Feita Para O Mafioso - Série Mafiosos - Livro 1 Follow story

eeduardap_ Eduarda Pereira

Não recomendado para menores de 18 anos. Contém: Drogas, sexo, palavras de baixo calão, álcool, gravidez, agressão e morte. Sinopse: Cassidy Johnson é uma mulher confiante e segura de si mesma, determinada em tirar a escória da sociedade das ruas , uma agente temida e respeitada por muitos. Tem a vida mudada de ponta a cabeça quando decidi ela mesma ir capturar o Capo da Máfia Italiana Jonathan Maranzano, mais não será tão fácil como ela imaginava quando ele se vê louco por ela. Jonathan Maranzano sempre foi o homem do controle, o indomável, o insaciável, um homem frio e calculista que apenas de passar por uma porta já deixa todos com medo e inseguros. As únicas pessoas que conseguem o desarmar é sua mãe e sua irmã. Quando vê Cassidy pela primeira vez, logo se sente atraído pela garota na pista de dança e decide que vai te-lá de qualquer jeito em sua cama.


Romance Erotic All public.

#+18 #álcool #drogas #bebê #losangeles #Série---Mafiosos #Jonathan-Maranzano #Cassidy-Johnson #Agente #traição #gravidez #drama #romance #hot #italia #mafia #mafiosos
4
4176 VIEWS
In progress - New chapter Every Thursday
reading time
AA Share

Prólogo





CASSIDY VOCÊ VAI SE ATRASAR SE NÃO LEVANTAR! – A garota pulou da cama e caiu de cara no chão assustada com os gritos da amiga. 


- Eu já acordei. – Respondeu.  


Cassidy sempre foi uma garota excelente, mais muito durona. Foi adotada quando tinha 3 anos , apesar de ser pequena se lembrava muito bem quando viu seus pais pela primeira vez, foi um dos dias mais felizes de sua vida. Sobre os seus pais verdadeiros não sabia nada apenas que foi encontrada em frente ao prédio onde as crianças do orfanato viviam. Cassidy não tinha a menor vontade de conhecer seus verdadeiros pais pois se eles gostassem dela com certeza não há teriam abandonado. Se tinha uma coisa que Cassidy era mais durona era orgulhosa e nunca daria o braço a torcer. 


Tinha até que admitir que agradecia seus pais por ter há abandonado pois nunca seria o que é hoje, uma agente que trabalhava duro para tirar a escória do mundo da rua. Se orgulhava muito do seu trabalho e lembrava-se de quando era pequena e seu pai a levava junto dele para delegacia quando ia trabalhar.  Morou com seus pais até seus 18 anos quando resolveu sair de casa e morar com sua amiga. Agora as duas dividiam um AP em Los Angeles onde Cassidy trabalhava como policial e Jasmine era psicóloga. 


 Se levantou e caminhou em direção ao banheiro. 


Entrou no banheiro e retirou a roupa em seguida foi para o Box e ligou o chuveiro.  Se ensaboou tomando cuidado para não molhar os cabelos que estavam limpos então não viu necessidade em lavá-los.  Ficou relaxando em baixo da água por uns cinco minutos antes de desligar o chuveiro e sair do banheiro enrolada em uma toalha.  


Foi em direção ao closet e entro no mesmo olhando suas roupa. Optou por vestir uma calça jeans preta com uma camiseta cinza, que realsava bem seus seios pelo decote V, um colete jeans por cima e uma bota preta cano médio de salto alto. Fez uma maquiagem básica com um batom nude e um rimel e sai do quarto em direção a cozinha onde sua amiga estava. 


- Não sei como se arruma tão rápido, eu demoro anos para me arrumar. – Reclamou a loira fazendo Cassidy revirar os olhos. 


- Deve ser porque eu não fico me produzindo toda. Não preciso me produzir para ir trabalhar. – Respondeu tomando seu café. 


- Ah Cassidy, hoje a noite nós vamos sair para uma boate com as meninas. – Jasmine comunicou a morena que arqueou a sobrancelha. 


 - Como assim NÓS vamos? – Perguntou dando ênfase no ''nós''. – Eu não vou em lugar nenhum, eu tenho mais o que fazer. – Jasmine revirou os olhos. 


