neith Camila Gomes

Raiden nunca pensou em se apaixonar, mas o se coração se encantou por Sindel, uma rainha encarcerada por um tirano. Mesmo assim Raiden guardou seu coração e acabou revelando o seu amor para ela num momento inesperado. Arte da capa: doodler95.deviantart.com


Fanfiction Games Not for children under 13.

#romance #sindelmortalkombat #raidenmortalkombat #mortalkombat
Short tale
1
3.7k VIEWS
Completed
reading time
AA Share

Capítulo único

A noite caía na região do Sky Temple, as estrelas piscavam pelo céu e a lua apontava entre as montanhas. Podia se ouvir as corujas piando e os grilos faziam seus ruídos. Raiden estava encostado na varanda de seu quarto e olhava as estrelas, não conseguia tirar da cabeça a morte de Sindel e aquele doce beijo antes dela partir. A saudade lhe apertava o coração e não restava outra coisa a não ser deixar as lágrimas escorrerem pela maçã do seu rosto. Constantemente ele secava os olhos com as próprias mãos, para que ninguém o visse chorar. Ouviu alguns passos em sua direção, virou-se e Kung Lao estava a sua frente, o shaolin percebeu que Raiden havia chorado, o inchaço embaixo dos olhos denunciava tal ato, ele já imaginava o motivo daquele pranto. Para ter certeza perguntou:

- Estava pensando nela, não é?

- Não consigo ficar sem pensar nela sequer um segundo.

- Sabe muito bem esconder uma paixão. Ninguém imaginava isso.

- Sempre fui apaixonado por Sindel, Lao.

- Mas como foi isso?

- Quando Jerrod foi morto por Shao Khan, ela veio até mim desesperada pedindo ajuda, escondida de todos.

- Não sabia dessa história.

- Ela não imaginava este sentimento vindo de mim, eu penso. Quando soube do suicídio dela, aquilo apertou o meu coração, mas... Está mais apertado agora.

Raiden fez uma expressão de dor e colocou a mão no coração, enterrou a cabeça no peito e Lao ouvia os soluços. Lao pousou a mão no ombro de Raiden e disse:

- Meu coração lamenta pela sua dor.

Com os olhos azuis brilhantes, Raiden olhou para Lao e deu um sorriso amarelo. Lao disse:

- Vá dormir um pouco. O tempo pode curar essa dor.

Os dois adentraram no quarto e Raiden agradeceu ao shaolin, Lao falou:

- Espero que o senhor descanse bem.

Em seguida saiu do quarto e fechou a porta. Raiden tirou o chapéu, fechou a porta da varanda e ligou a luz de seu quarto, se despiu e foi tomar um banho. Saiu do banho, enrolado na toalha e com os cabelos longos e brancos soltos foi ao seu guarda roupa e foi à procura de uma roupa para dormir. Uma ideia veio em sua mente, no começo achou loucura, mas depois falou pra sim mesmo:

- Por que não tentar?

Resolveu pegar suas vestes clássicas: uma espécie de casaco de couro sintético preto que cobre uma parte da cabeça e um pouco do tórax, uma camisa de manga comprida aberta na frente feita de linho branco com alguns bordados no lugar dos botões, uma calça de linho branco com pé e uma sandália de dedo dourada que vinha do pé até a altura dos joelhos com uma peça de metal prateado com desenhos dourados na parte da frente da canela, uma faixa azul de linho em forma de losango com bordados dourados para colocar sobre os ombros e cobria parte das costas e do tórax, um cinto em tom prateado com duas faixas de linho azul com detalhes dourados, braceletes de couro marrom na região do pulso, luvas cobrindo a palma das mãos e uma parte dos dedos e por ultimo o chapéu em forma cônica feito de uma palha especial. Levantou o braço direito e desapareceu num clarão e foi parar no laboratório das F.E. Os que passavam por ele faziam reverência, ele passava pelos corredores procurando a ala do necrotério de metahumanos até que encontrou uma estagiária de Biomedicina, ela viu Raiden e se assustou e começou a gaguejar:

- Se-senhor Raiden.

