O Carnaval de um poeta triste Follow story

sweet-mary Mary

É carnaval na cidade, as ruas estão repletas de cores, músicas e pessoas felizes. É carnaval. Mesmo para aqueles que não gostam dos festejos, há sempre alternativas para se divertir, basta ter uma mente criativa e um coração aberto para reconhecer que embora não goste de samba nem da agitação dos blocos, pode sim fazer o próprio carnaval, mas o que digo ao poeta triste que está no meio da muvuca e não está perdido geograficamente, antes fosse, o que dizer a ele?


Memoir & Life Stories All public.

#coração-partido #solidão #carnaval #escritora-mary #prosa-poética
Short tale
0
1510 VIEWS
In progress
reading time
AA Share

O Carnaval de um poeta triste

Corpos em festa, ruas coloridas, música alta tocando em todos os cantos, como é que alguém se atreve a ser triste?

Sim, é uma provocação!

Como alguém pode chorar em silêncio quando o país todo festeja por dias a folga?

Será que esse alguém é um país em particular e não está alinhado aos interesses desse grandão que dita todas as regras?

Será que esse pobre poeta solitário está apenas pensando em tudo que ninguém pensa nesses dias todos?

Quem pensa também chora em silêncio. As lágrimas podem ser apenas simbólicas, uma vez que quando vertem pelo lado de dentro refletem-se naquele isolamento o qual também é um jeito de ser notado, mas ninguém o faz, ninguém quer se aproximar.

Ele é diferente e a estranheza que isso causa é sem tamanho, irremediável. A caravana passa e o ignora. Amores breves nascem e morrem em um beijo. E ele ali. Uma peça fundamental. Observador em potencial, desatento demais para ser encontrado pelo amor.

Absteve-se de certezas porque não queria agarrar-se a nada que lhe fosse tirado com ira.

Ele ensimesmou-se depois de sucessivas decepções, tentou aprender a fugir das expectativas, embora elas sempre o perseguissem, trazendo aquela alegria que ele tanto queria resgatar, a alegria que essa festa não tem para ele porque as músicas que tocam não são suficientemente instigantes para uma dança mais aberta, sensual, convidativa. É apenas um incômodo barulho, um tom rosa demais para seu gosto.

O vermelho até que cai bem, é cor de sangue, de dor, conexão com o coração partido que ainda bate, inclemente, cumprindo um ritual sufocante de resistência.

Ele pensou que estivesse pronto para ser homem, para afirmar que nada o abateria, mas não é assim que interpreta a profundidade de seus versos, aqueles que alguns passam os olhos e desprezam, porque entendem que se ele não é famoso, de nada vale ser autor.

Outros simplesmente passam os olhos, meneiam positivamente a cabeça e não mergulham nas possibilidades ali vividas, tão bem grifadas, bem sentidas, quase celestiais, porque dor é vida, até certos limites.

Refém da insatisfação, do muito que ainda é pouco, do que é e não basta.

Onde é a festa? Onde está?

March 4, 2019, 2:22 a.m. 0 Report Embed 0
To be continued...

Meet the author

Mary Curitibana, futura jornalista, escritora em constante progresso, escorpiana com ascendente e lua em peixes. Apaixonada por todas as singelezas da natureza, onde se encontra o olhar compassivo de Deus. Em matéria de livros, filmes e músicas, minha lista tende a crescer, mas sempre há aqueles que têm um espacinho especial no meu coração. Prazer, eu sou a Mary.

Comment something

Post!
No comments yet. Be the first to say something!
~