- Ah você vai sim. Você não sabe como foi difícil de conseguir esses convites, essa é a boate mais famosa de Los Angeles. – Irritou-se a loira. 


- Aposto que não foi nada difícil acordar com aquele cara que eu vi saindo ontem a noite daqui. – Olhou para a amiga que desviou o olhar. – Tudo bem. Se é tão importante para você, nós vamos hoje a noite. – Jasmine ficou surpresa e pulou em cima de Cassidy. 


- Ah! Você é demais Cassidy, eu amo você. – Disse fazendo Cassidy rir. 


 - Ok, agora me larga que eu tenho que ir trabalhar. 


- Tudo bem senhora importante. – Disse brincando, Cassidy riu e saiu do apartamento. 


 Saiu do prédio e foi para seu carro, ligou e foi em direção a delegacia. Não demorou muito para chegar já que a delegacia era à cinco quadras de sua casa. Desceu do carro e entrou na delegacia onde todos que passavam por ela à cumprimentava. 


- Chefe, que bom que a senhora chegou. Hoje nós prendemos um dos homens do Maranzano mais ele não está querendo abrir a boca. – O agente lhe entregou a pasta com os dados do homem preso. 


 Cassidy já estava farta dessa história, fazia tempos que eles tentavam prender Jonathan Maranzano e nunca conseguiam, ele era apenas um homem e eles não conseguiam prender apenas um maldito homem.  


 - Eu não acredito que nem para interrogar um homem vocês servem. – Entrou na sala do interrogatório onde o homem estava sentado em frente a uma mesa com as mãos algemadas. O homem avaliou a garota e sorriu malicioso. – Do que você está rindo? – Perguntou. 


- De você. – Cassidy arqueou a sobrancelha. – Tem um corpo lindo mais a mente muito pequena. A senhora diz que o senhor Maranzano é apenas um homem, a senhora não conhece o senhor Maranzano. Ele é perigoso e difícil de se achar. Ele é inteligente, você nunca vai prendê-lo. Ele está sempre a um passo a frente de qualquer um. Você só vai achar se ele quiser que você o encontre. – Disse sério olhando nos olhos de Cassidy. 


Cassidy sentou-se na frente do homem e abriu sua ficha. 

  

  - Olha eu sei que a sua ficha é bem grande. Homicídio, tráfico de drogas, de mulheres, de armas, roubo. - Fechou a ficha e olhou para o homem. - Porque você não me diz onde eu encontro o Maranzano e eu posso livrar você de passar o resto da vida na cadeia? - Olhou séria para o homem.


 - A fidelidade vem em primeiro lugar. A máfia Italiana é uma família e nós não entregamos a famiglia. Então até mesmo se quiser me matar eu não ligo mais eu nào vou entregar ninguém. 


Vendo que não iria ter resultados aquele interrogatório Cassidy suspirou antes de dar as costas para o homem. Saiu da sala de interrogatório e foi em direção a sua sala. Entrou, se sentou atrás da mesa e suspirou. 


- O que temos sobre Jonathan Maranzano? – Perguntou ao agente que tinha entrado atrás dela. 


- Jonathan Maranzano é o capo da máfia Italiana , eles comandam toda a Itália e os Estados Unidos. Jonathan assumiu o posto de capo ao 22 anos quando seu pai Anthony Maranzano, o antigo capo, decidiu que estava na hora de se aposentar. Ele ainda tem mais dois irmãos, Rafaella a mais nova que não se envolve muito na máfia e pouco aparece em fotos nas redes e Lorenzo o irmão mais velho. Lorenzo é atualmente o capo da máfia Russa, assumiu o lugar de seu avô por parte de mãe depois que o velho decidiu se aposentar, já comanda a Rússia a pelo menos seis anos. Jonathan trabalha com contrabando, trafico, prostituição, venda de armas, entre outras coisas. Nenhuma denuncia sobre os negócios ilegais do senhor Maranzano foi comprovada. Legalmente ele é o CO da Tecnologhy uma multinacional. Seu patrimônio legal está estimado em 900 bilhões, fora seu patrimônio ilegal. – Terminou o relatório para a chefe e a olhou. Cassidy estava em pé atrás da mesa com os braços cruzados, olhando o agente. 