- Olá, jovem! Pode me levar até o necrotério e me mostrar onde está o corpo da Sindel?

- Sim senhor.

A estagiária o guiou até o local, estava escuro e ela ligou no interruptor, nem todas as lâmpadas estavam funcionando. Os dois chegaram até a gaveta de Sindel, a jovem destrancou a gaveta e puxou levemente , o corpo de Sindel estava intacto. Seu rosto estava lívido, seus cabelos estavam sobre os ombros e as mechas brancas e negras se misturavam, vestia um vestido de cetim lilás um pouco acima dos joelhos e estava descalça. Raiden pediu:

- Posso ficar sozinho com ela?

- Como quiser

A estagiária saiu do necrotério, fechou a porta sem trancar. Raiden estava diante do corpo da sua amada, acariciava os longos cabelos de Sindel e beijou-lhe a fronte. Sussurrava:

- Como eu gostaria que você voltasse à vida.

O silêncio pairava no ambiente, olhou para as suas mãos que se envolviam de raios e disse:

- Tentarei mais uma vez

Colocou as duas mãos, uma sobre a outra no coração de Sindel e soltou uma descarga fortíssima, Sindel abriu os olhos e deu um grande suspiro fazendo o seu tronco ir para frente e cabeça e os membros para trás. Raiden se afastou, mas não tirava o olhar dela, ela virou a cabeça para o lado direito e virou para o esquerdo, os olhos castanhos de Sindel se encontraram com os azuis reluzentes de Raiden. Ele sorriu e ela enquanto sorria se podia ler o nome Raiden em seus lábios.

Ele se aproximou de Sindel e a ajudou para que se sentasse e descesse daquela “cama”. Os dois se entreolharam e Raiden não podia conter sua alegria:

- Eu consegui...

Ela apenas sorria para Raiden, ele disse:

- Preciso te levar para um bom lugar.

Ele a agarrou pela cintura e tele transportou-se para o Sky Temple, em seu aposento. Sindel se afastou de Raiden e foi para a varanda e estava boquiaberta diante daquela paisagem deslumbrante. A lua já estava alta e sua luz iluminava toda a varanda, Raiden aproximou-se dela e perguntou:

- O que achou da vista?

- Parece um quadro feito à mão.

Raiden não parava de olha-la, ela se voltou para ele e sorrindo perguntou:

- O que houve?

- Não irão acreditar quando virem o que estou vendo.

- Kitana ficará muito feliz em me ver.

Os dois foram para o quarto. Sindel começou a observar tudo o que compunha o quarto dele, os quadros com fotos do torneio, um retrato dele com Kung Lao e Liu Kang, uma estante feita de marfim com algumas decorações, uma escrivaninha de madeira, uma cama simples e alguns tapetes dispostos no chão do quarto feito de um barbante muito raro. Ela disse:

- Admiro você por ser alguém tão importante e ter um aposento tão simples.

- Sou amante da simplicidade, como pode ver.

Ela foi em direção à cama, se sentou e passava a mão na colcha feita de cetim com alguns bordados em linho dourado. Raiden se sentou ao lado dela, deixou que sua mão encontrasse a dela, ela o olhou, ruborizou e baixou a cabeça, ele a ergueu e começou a acariciar seus cabelos. Ela segurou em seu braço e disse:

- Aquele beijo... Que você me deu naquele dia...

- Não consigo esquecê-lo.

Sindel tirou o chapéu de Raiden e colocou ao lado da cama, ele passava a mão nos cabelos dela deixando-os mais soltos, aproximou os seu rosto do dela. Sindel podia sentir a respiração dele contra a sua. Uma das mãos dele envolveu parte do pescoço e da cabeça dela, ela por sua vez não hesitou e deixou que Raiden depositasse um beijo apaixonado em seus lábios. Foi naquele local que um amor que há tanto tempo durava fora consumido, um amor que quebrou protocolos e leis, nem a morte pôde dissipá-lo.

