mesmo com um número alto desse, pode ser difícil você, sei lá, invocar um Dragão Ancestral.

–– Mano, sou o necromante, eu invoco um exército caso o dragão não queira vir.

–– Tá, tanto faz. A propósito, que arma vai querer usar?

Feb. 1, 2019, 2:55 p.m. 1 Report Embed 120
To be continued... New chapter Every 30 days.

Meet the author

Comment something

Post!
Karimy Karimy
Olá! Estou aqui por causa do Sistema de Verificação do Inkspired. Sua história foi selecionada para a verificação, mas posta em revisão por conta dos seguintes apontamentos: 1)Letra minúscula iniciando frase (sinopse). Concordância verbal incorreta. Narração no presente, sendo que a história está escrita no pretérito, como em "custe o que custasse" em vez de "custasse o que custasse". 2)Falta de vírgula em orações inversas. Virgulação incorreta após conjunção adversativa. Falta de virgula antes de termos explicativos, como em "Vamos começar com o César já que ele não leu as regras..." em vez de "Vamos começar com o César, já que ele não leu as regras...". 3)Uso incorreto de crase. Responda este comentário quando a revisão tiver sido feita, então farei uma nova verificação na sua história. Ah, o primeiro capítulo está muito divertido! ;)
Feb. 15, 2019, 6:10 p.m.
~

More stories