- Ótimo, vocês tem até amanhã para trazer Jonathan Maranzano para mim ou eu mesma vou atrás dele. – Afirmou decidida. O agente arregalou os olhos. – Agente Connor eu quero documentos falsos para mim até o final do dia na minha mesa. – O agente assentiu e saiu da sala. – Eu vou pegar você Jonathan Maranzano, ou eu não me chamo Cassidy Johnson. 




     

                             [...]





Do outro lado da cidade em sua mansão Jonathan tomava café com sua família. Aquele momento era precioso já que Jonathan e sua irmã estavam sempre brigando e pareciam duas crianças. 


 - E então filho, como vão os negócios? – Perguntou o mais velho sentado na ponta da mesa. Por mais que agora Jonathan fosse o chefe da máfia seu pai anda era o chefe da família. 


Katherin olhou de rabo de olho para o marido.  


Ela tinha pedido para ele se aposentar depois de quase ser morto mais parece que ele nunca esquecia da máfia, sabia que era uma coisa de família e que não adiantaria tentar sair já que não era permitido mas ela não conseguia entender essa vontade dele de querer comandar. 


- Querido você prometeu que não iria se meter nisso. – Katherin disse docemente. 


- Eu apenas perguntei amor. – Jonathan achava engraçado como seu pai se derretia por sua mãe. Na rua todos o temiam e ele não abaixava a cabeça para ninguém mais poucos sabiam que quem mandava em casa era a senhora Maranzano. 


- Tá tudo correndo bem, pai. – Comunicou. 


- Bom dia família! – Lucca entrou pela porta da sala. Lucca era primo e melhor amigo de Jonathan. O loiro deu um abraço em seu tio e outro em sua tia, apertou a mão de Jonathan e se sentou ao lado de sua prima Rafaella. – Bom dia, princesa. – Beijou a bochecha da garota e a abraçou. 


- Bom dia Lucca. – Ela sorriu. 


- Então Lucca, como estão seus pais? – Perguntou Katherin. 


- Eles estão ótimos, estão felizes que irão ser avós. – Disse feliz. Katherin arregalou os olhos. 


 - OQUE? Lucca eu não acredito que você vai ser pai. – Olhou séria para o sobrinho. Rafaella abaixou o olhar e ficou apenas olhando seu prato. 


- Que? Eu não vou ser pai, a Rebecca é que vai ser mãe. – Disse assustado. Rafaella olhou para o garoto. 


- Nossa menos mal. – A mais velha soltou um suspiro.  


- O que? Qual o problema, porque a Rebecca pode ter filho e eu não? Ela é mais nova do que eu. – Perguntou indignado. 


- Lucca querido você não serve para ser pai. Você não tem maturidade para isso. – Respondeu fazendo Jonathan e Anthony rirem. – E você Anthony não ria do seu sobrinho porque você estava morrendo de medo de segurar o Lorenzo no colo quando ele nasceu. – denunciou o marido que tinha parado de rir enquanto os dois mais novos e a garota riam da bronca que o mais velho estava levando. 


- Vamos Lucca temos assuntos a tratar. – se levantou da mesa e se despediu dos pais e da irmã. 


- até mais tios, tchau princesa. -  Abraçou a garota e saiu atrás do outro que já estava do lado de fora. – Me espera seu idiota. – Lucca era o único que tinha o poder de falar aquelas palavras para Jonathan e não sair morto. 


 - Vamos dar uma volta em uma das minhas boates hoje a noite. – Avisou. 


 - Legal eu estava precisando me divertir. – Disse animado. 


 - E a Isabela? – Perguntou confuso. 


- Tá viajando para Milão enquanto isso eu vou aproveitar. – Sorriu malicioso. 


- É por isso que a mamãe disse que você não tem maturidade. – Sai deixando o outro com uma cara emburrada.





                                    


                               [...]


                                    





- Você por acaso ficou louca? - Cassidy olhou para seu pai que também era seu superior.


- Na verdade eu estou bem sã. - Debochou. - Pai você tem que entender que eu não sou mais uma garotinha que tem medo do escuro. Sou uma mulher e tomo minhas decisões. - Olhou séria para o homem que suspirou.


- Você tem razão, você já é adulta e pode tomar suas próprias decisões. - Admitiu derrota.


Cassidy sorriu.