---***---

Raiden acordou de sobressalto, ficou sentado e olhou para o lado. Onde Sindel estava? Ele começou a procura-la no banheiro e nada, abriu uma fresta da porta dos quarto e viu apenas alguns monges passando pelo corredor. Olhou para a porta da varanda e viu por algumas aberturas que sol já havia retornado, abriu a porta e a luz solar invadiu o seu quarto. Foi ao banheiro e se viu no espelho com o cabelo um pouco bagunçado, penteou-os e deixou-o soltos, enquanto escovava os dentes pensava:

- Será que tudo foi um sonho?

Ouviu uma batida na porta, lavou a boca e o rosto e os secou. Foi à porta, abriu-a e era Kung Lao:

- Raiden, eu te acordei?

- Não, eu... Já estava acordado – abriu a porta e permitiu que o shaolin entrasse.

Kung Lao notou um ar de preocupação no rosto de Raiden e perguntou:

- O que houve?

- Você viu Sindel?

- Sindel? Ela morreu no hospital, lembra?

- Mas... Ah era apenas um sonho.

Sentou-se na cama e ficou de cabeça baixa. Kung Lao sentiu o desapontamento de Raiden e disse:

- Não consegue superar a morte dela.

- Foi um sonho tão real...

- Ah antes que eu me esqueça, o senhor tem visita.

- Quem?

- Kitana.

Raiden deu um leve sorriso e disse:

- Fale a ela que não demoro, terminarei de me arrumar e já estarei lá.

Kung Lao fez uma reverência e se retirou do quarto. Raiden foi se vestir.

Kitana estava sentada em uma mureta que havia na entrada do Sky Temple olhava a paisagem, quando viu Kung Lao se levantou e ele disse:

- Ele já está vindo.

- Que bom. Olhando esse lugar lembro...

- Daquela noite em que quase aniquilamos o Plano Terreno?

- Que terrível! As vezes me culpo por ter feito tantas atrocidades.

- Não éramos nós... Estávamos sendo manipulados.

- Eu sei.

Raiden se aproximou e disse:

- Que visita ilustre, princesa.

Os dois fizeram reverência, Lao disse:

- Deixarei vocês a sós

Em seguida foi em direção a academia Wu shi. Raiden disse:

- Estou muito feliz em te ver bem.

- Obrigada. Bem... Eu quero agradecer pelo cuidado que teve com todos nós guerreiros.

- Eu queria que todos estivessem vivos, inclusive...

- Minha mãe. Eu sei... Dos seus sentimentos para com ela.

- Sentimentos? O que...

- Você a amava e tentou salvá-la.

- Mas eu não a salvei.

- Ela morreu se sentindo amada, disso eu tenho certeza.

Raiden deu um leve sorriso, Kitana continuou:

- E quero que saiba que eu te perdoei pelos seus erros. Peço perdão pelos meus erros enquanto eu era espectro.

- Não há nada que eu precise perdoar vindo de você – colocou as mãos nos ombros dela – sua mãe me pediu, antes de morrer, que eu cuidasse de você.

Kitana ficou com os olhos marejados e deixou escorrer algumas lágrimas, ele limpou o rosto da princesa com um lenço de algodão que tinha em seu bolso. Ela perguntou:

- Eu posso lhe chamar de pai?

Raiden se comoveu e abraçou, a princesa retribuiu o abraço pousou a cabeça no peito de Raiden. Ele disse com a voz embargada.

- Com certeza, filha.

Jan. 24, 2019, 8:28 p.m. 0 Report Embed Follow story
0
The End

Meet the author

Camila Gomes Cristã, paulistana, amante de astronomia, games, dublagem, cultura asiática, mestra em shippar casais errados.

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~