- Você vai continuar sendo meu pai e eu vou continuar precisando de você mas esse assunto envolve meu trabalho e você sabe que eu sou capaz de resolver esse problema.


- Eu sei, foi eu mesmo que te treinei. - Cassidy balançou a cabeça negando.


- O senhor não existe. - Deu um beijo no rosto do homem. - Bom Kaleb Johnson, eu tenho certeza que esse plano para pegarmos Jonathan Maranzano vai dar certo.


TOC TOC.


- Entrem. - A porta se abriu e por ela passaram dois homens e uma mulher. - Querida essa é a sua equipe. Podem começar.


Todos se sentaram na mesa de reuniões.


- Bom agente Cassidy seu nome a partir de agora será Cassidy Ruthen , tem 24 anos e está no 3 ano de direito. Você veio de Nova Orleans e não tem família já que seus pais morreram em um acidente de carro. - Cassidy olhou para o pai que confirmou com a cabeça e voltou a olhar o agente. - Todas essas informações serão implantadas no sistema internacional e quando Jonathan tentar procurar por você essas serão as informações que ele encontrará. 


- Esses são os seus documentos. - A mulher estendeu um saco transparente com identidade, e todos os outros documentos incluindo passaporte. - O senhor Maranzano viaja muito a negócios caso você consiga se infiltrar e passar confiança nele, com certeza você irá nessas viagens. - Cassidy concordou.


- E por último mais não menos importante. - Falou o outro agente. - Você deve se livrar de qualquer contato com seus familiares e seus amigos, no primeiro momento ele vai colocar alguém para segui-lá. Por precaução fizemos também uma identidade falsa para sua amiga. - Entregou a identidade de Jasmine e mais um celular. - Esse celular serve para você se comunicar conosco, tem nossos números, mais não deixe que ele veja com quem você está falando. Agora você tem um apartamento na cobertura de um dos prédios mais famosos de Los Angeles para o caso de você não conseguir encontrar com Jonathan pode encontrar um dos seguranças ou homens de confiança que vão buscar o dinheiro do alugues todos os meses.


- Ah não esquecendo que você está em todas as redes sociais como Cassidy Ruthen. Bom é isso qualquer coisa que você precisar é só nos ligar. Essa é a senha da sua nova conta no banco onde tem 5 milhões de dolar que o seu pai liberou de uma antiga apreensão. - Cassidy arqueou a sobrancelha e olhou para o pai que deu de ombro.


- Dispensados. - Os três agentes saíram. - Tome cuidado. - Avisou preocupado.


- Eu sempre tomo. Agora me deixe ir que eu tenho uma festa para ir essa noite. - Beijou a bochecha do homem e saiu.


O caminho de volta para casa foi tranquilo e rápido. Quando chegou em casa o som estava a todo o volume e Jasmine estava fazendo chapinha em seu cabelo e com a maquiagem pronta.


- Será que tem espaço para mais uma ai na frente desse espelho. - Brincou. Jasmine soltou a chapinha e saiu pulando e gritando.


- Ai você vai sua vadia! - Pulou animada.


Cassidy sorriu.


- Vou sim, eu disse pra você que eu ia. Mais é a trabalho. - Jasmine a olhou seria.


- Como assim? - Perguntou.


- Eu preciso me infiltrar nessa boate e prender o dono dela. É arriscado e eu preciso te dizer que isso é muito serio Jasmine, eu consegui identidades falsas para nós. - Entregou a identidade da loira.


- Você quer me colocar em um plano seu? - Perguntou confusa. - Então isso quer dizer que agora eu virei uma agente secreta? - Perguntou sorrindo


- Não isso é apenas para caso precise.


- Tudo bem, e quem você vai prender? - Perguntou.


- Jonathan Maranzano.



                                    


                             [...]


                                    




- Vamos logo Jasmine antes que eu mude de ideia. - Avisou para a loira que terminava de se maquiar. 


 - Eu estou passando o meu rímel, você acha o que? Eu tenho que ficar gata pro meu boy. - Disse dramática fazendo Cassidy revirar os olhos. 


 - É melhor você já ter terminado ou vai sozinha. - Disse impaciente. 


 - Calma, to pronta. - Disse. - Como é que eu estou? - Perguntou dando uma volta. 


 - Ta uma gata. - Disse com sinceridade. Jasmine usava um vestido prata cheio de paetês que ia até as coxas e tinha as costas toda aberta, usava um salto 15 preto, os cabelos estavam soltos com cachos e uma maquiagem bem forte. 


 - E você tá uma gostosa, se eu não gostasse tanto de penis eu ti pegava agora mesmo. - Disse para Cassidy que riu das palavras da amiga. Ela usava um macaquinho estilo blazer preto com um longo decote que ia até o meio de sua barriga, um salto alto 15 Christian Louboutin nude, seus cabelos estavam em um rabo de cavalo com uns fios soltos na frente e um breve topete em cima e usava uma maquiagem fraca nos olhos sem muitos detalhes e num tom champagne com os lábios vermelhos sangue. 


 - Obrigado , mais eu espero que você não encha muito a cara e acabe na cama de um desconhecido. Apesar de eu querer muito isso mais não poder por estar indo a trabalho.- Disse dando de ombro. Jasmine soltou uma risada. 


 - Vamos lá garota. - Disse animada. 


As duas pegaram suas bolsas e saíram do apartamento trancando a porta. Pegaram o elevador e logo já estavam no térreo, foram em direção a frente do prédio e entraram no carro ônix preto de Jasmine, Cassidy optou por não ir de carro porque não sabia o que aconteceria naquela noite. Depois de uns quinze minutos no carro chegaram em frente à boate. 


 - Parece bem legal aqui. - Disse Cassidy olhando pelo vidro do carro. - Nós nunca vamos entrar aqui. - Disse apontando para a fila enorme de pessoas esperando para entrarem no local. 


 - É claro que nós vamos, eles é que não vão. - Disse retocando seu batom. Saíram do carro e foram em direção a entrada, quando Cassidy ia entrar na fila Jasmine seguiu caminho e a morena seguiu a outra. - Oi, Jake. - Cumprimentou o enorme segurança loiro e cheio de tatuagens e músculos. 


 - Eai gatinha. - Deu um abraço e um beijo na garota. - Podem passar moças. - Disse abrindo espaço para as duas. 


 - Obrigado, nos vemos no final do seu expediente. - Piscou para o cara que sorriu. 


As duas entraram na boate e logo começaram a escutar a música que estava tocando e viram as pessoas dançando e bebendo enquanto as luzes coloridas faziam seu show. Cassidy começou a se sentir animada e sorriu vendo a quantidade de homens bonitos, não era uma puta nem nada mais era solteira e gostava de um bom sexo. 


 - Vamos beber. - Disse puxando a amiga para o bar. 


 Quando chegaram no bar Cassidy se impressionou com a variedade de bebidas contendo até mesmo bebidas que nem vendiam em Los Angeles e a organização de tudo, ainda mais com a beleza dos bartenders que eram muito gostosos. Se sentaram nas cadeiras e logo chegou uma bartender para atende-las. 


 - Oi meninas, o que vão querer? - Perguntou educada. 


 - Eu vou querer um Dry Martini. - Disse Jasmine. 


 - Eu vou querer Vodka com tônica. - Disse sorrindo. A bartender assentiu e logo saiu. 


 - Gostei desse lugar. - Disse cassidy se virando e olhando a boate. 


 - É e parece que alguém gostou de você. - Olhou para a área VIP e Cassidy seguiu seu olhar encontrando olhos azuis lhe cuidando. - Parece que você já sabe onde vai acordar pela manhã. - Brincou fazendo a amiga desviar o olhar. 


 - Cala a boca. Não esquece que eu estou aqui a trabalho. - Tomou o último gole de bebida e largou o copo em cima do balcão. - Vou dançar. 


 - Você é má. - Brincou com Cassidy que sorriu e deu de ombro. - Não esqueça, há trabalho. - Gargalhou.


 Cassidy chegou no meio da pista e começava a tocar Despacito , sua música preferida do momento. Começou a dançar mexendo seu quadril e descendo até o chão até que sentiu alguém segurando forte em sua cintura fazendo a mesma se arrepiar. 


 - Você é muito linda. - Cassidy se arrepiou pela voz grossa e sedutora que falou em seu ouvido. 


 - Eu sei disso. - Disse confiante. Ele riu


 - Gosto disso, mulheres confiantes que sabem o que são e sabem o que querem. - Disse enquanto acariciava a cintura da garota. 


 - Isso é bom. - Sorriu e se virou encontrando o dono dos olhos azuis mais lindo. - Sabe azul é a minha cor favorita. - Disse.


 Ele sorriu de lado e a puxou pela cintura colando o corpo dos dois, Cassidy sentiu o ar faltar em seus pulmões. Ela enroscou os braços no pescoço dele e ele segurou o rosto dela e a puxou para um beijo quente. 


O beijo era intenso, cheio de língua. Cassidy sentia como se estivesse fora de órbita, nunca tinha sentido aquilo, ele também sentia a mesma coisa. Os dois já estavam ficando excitados, era um calor fora do normal, ele já estava duro como uma rocha e começou a roçar nela fazendo com que a mesma ficasse mais molhada do que já estava quando ele a agarrou pela cintura. Se separaram depois de alguns minutos por falta de ar. 


Cassidy já havia se esquecido que tinha ido ao lugar a trabalho. Mais o trabalho que se danasse, ela queria curtir a noite.


 - Vem comigo. - Segurou Cassidy pela mão e a puxou em direção a área VIP , o segurança que estava na subida das escadas cumprimentou o homem com a cabeça e deu passagem para os dois subirem. 


 Na área VIP era tudo chique. Sofás de couro encostados na parede com um baita  tapete de pelo de algum animal morto , supôs Cassidy, em frente para o enorme espaço onde tinha um poli-dance e logo ao lado um bar, no outro lado da sala a parede era de vidro e a vista dava para observar toda a boate. 


 - O que você vai querer? - Perguntou apontando para o garçom. 


 - Vodka. - Cassidy respondeu. 


 O homem assentiu e chamou o garçom fez o pedido e o outro logo saiu, ele se sentou em um sofá com um copo de Whisky e entregou o copo de Cassidy a puxando para se sentar em seu colo. Ela se sentou de lado no colo do homem e ele bebeu seu Whisky enquanto acariciava as pernas de Cassidy, a mesma acariciava os cabelos do homem que parecia gostar do carinho. 


 - Desde que eu vi você no bar já sabia o que eu queria essa noite. Passa a noite comigo? - Perguntou. Ela fez que sim com a cabeça e beijou ele. - Vamos sair daqui. 


Ela se levantou e ele também a pegou pela mão e desceram as escadas da área VIP. Andaram no meio da multidão de pessoas com os corpos suados em direção da saída do local e saíram da festa. Do lado de fora várias pessoas ainda estavam esperando para entrarem, os seguranças acenaram para o homem que continuou caminhando com Cassidy em direção a uma ferrari que estava estacionada na frente da boate. 


Ele destravou as portas e os dois entraram e o carro deu partida para longe do local. Cassidy não fazia ideia de onde os dois iam. Ele passava a mão pela coxa de Cassidy apertando a mesma. A garota mordeu os lábios , o clima já estava esquentando dentro do veículo. Cassidy decidiu esquentar um pouco mais as coisas e se aproximou dele beijando seu pescoço enquanto sua mão ia de encontro com a calça do homem que já estava quase explodindo pelo jeito que ele estava excitado. 


 - Não provoca, se não for cumprir. - Disse ele avisando.


 - E quem disse que eu não vou cumprir. - Ela disse sedutora mordendo a orelha dele. Ele rosnou. 


 Depois de mais alguns minutos eles chegaram em frente de uma enorme mansão. Desceram do carro e ele atirou as chaves do carro para um enorme segurança que estava em frente da porta. Entraram e Cassidy ficou impressionada com a mansão por dentro, nem que trabalhasse pelo resto da sua vida conseguiria comprar uma casa daquelas, isso que ganhava muito bem. 


Ele a abraçou por trás colando sua ereção na bunda dela e beijando seu pescoço fazendo Cassidy soltar um gemido. Virou ela de frente e a puxou para seu colo. Ela passou as pernas torneadas por volta da cintura dele, tendo um contato maior com a ereção dele, e ele subiu as enormes escadas para o andar de cima da mansão. 


Quando chegaram no andar de cima ele andou com ela no colo até um dos quartos e entrou fechando a porta do mesmo. Caminhou até a cama e deitou a garota na mesma se deitando por cima dela. 


Começaram a se beijar como se não houvesse amanhã. Ele tirou o macacão dela dando visão para os seios pequenos porem que cabiam muito bem em suas enormes mãos. Ela usava uma calcinha rendada. Enquanto ele sugava os seio direito desceu sua mão em direção a calcinha dela e enfiou a mão por dentro fazendo Cassidy soltar um gemido. Ele começou a brincar com a intimidade ela fazendo a mesma gemer alto. Não estava nem ai pro mundo, queria apenas que ele se enfiasse dentro dela de uma vez. 


Cassidy vendo que seu acompanhante estava ainda com muita roupa empurrou ele e subiu por cima do mesmo sentando em cima de seu colo. Retirou o blazer e a camisa que o mesmo usava e acariciou os músculos do homem, a barriga tanquinho com seis gomos fez Cassidy salivar, ela retirou a calça , os sapatos e por fim a cueca dele. A visão daquele membro grosso, grande e ereto bem na sua frente fez sua boca salivar mais uma vez e sua intimidade encharcar. Deslizou a mão pelo comprimento fazendo movimentos de vai e vem para cima e para baixo. O homem começou a suspirar e soltou um rugido quando Cassidy abocanhou o enorme membro enfiando tudo o que podia dentro da boca. 


 - Você é muito gostosa. - Disse segurando os cabelos da garota enquanto fodia sua boca. 


 Depois de alguns minutos o homem gozou e quando foi puxar a cabeça de Cassidy para que ela não engolisse seu gozo, sabia que muitas mulheres não engoliam por ter nojo, ficou surpreso quando ela fez questão de não levantar e engolir todo o gozo dele e lamber o que restou pelo seu membro. Ela se levantou e ele arrumou os cabelos dela sorrindo. Ele a puxou e a deitou na cama , tirou a calcinha dela e começou a chupar a intimidade de Cassidy fazendo a mesma que contorcer igual uma louca. Cassidy tinha que admitir, o homem sabia o que estava fazendo. Depois de um tempo Cassidy gozou surpreendendo ela mesma, nunca tinha gozado com um oral. O homem bebeu todo o mel da garota se deliciando. Subiu em cima dela novamente e entrou dentro dela sem se importar com qualquer tipo de proteção. Era um vai e vem que a cabeceira da cama batia fortemente na parede. Depois de um tempo Cassidy inverteu a posição subindo em cima dele e começou a cavalgar sobre o homem como uma amazona. Minutos depois Cassidy gozou fortemente caindo sobre o homem que segurou a garota pela cintura e deu mais algumas estocadas antes de gozar forte soltando um urro. 


 - Sabe eu não me importaria nem um pouco com mais uma rodada. - Disse ele com um sorriso safado enquanto acariciava as costas dela. Ela soltou uma gargalhada. 


 - Também não me importo. - Disse ela. Ele inverteu a posição dos dois e ficou por cima a penetrando novamente. 


 Depois daquela ainda transaram mais três vezes durante a noite. Como já estava amanhecendo Cassidy nem se importou de dormir na cama do estranho já que estava tão cansada. 


Pela manhã os raios de sol entravam pela janela da suíte. Cassidy abriu os olhos e olhou e tentou se lembrar de alguma coisa. De repente na sua cabeça começaram a passar várias imagens da noite anterior fazendo ela ficar corada. Ela tentou se levantar mais estava presa então viu o braço musculoso a agarrando pela cintura. Tirou com todo cuidado do mundo o braço de cima de si e saiu da cama, olhou para o homem que dormia serenamente esparramado sobre a enorme cama e sorriu. Olhou em volta do quarto e pegou suas roupas vestiu as mesmas, pegou seu salto na mão e saiu do quarto tentando fazer o mínimo barulho possível. Andava pelo corredor pé por pé tentando achar a escada que dava para o andar de baixo quando escutou alguém falar. 


 - Posso saber quem é você e onde pensa que vai? - Perguntou a voz feminina fazendo Cassidy tomar um susto.




Dec. 13, 2018, 5:10 p.m. 1 Report Embed 0
To be continued... New chapter Every Thursday.

Meet the author

Comment something

Post!
Felipe Souza Felipe Souza
Adorei o capítulo. Muito caliente 😍
Dec. 18, 2018, 4:18 p.m.
~